Cometa

Os cometas são formados por gelo que deixam atrás de si um rastro de poeira e gás. Podem estar distantes, mas alguns têm órbitas tão inconstantes que, durante parte de sua jornada pelo sistema, acabam passando bem perto do Sol.

Desde a antiguidade, acreditava-se que a aparência de um cometa simbolizava catástrofes ou mau presságio, raramente estava relacionado a eventos de benefício para a humanidade.

Imagem: Reprodução

No entanto, hoje, a ciência especificamente a Astronomia, provaram que os cometas são um dos diferentes tipos de objetos celestes que povoam o Universo, seu estudo nos permitiu saber muito mais sobre o nosso Sistema Solar.

Os cometas vêm principalmente de duas regiões do sistema solar: o Cinto de Kuiper e a Nuvem de Oort, no primeiro caso é um grupo de corpos que se encontram além da órbita de Netuno a Plutão, é caso do cometa Halley.

Imagem: Reprodução

O segundo grupo é quase meio ano-luz do nosso Sol e se envolve de forma esférica em todo o nosso Sistema Solar.

Como se formam os cometas

Alguns dos corpos que compõem o Cinturão de Kuiper e a Nuvem de Oort são atraídos pela força da gravidade do sol, o que faz com que às vezes “visite” a proximidade do nosso planeta Terra, alguns deles periodicamente como é ocaso do famoso Halley Comet, que faz isso todos os 75 anos ou mais.

Outros só fazem isso uma vez porque estão “perdidos” na imensidão de regiões frias e distantes de onde elas vêm, como no caso do cometa ISON 2012.

São formados por gelo que deixam atrás de si um rastro de poeira e gás. Em comparação com os asteroides, a diferença é que os asteróides, constituídos basicamente por pedras, são versões menores de planetas rochosos como Terra ou Marte.

Já os cometas são feitos basicamente de gases e poeira, igual ao gigante Júpiter e outros planetas gasosos. Essa separação entre os corpos de rocha e os de gás aconteceu há 4,6 bilhões de anos, quando o sistema solar estava nascendo e os planetas ainda não existiam.

Naquela época, o material que formaria os planetas estava confinado em um disco de gás e poeira que girava em volta de um Sol frio.

Mas, logo que a estrela começou a emitir calor, o aumento brutal da temperatura arremessou bem longe da estrela os elementos mais leves do disco, como os gases que iriam se aglutinar para forjar os planetas gigantes (como Júpiter) e cometas.

Os cometas podem estar distantes, mas alguns têm órbitas tão inconstantes que, durante parte de sua jornada pelo sistema, acabam passando bem perto do Sol.

É aí que o espetáculo começa: o calor da estrela faz o gelo do cometa virar gás novamente, como na infância do sistema solar. Isso levanta as partículas de poeira impregnadas no cometa, formando o belo jato de pó que chamamos de cauda.

Imagem: Reprodução

Caracterísitcas dos denominados astros travessos

Depois, quando o cometa se afasta do Sol, o frio faz ele voltar a ser uma insignificante bolinha de gelo.

Espetáculo do crescimento

O calor do Sol é essencial para gerar as caudas gigantescas desses astros

Base de Sustentação

Chamada pelos astrônomos de coma, a gigantesca “atmosfera” que envolve o cerne do cometa é uma espécie de envelope gasoso feito de vapor d’água, amônia e dióxido de carbono.

Com a ação do calor do Sol, essa base se expande a um diâmetro de quase 100 mil quilômetros, deixando a cabeça do astro maior do que Júpiter por alguns dias

Radicais Livres

A parte em azul do rabo do cometa é formada por uma pasta de elétrons e núcleos atômicos que se desprendem da coma do astro.

Elas são arrancadas para longe do cometa com as interações magnéticas do vento solar — o fluxo constante de partículas que jorra do Sol

Companheiros Históricos

Esse spray branco, criado pela pressão da luz do Sol, forma a parte principal do rabo do cometa.

Composto majoritariamente por poeira e gases que ficavam impregnadas no gelo do núcleo, a cauda branca pode chegar a 100 milhões de quilômetros de extensão

Núcleo Duro

Uma pedra que representa apenas 0,00001% do tamanho do cometa fornece a matéria-prima para o rastro enorme que ele deixa no céu.

Com diâmetro médio de apenas 10 quilômetros, ela é impregnada de poeira e gases. Quando a trajetória do astro se aproxima do Sol, o calor faz com que a pedra solte o pó e a fumaça que criam a famosa cauda do cometa

Cometas famosos

A aparência de Cometa Halley em abril de 1066, teve um brilho excepcional.

Os ingleses declararam-no nocivo, porque o consideraram a causa da derrota que sofreram nas mãos do rei Norman William “o conquistador”.

O Grande Cometa de 1744

É um dos cometas mais espetaculares que foi observado, apareceu durante 1743 e 1744, mostrou efeitos dramáticos e incomuns no céu era brilhante o suficiente para que pudesse ser visto em plena luz do dia.

O Grande Cometa de 1744 ampliou uma série de seis caudas que poderiam ser vistas acima do horizonte.

O Grande Cometa de 1811

Foi um cometa que poderia ser observado de relance durante aproximadamente 260 dias.

Sua passagem foi espetacular e ele teve um núcleo extremamente forte ativo. O escritor russo Leon Tolstoi menciona Pierre – um dos seus personagens – observando Este cometa em seu livro Guerra e Paz.

O Grande Cometa de 1843

Foi uma cometa que ficou muito brilhante depois de passar 830 000 km do Sol (o ISON deverá passar 1 200 000 km do Sol).

O que fez com que uma cauda fosse formada por tanto tempo que seu comprimento é estimado em quase 300 milhões quilômetros (duas vezes a distância da Terra ao Sol), isso possibilitou ver à visão simples em plena luz do dia.

O Grande Cometa de 1882

Foi um cometa que poderia ser observado por seu grande brilho no grau que poderia ser observado a olho nu ao lado do Sol, mesmo durante o dia.

Estudos feitos sobre este cometa mostravam que este cometa seguiu uma órbita idêntica à do Grande Cometa de 1843, outro foi observado em 1880, acredita-se que os três foram originados por um mesmo cometa possivelmente observado por Aristóteles em 371 a. C.

Espera-se que volte em mais algumas centenas de anos, mas separados um do outro possivelmente por dois ou três séculos.

Cometas de nome estipulados

O cometa Halley é grande e brilhante, orbitando o Sol a cada 76 anos em média,é um dos mais conhecidos, provenientes do cinto de Kuiper, há registros de que foi visto a partir do ano 240 a. C., até Edmond Halley, um astrônomo inglês determinou sua órbita e, ao mesmo tempo, atribuiu seu sobrenome como seu nome.

Imagem: Reprodução

Este cometa foi observado por última vez em 1986 e sua próxima aparição é esperada em meados de 2061.

O Cometa Hyakutake passou perto da Terra em março de 1996, podendo ser visto por todo o mundo porque aconteceu relativamente perto (a cerca de 15 milhões de quilômetros).

Observações nas proximidades por meio da sonda Ulysses, determinaram emissões de raio X e que a cauda do cometa tinha cerca de 500 milhões de quilômetros de comprimento, a cauda mais larga de um cometa conhecida até agora.

O cometa Hale-Bopp foi provavelmente um dos cometas mais observados durante o século passado, sendo um dos mais brilhantes que já foi visto em décadas, além de ter sido possível observá-lo a olho nu por 18 meses, quase o dobro do tempo possível de observação do Grande Cometa de 1811.

Imagem: Reprodução

Sua passagem causou alguma preocupação entre a população, já que os cometas não foram vistas em muitas décadas, na medida em que rumores de que uma grande nave extraterrestre seguia seu caminho, o que provocando até o suicídio em massa entre os seguidores da seita Heaven’s Gate, em 26 de março de 1997, nos Estados Unidos.

Referências

astromia.com

hbdia.com

 

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Como referenciar este conteúdo

Bernardes, Luana. Cometa. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/geografia/cometa. Acesso em: 30 de June de 2021.

Teste seu conhecimento

01.[IAP]: Os cometas são formados por:

a) Corpos rochosos e gases

b) Gases e emissão de calor

c) Gases e poeira

d) Poeira, corpos rochosos e gases

 

02.[UNINTER]: A ciência que estuda os cometas é:

A) Astrologia

B) Astronomia

C) Geologia

D) Biologia

 

01.[IAP]

Resposta: C

Os cometas são compostos basicamente por gases e poeira.

02.[UNINTER]

Resposta: B.

A ciência que estuda os cometas e demais corpos celestes, é a Astronomia.

Compartilhe

TOPO