Maré vermelha

A maré vermelha é um fenômeno natural que pode trazer muitos problemas ao meio ambiente e à saúde humana. Confira, abaixo, as causas e consequências do fenômeno.

Imagem: Reprodução
Imagem: Reprodução

Chamamos de Maré Vermelha um fenômeno natural que pode acontecer em qualquer mar ao redor do planeta, e quando acontece pode ser observado a olho nu, provocado por um desequilíbrio ecológico na proliferação de algumas algas dinoflageladas que são tóxicas, principalmente as Gonyaulax catenella. Algumas dessas algas causadoras do fenômeno tem coloração vermelha, mas o nome que recebeu não condiz com o fato já que a coloração da água pode variar. As manchas podem ser de cor vermelha, laranja, marrom ou amarela e são vistas na superfície da água. Apesar de ser visível, o fenômeno não é muito comum, já que em geral essas plantas ficam em profundidades maiores. Ele acontece principalmente quando há mudanças de temperatura, despejo de esgoto no mar ou alteração na salinidade, fazendo com que se multipliquem de forma mais rápida e subam para a superfície, causando o fenômeno.

Dinoflagelados

As algas dinoflageladas são pertencentes ao grupo das pirrófitas, ou Pyrrophyta, que vem do grego e significa planta cor de fogo, em tradução livre. Unicelulares e microscópicas, essas algas possuem dois flagelos diferenciados que são orientados segundo o eixo da célula e rodeando-a. Esse que a rodeia, transversal, é o que fornece a possibilidade de locomoção, e possui, normalmente, formato semelhante ao de uma hélice. Com reprodução assexuada por simples divisão ou sexuada por formação de gametas, essas algas podem se proliferar em um ambiente em decorrência de diversos fatores, já mencionados anteriormente.

Os microrganismos que causam a maré vermelha estão presentes no oceano em grandes quantidades, normalmente em águas mais quentes e com teor mais alto de salinidade. A proliferação súbita faz com que a concentração aumente para em torno de 50.000.000 por litro, acumulando-se e causando o fenômeno que chama tanto a atenção de biólogos e estudiosos do assunto.

Quais as consequências?

O fenômeno traz consequências sérias para o meio ambiente, já que as algas liberam toxinas que acabam matando mariscos, peixes e elementos diversos da fauna marinha ao redor do local afetado. Além disso, os animais que forem contaminados pelas toxinas liberadas tornam-se impróprios para o consumo humano, já que podem causar dormência na boca, problemas respiratórios e respiratórios, diarreia, problemas gastrointestinais, aceleração dos batimentos cardíacos, fraqueza muscular, desequilíbrio, paralisia do corpo, dores nas articulações, vertigens, dificuldades para falar e engolir, sede intensa, aumento na produção de saliva, dores de cabeça e até mesmo levar o indivíduo a óbito.

Com isso, há uma diminuição da atividade pesqueira para prevenir a intoxicação, trazendo problemas até mesmo para a economia local, além de a área ficar imprópria para o banho, diminuindo a atividade do turismo nas regiões afetadas. Alguns moluscos, entretanto, não são afetados de forma direta – podem não morrer em decorrência da substância tóxica -, mas por absorverem a substância, podem acumular as algas em seu corpo e intoxicar ainda outros animais que dela se alimentam, como pássaros, mamíferos marinhos e pessoas. As algas liberam várias toxinas, e uma delas é a saxitoxina, hidrossolúvel que pode atacar o sistema nervoso humano, caracterizada, portanto, como uma neurotoxina. Outra consequência do fenômeno é a falta da luminosidade no mar, já que as manchas impedem a luz do sol de adentrar no oceano, diminuindo a oxigenação das águas e comprometendo ainda mais a fauna do mar.

Como resolver o problema?

Não se sabe ainda exatamente como controlar as marés vermelhas, mas existem formas de controlar alguns dos fatores que fazem com que ela aconteça mais facilmente, como o despejo de esgoto nos oceanos, uso de fertilizantes químicos e pesticidas, evitar que o lixo industrial chegue ao mar, entre outros fatores. A luta pela manutenção do meio ambiente, assim como a correta eliminação de nossos lixos já seria um grande passo na prevenção desse fenômeno.

Referências

http://www.fmv.ulisboa.pt/spcv/PDF/pdf3_2004/549_03_18.pdf
ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/texto_tecnico_Barbieri.pdf

Por Natália Petrin
Como referenciar este conteúdo

Petrin, Natália. Maré vermelha. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/mare-vermelha. Acesso em: 20 de September de 2021.

Teste seu conhecimento

01. [Unesp] “Maré vermelha deixa litoral em alerta.”
Uma mancha escura formada por um fenômeno conhecido como “maré vermelha”, cobriu ontem uma parte do canal de São Sebastião […] e pode provocar a morte em massa de peixes. A Secretaria de Meio Ambiente de São Sebastião entrou em estado de alerta. O risco para o homem está no consumo de ostras e moluscos contaminados.
(Jornal “Vale Paraibano”, 01.02.2003.)
A maré vermelha é causada por
a) proliferação de algas macroscópicas do grupo das rodófitas, tóxicas para consumo pelo homem ou pela fauna marinha.
b) proliferação de bactérias que apresentam em seu hialoplasma o pigmento vermelho ficoeritrina. As toxinas produzidas por essas bactérias afetam a fauna circunvizinha.
c) crescimento de fungos sobre material orgânico em suspensão, material este proveniente de esgotos lançados ao mar nas regiões das grandes cidades litorâneas.
d) proliferação de líquens, que são associações entre algas unicelulares componentes do fitoplâncton e fungos. O termo maré vermelha decorre da produção de pigmentos pelas algas marinhas associadas ao fungo.
e) explosão populacional de algas unicelulares do grupo das pirrófitas, componentes do fitoplâncton. A liberação de toxinas afeta a fauna circunvizinha.

02. [FEI-SP] – O fenômeno conhecido por “maré vermelha”, em que, geralmente, ocorre uma mortandade de peixes, de gaivotas e de outros animais, é causado por catabólitos tóxicos eliminados na água por uma superpopulação de
A) algas clorofíceas.
B) algas cianofíceas.
C) algas feofíceas.
D) algas pirrófitas dinoflageladas.
E) conchas vermelhas.

01. E
02. D

Compartilhe

TOPO