Recife de corais

O recife de corais é uma estrutura rígida composta por carbonato de cálcio secretado por antozoários e algas calcárias.

O recife de corais é um ecossistema marinho de alta biodiversidade. Ele é formado por uma estrutura rígida que funciona como habitat para diversas espécies de plantas e animais. Além disso, possui grande importância ecológica e econômica. Neste texto, você irá aprender mais sobre o assunto. Acompanhe!

O que é recife de corais?

O recife de corais é uma estrutura rígida formada a partir da deposição de carbonato de cálcio (CaCo3) do exoesqueleto secretado por Antozoários, animais do filo Cnidaria. Esses animais são chamados de corais hermatípicos e possuem a capacidade de se associar em colônias em que cada organismo é chamado de pólipo. Assim, é resultante da sobreposição dos exoesqueletos desses animais e coberta por milhares de pólipos vivos.

Além disso, as algas calcárias, também chamadas de algas coralíneas, podem contribuir com a deposição de calcário nos recifes. Diversos animais vivem associados ao recife de corais. Dessa forma, são considerados um verdadeiro ecossistema aquático e até comparado às florestas tropicais devido a sua alta biodiversidade.

Características do recife de corais

O recife de corais possui diversas características que contribuem para a sua complexidade e biodiversidade. Então, veja a seguir mais detalhes sobre as principais características:

Onde ocorre

O recife de corais geralmente é encontrado em águas rasas, claras e quentes. Isso porque essas condições são favoráveis para o seu desenvolvimento. Por isso, é comum o registro dos recifes em áreas tropicais e subtropicais. Porém, em algumas partes do mundo, já registraram recifes em águas profundas.

Reprodução dos corais

As colônias de corais podem ser hermafroditas ou de um único sexo (masculino ou feminino) e sua reprodução pode ser assexuada ou sexuada. O tipo mais comum é a forma assexuada que ocorre por meio de brotamento de um pólipo, fragmentação das colônias ou produção de larvas não fertilizadas. Já na reprodução sexuada ocorre a produção de gametas e a fecundação cruzadas entres indivíduos.

Simbiose entre corais e microalgas

Os corais vivem em simbiose com microalgas chamadas zooxantelas. Essa é uma associação ecológica em que uma espécie depende da outra para sobreviver. Nesse caso, as algas reciclam o fósforo e os compostos nitrogenados que seriam perdidos pelos corais, aumentando a habilidade desses animais de depositar o calcário.

As zooxantelas são as responsáveis pela coloração dos corais e são favorecidas com a localização dos recifes, pois a incidência de luz permite a realização da fotossíntese. Além disso, esse processo também fornece moléculas alimentares para os corais.

Habitat para outros animais

Os recifes são ambientes com inúmeras tocas e fendas que servem como habitat para diversos animais invertebrados e vertebrados. Esses animais também podem habitar os recifes para se alimentar, reproduzir e se proteger. Dentre os diversos animais que é possível encontrar nesses locais, os mais comuns são: os moluscos, os crustáceos, os peixes e as tartarugas marinhas.

Degradação dos corais

Apesar de sua estrutura rígida, os recife de corais estão sendo degradados em resultado as ações antrópicas. A consequência mais grave é chamada de branqueamento dos corais que causam a morte das zooxantelas, tornando os corais em estruturas brancas e quebradiças. Esse fenômeno é uma consequência do aquecimento global que causa o aumento da temperatura das águas e a acidificação dos oceanos.

Além disso, os corais chamam a atenção de turistas. Entretanto, o turismo não ecológico nesses locais favorece a excessiva exploração. Assim, algumas pessoas acabam fazendo a coleta de um pedaço de coral, pisam sobre o exoesqueleto, realizam pescas ilegais e até mesmo deixam lixo nesses ambientes. Dessa forma, ocorre a perda de biodiversidade no recife de corais.

Os corais são extremamente complexos e possuem diversas características. Por isso, neste texto, foram listadas as principais para você ter conhecimento.

Tipos de recife de corais

Recife de corais pode ser classificado de acordo com o seu tamanho, forma e distância da região costeira. Veja a seguir as características de cada um dos tipos:

Recifes em franja

Estão localizados próximos a uma porção de terra, podem ou não apresentar uma porção de água rasa entre o recife e a costa. Esse tipo possui formações simples e é o mais comum de ser encontrado.

Recifes em barreira

Esse tipo de recife está relativamente próximo à costa, porém conta com uma porção de água mais larga e funda quando comparado ao tipo franja. Por isso, geralmente estão localizados a quilômetros de distância da porção de terra.

Atóis

São formações circulares com o centro formando uma grande lagoa. Esse tipo de recife se localizam no meio dos oceanos, mas não são uma ilha propriamente.

Recifes em manchas

Também são chamados de recifes em banco, eles são pequenas formações que ocorrem entre os recifes em franja e em barreiras.

Cada tipo de recife de corais apresentam suas características. Isso também contribui para a ocorrência e desenvolvimento de espécies que vivem nos recifes e em seus arredores.

Importâncias do recife de corais

Como falado anteriormente, os recifes de corais são extremamente importantes tanto para a ecologia quanto para economia. Do ponto de vista ecológico, os recifes são ecossistemas com alta biodiversidade, abrigando muitas espécies de animais. Esses locais apresentam uma complexa teia alimentar, além de diversas relações mutualísticas e de competição entre as espécies.

Já do ponto de vista econômico, os recifes são grandes atrações turísticas, possui potencial pesqueiro e serve de matéria-prima para a confecção de joias e para a indústria farmacêutica. Entretanto, para não prejudicar os recifes é necessário medidas de conservação que regulam o turismo e outras atividades.

Recife de corais no Brasil

O Brasil possui o único recife de corais localizado no Atlântico Sul. Por conta disso, a sua diversidade é baixa, contando com cerca de 16 espécies de corais. Porém, ainda conta com uma alta diversidade de fauna e flora que habitam esses locais.

O recife de corais brasileiros está distribuído aos longos de cerca de 3 mil km de costa, que vai do Maranhão até o sul da Bahia. A área conta com unidades de conservação federais, estaduais e municipais. Além disso, atualmente existem diversas instituições, como as universidades federais, que buscam conhecer e preservar os corais brasileiros.

Saiba mais sobre recife de corais

A seguir, você encontra uma lista com alguns vídeos relacionados ao assunto estudado. Não deixe de conferir e aproveite para ampliar seus conhecimentos. Olha só:

Resumão sobre recife de corais

Assista ao vídeo e revise o conteúdo estudado. Nele você vai entender como são formados os corais e a sua importância. Além disso, veja como ocorre o branqueamento dos corais, uma consequência do aumento da temperatura que preocupa diversos pesquisadores.

Acidificação dos oceanos

A acidificação dos oceanos ocorre por conta da baixa disponibilidade de carbonato de cálcio e alta concentração de íons de hidrogênio nos ambientes marinhos. Assim prejudicam as espécies calcificadoras, como, por exemplo, os corais. Confira no vídeo como ocorre esses processo e quais as suas consequências para o ecossistema aquático.

Aquecimento global

O branqueamento dos corais, ou seja, a morte desses organismos é uma consequência do aquecimento global. Mas você sabe dizer o que é o aquecimento global? Para te ajudar, assista ao vídeo do canal Nerdologia e entenda como ocorre o aumento de temperatura da Terra e as consequências das mudanças climáticas para os seres vivos.

Em conclusão, o recife de corais constituí um dos ecossistemas com maior biodiversidade. Isso porque a sua estrutura serve de habitat para diversas espécies de seres vivos. Aproveite seus estudos em biologia e sabia mais sobre os Cnidários, o filo em que os corais estão classificados.

Referências

HICKMAN, Cleveland P.; ROBERTS, Larry S.; KEEN, Susan L. Princípios integrados de zoologia. 16º Edição, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

Recifes de Coral. Disponível em: https://antigo.mma.gov.br/processo-eletronico/item/397-recifes-de-corais.html Acesso em: 20 de maio de 2021.

RICKLEFS, Robert; RELYEA, Rick. A economia da natureza. 7ª Edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2017.

ZILBERBERG, Carla et al. Conhecendo os Recifes Brasileiros: Rede de Pesquisas Coral Vivo. Rio de Janeiro: Museu Nacional, UFRJ, 2016.

Gabriela Naomi
Por Gabriela Naomi

Acadêmica de último ano de Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Possui experiência na área de limnologia, com ênfase em ecologia de zooplâncton pela mesma universidade.

Como referenciar este conteúdo

Tanaka Santos, Gabriela Naomi. Recife de corais. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/recife-de-corais. Acesso em: 19 de June de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [ENEM - 2014]

Parte do gás carbônico da atmosfera é absorvida pela água do mar. O esquema representa reações que ocorrem naturalmente, em equilíbrio, no sistema ambiental marinho. O excesso de dióxido de carbono na atmosfera pode afetar os recifes de corais.

a) seu branqueamento, levando à sua morte e extinção.

b) excesso de fixação de cálcio, provocando calcificação indesejável.

c) menor incorporação de carbono, afetando seu metabolismo energético.

d) estímulo da atividade enzimática, evitando a descalcificação dos esqueletos.

e) dano à estrutura dos esqueletos calcários, diminuindo o tamanho das populações.

A alternativa correta é e) dano à estrutura dos esqueletos calcários, diminuindo o tamanho das populações.

O excesso de dióxido de carbono na água causa a acidificação dos oceanos e, consequentemente, a destruição dos esqueletos calcários dos corais.

2. [Mackenzie - 2005]

O “branqueamento dos recifes de coral” tem sido um dos desastres ambientais mais preocupantes. O fenômeno caracteriza-se pela morte de algas microscópicas que vivem, de forma mutualística, na cavidade gastrovascular de cnidários. A respeito desse processo, considere as seguintes afirmativas.

I. A destruição de recifes afeta grande parte da teia alimentar marinha, uma vez que eles são importantes locais de abrigo e reprodução de várias espécies marinhas.

II. As algas, ao realizarem fotossíntese, fornecem parte da matéria orgânica para o cnidário e este, por sua vez, fornece abrigo e elementos necessários para a fotossíntese.

III. Como se trata de uma relação mutualística, os corais não são capazes de sobreviver sem as algas em seu interior.

Assinale:

a) se somente as afirmativas I e II forem corretas.

b) se somente as afirmativas II e III forem corretas.

c) se todas as afirmativas forem corretas.

d) se somente a afirmativa I for correta.

e) se somente as afirmativas I e III forem corretas.

A alternativa correta é c) se todas as afirmativas forem corretas.

Compartilhe

TOPO