Karatê

O karatê é uma arte marcial de autodefesa originada no Japão e fundamentada na disputa sem uso de armas.

O karatê é uma arte marcial de autodefesa originada no Japão, baseada em movimentos de socos, chutes, cotoveladas, joelhadas e golpes com a palma da mão aberta. Nesta matéria, serão abordados aspectos históricos, características, equipamentos e regras desse esporte. Acompanhe a seguir:

História do karatê

Os princípios do Karatê remetem à ilha de Okinawa, no Japão do século XVIII, e ao Sensei Ginchin Funakoshi, fundador do estilo shotokan e considerado “Pai do Karatê moderno”. Nessa época, o uso de armas pela população japonesa havia sido proibido. Com isso, para se defender de situações como saques e assaltos, a população deveria usar o próprio corpo, mobilizando técnicas de autodefesa.

Desse modo, diferentes mestres passaram a desenvolver técnicas de autodefesa sem uso de armas, promulgando a criação dos estilos da arte denominada kara (vazio, livre) te (mãos) – mãos vazias.

Em 1902, Funakoshi realizou uma demonstração dessa arte marcial para o inspetor da prefeitura de Okinawa à época. O entusiasmo do inspetor com a prática foi traduzido em uma carta que escreveu ao Ministério da Educação do Japão, elogiando as virtudes dessa manifestação corporal, o que culminou na autorização oficial do ensino do karatê nas escolas do Japão.

Além disso, outro fator que contribuiu para a popularização e difusão da prática foi a demonstração do karatê na Exibição Atlética Nacional de Tóquio, em 1921. Ainda, somam-se a esse movimento a abertura de clubes universitários, a associação dessa prática com o militarismo crescente no país e os filmes de artes marciais dos anos de 1960 e 1970, que difundiram o karatê em cenário global.

O karatê nas Olimpíadas

iStock

Em 1970, foi criada a União Mundial das Organizações de Karatê (WUKO), órgão atualmente chamado de Federação Mundial de Karatê (World Karate Federation – WKF). Logo, inúmeros esforços se direcionaram à inclusão do karatê nos Jogos Olímpicos, até que, em 1985, a WUKO foi reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) como entidade responsável pela regulamentação dessa prática, que passou, então, a ser considerada oficialmente um esporte.

Com o reconhecimento do karatê como esporte, ele pôde ser indicado para inclusão nos Jogos Olímpicos. No entanto, apesar da indicação em 2009, sua participação está confirmada apenas para a edição Tóquio 2020, que acontecerá no período de julho a agosto de 2021. Nessa edição das Olimpíadas, serão disputadas as modalidades Kata, em que os atletas simulam um combate sem contato físico, e Kumite, que é a luta tradicional.

Principais características

As principais características do Karatê dizem respeito às suas três modalidades ou etapas: Kirron, que designa o estudo dos fundamentos básicos (ataque e defesa); Kata, que se refere à luta imaginária; e Kumite, que é a luta em si. Além disso, outra característica diz respeito ao seu fundamento, o atemi waza, que faz menção a movimentos de socos, chutes, cotoveladas, joelhadas e golpes com a palma da mão aberta.

No Karatê, o corpo é o único instrumento utilizado, além dos equipamentos de proteção, que serão abordados na sequência. Devido à instrumentalização do corpo, o Kata se constitui como base do karatê. Nele, o atemi waza é exercitado por meio de sequências de movimentos, para aumentar a agilidade e eficiência dos golpes e defesas. Assim, são realizados golpes contra um oponente imaginário para exercitar as técnicas do karatê.

As técnicas do Karatê, por sua vez, são compostas por movimentações de dachi waza (bases), uke waza (defesa), katame waza (imobilizações), ate e atemi waza (contusões), com os subconjuntos tsuki waza e uchi waza (socos diretos e indiretos) e nage waza (projeções) – dividida em kari waza (rasteiras), kuruma waza (giros) e sutemi waza (sacrifícios). Essas técnicas são combinadas de diversas maneiras para formar movimentações que dão dinâmica às simulações de disputas.

Regras do karatê

As regras do karatê dizem respeito às regiões em que os golpes são válidos e à pontuação atribuída a cada golpe. Do mesmo modo, há pontuações de penalização, que são atribuídas quando os caratecas (forma como são chamados os atletas de karatê) golpeiam regiões não autorizadas ou realizam movimentos não condizentes com os fundamentos desse esporte.

Desse modo, as regras surgem com a necessidade de orientar a prática de combate, denominada Shiai-Kumite, que é uma variação esportiva do jyu kumite. Por sua vez, o jyu kumite representa um estágio avançado e mais dinâmico do Kumite, que é uma luta com movimentos predeterminados pelos lutadores.

O principal objetivo do karatê é o aprimoramento técnico e a superação do adversário. As disputas são organizadas por categorias, definidas pela idade e pelo peso dos atletas. As categorias são: Juvenil (12-13 anos), Cadete (14-15 anos), Juniores (16-17 anos) e Seniores (maiores de 18 anos).

Vence a luta o carateca que atingir oito pontos de diferença em relação ao adversário. Além desse critério, outra forma de definir o vencedor é por tempo de luta: cada categoria tem um tempo (2 a 3 minutos) e, ao final dele, quem tiver mais pontos vence.

Os árbitros que atuam na luta compõem o “painel de arbitragem”, constituído por um árbitro central (responsável por conduzir a luta e atribuir pontos) e por quatro árbitros bandeiras (que sinalizam pontos, inflações e penalidades). Uma pontuação só pode ser atribuída pelo árbitro central se ao menos dois árbitros bandeiras a sinalizarem. Assim, o árbitro central deve verificar com os bandeiras a ocorrência de infrações e sinalizar a penalidade.

Equipamentos

iStock

No karatê, são utilizados como equipamentos de segurança: protetor bucal, de mão, de pé e canela, o colete feminino, o protetor de seio (obrigatório) e o escrotal (opcional). As características oficiais desses equipamentos são estabelecidas pela WKF. Além disso, utiliza-se o kimono (karate gi, que significa roupa do karatê). O kimono é o tipo de uniforme das artes marciais, acompanhado da faixa correspondente ao grau do atleta.

Faixas do Karatê

Conforme os praticantes avançam no aprendizado das técnicas e dos valores das artes marciais, vão realizando “exames de faixa” e, assim, aumentando o grau de desenvolvimento (passando de estágio) dentro das respectivas modalidades. Desse modo, os diferentes estágios (Kyu) do karatê são expressos pelo uso de faixas com cores distintas, as quais evidenciam aspectos como o aumento da complexidade técnica envolvida e tempo de prática na modalidade.

Assim, o praticante vai aperfeiçoando suas habilidades e progredindo, do estágio iniciante (faixa branca) ao estágio mais avançado (faixa preta). As faixas do karatê são organizadas da seguinte maneira, simbolizando a progressão no esporte:

  • Faixa branca: iniciante;
  • Faixa amarela: 6° Kyu;
  • Faixa vermelha: 5° Kyu;
  • Faixa laranja: 4° Kyu;
  • Faixa verde: 3° Kyu;
  • Faixa roxa: 2° Kyu;
  • Faixa marrom: 1° Kyu;
  • Faixa preta: 1° Dan.

É importante compreender que chegar ao estágio avançado não significa que o praticante para de se desenvolver dentro da modalidade, nem mesmo que atingiu a perfeição de suas técnicas. Conforme orientam as filosofias das artes marciais, é nesse estágio que os praticantes se encontram em pleno início desse desenvolvimento – quase como se retornassem à faixa branca -, já que prezam pela busca constante por harmonia e pelo aprimoramento das potencialidades humanas.

Vamos à luta!

A seguir, você encontra vídeos a respeito da história, das regras e dos fundamentos do karatê para complementar o conteúdo visto até agora. Acompanhe:

História do karatê

Esse vídeo apresenta aspectos históricos do esporte, complementando o conteúdo abordado nesta matéria. Confira!

Pontuando…

Nesse vídeo, você acompanha a ilustração dos tipos de golpes da disputa de karatê Kumite e as respectivas pontuações.

Por dentro da competição

Já esse vídeo demonstra uma disputa de Kata feminino, apresentando a performance da equipe Sérvia no campeonato mundial da WKF, em Belgrado 2010.

Nesta matéria, abordamos conteúdos que explicam a história do karatê, desde uma prática de autodefesa até tornar-se um esporte olímpico. Continue aprofundando seu conhecimento a respeito das manifestações corporais e esportivas conferindo nossa matéria sobre o Atletismo.

Referências

Apostila de Karatê Shotokan (2010) – Silvio Melo

João Paulo Marques
Por João Paulo Marques

Bacharel em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Pesquisador integrante do Grupo de Pesquisa Corpo, Cultura e Ludicidade (GPCCL/UEM/CNPq) e do Grupo de Estudos Foucaultianos (GEF/ UEM/CNPq). Pesquisas focalizando Cultura Física, Discurso, Corpo e Subjetividade.

Como referenciar este conteúdo

Marques, João Paulo. Karatê. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/educacao-fisica/karate. Acesso em: 27 de September de 2020.

Exercícios resolvidos

1.

O Karatê Shotokan é dividido em 3 partes. Quais são?

a) Sochin, Kumite e Kirron.
b) Kata, Gedan Barai e Kumite.
c) Kata, Kirron e Kumite.
d) Heian, Tekki e Hangetsu.

A resposta correta é c) Kata, Kirron e Kumite.

2.

Qual destes mestres de Karatê fundou o estilo Shotokan?

a) Massatoshi Nakayama.
b) Hirokazu Kanazawa.
c) Gichin Funakoshi.
d) Keisho Nakamura.

A resposta correta é c) Gichin Funakoshi.

Compartilhe

TOPO