Salto com vara

O salto com vara é uma das disciplinas disputadas nas provas de atletismo. Essa modalidade consiste na transposição de um obstáculo saltando-o com uma vara.

O salto com vara é uma das disciplinas disputadas nas provas de atletismo. Veja, a seguir, seus aspectos históricos e como é praticado, suas fases, técnicas e regras básicas. Acompanhe:

O que é o salto com vara?

O salto com vara é uma das disciplinas do atletismo. Nela, o atleta deve saltar por cima de um obstáculo, que é chamado de sarrafo, utilizando uma vara. Assim, seu objetivo é alcançar a maior altura possível, passando pelo sarrafo sem derrubá-lo. Essa modalidade é praticada desde os Jogos da Grécia Antiga, por cretenses e celtas, embora tenha origens atribuídas aos britânicos do século XVII.

Essa disciplina era praticado pela nobreza inglesa, incluindo o rei Henrique VIII. Posteriormente, ainda na primeira metade do século XVIII, o salto com varas passou a compor disciplinas de Ginástica na Alemanha, além de estar presente em competições desenvolvidas no País. Assim, dentre seus elementos, fontes históricas elucidam principalmente as varas utilizadas, sendo os primeiros modelos feitos de material pesado e com pregos nas pontas.

As progressivas mudanças na prática dessa disciplina acompanharam as transformações das varas utilizadas. Desse modo, o modelo inicial logo deu lugar a modelos feitos com bambu e borracha em suas extremidades. Contudo, esses modelos não eram tão flexíveis, o que fez com que materiais sintéticos fossem desenvolvidos para a confecção de varas que permitissem maior envergadura e, consequentemente, favorecesse a melhora das marcas dos atletas.

A prova de salto com vara é disputada pelos homens nos Jogos Olímpicos da Era Moderna desde a primeira edição, em Atenas 1896. Contudo, as mulheres passaram a disputar essa modalidade na edição de Sydney 2000. Junto com o salto em altura, o salto em distância e o salto triplo, essa é uma das quatro principais modalidades de salto do atletismo.

Salto com vara no Brasil

No início do século XX a Confederação Brasileira de Desportos (CBD) se filiou à Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF). Isso resultou na participação do país em disputas internacionais de atletismo, incluindo as Olimpíadas e os Campeonatos Sul-Americanos. Com isso, atletas brasileiros foram ganhando destaques nas competições, a exemplo de Lúcio de Castro, que conquistou o sexto lugar em salto com vara nos Jogos Olímpicos de Los Angeles 1932.

Assim, o crescente envolvimento dos atletas com a modalidade e a constante melhora na preparação para as disputas rendeu ao Brasil algumas medalhas. Nesse sentido, podem ser citadas as conquistas de ouro Pan-Americano de Fábio Gomes da Silva, nos Jogos do Rio em 2007, assim como os bronzes conquistados em Caracas (1983), por Tomás Valdemar Hinthaus, e em Buenos Aires (1951), por Sinibaldo Gerbasi.

Como é feito o salto com vara

O atleta inicia uma corrida em uma pista de 45 metros até chegar ao obstáculo, carregando a vara para o salto, cujo tamanho é variável conforme sua estatura. Então, apoia sua vara no solo e se impulsiona para passar por cima do sarrafo (barra horizontal apoiada em dois postes), e cair do outro lado. Se conseguir, a altura aumenta e o atleta possui três novas tentativas para saltá-la.

Fases

  • Corrida: corresponde ao momento em que o atleta se desloca até o obstáculo a ser saltado e se prepara para o salto. Desse modo, essa fase compreende à busca por aceleração para a impulsão do salto sobre o sarrafo.
  • Impulsão: refere-se ao momento em que o atleta encaixa a vara na caixa de apoio e se prepara para se projetar para próximo do sarrafo.
  • Voo: essa fase compreende ao momento em que o atleta se projeta por cima do sarrafo, utilizando-se da flexibilidade da vara e do impulso obtido para isso.
  • Queda: essa fase do salto com vara refere-se ao momento em que, tendo superado o sarrafo, o atleta se prepara para amortecer a queda.

Técnicas

  • Empunhadura: o atleta deve carregar a vara na horizontal, com a ponta levemente elevada, posicionando-a na altura do quadril. Assim, na empunhadura, a palma da mão posterior deve estar voltada para cima, enquanto a da mão anterior se posiciona para baixo, com o braço um pouco à frente do corpo.
  • Corrida de aproximação: durante a corrida, a vara deve ser mantida do lado contrário ao da perna de impulsão do atleta e a velocidade deve ser progressiva. Desse modo, as passadas devem ser ritmadas e o atleta deve abaixar a vara aos poucos durante o percurso, preparando-a para o encaixe.
  • Encaixe: durante o contato com o pé de impulsão no solo, na última passada do atleta, o atleta também deve realizar o encaixe da vara na caixa de apoio, utilizando-a, portanto, para impulsionar o salto.
  • Impulsão e pêndulo: a impulsão deve ser realizada pela perna correspondente à mão da frente do atleta. Desse modo, nesse momento, o atleta utiliza a energia elástica adquirida com a deformação da vara para formar um pêndulo que gerará uma força propulsora, impulsionando-o para cima e para a frente.
  • Elevação e giro: com a impulsão, o atleta adquire a posição de “verticalização invertida”, ou seja, ele fica de ponta cabeça e de costas para o sarrafo. Assim, ao atingir essa postura, deve realizar um giro de 180°, de modo a ficar de frente para o sarrafo e o transpor.
  • Transposição e queda: a transposição corresponde ao momento em que o atleta passa as pernas por cima do sarrafo, seguido da região do quadril. Com isso, desloca o centro de gravidade acima da barra, assumindo uma posição curvada que possibilita ultrapassá-la. Desse modo, a movimentação deve ser completada puxando os braços e o tórax para trás/cima e preparando-se para a queda.

Embora sejam descritas de modo fragmentado, as fases e técnicas do salto com vara constituem um movimento único e integrado, a partir do qual a eficiência do movimento é configurada. Portanto, é fundamental se atentar para como cada parte se relaciona com o todo para a eficiência do salto.

Regras do salto com vara

Confira a seguir as principais regras dessa disciplina do atletismo.

  • A pista em que o atleta inicia a preparação para o salto deve medir ao menos 45 metros, devendo apresentar o obstáculo ao final dessa distância.
  • O sarrafo deve medir 4,5 metros de comprimento, podendo pesar no máximo 2,260 kg e devendo ser sustentado por duas traves laterais com regulagem de altura de fixação.
  • Deve haver uma caixa de apoio, feita de metal ou madeira, imediatamente após o fim da pista de corrida, medindo 1 metro de comprimento, 60 centímetros de largura e 15 centímetros de proximidade em relação ao obstáculo.
  • Cada atleta possui três tentativas para saltar as alturas determinadas pelos árbitros. Contudo, podem se recusar a saltar uma determinada altura e esperar outra mais elevada.
  • Caso o atleta não consiga superar o obstáculo após suas três tentativas é eliminado da disputa. O mesmo ocorre caso derrube o sarrafo durante as tentativas.
  • Em caso de empate, o número menor de tentativas na altura em questão é utilizado como critério de desempate, definindo assim o vencedor. Entretanto, caso não seja suficiente para defini-lo, o segundo critério é o número menor de tentativas durante toda a disputa.

Essas são as regras básicas para a disputa do salto com vara em competições de atletismo.

Curiosidades sobre o salto com vara

Veja a seguir algumas curiosidades a respeito do salto com vara.

  • A primeira vitória do Brasil na prova de salto com vara em um Campeonato Sul-Americano de Atletismo foi em 1937, obtida em São Paulo pelo atleta Walter Rehder.
  • Ícaro de Castro Mello, um dos pioneiros do salto com vara no Brasil, também foi um grande campeão e recordista da modalidade no Campeonato Sul-Americano.
  • Além de atleta olímpico, Ícaro de Mello também era formado em Engenharia-Arquitetura pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Nos Jogos Olímpicos de Berlim 1936, Ícaro estagiou com o arquiteto alemão Werner March, responsável pela projeção do estádio olímpico em que ocorreu a competição. Posteriormente, Ícaro especializou-se em construções esportivas, desenvolvendo projetos como o Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, em São Paulo.
  • No dia 17 de setembro de 2020 o sueco Mondo Duplantis estabeleceu um novo recorde mundial para a modalidade, atingindo a marca de 6,15 metros. Essa marca foi alcançada durante uma das etapas da Dimond League de atletismo, realizada em Roma. O recorde superado por Mondo foi estabelecido pelo ucraniano Sergey Bubka em 31 de julho de 1994, com marca de 6,14 metros.
  • Com a nova marca, Duplantis adquiriu o recorde em provas de salto com vara indoor e outdoor, declarando-se o melhor do mundo na modalidade. Isso porque em fevereiro de 2020, em prova realizada em uma instalação fechada na Escócia, o sueco já havia conquistado a marca de 6,18 metros na modalidade indoor.

Além dessas curiosidades, também é interessante ressaltar que o Brasil é um país com grande prestígio nas provas de atletismo, sobretudo na disciplina salto com vara. Nesse sentido, conheça a seguir alguns nomes de prestígio nessa modalidade.

Atletas brasileiros do salto com vara

Confira a seguir alguns dos nomes de grandes atletas brasileiros do salto com vara.

  • Thiago Braz;
  • Lúcio de Castro;
  • Fabiana Murer
  • Tomás Valdemar Hintnaus;
  • Fábio da Silva;
  • Juliana de Menis Campis.

Dentre esses atletas, destacam-se Thiago Braz, pela realização de saltos acima de 6 metros de altura, e Fabiana Murer, única atleta feminina a conquistar um título mundial na disciplina.

Saiba mais sobre o salto com vara

Veja a seguir alguns vídeos a respeito do salto com vara e compreenda melhor como se constitui essa disciplina do atletismo.

Descrição do salto com vara

Esse vídeo apresenta uma explicação geral das fases e técnicas do salto com vara. Confira para compreender melhor a dinâmica do salto em sua completude.

Thiago Braz

Nesse vídeo o atleta Thiago Braz comenta a respeito do momento em que conquistou o ouro e o recorde olímpico no salto com vara, durante os Jogos Olímpicos Rio 2016. Assista e confira esse momento histórico.

Mondo Duplantis

Confira nesse vídeo o salto realizado por Mondo Duplantis na disciplina outdoor, o qual estabeleceu novo recorde mundial para o salto com vara.

Agora que você conheceu algumas características fundamentais do salto com vara, acesse a matéria sobre atletismo e continue estudando a respeito das disciplinas que compõem essa prova.

Referências

Atletismo (2016) – Inteligência Esportiva.

Atletismo Escolar: desenvolvendo as habilidades motoras através da ludicidade (2013) – Jeferson Luís Citadella.

Atletismo na Escola (2014) – Sara Quenzer Matthiesn.

Atletismo na Escola (2010) – Ricardo Lucas da Rocha e José Luiz Lacerda.

Caderno do Professor (2013) – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Comitê Olímpico Brasileiro [On-line] – Disponível em: https://www.cob.org.br/pt/. Acesso em 12 jan. 2021.

Confederação Brasileira de Atletismo [On-line] – Disponível em: http://www.cbat.org.br/novo/. Acesso em 13 jan. 2021.

Histórias do salto com vara no Brasil: entrevistando Sinibaldo Gerbasi (2010) – Fernando Paulo Rosa de Freitas e Sara Quenzer Matthiesen.

O salto com vara na escola: subsídios para o seu ensino a partir de uma perspectiva histórica (2009) – Fernando Paulo Rosa de Freitas.

Portal do Professor [On-line] – Disponível em: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/index.html. Acesso em 13 jan. 2021.

João Paulo Marques
Por João Paulo Marques

Professor mestrando em Educação Física formado pela Universidade Estadual de Maringá. Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa Corpo, Cultura e Ludicidade (GPCCL/UEM/CNPq) e do Grupo de Estudos Foucaultianos (GEF/ UEM/CNPq). Temáticas estudadas envolvem corpo, subjetividade, discurso, cultura e saúde.

Como referenciar este conteúdo

Marques, João Paulo. Salto com vara. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/educacao-fisica/salto-com-vara. Acesso em: 03 de August de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [IF/PA-2015]

De acordo com as regras oficiais de competição 2014-2015, da Confederação Brasileira de Atletismo – CBAt, analise as afirmativas seguintes acerca da prova salto com vara e marque a opção CORRETA:

I – Os atletas podem usar suas próprias varas.
II – O atleta tem permissão para usar a vara de outro atleta, sem o consentimento do mesmo.
III – A vara pode ser feita de qualquer material ou combinação de materiais e de qualquer comprimento ou diâmetro, mas a superfície básica deve ser lisa.
IV – Se, ao efetuar uma tentativa, a vara do atleta quebrar, isso não será considerado como um salto falho e uma nova tentativa deve ser concedida ao saltador.

A) As afirmativas I e II estão corretas.
B) As afirmativas I, II e III estão corretas.
C) As afirmativas II, III e IV estão corretas.
D) As afirmativas I, III e IV estão corretas.
E) Todas as afirmativas estão corretas.

A resposta correta é a alternativa D.

A alternativa II é incorreta, pois, os atletas não possuem permissão para usar a vara de outros competidores.

2. [GUALIMP-2019]

Sobre as modalidades de salto no atletismo considere os itens a seguir:

I. Salto em distância;
II. Salto triplo;
III. Salto em altura;
IV. Salto com vara.

São saltos verticais os citados em:

A) I e II, apenas.
B) II e III, apenas.
C) III e IV, apenas.
D) I e IV, apenas.

A resposta correta é a alternativa C.

Salto em distância e salto triplo são exemplos de disciplinas em que são realizados saltos horizontais.

Compartilhe

TOPO