Biodiversidade

Biodiversidade é a variação dos seres vivos existentes no planeta. O Brasil é o país com a maior biodiversidade no mundo.

O termo biodiversidade foi criado no ano de 1985, passando a ser conhecida somente após apresentação de relatório do entomologista E. O. Wilson.

Trata-se da diversidade de formas de vida que podemos encontrar nos ecossistemas existentes no planeta terra, envolvendo não apenas a variação dos organismos em um determinado ambiente, mas até mesmo dentro das espécies existentes.

O termo “biodiversidade” teve sua definição mais popular desenvolvida durante a Convenção sobre a Diversidade Biológica:

“A variabilidade de organismos vivos de todas as origens; compreendendo, dentre outros, os ecossistemas terrestres, marinhos e outros ecossistemas aquáticos e os complexos ecológicos de que fazem parte; compreendendo ainda a diversidade dentro de espécies, entre espécies e de ecossistemas”.

Níveis de biodiversidade

Para facilitar os estudos, a biodiversidade foi dividida em três grupos distintos, que serão explanados nos tópicos a seguir.

Diversidade de espécies: os cinco grande reinos

A diversidade de espécies, como o nome sugere, refere-se à grande quantidade de espécies existentes no planeta, incluindo desde os organismos mais simples aos mais complexos.

Para facilitar os estudos deste nível de biodiversidade, os biólogos separaram os seres vivos em cinco grandes reinos, usando como critério as características internas e externas e o grau de parentesco existente entre eles.

São os cinco grandes reinos: monera, protista, fungi, plantae e animalia.

Monera: o reino monera é composto por seres unicelulares e procarióticos, que habitam diversos ambientes e são decompositores. Envolvem as bactérias, arqueobactérias e as cianobactérias.

Algumas dessas, inclusive, são usadas em indústrias de produção de alimentos, como é o caso dos lactobacilos, usados para a produção de iogurtes, e o acetobacter, usado para a produção do vinagre.

Além disso, outros benefícios encontrados na utilização desses seres no nosso dia a dia é no tratamento de esgoto, objetivando diminuir a quantidade de matéria orgânica presente na água.

Algumas espécies do reino monera são parasitas e causam doenças como a tuberculose, a meningite, entre outras.

Protista: no reino protista, encontramos as algas unicelulares e os protozoários. São seres eucarióticos, heterotróficos, unicelulares e, em sua maioria, aquáticos.

Neste grupo, encontramos parasitas humanos que causam doenças, como é o caso da toxoplasmose, da leishmaniose, da giardíase e da amebíase.

Fungi: os seres pertencentes ao reino fungi são os fungos, que são eucarióticos, heterotróficos e podem ser unicelulares ou pluricelulares.

Alguns fungos são usados na indústria de alimentos para a fabricação de pães, queijos e bebidas alcoólicas e outros, inclusive, podem ser usados como alimentos, como alguns dos cogumelos.

Ademais, alguns fungos sãos também podem trazer problemas para a vida humana, como a micose, por exemplo. Algumas espécies pertencentes ao reino fungi são parasitas de plantas, degradando seu desenvolvimento.

Animalia: no reino animalia, encontramos os animais, que podem ser terrestres ou aquáticos, e são classificados como vertebrados ou invertebrados. São eucarióticos, heterotróficos e pluricelulares.

Esse reino conta com mais de um milhão de espécies, e apresentam grande variabilidade de características. Existe a classificação de filos em cordados, equinodermos, artrópodes, anelídeos, moluscos, nematódeos, platelmintos, cnidários e poríferos.

Plantae: o reino plantae, por sua vez, é composto pelas plantas e pelas algas pluricelulares. Trata-se de seres eucarióticos, pluricelulares e autótrofos, ou seja, que produzem seu próprio alimento através da fotossíntese.

As plantas e algas pluricelulares podem ser encontradas em ambientes aquáticos e terrestres e não são capazes de se locomover.

Diversidade genética

Entendemos com diversidade genética a variação no grau de genes dentro de uma espécie, independentemente de ser animal ou vegetal.

No estudo da biodiversidade, a diversidade genética é importante para manter a as espécies existentes no planeta e para que as populações consigam se adaptar ao meio ambiente.

Diferentes espécies de macacos, por exemplo, apresentam características diferentes, que são adaptações para viver em ambientes distintos.

Diversidade de ecossistemas

A diversidade de ecossistemas, por sua vez, estuda a grande variação de ecossistemas que encontramos no mundo. Nestes, as espécies habitam e interagem e encontram formas de sobreviver.

Chamamos de ecossistema os conjuntos distintos de comunidades que habitam um determinado ambiente, convivendo e interagindo. Eles podem ser terrestres ou aquáticos.

Biodiversidade no Brasil

iStock

Com 8,5 milhões km², o Brasil abrange diversas zonas climáticas que acarretam na existência de variações ecológicas bastante significativas em toda a sua extensão.

Com a maior biodiversidade do mundo, o Brasil possui em seu território mais de 20% das espécies conhecidas que habitam o planeta.

Encontram-se no Brasil aproximadamente 5 mil espécies de fungos filamentosos e leveduras, além de 22% da diversidade de briófitas do mundo.

No país considerado da megadiversidade, encontramos a fauna mais rica de todo o planeta para o grupo dos anfíbios, e vivem aproximadamente 1800 espécies de aves e 650 espécies de mamíferos.

Na Amazônia, parte do território brasileiro, encontra-se a maior biodiversidade do mundo e estudiosos acreditam que existem diversas espécies que ainda sequer foram descobertas.

Ademais, vale destacar que a maioria das espécies que podem ser encontradas na região da Amazônia são endêmicas, o que significa que somente são encontradas nessa localidade.

Quais são as ameaças à biodiversidade?

Dentre as principais ameaças à biodiversidade, podemos citar a interferência do ser humano na natureza. Isso porque esse tópico envolve a poluição, a expansão urbana e das áreas agrícolas e o uso excessivo dos recursos naturais.

Estima-se que, anualmente, o ser humano desmata cerca de 17 milhões de hectares de florestas tropicais, levando diversas espécies à extinção.

Um fator significativo que vem degradando a biodiversidade e o meio ambiente é a poluição nas águas e nas terras, que acabam deteriorando o ambiente em que os seres vivos habitam.

O assunto envolve muitos detalhes importantes, e são muitas as ameaças existentes atualmente que acabam levando à extinção de espécies e ao declínio da biodiversidade no mundo.

Declínio da biodiversidade

O vídeo trata das principais causas do declínio da biodiversidade, trazendo dados e informações de estudiosos do assunto.

Pré-sal e a biodiversidade marinha brasileira

Neste vídeo, são apresentadas informações quanto ao pré-sal, os acidentes biológicos de petróleo e a consequente perda da biodiversidade marinha.

É de suma importância que o Brasil e o mundo passem a se preocupar de forma mais efetiva com a perda da biodiversidade, aumentando pesquisas e projetos que envolvam o melhor aproveitamento da biodiversidade mundial.

A redução da biodiversidade causa danos irreversíveis à sustentabilidade do meio ambiente e à disponibilidade de recursos naturais que comprometem a existência, inclusive da vida humana no planeta Terra.

Referências

Ministério do Meio Ambiente – Biodiversidade Brasileira

WWF – O que é biodiversidade?

Recursos Naturais e Biodiversidade – Preservação e Conservação dos Ecossistemas – Rindo Pereira Barbosa e Viviane Japiassú Viana

Por Natália Petrin
Exercícios resolvidos

1. [UFPI]

Preservar a biodiversidade constitui uma das condições básicas para manter os ambientes sadios no nosso planeta. Essa afirmação refere-se a uma preocupação:

a) mundial, porque as espécies levaram milhões de anos para se desenvolverem e muitas delas podem desaparecer do mundo em poucas décadas, se a poluição e o desmatamento indiscriminado tiverem continuidade.

b) regional, porque o desaparecimento de espécies de animais pode ser responsável por problemas alimentares e pelo aumento de pragas, pela ruptura da cadeia alimentar, em algumas regiões do mundo.

c) apenas para os Estados Unidos e países da Europa que já destruíram quase totalmente suas florestas, por terem desenvolvido seu setor industrial há muito tempo.

d) apenas para países e regiões que se organizaram politicamente em espaços áridos ou semiáridos, como a Namíbia e o Nordeste do Brasil, que dependem do pouco que resta de seus ecossistemas.

e) apenas para países que utilizam uma tecnologia altamente desenvolvida, que precisam de organismos vivos como fonte original dos princípios ativos.

A

2. [ENEM]

Sobre a biodiversidade brasileira é INCORRETO afirmar que:

a) O Brasil detém a maior biodiversidade do planeta, abrigando 15% de todas as espécies conhecidas no mundo.

b) O país é um dos principais alvos da biopirataria, fato que contribui para a redução da biodiversidade nacional.

c) Várias espécies de orquídeas, plantas, mamíferos, anfíbios, aves, répteis, entre outros organismos podem ser encontrados no território brasileiro.

d) A atividade econômica no Brasil não reduz a biodiversidade, visto que ela ocorre de forma sustentável, ou seja, não agride o meio ambiente.

e) A variedade de climas no Brasil proporciona a adaptação de diferentes espécies da fauna e flora.

D

Compartilhe nas redes sociais

TOPO