René Magritte

A obra de Magritte proporciona múltiplas experiências ao público a partir do questionamento ao real, da surpresa e do impacto que suas peças proporcionam.

René Magritte se destacou por questionar a realidade a partir de sua própria representação. Ele produziu obras que retratam cenas cotidianas, mas apresentam elementos irreais, por isso, os detalhes das telas provocam outras leituras. Leia esta matéria e conheça mais sobre este artista surreal!

Biografia

(Fonte: WikiArt)

René François Ghislain Magritte (Lessines, 1898 ― Bruxelas, 1967) foi um pintor, desenhista, escultor, fotógrafo e cineasta belga. Filho de um alfaiate e de uma modista, passou a infância em constante relocação porque os negócios da família iam mal. Devido a essa situação, sua mãe se suicidou por afogamento no rio Sambre em 1912. Magritte iniciou na pintura em 1910 e suas primeiras obras em estilo impressionista datam de 1915.

De 1916 a 1918, estudou na Academia Real de Belas Artes onde teve contato com pintores simbolistas. Em Bruxelas também conheceu o cubismo e o futurismo. Em 1920, realizou sua primeira exposição em Bruxelas e passou a introduzir elementos cubistas e surrealistas nos anúncios publicitários que produzia. Já em 1926, o artista pintou sua primeira tela surrealista, O Jóquei Perdido, que não teve boa aceitação do público e foi muito criticada.

Magritte morou em Paris de 1927 a 1930, quando conheceu o grupo surrealista parisiense que influenciou fortemente a sua obra. A partir de então, produziu telas aclamadas pela crítica e fez diversas exposições, além de gravações experimentais. Seu reconhecimento mundial ocorreu na década de 1960, quando realizou uma retrospectiva de sua carreira no Museu de Arte Moderna de Nova York. O artista faleceu em 1967 em decorrência de um câncer.

Características

A representação da subjetividade é uma das maiores marcas do Surrealismo e da obra de Magritte. A seguir, conheça outras características do artista:

  • Abandono de padrões lógicos e de formas que imitam a realidade, assim há uma preferência por elementos que expressam a ausência de racionalidade.
  • Apresentação em uma mesma obra de figuras ligadas à fantasia e à magia junto com outras relacionadas à vida cotidiana.
  • Desconstrução das relações que os seres e os objetos mantêm com a realidade através da representação de imagens mentais.
  • Promoção de ilusão de ótica a partir da distorção e da sobreposição de imagens, além de jogos de luzes e da escolha por determinadas cores não convencionais aos elementos.
  • Questionamento sobre os limites entre um objeto e a sua representação no plano artístico.
  • Exploração do inconsciente, do desejo, do sonho, do mistério e do impulso, dentre outras subjetividades.
  • Disposição de objetos no espaço sem relações com o cenário, além da criação de legendas irônicas e títulos provocativos para as obras.

Magritte questionou a própria natureza da pintura enquanto obra de arte, assim como a ação do pintor sobre a imagem que não se limita em descrever algo do mundo real, por isso, é sempre única.

Principais obras

A obra de René Magritte renovou a linguagem das artes plásticas, pois a busca pela imagem poética nas pinturas gerou reflexões sobre o próprio processo de representação. Veja isso nos exemplos que separamos a seguir:

A Traição das Imagens

(Fonte: WikiArt)

Uma das obras-primas do surrealismo, A Traição das Imagens é considerada um ícone da arte moderna. Pintada em 1929, a tela leva o espectador à reflexão a partir da frase ”Ceci n’est pas une pipe”, em português “Isso não é um cachimbo”, para lembrar que a pintura de um objeto é uma pintura e não o objeto real.

O Filho do Homem

(Fonte: WikiArt)

O quadro foi pintado em 1964 como um autorretrato. A maçã verde está suspensa no ar escondendo o rosto do homem, mas é possível ver seus olhos na borda da maçã, além disso, o braço esquerdo dele (lado direito da tela) transmite a sensação de que dobra para trás na região do cotovelo.

Golconda

(Fonte: Wikipédia)

Pintada em 1953, a tela retrata uma espécie de “chuva de homens”, apesar de o céu estar azul e sem nuvens. As figuras são muito parecidas, vestem sobretudos escuros e chapéus de coco, como no quadro anterior. O homens estão suspensos no ar e também é possível visualizar algumas das figuras como sombras.

Agora, confira mais 10 obras de René Magritte produzidas ao longo de sua vida e influenciadas por diferentes movimentos estéticos:

(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)
(Fonte: WikiArt)

As produções de Magritte fogem ao senso comum, provocando outros pontos de vista sobre os mundos palpável e mental. Para Magritte, a pintura nunca é a representação de um objeto real, mas a ação do pensamento do pintor sobre esse objeto.

Vídeos sobre um pintor surreal

Para reforçar os seus conhecimentos sobre René Magritte e o surrealismo, separamos três vídeos acerca da vida do pintor e dos sentidos provocados por sua produção artística. Assista!

50 fatos sobre René Magritte

Veja as inspirações, os amigos e amores, as curiosidades e algumas obras importantes de Magritte que a Vivi apresenta a partir de 50 fatos sobre a sua vida.

A Traição das Imagens

Magritte provocou reflexões sobre a arte e a realidade, mostrando que elas não se equivalem, assim como as imagens e as palavras. A Patrícia Camargo analisa isso na tela A Traição das Imagens. Acompanhe!

Golconda

Gabriel Freitas faz a análise visual da obra Golconda mostrando seus diferentes planos compositivos e como a disposição das figuras causa uma sensação de confusão no espectador. Confira!

Conforme você viu, René Magritte criou uma linguagem muito particular no mundo da arte. Para continuar estudando o Surrealismo, leia a nossa matéria sobre Joan Miró.

Referências

René Magritte: Pintor-Escritor-Crítico (2012) – Ilza Matias de Sousa e Maria Eliane Souza da Silva
As metáforas picturais de René Magritte (2007) – Márcia Arbex

Érica Paiva Rosa
Por Érica Paiva Rosa

Professora, redatora e produtora cultural. Mestre em Letras pela UEM.

Como referenciar este conteúdo

Paiva Rosa, Érica. René Magritte. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/artes/rene-magritte. Acesso em: 21 de September de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [ENEM]

O Surrealismo configurou-se como uma das vanguardas artísticas europeias do início do século XX. René Magritte, pintor belga, apresenta elementos dessa vanguarda em suas produções.
Um traço do Surrealismo presente nessa pintura é o(a):
a) justaposição de elementos díspares, observada na imagem do homem no espelho.
b) crítica ao passadismo, exposta na dupla imagem do homem olhando sempre para frente.
c) construção de perspectiva, apresentada na sobreposição de planos visuais.
d) processo de automatismo, indicado na repetição da imagem do homem.
e) procedimento de colagem, identificado no reflexo do livro no espelho.

Respostas: A
Justificativa: O espelho reflete uma imagem diferente da esperada, o que parece desafiar o pensamento racional e lógico, uma marca do surrealismo.

2. [UERJ]

Pode-se definir “metalinguagem” como a linguagem que comenta a própria linguagem, fenômeno presente na literatura e nas artes em geral.

O quadro A perspicácia, do belga René Magritte, é um exemplo de metalinguagem porque:
a) destaca a qualidade do traço artístico
b) mostra o pintor no momento da criação
c) implica a valorização da arte tradicional
d) indica a necessidade de inspiração concreta

Resposta: B
Justificativa: O quadro é um exemplo de metalinguagem justamente porque a linguagem da pintura retrata o próprio ato de pintar.

Compartilhe

TOPO