Ziraldo

Ziraldo é um multiartista, possui um amplo repertório de produções na literatura infantil e adulta, no jornalismo e nas artes plásticas.

Ziraldo é um dos escritores infantis mais conhecidos do mundo, com obras traduzidas para diversos idiomas. Autor premiado pelo seu trabalho na literatura e no humor, atua intensamente na ilustração de livros, elaboração de materiais educativos, criação de charges, caricaturas e logos, como o ícone da ecologia apresentado na Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro. Leia a matéria e conheça melhor o pai do Menino Maluquinho!

Biografia

(Fonte: Blog Estante Virtual)

Ziraldo Alves Pinto (1932) é um cartunista, desenhista, escritor e jornalista brasileiro. Nasceu em Caratinga, interior de Minas Gerais, e seu nome é resultado da combinação dos nomes de seus pais, Zizinha e Geraldo. O cartunista demonstrou habilidade para o desenho ainda criança e aos seis anos já teve um desenho publicado no jornal Folha de Minas. Formou-se em Direito em 1957, mas seguiu carreira no jornalismo e na literatura.

Ziraldo começou com uma coluna de humor no jornal Folha da Manhã em 1954, depois passou por outros jornais. Em 1960, lançou Pererê, a primeira revista em quadrinhos brasileira de um só autor e a primeira a cores produzida no Brasil. Com seu irmão Zélio e outro companheiros, fundou o jornal O Pasquim (1969-1991) que fazia oposição ao regime civil-militar, assim Ziraldo chegou a ser preso pela ditadura.

Características

  • Humor e ironia
  • Valorização do folclore brasileiro
  • Crítica sociopolítica e de costumes
  • Linguagem poética nas obras infantis
  • Trabalho com o mítico e o simbólico nas histórias
  • Intertextualidade com outras obras e produções artísticas

Os desenhos de Ziraldo rapidamente se popularizaram devido às charges e demais produções que circularam nos jornais. O humor e a crítica estão unidas na plasticidade de suas obras.

Principais obras

Ziraldo possui mais de 190 livros publicados entre gêneros infantis e crônicas humorísticas. Veja alguns títulos famosos:

  • Flicts (1969)
  • O Menino Maluquinho (1980)
  • O bichinho da maçã (1982)
  • Rolim (1983)
  • O pequeno planeta perdido (1985)
  • O Menino Marrom (1986)
  • Um bebê em forma de gente (1996)
  • Os 10 amigos (2001)
  • O Menino da Lua (2006)
  • Nino, o Menino de Saturno (2015)

A seguir, separamos algumas dicas de leitura entre livros que já se tornaram clássicos da literatura nacional e outros mais recentes. Confira!

Flicts


(Fonte: Editora Melhoramentos)

Flicts é o primeiro livro infantil de Ziraldo. O personagem Flicts é uma cor rara, solitária e triste que tenta fazer amizade com as outras cores, mas nenhuma delas quer. Então, o autor revela um segredo sobre Flicts que só quem chega bem perto da lua consegue saber!

Menina Nina


(Fonte: Editora Melhoramentos)

O livro aborda a experiência de Nina, uma menina que perde a avó. Assim, com linguagem poética e simples, a história trata de temas complexos para as crianças como a vida, a morte e a dor de uma forma bastante sutil.

Meninas

(Fonte: Editora Melhoramentos)

Inspirado no livro Alice no País das Maravilhas, Ziraldo versa sobre o que é ser uma menina e as suas transformações em um longo poema que também se aproxima da prosa. O livro trata do universo feminino de uma maneira sensível e crítica, expondo que o mundo também é das meninas.

O Aspite, há um jeito pra tudo

(Fonte: Livralivro)

Este é um livro para adultos que reúne 52 crônicas publicadas nos jornais Estado de Minas e O Tempo, entre 2002 e 2005. Com sua ironia, Ziraldo escreve sobre diversos temas da vida contemporânea como um Aspite, termo que ele criou para nomear um “assessor de palpite”.

Conforme você viu, a obra de Ziraldo é muito ampla, composta por títulos infantis e adultos dos mais variados temas. O autor consegue explorar desde a fantasia para os pequenos até aspectos da vida cotidiana com humor para os leitores grandes.

Principais personagens de Ziraldo

Em sua extensa obra, Ziraldo criou muitos personagens marcantes. Conheça alguns dos mais populares em seu trabalho com as charges na imprensa e os livros infantis:

Jeremias, o bom

Jeremias, o bom. Publicado na revista “O Cruzeiro”, em 22 de junho de 1968. | Foto de Fabrício Goulart

Jeremias, o bom é um homem ingênuo e bondoso, sempre disposto a ajudar os outros. Ziraldo criou esse personagem em 1965 para as charges de jornais, assim, elaborou para ele histórias que consquistaram o público com crítica sociopolítica e de costumes no período da ditadura civil-militar. Por seu sarcasmo aguçado sobre o Brasil, Jeremias continua sendo um personagem atual.

O bichinho da maçã

(Fonte: Editora Melhoramentos)

O bichinho da maçã surgiu no livro infantil de mesmo nome, publicado em 1982, e depois passou a protagonizar 12 historinhas divertidas da coleção Bichim para iniciação à leitura.

O Menino Maluquinho

(Fonte: Editora Melhoramentos)

O menino brincalhão que anda com uma panela na cabeça e usa o terno e os sapatos do pai é o personagem mais popular criado por Ziraldo. O menino tem o olho maior que a barriga, uma imaginação fértil e vive correndo por aí arrumando confusão. Enfim, é um garoto amado e muito feliz.

The Supermãe

(Fonte: Site Ziraldo)

Inspirado nos quadrinhos do Superman, Ziraldo criou uma mãe com superpoderes, vestido azul e capa vermelha. Exageradamente zelosa e, por vezes, melodramática, Dona Clotildes cuida de seu filho já adulto Carlinhos. A personagem foi criada em 1968 para tiras de jornais e, depois, passou a aparecer na Revista Cláudia fazendo muito sucesso na década de 1970.

Pererê

(Fonte: Wikipedia)

Pererê é o saci protagonista da história A Turma do Pererê. Ele é um menino brincalhão que vive aventuras com seus amigos Tininim (garoto indígena), Galileu (onça branca), Geraldinho (coelho), Moacir (jabuti), Alan (macaco), Pedro Vieira (tatu), Boneca de pixe (namorada do Pererê) e Tuiuiú (namorada do Tininim). A turma vive aventuras na “Mata do Fundão” e a história conta que Pererê nasceu de uma flor negra plantada pela Mãe Docelina que depois o adota como filho.

Agora que você já conhece alguns dos principais livros e personagens, veja outras produções a partir da obra de Ziraldo.

Filmes e programas de TV

A literatura de Ziraldo e seus personagens ganharam várias traduções para o cinema e a TV. A seguir, listamos algumas adaptações inspiradas no livro mais famoso do cartunista:

Menino Maluquinho – O Filme

(Fonte: WikiMedia)

Dirigido por Helvécio Ratton e produzido por Tarcísio Vidigal, o filme infantil foi lançado em 1995 e estrelado por Samuel Costa no papel do menino maluquinho. Em 1998, foi lançada a sequência com Menino Maluquinho 2 – A Aventura, dirigida por Fernando Meirelles.

Uma Professora Muito Maluquinha

(Fonte: Wikipedia)

Lançado em 2010 com roteiro de Ziraldo, o filme conta a história de Catarina que é a professora do menino maluquinho na década de 1940. A protagonista foi interpretada por Paola Oliveira e o filme foi dirigido por André Alves Pinto e César Rodrigues.

Um Menino muito Maluquinho

Pedro Saback, Eduardo Galvão, e Felipe Severo (Fonte: WikiMedia)

Sob a direção de Anna Muylaert e Cao Hamburger, a TV Brasil adaptou O Menino Maluquinho para a série infanto-juvenil que teve uma temporada de 26 episódios transmitidos em 2006. A série aborda momentos da vida do menino aos 10 e 5 anos, assim o personagem foi interpretado pelos atores Pedro Saback e Felipe Severo, respectivamente.

Além de adaptações para o audiovisual, as histórias do menino maluquinho também renderam gibis, peças de teatro e até uma versão para ópera.

Vídeos sobre o artista dos desenhos e das letras

Para ampliar seu repertório de informações, separamos três vídeos sobre a vida, as influências e as obras de Ziraldo, inclusive, com falas do autor. Assista!

A vida de Ziraldo

Nesta entrevista para a editora Saraiva, Ziraldo fala sobre a sua infância, a sua trajetória profissional na imprensa e a sua relação com os livros e os desenhos. Veja o autor!

Menino Maluquinho

Neste vídeo do Sesc TV, Sandra Medrano apresenta reflexões sobre o sucesso da obra O menino maluquinho que se tornou um best seller da literatura infantil, conquistando leitores até hoje.

O espaço de Ziraldo

Neste vídeo de divulgação da coleção Os meninos dos planetas, Ziraldo fala sobre os quadrinhos que gostava de ler, os seus super-heróis preferidos e os que ele criou, assim, contextualiza o seu interesse pelos temas do espaço para escrever as histórias infantis. Confira!

Nesta matéria, você aprendeu sobre a produção de Ziraldo nas charges e na literatura, além das adaptações de suas obras. Agora, continue seus estudos e leia sobre Manoel de Barros, outro autor apreciado por seu olhar infantil.

Referências

A criança e a recepção da literatura infantil contemporânea: uma leitura de Ziraldo (2004) – Marilena Loss Bier
“O Menino Maluquinho” faz 40 anos e ganha edição de colecionador (2020) – GZH Livros
Ziraldo (2020) – Editora Melhoramentos

Érica Paiva Rosa
Por Érica Paiva Rosa

Professora, redatora e produtora cultural. Mestre em Letras pela UEM.

Como referenciar este conteúdo

Paiva Rosa, Érica. Ziraldo. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/literatura/ziraldo. Acesso em: 04 de March de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [ENEM]

ZIRALDO. 20 anos de prontidão. In: LEMOS, R. (Org.). Uma história do Brasil através da caricatura (1840-2001). Rio de Janeiro: Letras & Expressões, 2001.

No período de 1964 a 1985, a estratégia do Regime Militar abordada na charge foi caracterizada pela:

a) priorização da segurança nacional.
b) captação de financiamentos estrangeiros.
c) execução de cortes nos gastos públicos.
d) nacionalização de empresas multinacionais.
e) promoção de políticas de distribuição de renda.

Resposta: B
Justificativa: A charge tematiza a política econômica do regime militar brasileiro que realizou empréstimos internacionais gigantescos para serem pagos a longo prazo. Nesse sentido, a fala do pai é irônica, pois seria a geração de seu filho que acabaria pagando as dívidas feitas pelo governo naquele momento.

2. [ETEC]

Antologia do Pasquim, v.2: 1972-1973. Desiderata: Rio de Janeiro, 2007, p. 90.

A charge de Ziraldo foi publicada na década de 1970 e, apesar da diferença histórico-cultural com o contexto atual, é possível apreender seu efeito de humor.

A expressão responsável pela construção do humor no texto é:

(A) “não pago!”, repetida exaustivamente pela personagem com o intuito de criar, dessa forma, um eufemismo.
(B) “Contra tudo e contra todos”, passagem generalizante e imprópria ao contexto humorístico, trata-se de uma ironia.
(C) “paga ICM! Corro pra lá: Olha o fiscal me cobrando…”, passagem composta por verbos que se contradizem, formando, portanto, um paradoxo.
(D) “herói cobrado retumbante”, devido à sua semelhança sonora com um conhecido verso do Hino Nacional Brasileiro, configurando uma paronomásia.
(E) “Heroicamente! Denodadamente! Como um mártir”, expressões usadas para atingir a autoestima da personagem; trata-se de uma preterição.

Resposta: D
Justificativa: O humor do texto é provocado pela expressão “herói cobrado retumbante” que se assemelha ao verso “herói brado retumbante” do Hino Nacional Brasileiro.

Compartilhe

TOPO