Arte Românica

A Arte Românica utilizou a arquitetura para a demonstração de poder e as imagens para catequização do povo.

Quando estudamos a história da arte ocidental, podemos perceber a influência da Igreja Católica na organização da sociedade e, consequentemente, na produção artística. A igreja reconheceu a potência da arte na conquista de seus fiéis e na demonstração de poder e imponência. Um exemplo desse reconhecimento é a chamada Arte Românica, que se desenvolveu na Europa na Alta Idade Média. Acompanhe:

A Arte Românica: resumo

A Arte Românica desenvolveu-se a partir da queda do Império Romano entre os século XII e XIII. Consiste em diversas manifestações artísticas, através da arquitetura, da pintura, da escultura e de iluminuras de tema religioso que tomaram conta de grande parte da Europa, demonstrando o poder e o trabalho da Igreja Católica.

Movida pela expansão do cristianismo, após a morte do imperador Carlos Magno – que incentivou a produção artística em oficinas e mosteiros -, a Igreja Católica visualiza, nas diferentes formas de expressão artística, uma possibilidade para revelar seu poder e sua associação com o divino, além de disseminar histórias, signos, ícones e símbolos que fazem parte da sua constituição.

O período é marcado pelo aprimoramento do trabalho arquitetônico grego-romano, que construiu grandes templos, catedrais e castelos imponentes dedicados à fé católica.

Principais características

A Arte Românica é formada por influências estéticas do Império Romano, adaptadas ao contexto católico com desenvolvimento de novos recursos para a criação. Veja, a seguir, suas principais características:

  • Temática religiosa: todas as produções, nas mais diversas linguagens das artes visuais, foram dedicadas à temática religiosa – como a representação de santos, de Jesus e de outros ícones, passagens e ritos bíblicos.
  • Arquitetura imponente: a arquitetura grandiosa e imponente demonstra a fortaleza de Deus que as igrejas, templos e mosteiros representam.
  • Imagem para contar história: nas pinturas, esculturas e iluminuras, a imagem é uma aliada e uma forma de catequização dos fiéis, principalmente devido à baixa taxa de alfabetização daquele período.
  • Deformação e colorismo: as pinturas e as esculturas feitas no interior das construções apresentam cores sólidas, terrosas e desenho chapado, sem tridimensionalidade e com deformação de algumas figuras – como a imagem de Jesus Cristo.
  • Solidez e repouso: principalmente na arquitetura, os traços e as formas demonstram solidez e força. Nas esculturas, nas pinturas e em outras decorações, é perceptível uma tentativa de acolhimento e repouso no que é produzido e difundido pela fé católica.

Influenciada pela lógica greco-romana, a Arte Românica representou um período de produção artística que deixou aspectos a serem explorados e aprimorados durante a Idade Média.

A Arte Românica e seus desdobramentos

Esse período artístico e histórico, movido pela valorização da arte no campo após Carlos Magno, explorou diversas formas de expressão de maneiras distintas. A seguir, podemos conhecer um pouco do que foi explorado em cada uma:

Pinturas

Martírio de São João e São Paulo – Alberto Sotio – Fonte: Wikiart

As pinturas românicas tinham temáticas bíblicas, como a criação do mundo e do ser humano. Em sua grande maioria, estavam presentes em murais ou em outros espaços promovidos pela estrutura arquitetônica do interior das igrejas e mosteiros. A formação das figuras humanas e o colorismo de tendência chapada são os aspectos mais perceptíveis na pintura.

Arquitetura

Interior da Igreja de Saint Nicholas Rotunda na cidade de Cieszyn, Polônia – 1180 – Fonte: Wikiart

Basílica de Saint Sernin, França – 1180 – Fonte: Wikiart

Torre de Pisa, Itália – 1173 – Fonte: Wikiart

A arquitetura românica teve grande influências na arquitetura romana, que utilizava arcos em suas construções. As igrejas desse período eram conhecidas como grandes fortalezas de Deus. Dessa forma, o arco é um elemento muito presente e forte nas construções, principalmente das catedrais. Os arcos são classificados em dois tipos: berço e arestas.

O arco de berço é formado por uma estrutura semicircular, por isso é denominado como arco pleno. Arquitetos do período, porém, perceberam que utilizá-lo nas construções deixava a estrutura frágil, devido ao grande volume de peso nos tetos altos; além disso, proporcionavam baixa luminosidade.

Já o arco de arestas, que consiste na intersecção de dois arco de berço, é capaz de sustentar mais peso e de proporcionar mais luz, além de parecer visualmente mais harmônico. Prevalece a sensação de leveza.

Esculturas

Santuário da Virgem – A fuga para o Egito – 1205 – Nicolas de Verdun – Fonte: Wikiart

As esculturas do movimento estão relacionadas à reprodução de figuras e de histórias bíblicas, com aspecto decorativo e de ornamentação. Os itens utilizados nos ritos das igrejas são também esculturas muito detalhadas e ornamentadas.

Iluminuras

Claricia balançando na inicial “Q” – Claricia – Fonte: Wikiart

As iluminuras eram ilustrações de passagens bíblicas que acompanhavam alguns escritos. Eram utilizadas como forma de disseminação das histórias e dos ritos da fé católica.

Sem dúvidas, a Arte Românica apresentou-se nas linguagens visuais mais distintas, contudo o período é fortemente lembrado pelas suas características arquitetônicas.

A Arte Românica e a Arte Gótica

A Arte Românica e Arte Gótica, muitas vezes, são confundidas, entretanto a Arte Romância precedeu a Gótica. Suas diferenças são reflexo do desenvolvimento da sociedade e do início da queda da força de Igreja Católica, devido aos primeiros movimento de um pensamento mais científico e humanista.

A principal diferença entre as duas está mais visível na arquitetura, uma vez que a arquitetura gótica aprimora o trabalho românico. Acrescenta e amplia os espaços das catedrais e a valorização da luz, além de organizar a nave religiosa de outra forma, tanto externamente quanto internamente.

Principais artistas e obras

Esse não é um movimento artístico em que as suas criações são facilmente atreladas a nomes e a artistas que podem ser destacados. Porém, para acrescentar ao seus estudos, elencamos alguns artistas enquadrados nesse movimento. Confira:

Herrad de Landsberg

Herrad de Landsberg (1130-1195) foi uma freira francesa conhecida por suas ilustrações que, inclusive, desenhou uma enciclopédia de figuras. Veja algumas de suas obras:

Genealogia de Cristo – Herrad de Landsberg – Fonte: Wikiart

Esther e Xerxes no banquete – Herrad de Landsberg – Fonte: Wikiart

Claricia

Claricia, nascida no século XIII, foi uma ilustradora de iluminuras. Conheça alguns de seus trabalhos:

Virgem e a criança entronada – Claricia – Fonte: Wikiart

“B” inicial decorado – Claricia – Fonte: Wikiart

Alberto Sotio

Pintor e ilustrador de iluminuras, criou afrescos para diversas catedrais. Veja seus trabalhos:

A crucificação com a Virgem e São João – Alberto Sotio – Fonte: Wikiart

Madonna de Ambro – Alberto Sotio – Fonte: Wikiart

Nicolas de Verdun

Nicolas de Verdun (1130-1230) foi um ourives e escultor de origem francesa que produziu diversas encomendas para regiões da França. Confira exemplos de obras:

Santuário dos Três Reis Magos – Nicolas de Verdun – Fonte: Wikiart

Moisés no Monte Sinai – Nicolas de Verdun – Fonte: Wikiart

Facundus

Ilustrador e pintor de origem espanhola, suas criações demonstram o deformação e o colorismo do movimento. Veja a seguir:

O Evangelista João – Facundus – Fonte: Wikiart

Grande Teofania: síntese de Apocalipse IV e V e Ezequiel I – Facundus – Fonte: Wikiart

Esses são alguns artistas que tiveram suas produções artísticas classificadas como Arte Românica e que explicitam as características destacadas pelo período.

Vídeos sobre a Arte Românica

Até aqui, apresentamos referências visuais e históricas para você estudar, com detalhes, o que foi e como se desenvolveu a Arte Românica na Idade Média. Para te auxiliar a revisar e a complementar seus estudos com mais detalhes, separamos vídeos para você aprofundar seus estudos. Acompanhe:

Resumindo…

De uma forma muito descontraída, o Zeck do canal Arte & Educação faz um resumo detalhado da Arte Românica que se desenvolveu na Idade Média. Um vídeo excelente para você revisar o que já apontamos na matéria!

Os principais pontos da Arte Românica

A Regia Rodrigues, nesse vídeo, fala sobre os principais aspectos da Arte Românica, tocando em pontos como a arquitetura, a pintura e a escultura. As informações apontadas pela youtuber podem te auxiliar nos estudos com facilidade!

Aprofundando na arquitetura

Nesse vídeo, a portuguesa Sarah, do canal CriaArte, apresenta uma análise sobre a arquitetura românica, tratando do seu surgimento, desenvolvimento e aspectos mais relevantes. Esse conteúdo é excelente para conhecer o aspecto arquitetônico que se desenvolveu na Europa na Idade Média e se tornou um referencial visual para nós.

Com a Arte Românica, podemos perceber a influência da Igreja Católica na organização da sociedade. Mas como isso começou? Para saber mais, leia também sobre a Arte Bizantina e fique por dentro da importância que o período medieval apresenta para a história da arte!

Referências

História da Arte (2012) – Graça Proença

Por Vanderlei Bachega Junior
Como referenciar este conteúdo

Bachega Junior, Vanderlei. Arte Românica. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/artes/arte-romanica. Acesso em: 27 de July de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [UFSM]

Os estilos arquitetônicos românico e gótico caracterizaram as construções na Baixa Idade Média. O estilo românico, que precede o gótico, caracterizou-se pela grandeza e solidez das construções de templos identificados como “fortalezas de Deus”. O gótico propiciou a ornamentação das Igrejas com esculturas e vitrais e valorizou a altura e a verticalidade das construções, dando a impressão de “contato com os céus”.
Levando em conta que esses templos podem ser considerados testemunhos históricos, assinale verdadeira (V) ou falsa (F) nas afirmações a seguir.

( ) O templo românico identifica uma sociedade rural na qual a Igreja foi o centro de poder, e o estilo gótico reflete o desenvolvimento urbano e do comércio.
( ) Esses estilos arquitetônicos testemunham uma sociedade hierarquizada, fundamentada na doutrina cristã, onde o “templo” também representa o lugar e o poder que a instituição “Igreja” exerceu.
( ) A expressão “fortalezas de Deus” justifica-se por serem grandiosas construções que serviram, em primeiro lugar, como espaço reservado aos exércitos nacionais dos estados absolutistas modernos.

A sequência correta é:

a) V – F – F
b) V – V – F
c) F – V – F
d) F – F – V
e) V – F – V

Resposta: B

As igrejas eram utilizadas para a recepção de peregrinos, mas nunca foram utilizadas em prol dos exércitos modernos.

2. [UFPE]

Os estilos arquitetônicos românico e gótico destacaram-se na arte medieval. O estilo românico, por exemplo, presente em numerosas edificações do século XI, expandiu-se pela Europa católica e:

a) era muito usado na construção de igrejas, destacando-se suas linhas curvas e sua forte ligação com mudanças urbanas que aconteciam no sul da Europa do século XI.
b) estava relacionado com mudanças no estilo arquitetônico francês rural, que revelava o enfraquecimento das tendências próprias das construções do sistema feudal do século XI.
c) era usado nas construções religiosas católicas, numa época em que ainda se destacava a simplicidade da vida rural medieval.
d) simbolizou o crescimento do comércio medieval no sul da França, com destaque para seus arcos e suas janelas pequenas, de vitrais bem desenhados.
e) marcou a arquitetura católica medieval, mas foi usado apenas na construção de mosteiros próximos aos castelos dos senhores feudais mais ricos.

Resposta: C

O estilo românico está associado à vida rural, e as igrejas eram consideradas fortalezas de Deus.

Compartilhe

TOPO