Conceito de família

A família é uma entidade social e histórica, que tem se modificado ao longo do tempo, com algumas características recorrentes. Saiba mais!

Em linhas gerais, não há um conceito fechado sobre família. Para as ciências sociais, essa é uma instituição social e histórica existente, sob uma grande variedade de situações e arranjos, no seio da sociedade. A seguir, entenda a constituição e evolução desse conceito.

Qual o conceito de família

Como já foi apresentado, a família é uma instituição social. Apesar da definição parecer óbvia, nem sempre foi assim. Até meados do século XIX, a sociedade compreendia a representação familiar como uma instituição natural, dentro de uma só configuração e molde.

Segundo o sociólogo britânico Anthony Guiddens, “entre todas as mudanças que estão se dando no mundo, nenhuma é mais importante do que aquelas que acontecem em nossas vidas pessoais — na sexualidade, nos relacionamentos, no casamento e na família”. Essas transformações sociais marcaram fortemente como o conceito e a configuração de família são entendidos na atualidade. A seguir, entenda mais sobre a evolução desse conceito.

Evolução do conceito de família

Além de ser uma instituição social, a família é uma instituição histórica, ou seja, suas configurações mudam e se ressignificam no tempo e espaço, conforme as transformações sociais, econômicas, culturais, demográficas, entre outros fatores. Por isso, para entender o conceito na atualidade, é preciso ter um prisma histórico.

Em sua concepção, segundo o sociólogo francês Pierre Bourdieu, “a família é produto de um verdadeiro trabalho de instituição, ritual e técnico ao mesmo tempo, que visa instituir de maneira duradora, em cada um dos membros da unidade instituída, sentimentos adequados a assegurar a integração que é a condição de existência e de persistência dessa unidade”.

O terno família é oriundo do latim famulus, e remete ao grupo de servos domésticos. Inicialmente, durante o Império Romano, esse conceito significou a união entre duas pessoas e seus descendentes. Baseado nesse ideal, surgiu a prática do matrimônio para unir pessoas e herdar bens e posições sociais de maneira hereditária.

No período medieval, com a influência da Igreja na dinâmica social, o matrimônio passou a ser visto como sacramento e a ideia de família nuclear foi fortalecida como uma condição natural estabelecida por uma ordem divina e sagrada.

Após a Revolução Industrial, houve mudanças na configuração da família. As novas relações sociais, bem como a redução nas taxas de mortalidade e natalidade, desencadearam mudanças no núcleo familiar. Para o sociólogo Anthony Guiddens, o uso de técnicas contraceptivas, a adoção de planejamento familiar e a primazia concedida pela mulher à carreira profissional cooperaram para as transformações.

Conceito de família na atualidade

Atualmente, o conceito de família é bastante agregador e flexível, com diversos modelos e configurações. Em detrimento do contexto social contemporâneo, a família divide a função de socialização e transmissão de valores e comportamentos.

O século XX foi crucial para a reformulação desse conceito, tendo em vista que o matrimônio e a reprodução perderam espaço como categorias determinantes de uma família. Por outro lado, o afeto é considerado o fator principal para as configurações familiares — o que não significa dizer que o matrimônio e a reprodução são insignificantes e sem valor para a formação familiar.

No decorrer dos séculos, o conceito de família se alargou, sendo um retrato das transformações sociais e culturais. A seguir, compreenda como algumas áreas do conhecimento definem a instituição familiar.

Conceito de família para a Sociologia

Para a Sociologia, a família é uma instituição social formada por um conjunto de pessoas com laços biológicos, parentescos e afetivos. É no seio familiar que o sujeito desenvolve muito dos seus valores, hábitos e crenças.

Vale ressaltar que, segundo um entendimento sociológico, a afetividade não é o único elo que une um grupo familiar, também é preciso considerar os aspectos sociais, econômicos e simbólicos, mesmo quando seus integrantes não residem no mesmo domicílio.

Nessas configurações amplas, há também a concepção de que a família possui e cultiva, em seu íntimo, um caráter conservador, visto que ela leva os seus membros a reproduzirem valores, hábitos e formas de pensar. Assim, muitas vezes, essa instituição social pode contribuir para a propagação de desigualdades, preconceitos, entre outras formas de exclusão.

Conceito de família para o Direito

Apesar das mudanças ocorridas em torno do conceito de família, nas relações entre seus membros e no amparo e reconhecimento político e jurídico, poucos modelos de família são reconhecidos pela Constituição Federal de 1988. São eles: o casamento (art. 226 § 1º e § 2º, CF), união estável (art. 226 § 3º, CF) e família monoparental (art. 226 § 4º, CF).

Assim, para o Direito, especialmente para o Direto Civil, a família é definida como um grupo de pessoas derivadas do matrimônio, seguindo uma configuração tradicional: o pai, a mãe e seus filhos. Apesar das discussões e transformações ocorridas no contexto social contemporâneo, a entidade família ainda é definida de maneira limitante pelos meios jurídicos, tendo em vista a diversidade das configurações familiares atuais.

Tipos de família

Sendo uma entidade social e histórica, o conceito de família possui íntimas relações com fatores simbólicos e culturais. Ao longo do tempo, as configurações familiares evidenciaram a necessidade de se considerar, nomear e reconhecer outros arranjos existentes na sociedade. Conheça alguns tipos de família:

  • Família nuclear: uma estrutura familiar constituída, basicamente, pelas figuras do pai, da mãe e dos filhos.
  • Família estendida (extensa): além do pai, mãe e filhos, essa configuração familiar também inclui avós, parentes, agregados, entre outros.
  • Família matrimonial: esse modelo de família é definido pela constituição do matrimônio, seja ele civil ou religioso.
  • Família monoparental: as famílias monoparentais são compostas por um dos pais e seus descendentes. Geralmente, essa configuração familiar é chefiada por mulheres-mães. Uma das causas desse fenômeno social é o abandono paterno.
  • Família Informal: essa configuração é semelhante ao modelo matrimonial, porém a família informal é baseada na união estável do casal e não no matrimônio.
  • Família anaparental: esse modelo é marcado pela ausência dos progenitores (pais). Nesse caso, os descendentes da família, os irmãos, vivem no mesmo domicílio sem a presença dos pais.
  • Família reconstituída: a família reconstituída é caracterizada pela formação de um novo matrimônio por parte dos cônjuges.
  • Família unipessoal: essa configuração familiar é formada por uma pessoa que vive sozinha, seja ela solteira, divorciada ou viúva.
  • Família adotiva: a família adotiva é formada quando um casal, ou uma pessoa solteira, opta pela adoção de uma criança, seguindo as leis judiciais.

Diante das definições do conceito de família e da diversidade existente em torno da sua configuração, cabe refletir sobre a forma como a sociedade reconhece a legitimidade de todas elas.

Vídeos sobre a família e suas configurações

Abaixo, confira alguns materiais complementares que trazem ótimas considerações sobre o tema estudado.

O que significa família: um panorama histórico

Nesse vídeo, a juíza e escritora Andréa Pachá discute qual o significado do conceito de família e como ele evoluiu ao longo dos séculos. Ela apresenta uma perspectiva muito interessante. Confira!

Conservadorismo e ruptura nas estruturas familiares

A professora e pesquisadora, Belinda Mandelbaum, explica a instituição familiar e suas novas configurações sociais. Além de complementar o conteúdo abordado até aqui, o vídeo convida à reflexão social.

A família hoje

Qual a definição de família hoje? Essa é uma das perguntas que a psicóloga Rosely Sayão busca responder nesse vídeo. Para isso, ela aborda como as famílias passaram por um processo de mudanças e transformações.

Se você chegou até aqui, certamente, conseguiu entender que a família é uma instituição historicamente construída. Para continuar aprendendo, confira também como os grupos sociais são constituídos.

Referências

Mundo em descontrole (2003) — Anthony Giddens
A família e a fragmentação do social (1993) — Elisabete Bilac
A família: origens e evolução (1981) — Claude Strauss, Melford Spiro e Kathleen

Thiago Abercio
Por Thiago Abercio

Historiador e mentor educacional formado pela Universidade Federal de Pernambuco. Professor de História e de Repertório cultural e Ideias, redator e analista de conteúdo. Atualmente realiza pesquisas na área de História da arte e das mentalidades.

Como referenciar este conteúdo

Abercio, Thiago. Conceito de família. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/sociologia/conceito-de-familia. Acesso em: 12 de May de 2022.

Exercícios resolvidos

1. [CEV-URCA ]

Sobre a evolução do conceito de família, analise as afirmativas a seguir:

I- O termo família não se referia ao casal e seus filhos, ou ao casal e seus parentes, mas ao conjunto de escravos, servos que trabalhavam para a subsistência e de parentes que se achavam sob a autoridade do pater famílias. (LEITE, 2005)

II- O casamento não é mais a base única desta entidade, questionando-se a ideia da família restritamente matrimonial. Isto se constata por não mais dever a formalidade ser o foco predominante, mas sim o afeto recíproco entre os membros que a compõem redimensionando–se a valorização jurídica das famílias extramatrimoniais (MATOS, 2000, p.34)

III- A família não tem função afetiva. […] o sentimento entre os cônjuges, entre os pais e filhos, não é necessário à existência nem ao equilíbrio da família: se ele existir, tanto melhor (ARIÉS, 1978, p. 10).

IV- Quando a Constituição se referiu à “união estável” não liquidou a noção de casamento […] nem, tampouco, pretendeu qualquer equiparação de realidades dicotômicas, conforme se viu; o que a Constituição quis foi implantar uma nova ordem social e familiar que engloba outras formas de conjugalidade, não necessariamente esgotáveis na figura preponderante do casamento civil. (LEITE, 1993, p. 101).

V- A família tem por missão a conservação dos bens, a prática comum de um ofício, a ajuda mútua quotidiana num mundo em que um homem, e mais ainda uma mulher isolados não podem sobreviver, e ainda nos casos de crise, a proteção da honra e das vidas. (ARIÉS, 1978, p. 10).

Seguindo a tendência contemporânea do entendimento de família, estão corretas as afirmativas da alternativa:

Alternativas
A) I, II, III e IV
B) I, II, IV e V
C) II, III, IV e V
D) I, II e IV
E) III e V

D) I, II e IV

Conforme consta nas opções, o conceito de família passou por modificações, assim, houve uma ampliação dos arranjos familiares, especialmente no Brasil.

2. [APEX Brasil]

Nas últimas décadas, o modelo tradicional de família sofreu profundas alterações. Crianças acostumaram-se a ter duas casas por causa do divórcio dos pais. Mães e pais solteiros começaram a tornar-se comuns. Mulheres entraram no mercado de trabalho e passaram a sustentar suas casas. Casais homossexuais saíram do armário e adotaram filhos… Nos próximos 20 anos, segundo vários pesquisadores, a tendência é que esses novos modelos familiares se consolidem. Todos eles.

Tendo por base as informações apresentadas e as análises sociológicas contemporâneas sobre a instituição Família, é correto afirmar:

A A baixa taxa de fecundidade atual é decorrente do enfraquecimento da instituição familiar.

B Um dos fenômenos sociais que influenciou os novos modelos de instituição familiar foi as transformações nas relações de gênero.

C A mudança nos modelos de família demonstra que essa instituição está enfraquecida na modernidade.

D A associação que é composta por amigos sem grau de parentesco não pode ser considerada uma instituição familiar.

B Um dos fenômenos sociais que influenciou os novos modelos de instituição familiar foi as transformações nas relações de gênero.

As mudanças sociais e políticas tiveram forte influência na consolidação de novos modelos de família.

Compartilhe

TOPO