Danças Folclóricas

As danças folclóricas são produções históricas decorrentes do sistema de crenças e valores que configura a cultura de um grupo social, de um povo ou mesmo de uma nação.

As danças folclóricas dão voz a histórias, lendas, mitos e símbolos que constituem o sistema de crenças e valores próprios da linguagem de grupos sociais, populações e nações. Desse modo, esta matéria aborda algumas características das danças folclóricas, apresentando manifestações do Brasil e de outros países. Acompanhe!

O que são danças folclóricas?

Conceitualmente, o termo folclore constitui um neologismo dos vocábulos folk (povo) e lore (conhecimento), representando um “saber popular” ou o “conhecimento tradicional de um povo”. Entre as formas de conhecimento de um povo está a dança, componente de sua cultura. Por sua vez, a dança é uma forma de expressão, interação e comunicação que acompanha a humanidade desde seus primórdios, transformando-se com ela.

As danças folclóricas, nesse sentido, são entendidas como expressões populares do sistema de crenças, valores e significados compartilhadas por grupos sociais em contextos específicos. Portanto, de modo geral, são danças baseadas em lendas, histórias, cultos a divindades, datas comemorativas e festejos típicos.

Além disso, as danças folclóricas se apresentam como meios pelos quais interagimos com a cultura popular de determinadas regiões. Isso porque, ao entendermos o simbolismo da dança, suas caracterizações, cenários, personagens, enredo e afins, adentramos nos signos da linguagem de um povo. Nesse sentido, que tal conhecermos algumas danças folclóricas brasileiras?

Danças folclóricas brasileiras

A seguir são apresentadas características gerais de algumas das principais danças folclóricas brasileiras. Saiba quais são e conheça um pouco sobre elas!

Carimbó

Agência Pará

O carimbó é uma dança da região norte, típica do Pará, de origem africana e com influência das culturas indígena e portuguesa. Os traços dessas três culturas se fazem presentes nas movimentações coreográficas, respectivamente, por meio de passos miúdos e arrastados (marcando o ritmo), inclinação de tronco para a frente (no caso dos homens) e giros.

A dança de carimbó é caracterizada também por requebros, trejeitos e movimentações de saia. Ela se tornou uma tradição pelo costume de agricultores e pescadores de comemorarem o fim de seus trabalhos diários. Quanto a seu nome, decorre do “Curimbó”, um tambor que compõe os instrumentos utilizados.

Frevo

iStock

O frevo é uma dança nordestina e também um ritmo musical. É dançado no carnaval pernambucano, com expressão significativa em Recife, onde se originou. Sua origem remonta ao contexto pós-abolicionista do século XIX, decorrendo da rivalidade entre militares e escravos declarados livres. Em 2012 foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

O termo frevo é uma corruptela da palavra ferver, fazendo alusão tanto ao contexto frenético em que se originara quanto ao ritmo acelerado da dança. Desse modo, o frevo possui elementos coreográficos complexos, variados e acrobáticos, orientados pelas estruturas das composições musicais. Ainda, a sombrinha de frevo é um adorno confeccionado a partir da escolarização e espetacularização da dança, remetendo aos guarda-chuvas utilizados por passistas em suas manifestações iniciais.

Pau-de-fitas

Zebelê

A dança do pau-de-fitas foi instituída no Brasil por meio de imigrantes portugueses e espanhóis que povoaram a região sul, ampliando-se para todo o país. Sua tradição está relacionada ao rito de reverenciar as árvores após a primavera, celebrando seu renascimento. No entanto, a prática dessa dança vem se rareando, embora fosse popular em festas de Reis, do Divino, de Natal e Ano-Bom.

A dança das fitas constitui-se em uma ciranda coreografada que orbita em torno de um mastro central com fitas fixadas em seu topo. Durante a translação dos dançarinos, que se dá em zigue-zague, vão trançando as fitas que empunham, encurtando-as e fazendo o movimento contrário para finalizar. O ritmo da coreografia é ditado por instrumentos como acordeom, violão e pandeiro.

Catira

Solutudo

Considera-se que a catira é uma dança originada de momentos de lazer de tropeiros durante o transporte de gados, embora alguns historiadores atentem para uma precedência indígena. No entanto, a despeito de sua origem, a catira, também chamada de Cateretê, possui traços indígenas, europeus e africanos na composição de seus passos.

O ritmo musical da catira é ditado pela viola, sendo comum nessa manifestação a presença de dois violeiros. A catira compõe a cultura sertaneja, sendo dançada pelos catireiros em duas fileiras, frente a frente, com batidas de mãos e pés alternadas e combinadas. Também são realizadas trocas, pulos e figuras coreográficas simples.

Quadrilha

Mateus Pereira

A quadrilha, também chamada de quadrilha junina, é uma dança folclórica bastante popular no Brasil, principalmente por sua relação com a cultura sertaneja, uma vez que é considerada uma dança caipira. Sua origem remonta à Inglaterra do século XIII, sendo incorporada e adaptada à cultura francesa e, posteriormente, aprimorada em danças de salão, no mesmo século.

Por meio da disseminação das danças de salão na Europa a quadrilha chega a Portugal, de onde migrara para o Brasil, com a chagada da Corte no Rio de Janeiro. Da aristocracia ao bojo popular, a quadrilha se popularizou nos meios rurais como festejo de agradecimento pela colheita e de homenagem a santos populares. Com isso, adquire suas características mais tradicionais: personagens, passos, música e vestimentas.

Além das apresentadas, outras danças folclóricas brasileiras podem ser mencionadas, como:

  • Maculelê
  • Fandango
  • Bumba meu boi
  • Maracatu
  • Samba de roda
  • Dança do Sol
  • Batuque
  • Coco
  • Caxambu
  • Jongo

Essas são algumas das principais danças folclóricas do Brasil. Essas danças são ainda reconhecidas como típicas de determinada região ou estado do país. Outras aludem a características específicas de uma localidade. No entanto, é importante compreender que, juntas, essas (e outras) manifestações dançantes compõem o folclore e a cultura popular brasileira.

Danças folclóricas do mundo

Agora que você conhece algumas das principais danças folclóricas brasileiras, que tal conhecer também algumas danças folclóricas de outros países do mundo? Acompanhe!

Kathakali

iStock

A kathakali é uma dança folclórica indiana que representa histórias épicas entre homens, deuses e demônios. Por meio do caráter teatral dessa dança, essas figuras são materializadas no palco para revelar fúrias e paixões por meio de movimentos precisos e elegantes. Assim, os atores da performance usam maquiagens pesadas, com predominância da cor vermelha, além de máscaras, coroas exuberantes e guizos atados às pernas.

A dança kathakali surgiu no sudeste da índia, na cidade de Kerela, e faz parte do cotidiano das famílias indianas até hoje, compondo ritos de etapas sagradas. Os espetáculos de Kathakali normalmente duram uma noite toda, sendo realizados com oferendas ao templo e à divindade que o rege. Além disso, como parte do ritual, os músicos do espetáculo percorrem toda a cidade, anunciando-o.

Tarantella

iStock

Apesar das diversas danças folclóricas, a tarantella se tornou um ícone internacionalmente reconhecido da cultura italiana. Caracteriza-se como uma dança rápida, enérgica e festiva, dançada em eventos, festas e celebrações, coreografada com movimentos distintos e acompanhamento musical. Era considerada uma dança de cortejo, mas pode ser dançada socialmente, inclusive por casais de pessoas do mesmo sexo, sem desconfigurar seu sentido tradicional.

Originária do sul da Itália do século XV, a tarantella se manifesta em diferentes vertentes, conforme a cidade da Itália. Seu nome deriva da cidade de Taranto, onde acredita-se que essa dança surgiu. Sua coreografia, no entanto, deriva da aranha tarântula e da crença de que, se picado por ela, a cura era dançar para expulsar o veneno do sistema sanguíneo. Assim, é considerada por muitos uma dança medicinal.

Berioska

Sàigòn Online

Inspirada em camponesas da Rússia e fonte de inspiração para outras danças folclóricas do país, a principal característica dessa dança são os passos deslizantes. Com adequação postural e passadas curtas e ligeiras, as dançarinas de berioska transmitem, por meio da coreografia, a sensação de deslizarem pelo palco. Para conseguir esse efeito, elas usam vestidos longos e realizam movimentos suaves com os pés no deslocamento.

O nome berioska, atribuído à coreografia, decorre de uma árvore que se desenvolve em regiões frias da Rússia. Essa atribuição se deve à comparação de características da árvore, esguia e com galhos flexíveis, com as mulheres russas, com postura e delicadeza. Além disso, nessa coreografia as dançarinas fazem uso de um lenço e um ramo da árvore.

Kizomba

Revista Nossa

O Kizomba é um estilo de dança angolana que emergiu nos anos 1980 da dinâmica intercultural das danças africanas. Portanto, é uma dança que emerge da fusão de vários gêneros musicais e passos de dança existentes em África. A palavra kizomba, por sua vez, significa festa em kimbundu, uma das línguas angolanas, aludindo às festas do povo negro que resistiu à escravidão.

Confundida, por vezes, com o zouk ou com a tarraxinha, a kizomba celebra a felicidade e a confraternização, sendo dançada a dois (par), em ritmo lento, com batidas suaves, harmônicas e sensuais. Desse modo, por meio do seu ritmo e da proximidade dos corpos, a kizomba, incita a cumplicidade do par, o afeto, o carinho e o cuidado com o/a parceiro/a durante a dança.

Tango

iStock

Nascido em Buenos Aires no século XIX, o tango é uma dança originalmente suburbana que, por meio de suas movimentações, busca expressar paixão, sensualidade, agressividade e tristeza. O termo tango é originário de línguas africanas, remetendo ao pequeno tamborete que caracteriza o ritmo musical atribuído à dança.

O tango é um estilo de dança a par, tradicionalmente binário (homem e mulher), dançado em compasso de dois por quatro. A coreografia é composta por movimentações complexas, desde seu passo básico. Foi reconhecido em 2009 pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) como Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade.

Além dessas, outras danças folclóricas podem ser mencionadas como próprias de países específicos, por exemplo:

  • Cumbia (Colômbia)
  • Hopak (Ucrânia)
  • Footwork (EUA)
  • Ote’a (Polinésia Francesa)
  • Zaouli (Costa do Marfim)
  • Adumu (Quênia e Tanzânia)
  • Haka (Austrália)
  • Polca (Alemanha)
  • Khaleege (Arábia Saudita)

Essas são as danças folclóricas significativas de alguns países do mundo. Vale ressaltar que, por meio dessas danças, é possível conhecer melhor a cultura dos diferentes povos que constituem uma determinada nação. Desse modo, um caminho para que você amplie seu conhecimento sobre a cultura de um povo ou grupo social que lhe atraia é buscar traços de seu sistema simbólico em suas danças folclóricas e populares.

Assista a apresentações!

A seguir você encontra vídeos complementares com apresentações de performances coreográficas de algumas das danças citadas e explicadas nesta matéria. Não deixe de assistir e aprender sobre diferentes culturas enquanto aprecia as apresentações artísticas.

Kathakali

Assista ao vídeo com a performance do assassinato de Duryodhana, o vilão do épico poema indiano “Mahabharata”, e conheça essa dança folclórica.

Pau-de-fitas

Esse vídeo apresenta uma performance da dança de pau-de-fita realizada em 2019, no Centro de Tradições Gaúchas Rancho da Saudade. Assista!

Berioska

Esse vídeo é de uma apresentação do Ballet Beriozka, realizada em 2011. Assista para conhecer a “dança russa flutuante”.

Carimbó

Esse vídeo apresenta o carimbo do Pará, mostrando uma apresentação feita pelo Grupo Carimbó do Pará de Santarém, em 2012. Veja!

Danças folclóricas do Brasil

Esse vídeo é complementar ao aprendizado das danças folclóricas brasileiras. Nele você encontra detalhes e músicas que ilustram danças como Jongo, Samba de Roda, Fandango e outras citadas nesta matéria. Confira!

Nesta matéria vimos um pouco da riqueza e da diversidade das danças folclóricas, no Brasil e em outros países do mundo. Continue ampliando seu conhecimento acerca da cultura e do movimento corporal humano. Confira nossa matéria a respeito Judô!

Referências

As danças folclóricas e populares no currículo da educação física: possibilidades e desafios (2008) – Silvia Sborquia e Marcos Neira.

Dança: dimensão sagrada ou profana? (1998) – Larissa Lara.

Dança: dilemas e desafios na contemporaneidade (2013) – Larissa Lara.

Deuses e marionetes: Kathakali, teatro dança clássico da Índia e seus delicados diálogos (2013) – Almir Ribeiro.

João Paulo Marques
Por João Paulo Marques

Bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa Corpo, Cultura e Ludicidade (GPCCL/UEM/CNPq) e do Grupo de Estudos Foucaultianos (GEF/ UEM/CNPq). Pesquisas focalizando Cultura Física, Discurso, Corpo e Subjetividade.

Como referenciar este conteúdo

Marques, João Paulo. Danças Folclóricas. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/educacao-fisica/dancas-folcloricas. Acesso em: 22 de September de 2020.

Exercícios resolvidos

1. [Enem - 2014]

Essa forma de dança social (folclórica) desenvolveu-se como parte dos costumes e tradições de um povo que expressa sua manifestação cultural. Transmitida de geração a geração, é uma das formas de dança mais antigas, datando desde a época das culturas tribais evoluídas que estabeleceram ligação com as grandes civilizações da história da humanidade. A principal característica dessa dança é a integração, socialização, prazer, divertimento, respeito aos costumes e tradições.

(HASS, A. N; GARCIA, A. Ritmo e Dança. Canoas: Ulbra, 2003)

As danças folclóricas, sendo uma expressão das diferentes manifestações da dança:

a) Distinguem-se das demais pelo refinamento técnico dos seus gestos e movimentos e pela complexidade dos seus elementos coreográficos.

b) Compreendem expressões culturais brasileiras diversificadas como o maracatu, o funk, a catira, o boi-bumbá, o hip hop e o baião.

c) São contextuais, pois seus gestos e coreografias fazem referência a situações da vida cotidiana e/ou expressam visões de mundo de uma comunidade.

d) Possuem qualidades rítmicas e expressivas secundárias em relação aos significados sociais, culturais e representacionais.

e) Reforçam tendências de massificação social e de dispersão de sentidos da vida comunitária, favorecendo a universalização de valores culturais.

A resposta correta é a alternativa c.

2. [Enem - 2013]

Própria dos festejos juninos, a quadrilha nasceu como dança aristocrática. oriunda dos salões franceses, depois difundida por toda a Europa. No Brasil, foi introduzida como dança de salão e, por sua vez, apropriada e adaptada pelo gosto popular. Para sua ocorrência, é importante a presença de um mestre “marcante” ou “marcador”, pois é quem determina as figurações diversas que os dançadores desenvolvem. Observa-se a constância das seguintes marcações

“Tour”, “En avant”, “Chez des dames”, “Chez des cheveliê”, “Cestinha de flor”, “Balancê”, “Caminho da roça”, “Olha a chuva”, “Garranchê”, “Passeio”, “Coroa de flores”, “Coroa de espinhos” etc.

No Rio de Janeiro, em contexto urbano, apresenta transformações: surgem novas figurações, o francês aportuguesado inexiste, o uso de gravações substitui a música ao vivo, além do aspecto de competição, que sustenta os festivais de quadrilha, promovidos por órgãos de turismo.

(CASCUDO. L.C. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Melhoramentos. 1976)

As diversas formas de dança são demonstrações da diversidade cultural do nosso país. Entre elas, a quadrilha é considerada uma dança folclórica por:

a) Possuir como característica principal os atributos divinos e religiosos e, por isso, identificar uma nação ou região.

B) Abordar as tradições e costumes de determinados povos ou regiões distintas de uma mesma nação.

c) Apresentar cunho artístico e técnicas apuradas, sendo também, considerada dança-espetáculo.

d) Necessitar de vestuário específico para a sua prática, o qual define seu país de origem.

e) Acontecer em salões e festas e ser influenciada por diversos gêneros musicais.

A resposta correta é a alternativa b.

3. [Enem - 2009]

A cultura corporal de movimento está expressa em jogos, esporte, danças, artes marciais, lutas, ginástica e outros movimentos que ainda são emergentes. Certos movimentos são significativos para determinada região do país, mas não para outras. Você, por exemplo, que nasceu e cresceu em determinada cidade pertencente a uma região do nosso país, aprendeu e praticou alguns jogos, esportes e dançou um tipo de música porque tais manifestações são parte integrante da sua comunidade.

(DARIDO, S. C.e SOUZA JUNIOR, O. Para esinar eucação física. São Paulo: Papirus Editora, 07 – adp)

O Brasil tem características culturais embasadas na miscigenação de raças e etnias que influenciam as manifestações de movimento, como, por exemplo:

a) O forró, uma expressão de dança brasileira que possui ritmos rurais da região sul do país e poucos ritmos da região nordeste.

b) O bumba meu boi, uma das expressões da cultura do movimento muito comum em grandes cidades como, por exemplo, São Paulo e Porto Alegre.

c) O judô, um tipo de ginástica nascida nos Estados Unidos da América e, de lá, difundida para países como o Japão, Coréia e China.

d) O futebol, esporte de maior significado cultural no Brasil e desenvolvido aqui como forma de utilização e aprimoramento de habilidades dos membros inferiores (pernas e pés), porque atividades de trabalho físico pouco valorizavam essas partes do corpo.

e) A capoeira, genuinamente brasileira e criada pelos escravos africanos trazidos para o país como forma de expressão de liberdade e comunicação.

A resposta correta é a alternativa e.

Compartilhe

TOPO