Tipos de preconceito

Os preconceitos são mantidos socialmente e impedem o exercício da liberdade de alguns grupos.

O preconceito é qualquer forma de comportamento hostil ou prejudicial em relação a um grupo, baseado em alguma desigualdade social. Logo, esse tipo de discriminação sempre tem como alvo alguma classe historicamente desfavorecida. Assim, na sociedade existem diversos tipos de preconceito. A seguir, saiba identifica-los:

Preconceito Racial

iStock

Essa é uma forma de preconceito baseada na raça social, ou seja, na ideia de que alguns grupos raciais são, por natureza, inferiores àquele dominante – geralmente, os brancos. E, de fato, essa desigualdade se concretiza na sociedade justamente por meio do racismo construído historicamente, e não por alguma característica biológica.

No Brasil, uma das principais vítimas do preconceito racial é a população negra. Ao contrário de um discurso que prega a “democracia racial” no país, as pessoas negras são muitas vezes impedidas de ascenderem socialmente.

Exemplos: quando um entrevistador desconfia das capacidades de uma pessoa negra e deixa de contratá-la; humilhações envolvendo fenótipos como o cabelo, a cor da pele ou a boca; um indivíduo ter vergonha de ter um romance público com alguém de uma identidade étnico-racial diferente.

Preconceito Social

A sociedade é dividida em classes sociais, baseadas em critérios econômicos. Assim, assiduamente, pessoas ricas e pobres frequentam lugares diferentes, se vestem de modos distintos e possuem até comportamentos que se destoam.

Não raramente, a classe mais abastada possui uma concepção meritocrática sobre a população mais pobre. Ou seja, que se as pessoas trabalhassem mais, poderiam acumular tanto dinheiro quanto os ricos possuem. Essa ideia equivocada atinge também os moradores de rua, que são excluídos socialmente.

Exemplos: uma pessoa rica se sentir desconfortável ao compartilhar o mesmo espaço que alguém de classe menos abastada; ridicularizar alguém por não ter algum objeto de valor; considerar que alguém é menos capaz, em decorrência de sua classe.

Preconceito Cultural

A partir da globalização, os preconceitos em relação a diferentes culturas se tornaram cada vez mais alarmantes. Com os choques culturais, surgem também grupos discriminatórios e violentos que visam prejudicar a vida de indivíduos que possuem uma origem étnica diversa.

No mundo atual, os preconceitos contra imigrantes são um dos casos mais preocupantes, e são também chamados de xenofóbicos. Nesse contexto, o etnocentrismo é outro conceito importante que nomeia a atitude de alguém considerar a sua cultura melhor ou superior que a outra.

Exemplos: impedir a contratação ou atrapalhar o trabalho de algum imigrante; intimidar ou humilhar alguém de uma origem cultural diferente; estereotipar e considerar que todas as pessoas de uma cultura são iguais.

Preconceito Sexual

Chamados também de sexismo, os preconceitos sexuais se voltam contra as mulheres e privilegiam a classe masculina. Logo, indivíduos do sexo feminino são mais julgados pelo formato de seu corpo, seu comportamento e até o tipo de profissão que escolheu.

Assim, os preconceitos sexuais impedem a liberdade das mulheres, deixando-as confinadas em uma norma social. Além disso, o machismo que envolve essas discriminações também é responsável pelos riscos de assédio e violência.

Exemplos: julgar negativamente a personalidade de uma mulher em decorrência de uma roupa que mostre o seu corpo; considerar as mulheres como incapacitadas a exercerem funções de liderança.

Preconceito linguístico

iStock

O preconceito linguístico se relaciona com o cultural. Afinal, esse termo trata da discriminação de formas de falar e expressar a língua que não sejam consideradas dentro da norma “culta”. Nesse âmbito, até idiomas legítimos como libras são alvos de preconceito.

Sendo assim, no Brasil o chamado “caipira” é uma expressão linguística como qualquer outra do português no país, mas é considerada inferior, ou tratada até de modo jocoso. Portanto, é importante ressaltar que não há uma forma “errada” de se falar. Ao contrário, são variações linguísticas que fazem sentido em seu contexto.

Exemplos: menosprezar alguém por supostamente “falar errado”; humilhar uma pessoa que possui um sotaque regional; fazer chacota da pronúncia das palavras de um indivíduo que veio de outro país.

Vídeos sobre os diferentes preconceitos

A temática dos tipos de preconceito é ampla porque as raízes de cada discriminação são variadas. De fato, não é possível denominar tudo com esse nome, uma vez que esse fenômeno está relacionado com as desigualdades sociais. Portanto, saiba mais do assunto a seguir:

Tipos de preconceito na escola

Por ser um lugar de formação e socialização, crianças e adolescentes são observados todo o momento na escola por profissionais. Assim, os preconceitos ficam evidentes por professores que os identificam, aumentando uma preocupação sobre esse tema.

Tipos de preconceito no ambiente de trabalho

Certamente, os preconceitos estão presentes em toda a sociedade, incluindo no mundo adulto. Logo, o ambiente de trabalho é uma grande preocupação, já que este é um dos meios de inserção social. Saiba mais sobre como a discriminação está presente nesse âmbito.

Preconceito religioso

Um tipo de preconceito que é necessário ser trabalhado é aquele operado contra algumas religiões. No Brasil, a religião normativa é a cristã; desse modo, outras – principalmente as de matriz africana – acabam sendo alvos de discriminação e violência.

Preconceito contra nordestinos

O nordeste brasileiro é uma região rica culturalmente e que, atrelado a processos históricos como o racismo, até hoje é alvo de atos discriminatórios. Nesse contexto, se ligam também preconceitos linguísticos marcantes e é necessário discutir o assunto.

Preconceito contra imigrantes no Brasil

Nos últimos anos, os imigrantes em todo o mundo têm gerado um debate polêmico. Nesses casos, geralmente as pessoas que chegam de outros países passam por situações de preconceito e exclusão social. Entenda mais.

Assim, uma das atitudes importantes a serem feitas frente aos tipos de preconceito é de ouvir os grupos que são alvos dessas discriminações. A partir disso, é possível pensar em políticas públicas que promovam a inclusão social.

Referências

Mulheres, raça e classe – Angela Davis;

Preconceito e discriminação como expressões de violência – Lourdes Bandeira; Analía Soria Batista.

Preconceito linguístico: o que é, como se faz – Marcos Bagno.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Cientista social pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Como referenciar este conteúdo

Oka, Mateus. Tipos de preconceito. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/sociologia/tipos-de-preconceito. Acesso em: 26 de August de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [UNICENTRO]

“Quando se menciona o trabalho escravo no Brasil, a primeira lembrança é a da escravidão negra. Realmente, foi ela a mais marcante, a mais longa e terrível; mas o trabalho escravo se inicia no Brasil com a escravidão indígena” (Tomazi, Nelson Dácio (coordenador). Iniciação à Sociologia. São Paulo: Atual, 2000, p.62). Considerando a realidade estabelecida pela implantação do trabalho escravo dos negros africanos trazidos ao Brasil, assinale a alternativa incorreta.
a) As condições de vida dos escravos africanos eram terríveis, razão pela qual a média de vida útil deles não ultrapassava os quinze anos.
b) Os negros africanos reagiram à escravidão das mais diversas formas: através das fugas, dos quilombos, da luta armada, da preservação dos cultos religiosos, da dança, da música.
c) O negro é parte integrante da história brasileira, apesar dos muitos preconceitos que ainda persistem contra eles.
d) O Brasil figura entre os primeiros países latino-americanos a declarar por meio de muitas leis, até a promulgação da lei áurea, a libertação de seus escravos.
e) O fim do tráfico de escravos, no Brasil, ocorreu em meados do século XIX, quando começaram algumas experiências com a mão de obra assalariada de estrangeiros.

Resposta: d

Justificativa: o Brasil foi na verdade o último país a abolir a escravidão.

2. [UEM]

“Etnocentrismo é uma visão do mundo onde o nosso próprio grupo é tomado como centro de tudo e todos os outros são pensados e sentidos através dos nossos valores, nossos modelos, nossas definições do que é a existência. No plano intelectual, pode ser visto como a dificuldade de pensarmos a diferença; no plano afetivo, como sentimentos de estranheza, medo, hostilidade, etc.” (ROCHA, E. G. O que é etnocentrismo. São Paulo: Brasiliense, 1988, p. 05) Sobre o conceito de etnocentrismo, assinale o que for correto.
01) Práticas xenofóbicas (de aversão aos estrangeiros) são exemplos do preconceito produzido pela radicalização de perspectivas etnocêntricas sobre o mundo social, pois indicam que determinado grupo se considera superior aos outros.
02) O etnocentrismo foi um fenômeno característico das sociedades tradicionais, cuja organização social não permitia a assimilação do diferente – com o advento da globalização, a discriminação deu lugar à compreensão das diferenças.
04) O estigma é uma condição, um traço ou um atributo indesejável nas relações sociais que desqualifica os indivíduos, ao identificá-los como “desviantes” ou “estranhos” aos valores tidos como “normais” em cada época.
08) A produção de estereótipos sobre pessoas ou culturas diferentes da nossa é a melhor forma de combater o etnocentrismo, pois produz representações simples sobre os outros, facilitando o entendimento mútuo e promovendo a igualdade.
16) O racismo é um modo arbitrário de classificar as coletividades humanas a partir de determinadas características físicas, hierarquizando-as por meio de noções culturalmente produzidas sobre a suposta “superioridade racial” de certos grupos.

Resposta: 01 + 04 + 16 = 21

Justificativa: o etnocentrismo ficou cada vez mais evidente com a globalização, não sendo um problema que foi superado. Assim, os estereótipos produzidos sobre culturas e grupos marginalizados aumenta o grau de etnocentrismo e preconceito.

3. [UERJ]

No último mês de janeiro, nas comemorações do Dia de Martin Luther King,
propagou-se, mais uma vez, a frase Black lives matter “Vidas negras importam”, que surgiu nos protestos gerados pela morte de jovem negro, em agosto de 2014, na cidade norte-americana de Ferguson. A utilização dessa frase nas comemorações de 2015 aponta para uma contradição existente entre uma característica da ordem política norte-americana e um impedimento ao pleno exercício dos direitos civis. Essa característica e esse impedimento, respectivamente, são:
a) prevalência do republicanismo e existência de grupos paramilitares
b) legitimidade do associativismo e regulação dos movimentos populares
c) vigência do ideal democrático e permanência de desigualdades étnicas
d) garantia da liberdade de manifestação e monitoramento das redes sociais

Resposta: c

Justificativa: uma das grandes contradições que os ideias do liberalismo, do progressismo e da democracia liberal precisam lidar é a convivência de valores que prezam pela liberdade e, ao mesmo tempo, dos preconceitos e desigualdades sociais.

4. [UEL]

Analise os dados da tabela a seguir:
Questão sobre tipos de preconceito
Os dados sobre a pobreza e a indigência segundo a cor ilustram os argumentos dos estudos:
a) de Gilberto Freyre sobre a natural integração dos negros na sociedade brasileira, que desenvolveu a democracia racial.
b) de Caio Prado Junior sobre a formação igualitária da sociedade brasileira, que desenvolveu o liberalismo racial.
c) de Sérgio Buarque de Holanda sobre a cordialidade entre as raças que formam a nação brasileira: os negros, os índios e os brancos.
d) de Euclides da Cunha sobre a passividade do povo brasileiro, ordeiro e disciplinado, que desenvolveu a igualdade de oportunidades para todas as raças.
e) de Florestan Fernandes sobre a não integração dos negros no mercado de trabalho cem anos após a abolição da escravidão.

Resposta: e

Justificativa: a tabela demonstra a desigualdade social enfrentada pela população negra, sustentando a tese de Florestan Fernandes sobre a não integração dessas pessoas na sociedade.

Compartilhe

TOPO