Placebo

O efeito placebo engana nosso cérebro e é capaz de mostrar benefícios em algumas doenças. Mas você sabe porque isso acontece? Entenda neste texto.

Você já passou por alguma situação muito tensa e alguém te ofereceu água com açúcar para acalmar? Se nunca aconteceu com você, provavelmente já ouviu falar sobre isso. Entretanto, não existe nenhuma evidência científica que comprove o efeito calmante da água com açúcar, porém muitas pessoas garantem que ela funciona. Chamamos isso de efeito placebo, neste texto vamos entender como ele funciona.

Índice do conteúdo:

O que é placebo?

O placebo é um tipo de tratamento que não possui nenhuma propriedade farmacológica e, dessa maneira, não atua diretamente nas doenças. Ele é muito usando em estudos clínicos, nos quais se faz a comparação com o tratamento verdadeiro (com fármacos) e geralmente é composto por substâncias químicas inativas.

A ação do placebo está relacionada mais com a melhora dos sintomas do que com a cura da doença. Entretanto, o seu funcionamento ainda não está muito esclarecido para a ciência. Acredita-se que sua ação está relacionada à personalidade e ao psicológico do paciente. Por exemplo, em muitos estudos com pacientes oncológicos, há relatos positivos sobre o efeito do placebo utilizado para redução da dor e melhora no bem-estar. Assim, o paciente consegue seguir com o tratamento com melhor qualidade de vida, mas não há evidências de que isso diminui ou cura o câncer.

Vídeos sobre o efeito placebo

Para te ajudar a compreender o assunto e não restar nenhuma dúvida, selecionamos alguns vídeos. Então, confira abaixo nossa seleção.

Ação do efeito placebo

Neste vídeo, há uma explicação sobre a ação do efeito placebo no nosso corpo. Além disso, explica resumidamente como o placebo é utilizado na medicina para estudos clínicos.

Ciência e placebo

Aqui, selecionamos um vídeo com um psiquiatra explicando como o efeito placebo pode ser eficaz. Ele conta como alguns estudos realizados por pesquisadores mostram a sua eficácia.

Homeopatia

Aqui, selecionamos um vídeo sobre como funciona a homeopatia e como ela está muito atrelada ao efeito placebo.

Em conclusão, o placebo causa um efeito fisiológico real em resultado a um tratamento sem fármacos. Mesmo que não seja possível explicar exatamente como ele funciona, podemos dizer que nosso cérebro é altamente poderoso. Continue seus estudos de biologia e entenda mais sobre o sistema nervoso humano.

Referências

ELKIS, Helio; GATTAZ, Wagner F. Algumas recomendações para estudos com placebo. Brazilian Journal of Psychiatry, v. 22, n. 4, p. 153-154, 2000.

Gabriela Naomi
Por Gabriela Naomi

Acadêmica de último ano de Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Integrante do grupo de pesquisa na área de limnologia, com ênfase em ecologia de zooplâncton na mesma universidade.

Como referenciar este conteúdo

Tanaka Santos, Gabriela Naomi. Placebo. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/placebo. Acesso em: 21 de October de 2020.

Exercícios resolvidos

1.

Qual alternativa abaixo corresponde a definição de placebo?
a) nome designado à remédios falsos de eficácia comprovada.
b) tratamento sem a utilização de fármacos, mas que podem melhorar sintomas das doenças.
c) medicamento muito utilizado no tratamento de transtornos psicológicos.

A alternativa correta é b) tratamento sem a utilização de fármacos, mas que podem melhorar sintomas das doenças.

2.

Análise as afirmativas abaixo:

I – O efeito placebo não está relacionado a cura de doenças, mas pode apresentar melhora nos sintomas.
II – O placebo é uma alternativa muito utilizada para estudar a eficácia de novos medicamentos.
III – Muitos pacientes oncológicos que utilizam o efeito placebos são curados mais rápido.

Podemos concluir que:
a) As afirmativas I e III estão corretas
b) Apenas a afirmativa I está correta
c) A afirmativa III está incorreta
d) Todas as afirmativas estão corretas

A alternativa correta é c) A afirmativa III está incorreta.

Pois a utilização de placebo por pacientes oncológicos causam melhoras nos sintomas e não no tumor.

Compartilhe

TOPO