Saltos ornamentais

Os saltos ornamentais consistem em diferentes provas esportivas nas quais os atletas utilizam plataformas ou trampolins como base para a realização de saltos acrobáticos em direção a uma piscina.

A modalidade saltos ornamentais se refere a um esporte realizado em piscinas a partir de acrobacias – movimentos aéreos. Portanto, nessa modalidade, o/a atleta salta de uma plataforma elevada ou de um trampolim em direção à água, realizando movimentos gímnicos com estéticas específicas. Que tal conhecer melhor os saltos ornamentais e entender como o esporte é praticado? Acompanhe.

Breve histórico da modalidade

Com gênese tradicionalmente atribuída à Grécia Antiga, os saltos ornamentais remetem a práticas recreativas e de lazer na natureza, ou seja, a saltos de rochedos para o fundo do mar, praticados principalmente por moradores do litoral. Desse modo, a prática desse período não possuía caráter esportivo, e sim mais recreativo e lúdico. Logo, não integrava os Jogos Olímpicos da Antiguidade, por exemplo.

Um aspecto que altera essa característica é sua utilização para treinamento voltado à melhora do desempenho esportivo em outras modalidades. Essa finalidade foi atribuída à prática principalmente a partir do século XVIII. Como efeito dessa atribuição surgiram escolas e métodos de ensino e treinamento gímnico voltados ao setor esportivos, destacando-se os ginastas alemães e suecos. Posteriormente esses métodos foram sendo incorporados e aprimorados em diferentes países.

Além disso, no século XIX a modalidade foi impulsionada pela natação, que ganhava notoriedade em países europeus. Também nesse período, na década de 1800, ocorreu a primeira competição de saltos ornamentais documentada. Essa competição teve a ponte de Londres como plataforma de salto. Além disso, favoreceu a criação de uma torre específica para a prática de saltos ornamentais em Londres alguns anos depois.

Envolvimento olímpico

A inclusão dos saltos ornamentais nos Jogos Olímpicos da Era Moderna ocorreu na edição de Saint Louis 1904. No entanto, as provas de saltos sincronizados foram incluídas no quadro olímpico apenas em Sidney 2000. Além disso, as provas, até então realizadas somente na plataforma, eram exclusivas para homens. As mulheres entraram oficialmente nas disputas dessas provas somente na edição de Estocolmo 2012.

Tipos de saltos ornamentais

Os tipos de saltos ornamentais indicam os estilos de movimentos que os saltadores podem realizar nas competições. Desse modo, são organizados a partir das especificidades dos movimentos atribuídos a cada salto. Portanto, veja a seguir quais são esses grupos e estilos de saltos.

  • Frente: grupo em que o/a saltador/a inicia de frente para a água e faz suas movimentações direcionadas somente para frente.
  • Trás: inicialmente posicionado de costas para a água, nesse grupo as movimentações do salto podem ser realizadas somente para trás.
  • Pontapé à lua: designa um grupo composto de saltos em que o/a saltador/a inicia de frente para a água, mas realiza suas movimentações para trás.
  • Revirado: nesse grupo os saltos devem ser iniciados de costas para a água, mas realizados para frente.
  • Parafuso: esse grupo permite saltos com saídas (inícios do movimento) a partir de qualquer uma das quatro posições indicadas acima. Entretanto, o/a saltador/a deve realizar a movimentação de parafuso. Portanto, nesse grupo de saltos, é obrigatório a realização de giros em torno do próprio eixo durante o salto.
  • Equilíbrio: a saída nesse grupo de saltos é realizada a partir de uma parada de mãos. Assim, partindo dessa posição, o/a saltador/a pode realizar movimentações voltadas tanto para frente quanto para trás.

Além desses grupos de salto, os movimentos também podem ser compreendidos a partir de suas posições iniciais. Essas posições se referem a saltos parados, saltos com corrida e saltos com equilíbrio. Você pode conferir essas e outras características conferindo o regulamento com as regras oficiais dos saltos ornamentais. Mas antes, que tal entender como essa modalidade esportiva é praticada? Veja as regras básicas a seguir.

Regras

Como mencionado inicialmente, nos saltos ornamentais os/as atletas saltam em direção à água realizando movimentos com estéticas específicas. Seu objetivo, portanto, é conquistar a melhor pontuação entre os competidores. Para isso, devem se atentar tanto aos grupos e às posições dos movimentos quanto aos critérios de pontuação e penalização avaliados pelos juízes. Entenda melhor:

Organização

  • O limite de tentativas de salto para cada atleta é definido conforme categoria de identidade de gênero. Portanto, atletas que disputam na categoria feminina têm direito a cinco saltos. Já atletas que disputam na modalidade masculina possuem vantagem de 1 ponto, ou seja, têm direito a seis saltos.
  • A partir do limite de tentativas os/as atletas buscam atingir sua melhor pontuação na competição, ou seja, a maior nota entre os competidores.
  • Além dos grupos apresentados acima, os saltos são avaliados pelos juízes conforme suas fases (aproximação, partida, elevação, execução e entrada na água). Também são avaliados a partir da posição em que são realizados (estendida, carpada, grupada ou livre) e da plataforma utilizada (plataformas ou trampolins).
  • Outro critério para definir a pontuação das competições é o grau de dificuldade do salto, que considera a complexidade das acrobacias realizadas durante a execução do salto.
  • Nas provas de salto sincronizado (disputadas em duplas), além desses critérios, é avaliada a sincronia da dupla durante a realização dos movimentos.

Juízes

  • Sete juízes avaliam as provas de uma competição oficial nas disputas individuais e 11 juízes nas disputas em dupla.
  • Considerando-se os critérios indicados acima, cada juiz atribui sua pontuação aos saltos em uma escala de zero (falha) a dez (excelência).
  • A partir das notas atribuídas, retiram-se das somas as duas notas mais baixas e mais altas de cada saltador/a. Nos saltos em duplas esse número é de três saltos. Assim, as notas restantes são somadas e o valor obtido é multiplicado pelo grau de dificuldade do salto.
  • Portanto, ao final das tentativas de salto de todos os atletas, bem como dos cálculos de suas pontuações, os pontos são organizados para definir a classificação, a partir da maior nota obtida pelos atletas e a duplas em cada categoria.
  • Penalizações

    • As penalizações são aplicáveis sempre que um/a atleta infringe alguma regra do regulamento da competição ou não executa os saltos corretamente.
    • A pontuação dos saltos é zerada quando a) o salto executado é de um grupo diferente daquele programado, b) quando o/a saltador/a realiza um impulso duplo antes da partida do salto e c) quando os pés não deixam a plataforma ou o trampolim simultaneamente durante a partida.
    • O salto pode receber também um limite máximo de pontuação passível de atribuição, definidas em 2,0 ou 4,5.
    • A penalização de pontuação máxima de 2,0 é aplicada quando a) o salto executado corresponde ao grupo, porém com movimentos acrobáticos diferentes dos programados e b) quando o/a saltador/a fica a uma distância de risco ou toca a cabeça na plataforma/no trampolim durante o salto.
    • Já a penalização de pontuação máxima de 4,5 é aplicada a) quando parte do salto executado não corresponde ao programado, b) quando, em saltos cuja entrada na água seja feita de cabeça, os braços não estejam estendidos acima da cabeça e alinhados com o corpo nesse momento e c) quando há essa extensão dos braços e alinhamento com o corpo em saltos cuja entrada na água seja com os pés.

    Esses aspectos regulamentares, portanto, orientam as competições dos atletas. As disputas, por sua vez, podem ocorrer em diferentes estilos de provas, envolvendo o trampolim de 1 e 3 metros, a plataforma de 5 e de 10 metros e os saltos sincronizados.

    Curiosidades

    Para conhecer melhor os saltos sincronizados, veja algumas curiosidades a respeito da modalidade.

    • O primeiro evento competitivo de saltos ornamentais realizado no Brasil ocorreu em 1913. A disputa aconteceu na enseada de Botafogo, no Rio de Janeiro, tendo como campeão o atleta Adolfo Wellisch;
    • Adolfo Wellisch também foi o primeiro atleta brasileiro a competir a modalidade de saltos ornamentais nas Olimpíadas. Essa disputa ocorreu na edição de Antuérpia 1920, primeira edição em que o Brasil disputou dos Jogos Olímpicos;
    • As provas e competições de saltos ornamentais praticados no Brasil eram inicialmente regulamentadas pela Federação Brasileira de Remo. Contudo, atualmente é regida pela Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos;
    • Entre os principais países e nações mencionados ao se referir aos destaques na modalidade estão os Estados Unidos, a China e a Suécia. A representatividade desses países no esporte é expressa, por exemplo, na conquista de medalhas olímpicas, seguindo-se a ordem citada em uma colocação do primeiro para o terceiro país com maio número de conquistas;
    • Entre os dias 9 e 12 setembro de 2020 a Confederação Sul-Americana de Natação (CONSANAT) promoveu o Campeonato Sul-Americano Virtual de Saltos Ornamentais. O evento foi proposto em formato remoto, com transmissão pelo canal da CONSANAT no YouTube. A iniciativa foi uma alternativa para diminuir o tempo de afastamento dos atletas de competições em função da pandemia de COVID-19.

    Essas são algumas curiosidades apresentadas com o intuito de ampliar seu conhecimento sobre a modalidade, principalmente em sua relação com o Brasil. Para saber mais sobre a modalidade veja os vídeos apresentados a seguir.

    Saiba mais sobre os saltos ornamentais

    Na sequência você encontra alguns vídeos complementares ao conteúdo apresentado ao longo da matéria. Assim você poderá reforçar e esclarecer as informações apresentadas, contribuindo para o conhecimento a respeito dos saltos ornamentais. Não deixe de conferir!

    Provas e grupos de salto

    Nesse vídeo, conheça a história dos saltos ornamentais e entenda o seu desenvolvimento ao longo do tempo. Além disso, veja as diferenças das primeiras provas olímpicas dessa modalidade.

    Rolo do trampolim

    O personal Tuti Warth fala respeito dos saltos ornamentais. Nesse, conta uma curiosidade da modalidade: o rolo do trampolim. Assista para conhecer esse aparelho, usado para regular a altura dos saltos nos trampolins.

    Regras do esporte

    Nesse vídeo o professor e saltador Cesar Castro comenta a respeito das regras dos saltos ornamentais. Ele também apresenta a plataforma de saltos, o local de treinamento e fala um pouquinho sobre outra particularidades da modalidade, como a prática em áreas externas e internas. Assista para compreender melhor as regras do esporte e outras características.

    Nesta matéria você conferiu algumas características dos saltos ornamentais para entender como a modalidade é organizada e também disputada. Além disso, também foram apresentadas na matéria algumas curiosidades e descrições a respeito da modalidade e da execução dos saltos. Portanto, continue estudando a respeito dos esportes praticados em ambientes aquáticos conferindo o texto sobre nado sincronizado.

    Referências

    Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos [On-line] – Disponível em: https://novo.cbda.org.br/. Acesso em: 25 de mar. De 2021.
    Confederação Brasileira de Saltos Ornamentais [On-line] – Disponível em: http://saltosbrasil.com/. Acesso em 30 de mar. de 2021.
    Federação Internacional de Natação [On-line] – Disponível em: https://www.fina.org/. Acesso em: 25 de mar. De 2021.
    Ginástica Escolar (2017) – Antonio Carlos Monteiro de Miranda e Fernanda Soares Nakashima.
    Saltos ornamentais (2013) – Fabiana Izumi Hashimoto.

    João Paulo Marques
    Por João Paulo Marques

    Professor mestrando em Educação Física formado pela Universidade Estadual de Maringá. Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa Corpo, Cultura e Ludicidade (GPCCL/UEM/CNPq) e do Grupo de Estudos Foucaultianos (GEF/ UEM/CNPq). Temáticas estudadas envolvem corpo, subjetividade, discurso, cultura e saúde.

    Como referenciar este conteúdo

    Marques, João Paulo. Saltos ornamentais. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/educacao-fisica/saltos-ornamentais. Acesso em: 19 de June de 2021.

    Exercícios resolvidos

    1. [CESPE-2015]

    Os saltos ornamentais apresentam as seguintes modalidades olímpicas: plataforma de 10 m para homens e mulheres nas modalidades individual e sincronizada; e trampolim de 3 m masculino e feminino nas modalidades individual e sincronizada.

    C. Certo
    E. Errado

    A resposta correta é C. A afirmativa está correta, pois, embora apresente quatro alturas na plataforma de salto (3, 5, 7,5 e 10 metros), apenas 10 e 3 metros são disputadas, além do trampolim.

    2.

    Considerando as descrições dqas principais características dos movimentos dos saltos ornamentais, conforme apresentados na matéria, associe-os aos respectivos grupos:

    (I) o/a saltador/a inicia de costas para a água e suas movimentações devem ser realizados para frente.
    (II) o/a saltador/a inicia de frente para a água e suas movimentações devem ser realizadas para trás.
    (III) o/a saltador/a inicia em uma parada de mãos, podendo realizar movimentações voltadas tanto para frente quanto para trás.
    (IV) o/a saltador/a inicia de costas para a água, e suas movimentações devem ser realizadas para trás.
    (V) o/a saltador/a inicia de frente ou de costas para a água, podendo realizar as movimentações para frente ou ara trás, desde que realize giros em torno do próprio eixo durante o salto.
    (VI) o/a saltador/a inicia de frente para a água e suas movimentações devem ser realizadas para frente.

    ( ) Frente.
    ( ) Trás.
    ( ) Pontapé à lua.
    ( ) Revirado.
    ( ) Parafuso.
    ( ) Equilíbrio.

    A resposta correta para a correspondência entre os grupos de saltos e as descrições apresentadas é a seguinte:

    (VI) Frente.
    (IV) Trás.
    (II) Pontapé à lua.
    (I) Revirado.
    (V) Parafuso.
    (III) Equilíbrio.

    Compartilhe

    TOPO