Eutrofização

O aumento da produtividade dos ecossistemas aquáticos é chamado de eutrofização. Esse processo é caracterizado pelo aumento dos nutrientes e causam diversas alterações ambientais.

A eutrofização ocorre nos ecossistemas aquáticos e é um processo natural e lento, caracterizado pelo aumento de matéria orgânica na água. Entretanto, as atividades humanas podem contaminar corpos d’água e influenciar o processo de eutrofização, causando vários impactos ambientais e prejudicando a biodiversidade de espécies aquáticas. A seguir, confira o que é a eutrofização, como ela ocorre e quais as suas consequências.

O que é a eutrofização

Também chamada de eutrofização, a eutrofização (do grego: eutrophos, bem nutrido) é um processo que ocorre nos ambientes aquáticos e se caracteriza pelo aumento de nutrientes, principalmente fósforo e nitrogênio. Isso favorece o desenvolvimento de microrganismos, como as algas, causando o aumento da produtividade do ecossistema.

Esse é um processo natural que ocorre de tempos em tempos nos ambientes aquáticos, ou seja, é lento e espontâneo. Entretanto, as ações antrópicas podem favorecer o acúmulo de nutrientes na água, causando a eutrofização artificial ou cultural. Veja, abaixo, as diferenças entre os tipos de eutrofização:

  • Eutrofização natural: processo natural e lento, caracterizado pelo aumento da produtividade do ambiente aquático, devido a maior disponibilidade de matéria orgânica;
  • Eutrofização artificial ou cultural: ocorre de forma rápida e é influenciada pelas atividades humanas. Esse processo também consiste no aumento de matéria orgânica, porém causa diversos problemas ambientais por conta do desenvolvimento excessivo das espécies fitoplanctônicas.

A eutrofização artificial é um importante problema ambiental, porque resulta em diversos impactos para os seres vivos. Continue a leitura para entender como ela ocorre e quais as suas consequências.

Como ocorre a eutrofização

Tanto a eutrofização natural quanto a artificial possuem as mesmas etapas de formação. A diferença entre elas está no tempo em que os eventos ocorrem. A do tipo natural é lenta e pode demorar centenas de anos para ocorrer, enquanto a artificial ocorre de maneira muito mais rápida. Veja, abaixo, as etapas desse processo:

  1. Aumento de matéria orgânica: maiores quantidades de fósforo e nitrogênio na água;
  2. Proliferação do fitoplâncton: as algas se favorecem com a disponibilidade de nutrientes e se desenvolvem mais rapidamente, aumentando a sua densidade populacional;
  3. Falta de luz: a intensa proliferação do fitoplâncton, ou seja, as florações formam uma manta verde na superfície do corpo d’água, bloqueando a entrada de luz;
  4. Morte das plantas e algas de fundo: sem a passagem de luz, as plantas e as algas localizadas no fundo dos ambientes aquáticos acabam morrendo porque não conseguem fazer a fotossíntese;
  5. Proliferação de decompositores aeróbicos: fungos e bactérias decompõem a matéria orgânica das plantas e algas mortas. Para isso, esses seres decompositores precisam consumir oxigênio para realizar a sua função;
  6. Redução de oxigênio dissolvido: a ação dos decompositores resulta no aumento da demanda bioquímica de oxigênio (DBO), fazendo com que grande parte do oxigênio disponível na água seja consumido;
  7. Morte de animais: os peixes e outros animais que dependem do oxigênio para sobreviver acabam morrendo;
  8. Proliferação de decompositores anaeróbicos: nesse momento, o ambiente está anóxico, pois não contém oxigênio disponível em nenhuma de suas formas (livre ou combinada). Isso favorece o desenvolvimento de decompositores anaeróbicos que liberam diferentes gases na água, causando um forte odor.

Essas etapas ocorrem de forma sequencial, mas também não é obrigatório seguir esses passos para ocorrer a eutrofização. Por exemplo, a proliferação de decompores aeróbicos e aumento da DBO podem ocorrer logo que abundantes quantidades de nutrientes entram na água. Além disso, vale lembrar que a eutrofização é intensificada pela temperatura da água. Então, em temperaturas elevadas, esse processo pode acontecer de forma precoce e ainda mais rápido.

Consequências

Como falado anteriormente, a eutrofização artificial é causada por ações humanas. Por exemplo, o descarte de resíduos orgânicos na água, como o esgoto industrial ou doméstico, a utilização de fertilizantes e agrotóxicos que podem ser carregados dos solos pela chuva e contaminam rios, lagos e até mesmo os lençóis freáticos. Veja, abaixo, os principais impactos que esse processo causam ao meio ambiente:

  • Causa a anóxia dos ambientes aquáticos, causando a morte de vários seres vivos e influenciando na perda de biodiversidade;
  • Favorece o desenvolvimento de florações de algas, como, por exemplo, as cianobactérias, que liberam substâncias tóxicas para os animais, incluindo os seres humanos;
  • Ocorre as alterações na cor, transparência, sabor, pH e odor da água;
  • Restringe o uso de lagos e rios eutrofizados para o turismo, recreação e paisagismo
  • Gera um impacto econômico, pois com o tratamento de água de um ambiente eutrofizado possui alto custo.

Além desses impactos, é importante lembrar que muitas cidades não possuem o saneamento básico e acabam descartando dejetos em corpos d’água. Isso causa não só a eutrofização, mas como também favorece o desenvolvimento de várias doenças.

Como evitar a eutrofização

A principal maneira de evitar que ambientes aquáticos fiquem eutrofizados é criar medidas preventivas que busquem reduzir ou até mesmo parar o despejo de matéria orgânica nos corpos d’água. Para isso seria importante fazer um controle rigoroso do esgoto doméstico e industrial e diminuir o uso de agrotóxicos, pesticidas e fertilizantes.

Além disso, algumas medidas corretivas podem ser aplicadas aos ambientes eutrofizados para tentar recuperar aquele local. Esse processo demanda tempo e muito investimento, pois utiliza reagentes para tentar diminuir a disponibilidade de fósforo e nitrogênio na água.

Vídeos sobre eutrofização

Veja os vídeos abaixo para ajudar no entendimento do conteúdo estudado e ampliar ainda mais os seus conhecimentos:

Revisão sobre eutrofização

Como mencionado ao longo do texto, a eutrofização é um processo natural, mas na maioria das vezes ocorre por conta da ação antrópica. Confira, no vídeo, a explicação da bióloga Anelize sobre esse processo e entenda como a proliferação dos microrganismos podem prejudicar todo o ecossistema aquático.

Etapas da eutrofização

Nessa aula, o professor Guilherme explica as etapas da eutrofização das águas. Esse processo é caracterizado pelo aumento excessivo dos nutrientes no meio aquático e causa diversas consequência para todos os seres vivos. Assista o vídeo para revisar o conteúdo estudado e sanar as possíveis dúvidas.

Questão resolvida sobre eutrofização

A ecologia e os impactos ambientais causados pelos seres humanos são assuntos frequentemente cobrados em provas como o ENEM e vestibulares. Então, veja o vídeo do professor Angelo Vieira para ver como o assunto estudado é cobrado nas questões de provas importantes. Tente resolver a questão e depois confira a explicação do professor sobre cada alternativa.

A eutrofização é caracterizada pelo aumento de matéria orgânica disponível na água. Esse é um processo natural dos ecossistemas aquáticos, mas quando é influenciada pela ação humana, ela causa diversos impactos ambientais. Aproveite e continue estudando sobre ecologia e entenda como ocorre o ciclo do fósforo.

Referências

A economia da natureza – Robert Ricklefs & Rick Relyea (2017)

Limnologia – José Galizia Tundisi & Takako Matsumura Tundisi (2008)

Naomi Tanaka
Por Naomi Tanaka

Sou bióloga formada pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) com experiência em pesquisas acadêmicas na área da ecologia ambiental. Apaixonada pelas plantas e animais, busco simplificar conceitos científicos por meio da divulgação científica.

Como referenciar este conteúdo

Tanaka, Naomi. Eutrofização. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/eutrofizacao. Acesso em: 21 de November de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [ENEM]

O despejo de dejetos de esgotos domésticos e industriais vem causando sérios problemas aos rios brasileiros. Esses poluentes são ricos em substâncias que contribuem para a eutrofização de ecossistemas, que é um enriquecimento da água por nutrientes, o que provoca um grande crescimento bacteriano e, por fim, pode promover escassez de oxigênio.

Uma maneira de evitar a diminuição da concentração de oxigênio no ambiente é:

a) Aquecer as águas dos rios para aumentar a velocidade de decomposição dos dejetos.

b) Retirar do esgoto os materiais ricos em nutrientes para diminuir a sua concentração nos rios.

c) Adicionar bactérias anaeróbicas às águas dos rios para que elas sobrevivam mesmo sem oxigênio.

d) Substituir produtos não degradáveis por biodegradáveis para que as bactérias possam utilizar os nutrientes.

e) Aumentar a solubilidade dos dejetos no esgoto para que os nutrientes fiquem mais acessíveis às bactérias.

A alternativa correta é b) Retirar do esgoto os materiais ricos em nutrientes para diminuir a sua concentração nos rios.

A principal forma de evitar a eutrofização é diminuir a quantidade de matéria orgânica lançada nos corpos d’água. Por isso o saneamento básico é tão importante, pois ele evitará que dejetos sejam descartados na água.

2. [PUC- RIO]

No processo de eutrofização de águas, pode ser encontrado o seguinte fenômeno:

a) grande mortandade de peixes.

b) suprimento escasso de nutrientes na água.

c) diminuição das taxas de decomposição bacteriana.

d) aumento da concentração de oxigênio na coluna de água.

e) diminuição da concentração de matéria orgânica.

A alternativa correta é a) grande mortandade de peixes.

Em ambientes eutrofizados, ocorre a ausência de oxigênio em todas as suas formas (livre e combinada). Ou seja, o ambiente se torna anóxico, isso resulta em uma grande mortalidade de peixes e outros animais dependentes de oxigênio.

Compartilhe

TOPO