Euclides da Cunha

Euclides da Cunha, autor de "Os sertões", foi um dos mais notáveis escritores do Pré-Modernismo brasileiro.

Euclides da Cunha (1866-1909) foi um escritor brasileiro de destaque no Pré-Modernismo, termo cunhado por Tristão de Athaíde. O escritor é notório por sua obra Os Sertões (1902), escrita a partir de suas experiências de observação da Guerra de Canudos.

Biografia

O jornalista e escritor brasileiro Euclides da Cunha. Fonte: Wikimedia.

Em 20 de janeiro de 1866, nasceu Euclides Rodrigues da Cunha em Cantagalo (RJ). Teve a vida marcada por complexas situações. Ficou órfão muito cedo, passando a ser criado por parentes próximos. Estudou no Colégio Aquino, onde se tornou adepto aos ideais republicanos. Editou com colegas o periódico O democrata, no qual publicou o artigo “A viagem” (1884). Posteriormente, foi matriculado na Escola Politécnica Fluminense, porém, desprovido de dinheiro, foi transferido a uma Escola Militar. No entanto, permaneceu na instituição por pouco tempo, uma vez que era contra o militarismo. Por fim, acabou expulso por rebeldia.

Posteriormente, mudou-se para São Paulo. Passou a escrever artigos para A Província de São Paulo e logo se casou com Anna Ribeiro, filha de um major. Formou-se em Engenharia Militar (1892) e atuou na construção da estrada de ferro Central do Brasil. Em 1896, foi desligado do Exército por questões políticas e ideológicas.

Tornou-se correspondente de guerra a convite do jornal A Província de São Paulo em 1897. Momento decisivo para sua carreira, uma vez que passou a cobrir o conflito de Canudos e produzir artigos fundamentais para a escrita do romance Os Sertões (1902). Além disso, auxiliou em demarcações de terra na Amazônia.

População sobrevivente da Guerra de Canudos em 1897, depois de revolta popular em combate com o Exército Brasileiro. Fonte: Wikimedia.

Além do que foi exposto, vale ressaltar que a vida amorosa do escritor também foi conturbada. Descobriu que a esposa o traía com um tenente do Exército, chamado Dilermando de Assis. Durante muito tempo, sentiu ódio da descoberta e adoeceu. Em 15 de agosto de 1909, entretanto, decidiu reagir: quis matar o amante, um especialista em tiro. Por fim, acabou falecendo nesse confronto por causa de uma bala no pulmão.

No meio literário, o autor tem destaque pela obra Os Sertões porque além de narrar o conflito de Canudos, retrata como os sertanejos eram negligenciados pela sociedade. Essa obra pertence ao período do Pré-Modernismo, que não é considerado uma escola literária, mas um período de transição para o Modernismo brasileiro. Não há uma unidade temática e formal nas obras dessa época, isto é, algo que caracterizaria uma estética específica.

Características literárias

A seguir, veremos algumas das características literárias de Euclides da Cunha a fim de que se compreenda melhor sua obra e o período em que está inserida:

  • Determinismo: em sua obra-prima, o ser humano, sobretudo o homem, é apresentado por um viés determinista como produto de três fatores: meio ambiente, raça e momento histórico.
  • Cientificismo: sua narrativa aponta a ciência como forma ideal de compreensão humana da realidade.
  • Tom sombrio e duro: a narrativa de Os Sertões mostra a difícil vida que cerca o nordestino, distante do olhar atento e preocupado dos governantes, sem bens materiais à disposição e impossibilitados, desse modo, de uma melhor qualidade de vida.
  • Aproximação entre Literatura e História: nota-se uma preocupação do autor em manter um diálogo entre a narrativa literária e o contexto histórico em uma tentativa de representação da realidade.
  • Linguagem complexa: o escritor emprega frases densas as quais, muitas vezes, apresentam termos técnicos, deixando a linguagem complexa.

As características acima resumem a obra literária e podem ser melhor observadas por meio da leitura do romance.

Principais obras

Apesar de ser um autor de renome, Euclides da Cunha não publicou muitos livros, dentre obras de ficção e não ficção, destacam-se:

  • Os Sertões (1902)
  • Canudos: diário de uma expedição (1897)
  • Amazônia: um paraíso perdido (sem data)
  • Os Sertões (1902)

    Essa obra-prima de Euclides da Cunha é dividida em três partes: “A terra”, “O homem” e “A luta”. Na primeira, foi descrita a região de Canudos com foco nas características ambientais que integram o embate ocorrido. As descrições da terra são fortemente marcadas por um pensamento cientificista e determinista. Na segunda, o autor volta seu olhar para o homem sertanejo, suas formas de ser e agir, cultura, crenças, posições políticas, bem como seus desejos e sonhos. Na terceira, foi explicitada a violência e o autoritarismo com que foram tratados os cidadãos de Canudos, sendo dizimados.

    Livro “Os Sertões”, publicado em 1902. Fonte: Wikimedia.

    Trata-se, ainda, de uma obra que busca denunciar a carnificina que foi Canudos, ao mesmo tempo, que analisa o ser humano, a terra e o contexto histórico de modo determinista. Em suma, o escritor apresentou o homem lutando contra as forças externas e contra a própria natureza.

    Vídeos sobre Euclides da Cunha

    Agora que já aprendemos sobre o autor de Os Sertões, aprofundaremos nossos conhecimentos a partir dos vídeos sugeridos.

    O Pré-Modernismo no Brasil

    Entenda o que foi o Pré-Modernismo, um período de transição entre Simbolismo e Modernismo.

    As tragédias da vida de Euclides da Cunha

    Além de ficar órfão muito jovem, ter sido correspondente da sangrenta Guerra dos Canudos, o escritor foi vítima de um crime passional.

    A Guerra dos Canudos

    Para entender melhor o romance Os Sertões, é importante saber mais sobre o contexto histórico no qual a narrativa é situada.

    Para finalizar nossa breve exposição de Os Sertões, fiquemos com uma das frases mais famosas do livro: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte”. Complemente seus estudos lendo sobre pré-Modernismo.

    Referências

    BOSI, Alfredo. História Concisa da Literatura Brasileira. 44. ed. São Paulo: Cultrix, 2019. CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

Estela Santos
Por Estela Santos

Doutoranda em Letras - Estudos Literários (UEM), professora e mediadora do #LeiaMulheres - Maringá.

Como referenciar este conteúdo

Santos, Estela Pereira dos. Euclides da Cunha. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/literatura/euclides-da-cunha. Acesso em: 25 de September de 2020.

Exercícios resolvidos

1. [Mackenzie]

O planalto central do Brasil desce, nos litorais do Sul, em escarpas inteiriças, altas e abruptas. Assoberba os mares; e desata-se em chapadões nivelados pelos visos das cordilheiras marítimas, distendidas do Rio Grande a Minas. Mas ao derivar para as terras setentrionais diminui gradualmente de altitude, ao mesmo tempo que descamba para a costa oriental em andares, ou repetidos socalcos, que o despem da primitiva grandeza afastando-o consideravelmente para o interior.
De sorte que quem o contorna, seguindo para o norte, observa notáveis mudanças de relevos: a princípio o traço contínuo e dominante das montanhas, precintando-o, com destaque saliente, sobre a linha projetante das praias, depois, no segmento de orla marítima entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo, um aparelho litoral revolto, feito da envergadura desarticulada das serras, riçado de cumeadas e corroído de angras, e escancelando-se em baías, e repartindo-se em ilhas, e desagregando-se em recifes desnudos, à maneira de escombros do conflito secular que ali se trava entre os mares e a terra; em seguida, transposto o 15º paralelo, a atenuação de todos os acidentes — serranias que se arredondam e suavizam as linhas dos taludes, fracionadas em morros de encostas indistintas no horizonte que se amplia; até que em plena faixa costeira da Bahia, o olhar, livre dos anteparos de serras que até lá o repulsam e abreviam, se dilata em cheio para o ocidente, mergulhando no âmago da terra amplíssima lentamente emergindo num ondear longínquo de chapadas…
Este facies geográfico resume a morfogenia do grande maciço continental.
(CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003).

Assinale a alternativa INCORRETA sobre o contexto histórico e literário da prosa pré-modernista a que pertence o fragmento de Os Sertões.
a) Os prosadores pré-modernistas produziram uma literatura problematizadora da realidade brasileira de sua época.
b) Entre os temas pré-modernistas, está o subdesenvolvimento do sertão nordestino.
c) A investigação social presente na prosa pré-modernista colabora para o aprofundamento do sentimento ufanista nacional.
d) A prosa da época é marcada por obras de análise e interpretação social significativas para a literatura brasileira.
e) O pré-modernismo antecipou formal ou tematicamente práticas e ideias que foram desenvolvidas pelos modernistas.

Resposta: B.

Os Sertões é uma obra em que Euclides da Cunha faz uso de termos tanto eruditos, quanto científicos, além de regionalismos e neologismos que em nada comprometem o “valor literário” do romance, considerado,por muitos, como uma epopeia da Língua Portuguesa.Além disso, o livro segue o esquema do Determinismo de Taine, associado a teses e princípios científicos em destaque à época da escritura da obra.

2.

Os sertões, obra-prima de Euclides da Cunha, foi desenvolvido em três partes distintas. Assinale, a esse respeito, a alternativa que mostra a ordem em que essas partes aparecem no livro.
a) A terra- A luta- O homem.
b) A luta- A terra- O homem.
c) O homem- A terra- A luta.
d) A luta- O homem- A terra.
e) A terra- O homem- A luta.

Resposta: E.

A obra literária de Euclides da Cunha é dividida em três partes, com focos distintos, são elas: A terra (o meio ambiente/natureza); O homem (o sertanejo); A luta (confronto de Canudos).

Compartilhe

TOPO