Cecília Meireles

Poeta, jornalista e educadora, Cecília Meireles é um dos grandes nomes da literatura brasileira que encantou o público com sua escrita poética e reflexiva.

Cecília Meireles é destaque na poesia brasileira e na literatura infantil, possui uma obra traduzida e musicada por diversos artistas, além de ter recebido importantes prêmios. A autora também atuou no campo da educação defendendo reformas educacionais e a construção de bibliotecas infantis no Brasil. Conheça uma das intelectuais mais importantes da língua portuguesa!

Biografia


(Fonte: Escritas.org)

Cecília Benevides de Carvalho Meireles (Rio de Janeiro, 1901 – idem, 1964) foi uma professora, poeta e jornalista brasileira. Órfã de pai e mãe, foi criada pela avó Jacinta Garcia Benevides. Começou a escrever seus primeiros versos aos 9 anos de idade e era muito dedicada aos estudos. Com 16 anos começou a lecionar e, aos 18, publicou a sua primeira obra intitulada Espectros, uma coleção de 17 sonetos históricos e religiosos.

Em 1922, casou-se com um artista plástico com quem teve três filhas. Viúva, casou-se novamente em 1940 com um professor e engenheiro agrônomo. De 1930 a 1960, Cecília trabalhou como jornalista escrevendo textos críticos sobre a educação, além de lecionar no Brasil e em universidades estrangeiras. A autora também escreveu e traduziu livros literários recebendo muitos prêmios por seu trabalho, como o “Jabuti”, o “Machado de Assis” e o “Olavo Bilac”.

Características literárias

A literatura de Cecília Meireles é composta por um hibridismo de formas, estilos e conteúdo. Conheça algumas de suas principais características:

  • Em suas obras é possível encontrar características das poesias romântica, parnasiana e simbolista com o uso de formas fixas, de esquemas de rimas e de linguagem elevada.
  • Também utilizou os versos livres, ora longos ora curtos, por influência do modernismo, imprimindo um jogo de sons e musicalidade às palavras, o que também caracteriza uma influência simbolista.
  • Em seu livro Romanceiro da Inconfidência, a poeta expõe um rico trabalho de pesquisa histórica, folclórica, social e de vocabulário na construção de episódios narrativos e épicos de tradição hibérica.
  • Temas como o amor, a solidão, a melancolia, a brevidade do tempo e a contemplação da vida compõem a sua obra em uma escrita delicada e repleta de afetividade.
  • Cecília também desenvolveu uma linguagem sensorial e intuitiva para descrever os sentimentos humanos.
  • Seus livros infantis apresentam desde poemas, cantigas de ninar, cantigas de roda até trava-línguas.

Conforme você viu, a obra de Cecília Meireles apresenta características de diferentes escolas literárias, apesar de a autora não ter se filiado a nenhum movimento.

Principais obras

Cecília publicou uma vasta obra para os públicos adulto e infantil. Inclusive, ela atuou na organização da primeira biblioteca infantil do Rio de Janeiro, em 1934. Abaixo, leia alguns de seus poemas infantis mais famosos:

Ou isto ou aquilo

Ou se tem chuva e não se tem sol,
ou se tem sol e não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
Quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo dinheiro e não compro o doce,
ou compro o doce e não guardo o dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

A bailarina

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina
.
Não conhece nem dó nem ré
mas sabe ficar na ponta do pé.

Não conhece nem mi nem fá
Mas inclina o corpo para cá e para lá

Não conhece nem lá nem si,
mas fecha os olhos e sorri.

Roda, roda, roda, com os bracinhos no ar
e não fica tonta nem sai do lugar.

Põe no cabelo uma estrela e um véu
e diz que caiu do céu.

Esta menina
tão pequenina
quer ser bailarina.

Mas depois esquece todas as danças,
e também quer dormir como as outras crianças.

Abaixo, listamos alguns títulos escritos por Cecília Meireles ao longo de sua carreira literária, confira:

  • Espectros (1919)
  • Criança, meu amor (1923)
  • Batuque, Samba e Macumba (1935)
  • Notícia da Poesia Brasileira (1935)
  • Problemas de Literatura Infantil (1951)
  • Aeronauta (1952)
  • Romanceiro da Inconfidência (1953)
  • Metal Rosicler (1960)
  • Poemas Escritos na Índia (1961)
  • Ou Isto ou Aquilo (1964)

Dentre os seus grandes sucessos estão as obras Ou isto ou Aquilo, considerado um clássico infantil, e Romanceiro da Inconfidência, livro que conta a história de Minas Gerais até a Inconfidência Mineira em versos.

7 frases de Cecília Meireles

Separamos algumas frases e trechos das publicações da autora para que você perceba o hibridismo entre as linguagens poética e crítica que compõem a sua obra.

  1. ”Tenho fases, como a lua, fases de andar escondida, fases de vir para a rua…” (Poema Lua Adversa)
  2. ”Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem sou triste: sou poeta.” (Poema Motivo)
  3. ”Liberdade é uma palavra que o sonho humano alimenta, não há ninguém que explique e ninguém que não entenda.”
  4. ”O coração de uma criança é sempre grande demais para abranger uma pátria só.”
  5. ”Tudo se encadeia nesta sucessão: instruir para educar, educar para viver e viver para quê?”
  6. ”Se não quisermos ser um estorvo, que passado queremos ser nós para esses que, no presente, são apenas uma probabilidade futura?” (Livro O Espírito Victorioso).
  7. “A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la.”

Agora que você já conhece o estilo de Cecília, veja alguns vídeos que discutem a sua produção intelectual.

Vídeos sobre uma escritora educadora

Para ampliar o que você aprendeu até aqui, selecionamos três vídeos que abordam aspectos da vida e da obra de Cecília Meireles na literatura e na educação. Assista!

A obra de Cecília Meireles: um resumo

Antonio Carlos Secchin fala sobre a importância de Cecília Meireles para a poesia brasileira, contextualizando as suas relações com o Modernismo brasileiro e o diálogo de suas obras com a tradição literária e as formas livres.

Romanceiro da Inconfidência

Nesse vídeo, o professor Fefo situa a Cecília Meireles dentro do Movimento Modernista e apresenta características do livro Romanceiro da Inconfidência, desde o formato da obra até os aspectos histórico-sociais nele abordados. Acompanhe!

Cecília Meireles: uma educadora

Nesse vídeo, a Bruna Martiolli faz um resumão sobre a atuação de Cecilia Meirelles na defesa de uma educação pública, gratuita e laica no Brasil, além de apresentar várias curiosidades sobre a escritora. Confira!

Agora que você já conhece um pouco sobre Cecília Meireles, aprenda sobre outra importante poeta brasileira do século XX lendo a nossa matéria sobre Cora Coralina.

Referências

Memória e Educação: O Espírito Victorioso, de Cecília Meireles (1996) – Yolanda Lima Lobo
Ou Isto ou Aquilo (2012) – Cecília Meireles

Érica Paiva Rosa
Por Érica Paiva Rosa

Professora, redatora e produtora cultural. Mestre em Letras pela UEM.

Como referenciar este conteúdo

Paiva Rosa, Érica. Cecília Meireles. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/literatura/cecilia-meireles. Acesso em: 17 de April de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [UFOP]

Leia o poema abaixo.

“Cenário
Eis a estrada, eis a ponte, eis a montanha
Sobre a qual se recorta a igreja branca.
Eis o cavalo sobre a verde encosta.
Eis a solteira, o pátio, e a mesma porta.
E a direção do olhar. E o espaço antigo
para a forma do gesto e o vestido.
E o lugar da esperança. E a fonte, E a sombra.
E a voz que já não fala e se prolonga.
E eis a névoa que chega, envolve as ruas,
move a ilusão de tempos e figuras.
A névoa que se adensa e vai formando
nublados reinos de saudade e pranto.”
(Romanceiro da Inconfidência)

O poema exemplifica uma técnica poética central do Romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles. Assinale-a.

a) Descrição minuciosa de lugares e cenas.
b) Ficcionalização de personagens históricas através de sua convivência com outros puramente ficcionais.
c) Referência a dados históricos, com sua respectiva situação espaço-temporal.
d) Uso da rima como centro do trabalho poético.
e) Visão de fatos e processos através da enumeração de elementos metonímicos que constituem uma cadeia de significação.

Resposta: E

Justificativa: Através da enumeração de elementos metonímicos, Cecília constrói um panorama maior. No exemplo do excerto, a enumeração e descrição de elementos do ambiente colabora para a construção de um clima sombrio de medo, saudade e dor.

2. [UFES]

“Assovio
Ninguém abra a sua porta
para ver que aconteceu:
saímos de braço dado,
a noite escura mais eu.
Ela não sabe o meu rumo,
eu não lhe pergunto o seu:
não posso perder mais nada,
se o que houve já se perdeu.
Vou pelo braço da noite,
levando tudo que é meu:
– a dor que os homens me deram,
e a canção que Deus me deu.”
(Cecília Meireles – Viagem)

Cecília Meireles, no poema transcrito, vale-se dos seguintes recursos estilísticos:

a) humanização/ intimismo/ redondilha maior.
b) sinestesia/ subjetivismo/ soneto.
c) anáfora/ fugacidade/ redondilha menor.
d) metonímia/ transcendência/ ode.
e) metáfora/ desengano/ epigrama.

Resposta: A

Justificativa: No poema, Cecília utiliza os recursos da humanização e do intimismo para caracterizar a noite e a relação do eu-lírico com ela, sua única companheira. Já sobre a estrutura, os versos do poema apresentam sete sílabas poéticas, o que caracteriza o uso da redondilha maior.

Compartilhe

TOPO