Lucíola

Lucíola: o retrato de uma sociedade em que a mulher, sob a tradição romântica, passa pela pena moralizadora do escritor.

Lucíola é o quinto romance de José de Alencar, publicado em 1862. Considerado um romance urbano, a obra retrata e critica os costumes burgueses. Além disso, marca o início da trilogia conhecida como “Perfis de Mulher”, da qual também fazem parte as obras Diva (1864) e Senhora (1875). A seguir, conheça os principais pontos desse grande clássico literário brasileiro.

Resumo da obra

L&PM Editores

O romance Lucíola é composto por uma coletânea de cartas escrita por Paulo, um jovem modesto que chega ao Rio de Janeiro em 1855. Quando vê Lúcia, o rapaz se apaixona imediatamente pela menina meiga e encantadora. Entretanto, logo ele descobre sua verdadeira profissão, ela é uma cortesã. Não demora muito para os dois começarem um caso de amor repleto de moralismo e ideais românticos.

Com o passar do tempo, Paulo descobre que o verdadeiro nome de Lúcia é Maria Glória. Em 1850, toda sua família foi afetada pela febre amarela e ela precisou se prostituir para comprar remédios e cuidar da sua irmãzinha, como consequência, acabou sendo expulsa de casa pelo pai.

Lúcia engravida e, logo em seguida, adoece. Por não aceitar fazer um aborto, a jovem morre durante a gravidez. Mesmo depois de 6 anos, em que cuidou de sua cunhada como se fosse sua filha, Paulo continua triste e não supera a morte do seu grande amor.

Personagens

A elite carioca do século XIX é retratada em festas chiques e burguesas. É possível perceber que os costumes e as aparências importam mais que tudo. A seguir, confira algumas características das principais personagens.

  • Lúcia: seu nome verdadeiro é Maria Glória. Uma cortesã rica, bela e petulante;
  • Paulo: é apaixonado por Lúcia e, por diversas vezes, fica em dúvida entre seguir seus sentimentos ou manter as aparências sociais;
  • Sá: amigo de Paulo e ex-amante de Lúcia;
  • Ana: a irmã mais nova de Lúcia.
  • Couto: o homem que se aproveitou da inocência de Lúcia quando ela tinha somente 14 anos;
  • Cunha: um dos ex-amantes de Lúcia;
  • Jesuína: a mulher que ajudou Lúcia quando ela foi expulsa de casa.

Para entender melhor o comportamento e as características das personagens, é preciso conhecer o contexto de produção da obra. A seguir, conheça o período histórico e os principais temas desse romance.

Análise

O título do romance é uma analogia entre a personagem Lúcia e o inseto Lucíola. Narrado em 1ª pessoa, a perspectiva dominante é a de Paulo. Por ser um romance urbano, o índio e a natureza (figuradas importantes do Romantismo brasileiro) não aparecem e o que prevalece é o retrato do povo e da sociedade, como uma forma de reafirmar a independência do país. Os temas românticos estão presentes na valorização da virgindade, na idealização do amor, na crítica social e moral.

Contexto histórico

A sociedade burguesa da metade do século XIX, principalmente nas grandes cidades, é marcada pela supervalorização das aparências e dos costumes. É dever da mulher se preservar pura, e o homem deve ser um bom cavaleiro. Entretanto, nem tudo é o que parece ser. Em Lucíola, há uma crítica dos costumes frívolos da época.

Apesar de apontar os “defeitos” sociais e de Lucíola transgredir o ideal da mulher romântica, ainda é possível perceber um tom moralizador na narrativa. A cortesã não possui salvação em uma sociedade preconceituosa, sua redenção só é completa por meio da morte.

Características do Romantismo

José de Alencar é considerado um dos principais escritores da primeira fase do Romantismo brasileiro. Em suas obras, uma das características românticas mais marcantes é a busca por uma literatura nacional, isto é, desvinculada da cultura europeia. A seguir, confira outras características desse movimento literário:

  • Idealização do amor e da natureza;
  • Nacionalismo exacerbado;
  • Crítica aos costumes sociais e à moral;
  • Retrato da burguesia;
  • Egocentrismo, ou seja, prevalece a visão que o indivíduo tem do mundo;
  • Valorização das raízes históricas e linguísticas;
  • A mulher é retratada como um ser angelical.

Como um dos principais expoentes do Romantismo, José de Alencar, muitas vezes, foi criticado por sua inovação. Apesar disso, sua contribuição e importância são inegáveis para a construção da literatura brasileira.

Vídeos sobre Lucíola: movimento literário, análise da obra e curiosidades sobre o autor

Após aprender sobre os pontos mais relevantes de Lucíola, chegou a hora de abrir o leque do conhecimento e ficar ainda mais por dentro dessa obra. Confira a melhor seleção de vídeos e bons estudos!

Tudo o que você precisa saber sobre o Romantismo no Brasil

O professor Noslen dá uma excelente aula sobre o Romantismo no Brasil, abordando contexto histórico, autores e fases. Assista e aproveite para entender como José de Alencar e o romance Lucíola são marcos importantes desse movimento literário.

Análise literária da obra Lucíola

O professor Pablo Jamilk apresenta uma análise literária da obra Lucíola, perpassando a trama, linguagem, características das personagens e muito mais. Assista o vídeo e aproveite a aula!

Vida e obra de José de Alencar, um mestre da literatura brasileira

Nesse breve documentário, acompanhe um pouco mais sobre a vida e a obra de José de Alencar. Aproveite para aprender com professores de literatura renomados.

Depois de aprender sobre Lucíola, você não pode deixar de conferir a matéria sobre a obra Senhora, também de José de Alencar. Prepare-se para se apaixonar por esse grande romancista!

Referências

Curso de literatura brasileira – Sergius Gonzaga;
História concisa da literatura brasileira – Alfredo Bosi;
Lucíola – José de Alencar.

Por Suélen Domingues
Como referenciar este conteúdo

Domingues, Suélen. Lucíola. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/literatura/luciola. Acesso em: 07 de January de 2022.

Exercícios resolvidos

1. [UFLA]

De acordo com a leitura da obra Lucíola, de José de Alencar, julgue as afirmativas e, a seguir, marque a alternativa CORRETA.

I – Há, em Lucíola, um clima de sensualidade constante, combinado com o ardor e sofrimento, bem no clima da literatura romântica que predominava na segunda metade do século XIX.

II – O romance entre os protagonistas, Lúcia e Paulo, “sacode”a Corte e provoca um excitado burburinho na sociedade. De um lado, a mulher que, sendo de todos, jurava não se prender a nenhum homem; de outro, o homem em dúvida entre o amor e o preconceito.

III – O foco narrativo é em 3ª pessoa; o narrador-observador não participa da história; com isso, há um forte apelo à imaginação do leitor.

IV – Em Lucíola, o amor não resiste às barreiras sociais e morais. Assim é o romance da bela Lúcia, a mais rica e cobiçada cortesã do Rio de Janeiro, e Paulo, um jovem modesto e frágil.

(A) Apenas a afirmativa I é correta.
(B) Apenas as afirmativas I, II e IV são corretas.
(C) Apenas as afirmativas I e IV são corretas.
(D) Apenas as afirmativas I e II são corretas.
(E) Apenas as afirmativas I, II e III são corretas.

Resposta: B

Justificativa: a única afirmativa incorreta é a III, pois, o foco narrativo é em 1ª pessoa.

2. [UFOP]

Em relação a Lucíola, de José de Alencar, assinale a alternativa incorreta.

(A) A obra apresenta muito adequadamente o tema da prostituta regenerada, bem ao gosto do Romantismo.

(B) O narrador tem, além dos leitores da obra, explicitamente uma interlocutora como personagem-leitora.

(C) A narrativa se constrói em dois tempos muito bem marcados: o da vivência e o da narração da vivência.

(D) A aparição de Maria da Glória resolve todos os problemas da personagem Lúcia, porque aponta o caminho da expiação da culpa, construindo um final feliz para a narrativa.

(E) A presença de muitos paradoxos românticos (virtude x vício, alma x corpo, amor x prazer, ingenuidade x devassidão, família x prostituição) é possível perceber nesse romance.

Resposta: D

Justificativa: apesar da revelação do passado de Lúcia, a vida que ela levava como Maria Glória não a purga do “pecado” de ser uma cortesã. Não há final feliz para a personagem.

3. [ITA-SP]

O romance Lucíola pertence à chamada fase urbana da produção ficcional de José de Alencar. Nesse livro:

(A)o autor discute a desigualdade social no meio urbano.

(B) o autor mostra a prostituição como um grave problema social urbano.

(C) não há uma típica narrativa romântica, pois o autor fala da prostituição, que é um tema naturalista.

(D) não existe a presença do amor; há apenas promiscuidade sexual.

(E) o autor focaliza o drama da prostituição na esfera do indivíduo, mostrando a diferença entre o ser e o parecer.

Resposta: E

Justificativa: nesse romance, há uma crítica entre o ser (Maria Glória) e o parecer (Lúcia). A moral e os bons costumes servem para esconder a verdadeira essência de uma sociedade repleta de hipocrisia.

Compartilhe

TOPO