Surrealismo

O surrealismo foi um importante movimento artístico que surgiu em Paris em 1924, com o Manifesto Surrealista de André Breton.

Fundado pelo poeta André Breton em 1924, o surrealismo foi um dos movimento artístico mais importantes do século XX.

O surrealismo procurou desafiar a arte tradicional através da exploração do subconsciente, evidenciando o poder dos sonhos com elementos do acaso em sobreposições inesperadas e fantásticas.

Contexto histórico do surrealismo

El enigma de mi deseo o mi madre, mi madre, mi madre – Salvador Dalí (1929)

O termo “sur-realismo” foi cunhado pelo poeta francês Guillaume Apollinaire em 1917. No entanto, foi só em outubro de 1924, em Paris, que André Breton, pupilo de Apollinaire, definiu o início desse movimento com o Manifesto do Surrealismo.

Nesse manifesto, Breton definiu o surrealismo como “um automatismo psíquico puro, pelo qual se pretende expressar, verbalmente ou por escrito, o verdadeiro funcionamento do pensamento”. Para o autor, surrealismo significava algo além da realidade.

A psicanálise de Sigmund Freud (1856-1939) foi a maior influência intelectual do surrealismo. Breton e outros surrealistas ficaram muito impressionados com os pensamentos de Freud sobre o inconsciente, que acreditavam ser uma fonte importante e inexplorada.

Dessa forma, eles usaram as de Freud teorias para apagar os limites entre a fantasia e a realidade, e para abordar uma série de impulsos inquietantes tais como medo, desejo e erotização.

Outra influência importante para o movimento foi a Segunda Guerra Mundial (1941-1945), pois a eclosão da guerra trouxe uma crise de consciência aos artistas sobre os valores burgueses da sociedade. Coube então aos surrealistas questionar e combater essa realidade com o absurdo.

Não existe um acordo sobre o fim do surrealismo. Alguns especialistas consideram que o movimento se desfez após a própria Segunda Guerra.

Entretanto, há quem cite a morte de André Breton em 1966 (ou de Salvador Dali em 1989) como o fim do surrealismo como um movimento organizado.

O fato é que seja qual for a data, o surrealismo como estilo foi (e ainda é) imensamente popular entre o público de arte e continua influenciando gerações no cinema, música e publicidade, por exemplo.

Surrealismo, expressionismo e dadaísmo: qual a relação?

Muitos dos artistas anteriormente atraídos pelo dadaísmo viram no surrealismo sua nova forma de expressão. De fato, podemos dizer que “as sementes” do movimento surrealista estão no movimento dadaísta.

Contudo, se os dadaístas defendiam a destruição, os surrealistas apoiavam a destruição da sociedade em que viviam e a criação de uma nova, baseada nos desejos do inconsciente.

E é desse mesmo modo que identificamos no expressionismo (principalmente o de Nova York na segunda metade do século XX), uma espécie de continuação do surrealismo, uma vez que os artistas expressionistas estavam altamente influenciados com as descobertas artísticas do movimento surrealista – principalmente seu apreço pelo absurdo como meio de provocar a sociedade burguesa.

Características do surrealismo

É importante saber que o surrealismo não é um movimento unificado, mas sim uma série de artistas individuais, cada um com seu próprio estilo. Assim, entre as características mais importantes estão:

  • Aceitação de tudo que vá além da lógica;
  • Negação da realidade como portadora da verdade;
  • Destaque para a a fantasia como meio de atingir o inconsciente;
  • Automação e psicanálise adquirem um papel fundamental na criação;
  • Moral e os costumes sociais vigentes são negados porque são considerados meios de se restringir a liberdade que leva à verdade oculta.

Temas recorrentes nas pinturas surrealistas

  • Isolamento de fragmentos anatômicos;
  • Elementos incompatíveis;
  • Escrita automática – permitir que a linha de uma caneta ou outro instrumento de desenho percorresse à vontade sem nenhum planejamento consciente;
  • Metamorfoses;
  • Máquinas fantásticas;
  • Realidades oníricas (sonhos);
  • Animação de objetos inanimados;
  • Sexo sem pudor.

Principais obras do surrealismo

Sem dúvidas, Salvador Dalí (1904 – 1989) é um grande representante do movimento surrealista. Dalí era conhecido por sua arte arrojada que desafia os expectadores assim como por sua personalidade excêntrica.

Outros importantes expoentes do surrealismo são René Magritte (1898 – 1967), Joan Miró (1893 – 1983) e Max Ernst (1891 – 1976).

1. La persistencia de la memoria – Salvador Dalí (1931)

Imagem: reprodução

2. Estudio para “La miel es más dulce que la sangre” – Salvador Dalí (1926)

Imagem: reprodução

3. Sueño causado por el vuelo de una abeja alrededor de una granada un segundo antes del despertar – Salvador Dalí (1944)

Imagem: reprodução

4. La Trahison des images (Ceci n’est pas une pipe) – René Magritte (1928 – 1929)

Imagem: reprodução

5. Le fils de l’homme – René Magritte (1964)

Imagem: reprodução

6. Golconda – René Magritte (1953)

Imagem: reprodução

7. El campo labrado – Joan Miró (1923)

Imagem: reprodução

8. El bell ocell que desxifra el desconegut a una parella d’enamorats – Joan Miró (1941)

Imagem: reprodução

9. La Vierge corrigeant l’enfant Jésus devant trois témoins – Max Ernst (1926)

Imagem: reprodução

10. L’Ange du foyer ou Le Triomphe du surréalisme – Max Ernst (1937)

Imagem: reprodução

Surrealismo no Brasil

O surrealismo chegou ao Brasil por volta de 1920 influenciando o Movimento Modernista, assim como outras vanguardas europeias (futurismo, dadaísmo, expressionismo).

Sobretudo, influenciou os pintores Tarsila do Amaral, Ismael Nery, Cícero Dias e, posteriormente, a artista plástica Maria Martins.

Até então, o movimento modernista se manteve fechado à elite intelectual, pois o Brasil passava pelo período da Primeira República, ainda cercado de tradicionalismos tanto nas artes quanto nos costumes.

Porém, a Semana da Arte Moderna de 1922, evento divisor de águas para a arte brasileira, elevou a arte modernista a outro nível, confirmando-a como uma nova identidade cultural brasileira.

Pouco tempo depois, em 1928, Oswald de Andrade lançou o Manisfesto Antropofágico, conhecido por romper com as antigas tradições literárias e propor algo novo que usava da linguagem do absurdo como forma de se opor à realidade da qual discordavam, tal qual o surrealismo empreendeu na Europa.

Nesse mesmo ano, Tarsila do Amaral pintaria “Abaporu”, obra de fundamental importância para entendermos esse período de profusão artística no país:

Abaporu – Tarsila do Amaral (1928)

Referências

Isso é arte? – Will Gompertz
A história da arte – E. H. Gombrich
Surrealismo: Origen, características y objetivos del Surrealismo- Lorena Bey, María Vázquez, Nerea Borjas, María Paredes

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [UCP]

Movimento literário brasileiro que recebeu influências de vanguardas europeias, tais como o Futurismo e o Surrealismo:

a) Modernismo

b) Parnasianismo

c) Romantismo

d) Realismo

e) Simbolismo

Resposta: A
O Modernismo brasileiro contou com grande influência das vanguardas europeias do início do século XX: dadaísmo, surrealismo, futurismo, expressionismo, etc; todas influenciaram de algum modo a arte brasileira.

2. [UNESP]

Leia um trecho do “Manifesto do Surrealismo”, publicado por André Breton em 1924.

Surrealismo: Automatismo psíquico por meio do qual alguém se propõe a exprimir o funcionamento real do pensamento. Ditado do pensamento, na ausência de controle exercido pela razão, fora de qualquer preocupação estética ou moral.

O Surrealismo assenta-se na crença da realidade superior de certas formas de associação, negligenciadas até aqui, na onipotência do sonho, no jogo desinteressado do pensamento.

(Apud Gilberto Mendonça Teles. Vanguarda europeia e Modernismo brasileiro, 1992. Adaptado.)

Tendo em vista as considerações de André Breton, assinale a alternativa cujos versos revelam influência do Surrealismo.

a) Trabalhas sem alegria para um mundo caduco, onde as formas e as ações não encerram nenhum [exemplo. Praticas laboriosamente os gestos universais, sentes calor e frio, falta de dinheiro, fome e desejo [sexual. (Carlos Drummond de Andrade, “Elegia 1938”, em Sentimento do mundo.)

b) Bem me diziam que a terra se faz mais branda e macia quanto mais do litoral a viagem se aproxima. Agora afinal cheguei nessa terra que diziam. Como ela é uma terra doce para os pés e para a vista. (João Cabral de Melo Neto, “O retirante chega à Zona da Mata”, em Morte e vida severina.)

c) O mar soprava sinos os sinos secavam as flores as flores eram cabeças de santos. Minha memória cheia de palavras meus pensamentos procurando fantasmas meus pesadelos atrasados de muitas noites. (João Cabral de Melo Neto, “Noturno”, em Pedra do sono.)

d) Meu pai montava a cavalo, ia para o campo. Minha mãe ficava sentada cosendo. Meu irmão pequeno dormia. Eu sozinho menino entre mangueiras lia a história de Robinson Crusoé. Comprida história que não acaba mais. (Carlos Drummond de Andrade, “Infância”, em Alguma poesia.)

e) Quando o enterro passou Os homens que se achavam no café Tiraram o chapéu maquinalmente Saudavam o morto distraídos Estavam todos voltados para a vida Absortos na vida Confiantes na vida. (Manuel Bandeira, “Momento num café”, em Estrela da manhã.)

Resposta: C
O autor, assim como assinalado por Breton, flerta com o absurdo, manifestando sua automação psíquica, isto é, livre e sem preocupação direta com a realidade.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO