Caravaggio

Caravaggio foi um dos grandes nomes do barroco italiano, tendo uma personalidade forte e um estilo artístico excêntrico.

Caravaggio foi um artista italiano que se destacou durante o movimento barroco, no século XVI. Sua personalidade forte, seu pensamento extravagante e estilo excêntrico eram transmitidos para suas obras, chocando a sociedade conservadora da época.

Nas palavras do próprio artista, Caravaggio costumava se definir:

“Não sou um pintor valentão, como costumam dizer, mas sou um pintor valente, que pinta bem e cria bem os elementos naturais.”

As obras de Caravaggio foram consideradas provocativas, bem como revolucionárias para a época. Seu trabalho se destacava pela técnica apurada e pela forma de retratação das pessoas expostas nas suas telas.

Biografia de Caravaggio

caravaggio
(Imagem: Reprodução)

Caravaggio, de nome completo Michelangelo Merisi, nasceu no dia 29 de setembro de 1571, na cidade de Porto Ercole, na Itália. Sua vida praticamente começa com um abalo aos 6 anos de idade, após falecimento de seu pai.

Aos 12 anos, ele passa a frequentar o ateliê de Simone Peterzano, na cidade de Milão. É lá que começa a tomar gosto pelas artes plásticas, e ali permanece como um aprendiz.

Quando completa 18 anos, vê sua mãe falecer. Seu destino era, definitivamente, ser um pintor, o que fez Caravaggio se mudar para Roma. Na capital, trabalharia como aprendiz em inúmeros ateliês.

Após passar fome e dificuldades, decide vender suas pinturas pelas ruas, até que começa a trabalhar para o Cardeal Del Monte. Foi durante o período ao lado do patrono da escola de pintores de Roma, que Caravaggio passou a adotar características de cunho religioso em suas obras.

A vida boêmia, no entanto, o levava aos excessos. Esse fato provocou com que o pintor voltasse a passar por dificuldades, contraindo dívidas e recusando trabalhos, por considerar ser fiel às suas características.

Homicídio

No ano de 1606, Caravaggio ainda mataria o nobre Tommasoni, durante um jogo de pallacorda. Depois de cometer o assassinato, o artista se refugia em Nápoles, deixando Roma, e mais tarde se dirigindo para a Ilha de Malta.

Caravaggio ainda perambularia por inúmeras cidades da Itália, até retornar para Nápoles três anos mais tarde. É exatamente em 1609 que ele é atacado por amigos do nobre assassinado, que o agrediriam violentamente.

Sofrendo pelas lesões, e depois de contrair a malária, Caravaggio faleceria no dia 18 de julho de 1610.

Inspiração para Rembrandt

Como legado, Caravaggio ainda deixaria suas características para inspirar outros artistas. É o caso de Rembrandt, que no alto de sua inspiração, em 1640, faz uso da monocromia em tons dourados.

A partir de um dos grandes mestres do chiaroscuro (claro-escuro), Rembrandt utilizaria o pintor italiano para criar uma característica atemporal, inspirada ainda em Leonardo da Vinci para composição de suas obras.

Obras de Caravaggio

Ao longo de sua conturbada vida, Caravaggio criou obras incríveis, dentre as quais destacam-se:

Baco (1595)

(Imagem: Reprodução)

Medusa (1597)

(Imagem: Reprodução)

Narciso (1599)

(Imagem: Reprodução)

Os Trapaceiros (1594)

(Imagem: Reprodução)

A ceia em Emaús (1601)

(Imagem: Reprodução)

Judith e Holofernes (1599)

(Imagem: Reprodução)

Os músicos (1595)

(Imagem: Reprodução)

O tocador de Alaúde (1594)

(Imagem: Reprodução)

A Flagelação de Cristo (1607)

(Imagem: Reprodução)

Vocação de São Mateus (1600)

(Imagem: Reprodução)

Características das obras de Caravaggio

Caravaggio foi um artista expoente, que, ao longo dos anos, apesar de manter uma linha própria de características, moldou-se e alternou-se com o passar do tempo. Dessa maneira, ao longo de sua vida, a produção de suas obras contou com as seguintes características:

  • Estilo singular com realce na expressão realista de suas obras;
  • Prevalece nas obras o estilo religioso e mitológico;
  • Jogo de luz e sombra, técnica clássica do barroco do claro-escuro (chiaroscuro);
  • Adoção do tenebrismo (uso de fundo escuro para uma pintura de face escurecida);
  • Ar sombrio e dramaticidade;
  • Foco na expressão da face e do sentimento das figuras retratadas nas obras;
  • Apreço pela representação real das pessoas da época, tal como as via nas ruas de Roma;

Dessa maneira, Caravaggio se tornou um pintor expoente, que levaria o barroco a outro nível. Continuado por Rembrandt, o trabalho de Caravaggio trouxe uma expressão própria e de personalidade para os conceitos artísticos da época, tornando-se atemporal.

Referências

AZEVEDO, Gislane e SERIACOPI, Reinaldo. História Volume Único. Editora Ática, São Paulo-SP, 1ª edição. 2007, 592 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Exercícios resolvidos

1. [UFGD]

Com base na obra Narciso de Caravaggio (1571-1610) e em sua releitura sem título, reproduzidas abaixo, é correto afirmar:

a) A primeira pertence ao período barroco italiano e alude a um mito da antiguidade clássica sobre a criação do homem à imagem e semelhança das águas.

b) Tanto a primeira quanto a segunda fazem referência ao abuso de equipamentos tecnológicos na sociedade contemporânea.

c) A segunda pode ser considerada uma paródia da primeira e sugere uma leitura atual do individualismo e do amor à autoimagem.

d) A primeira é uma obra de arte renascentista e apresenta uma crítica ao sistema de tratamento de água na Idade Média.

e) A primeira serviu de modelo à segunda, porém, a ideia do reflexo não foi preservada na imitação.

Resposta: C
A obra carrega uma temática de individualismo e apreciação restrita à autoimagem e alude a Narciso, personagem da mitologia grega com fortes traços de vaidade. Surge daí o termo “narcisismo”, muito contemplado até hoje em diversas áreas como a psicologia, filosofia e artes no geral.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO