Basquetebol

O basquetebol é um dos esportes mais conhecidos atualmente. Sua história remete a um período conturbado nos Estados Unidos e seu modo de jogar mudou bastante desde então.

O basquetebol é um esporte bastante disseminado e reconhecido internacionalmente. No Brasil, apesar de ser uma prática esportiva que não é tão forte como o futebol, é bastante apreciado não apenas no campo profissional mas também em escolas ou mesmo no streetball (basquete de rua).

Esse esporte é jogado por duas equipes adversárias, compostas por 5 jogadores cada uma. O objetivo é marcar pontos na cesta do campo do oponente e impedir que a outra equipe faça o mesmo. Vence, assim, o time que conquistar mais pontos no fim do tempo de jogo. A seguir, vamos nos aprofundar sobre essa modalidade de esporte.

Regras

Com a institucionalização, a racionalização e a profissionalização das práticas esportivas, os esportes passaram a conter regras específicas e uniformes de funcionamento. Dessa forma, o basquetebol possui regras padronizadas que são utilizadas em jogos oficiais.

O tempo

Um jogo de basquetebol consiste de 4 períodos que duram 10 minutos cada. A primeira partida se inicia no momento em que a bola deixa as mãos do árbitro e é lançada para o alto. Os demais períodos do jogo começam com o jogador que faz a reposição lateral.

Existem pelo menos três intervalos no jogo: dois de 2 minutos (um entre o primeiro e o segundo período e outro entre o terceiro e o quarto período) e um de 15 minutos na metade da partida, ou seja, entre o terceiro e o quarto período. Além disso, a partir da metade do jogo, as equipes trocam o lado da cesta.

Em caso de empate no fim do quarto período, são feitos períodos extras de 5 minutos cada, até uma das equipes conseguir o desempate. Nesses períodos extras, os times permanecem no lado da cesta que estiveram no último período.

A bola

É permitido o uso apenas das mãos para manejar a bola. Desse modo, é proibido chutar ou bloquear a bola com partes dos membros inferiores. Apesar disso, se a bola tocar, por acidente, na perna ou nos pés, não é considerada uma falta.

Quando o árbitro lança a bola ao alto, um jogador de cada equipe está disposto em lados opostos e saltam, tentando dar um tapa na bola, com o objetivo de jogá-la para sua equipe. Nesse movimento, nenhum dos jogadores pode segurar ou dominar a bola.

Na marcação de pontos, uma bola é considerada dentro da cesta quando ela passa por cima dela e permanece ou atravessa-a por completo. Existem ainda os pontos-contra, quando um jogador acidentalmente marca uma cesta em sua própria equipe. Isso dá ao oponente 2 pontos.

Existe ainda uma série de regras que controlam as possibilidades dentro do jogo. Algumas delas podem incluir os fundamentos do basquetebol, e também regular as medidas da quadra e a posição dos jogadores. Veremos mais profundamente sobre esses temas a seguir.

Fundamentos

O basquetebol é fundamentado por alguns movimentos e técnicas essenciais para a sua prática. Podemos elencar, por exemplo, o passe, os giros, a defesa, o arremesso, o drible e a finta.

  • Passe: o passe é o ato de troca, jogando a bola em direção ao companheiro de equipe. Há várias técnicas de passe, como o lateral, ponte aérea e por trás das costas;
  • Giros: pode ser utilizado como uma forma de enganar o adversário, indo em uma direção e girando para outra após atrair o oponente;
  • Defesa: na defesa, o jogador não deve permitir que o adversário lhe ultrapasse, cuidando das marcações individuais, bloqueando os arremessos e ajudando o companheiro quando este for ultrapassado;
  • Arremesso: o arremesso é a ação que vai permitir a equipe marcar pontuações com o acerto da bola dentro do cesto. Pode ser considerado o ponto final de toda uma jogada;
  • Drible: há várias técnicas para fazer o drible, que consiste em se movimentar pela quadra quicando a bola no solo com apenas uma mão. Não é permitido driblar com duas mãos;
  • Finta: é uma tática para enganar o adversário, demonstrando uma intenção falsa de movimento e confundindo o oponente.

A boa prática do basquetebol requere o desenvolvimento dessas diversas técnicas e o trabalho em equipe. Assim, o treino e o desenvolvimento de estratégias para aproveitar os fundamentos do esporte com o objetivo de conquistar a vitória são necessários.

Quadra e jogadores

iStock

Os jogos oficiais são regulamentados por regras específicas do esporte. Nesse contexto, as medidas e o formato da quadra devem seguir os padrões dessas recomendações. Além disso, as posições dos jogadores na quadra também seguem esses parâmetros, descritos a seguir.

Quadra

  • Linha lateral: é a maior linha da quadra e deve medir 28 m;
  • Linha final: é a linha que delimita a quadra por largura, medindo 15 m;
  • Linha central: essa linha divide a quadra na metade, ficando paralela à linha final. Ela ainda deve se estender 0,15 m para além da linha lateral;
  • Círculo central: é um círculo com um raio de 1,80 m marcado no centro da quadra;
  • Área da cesta de campo de 3 pontos: são duas áreas posicionadas de cada lado da quadra, composta por duas linhas paralelas a 0,90 m das linhas laterais e um arco com um raio de 6,75 m;
  • Área restritiva: são campos retangulares limitados pelas linhas finais, medindo 5,8 m de comprimento e 4,9 m de largura;
  • Semicírculo de lance livre: o semicírculo de cada área oposta mede um raio de 1,80 m, com limite na área restritiva de cada campo;
  • Semicírculo sem carga: este semicírculo fica dentro da área restritiva, medindo um raio de 1,25 m a partir do centro do cesto;
  • O cesto: o centro do cesto fica posicionado a 1,575 m a partir da linha final.

Jogadores e suas posições

Uma equipe inteira pode conter no máximo 12 membros, incluindo o capitão. Em jogo, são apenas 5 indivíduos que podem participar, podendo ser substituídos. Além disso, são permitidos a presença do técnico, de um assistente de técnico e mais 7 acompanhantes (médico, fisioterapeuta, estatístico e outros profissionais).

Em quadra, cada um dos 5 jogadores recebe nomes e funções específicas. O primeiro, chamado de armador, é aquele que direciona e auxilia os demais a estarem na melhor posição para marcar pontos, sendo considerado o “cérebro” da equipe.

O segundo é a escolta ou armador-lançador, que faz uma função auxiliar ou substituta do armador, sendo muitas vezes o jogador mais veloz da equipe.

Em terceiro lugar há o ala/lateral, importante na defesa e também posicionado mais próximo à cesta. Em quarto, o ala/pivô, geralmente o jogador mais forte da equipe, que se move quase sempre perto da cesta.
Por último, o pivô ou centro, que desempenha um papel tanto defensivo como ofensivo. Ele tenta marcar pontos perto da cesta e também bloqueia lançamentos, além de geralmente ser o mais alto da equipe.

Na quadra e nas narrações, os jogadores são chamados também apenas por seus respectivos números. A dinâmica do jogo depende das estratégias e do desempenho das funções de cada jogador em sua posição.

História do basquetebol no Brasil e no mundo

Fotografia do jogo entre Brasil e Chile (1952)
Fotografia de uma partida de basquetebol entre Brasil e Chile (1952).

O basquetebol surgiu na década de 1890, nos Estados Unidos, em um contexto de instabilidade política, social e cultural. Os conflitos raciais eram uma das grandes causas desse momento turbulento, marcado pelas desigualdades de oportunidades e violências sofridas pela população negra e trabalhadora.

O esporte surgiu para suprir a necessidade de recreação dos jovens da Associação Cristã de Moços. Procurava-se uma atividade que fosse interessante e possível de ser feita no inverno, em ambiente fechado. James Naismith se incumbiu da tarefa, tentando criar um esporte competitivo que atraísse jovens norte-americanos.

Nas primeiras tentativas, o basquetebol foi praticado por dois times compostos cada um de nove jogadores e com um conjunto de 13 regras. Naismith acreditava que o esporte traria uma melhora física e espiritual aos jogadores, além de uma oportunidade de atenuar a desordem social.

A primeira cesta do esporte tinha um fundo onde a bola não atravessava. Com o passar dos jogos, esse fundo acabou se rompendo e, assim, surgiu a ideia de cortar o fundo dos cestos. Dessa forma, a continuação do jogo foi facilitada.

Incialmente, o basquetebol era praticado em escolas e clubes de classes médias e altas. Entretanto, o esporte começou a se difundir em grupos populares de maneira informal. Na década de 1950, o basquetebol norte-americano passou por uma democratização maior do esporte e se transformou.

O jogo passou a ficar mais dinâmico, o que favoreceu a espetacularização do esporte e permitiu sua difusão ao público. Com isso, a mídia passa a exercer a transmissão dos jogos e a atrair investidores.

No Brasil, o esporte veio com o professor norte-americano Augusto Shaw. Inicialmente, o estilo foi melhor recebido entre o público feminino, o que fez com que homens ficassem receosos de se engajarem.

Com a insistência de Shaw, o basquetebol passou a ser difundido. As primeiras regras foram traduzidas em 1915 para o português. Nesse mesmo ano é realizado um torneio na América do Sul. E em 1933 é criada, no Rio de Janeiro, a Confederação Brasileira de Basketball (CBB).

As primeiras regras do esporte permitiam a participação de até 40 pessoas dentro da quadra. Em 1892, esse número foi reduzido a 7 ou 5 e, em 1897, foi determinado o número de 5.

Também ocorreram mudanças em relação ao tempo. O jogo inicialmente tinha a duração de 30 minutos e um intervalo de 5 minutos. Em 1980, foi adotado 40 minutos com 10 minutos de descanso. Em 2000, a partida passou a ser composta por 4 períodos de 10 minutos, com intervalos específicos.

Além dessas regras, uma série de outras foram acrescentadas e desenvolvidas. Como o esporte é ativo e contemporâneo, elas ainda continuam se adaptando e evoluindo.

Assim, entender a história do basquetebol é importante para compreender seu contexto e importância. Atualmente ele é um dos esportes mais apreciados mundialmente, e é praticado em jogos informais, de rua e em competições profissionais.

Referências

Basquetebol. Aspectos históricos e funcionais – José Eduardo Costa de Oliveira;

A evolução das regras do Basquetebol – Marlene Feriato;

A história do Basquetebol vista sob outra ótica – Edson Hirata e Fernando Augusto Starepravo;

Basquetebol – Fundamentos, práticas e valores – Rogério Weneck;

Os estudos sociais sobre o basquetebol no Brasil: uma abordagem inicial – Felipe Mellini;

Considerações histórico-sociológicas acerca do basquete de rua e suas possíveis relações com a educação física escolar – Felipe Canan e Rogério Vaz da Silva;

Regras oficiais de Basquetebol – Confederação Brasileira de Basketball;

Jogadores e posições – NBA.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Cientista social pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Como referenciar este conteúdo

Oka, Mateus. Basquetebol. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/educacao-fisica/basquetebol. Acesso em: 30 de July de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [Prefeitura Municipal de Octacílio Costa]

Cada equipe de basquetebol dever ter em quadra:
a) Cinco jogadores
b) Sete jogadores
c) Oito jogadores
d) Nove jogadores

Resposta: A

Justificativa: Apesar de na história do basquetebol já haver um número maior permitido de jogadores na quadra, as regras atuais regulamentam o número de 5 jogadores.

2. [IFCE]

São fundamentos básicos do basquetebol:
A. saque, manchete, toque, ataque e bloqueio.
B. passe, drible, arremesso, lance-livre e rebote.
C. passe, recepção, empunhadura, arremesso, finta e drible.
D. passe, drible, arremesso e toque.
E. passe, toque, drible, arremesso, rebote e lance-livre.

Resposta: B

Justificativa: as demais alternativas apontam fundamentos que não são do basquetebol, como saque, manchete, empunhadura e toque.

3. [UEM]

Marque o que for correto sobre o basquete no contexto brasileiro.
01) Apesar de ter contribuído diretamente para a criação e para o desenvolvimento de várias modalidades esportivas no mundo todo, a Associação Cristã de Moços (ACM) não interveio no processo de implementação e consolidação do basquete no Brasil.
02) O Brasil foi um dos primeiros países a conhecer o basquete, situação propiciada pela vinda de um professor norte-americano (conhecedor da modalidade recém-criada), convidado para lecionar no Mackenzie College, em São Paulo.
04) A imediata aceitação do basquete por mulheres, no Mackenzie College, em São Paulo, dificultou a difusão da modalidade entre os rapazes, fortalecendo a ideia do machismo tão presente à época.
08) A prática do futebol por homens e sua grande aceitação foram elementos essenciais que os motivaram a buscar paralelamente outras modalidades de esporte coletivo, a exemplo do basquete.
16) Apesar de ser esporte competitivo pautado no desenvolvimento da aptidão física e da técnica corporal refinada, o basquete, no contexto brasileiro, pode ser trabalhado numa dimensão formativa, valorizando-se sua prática como forma de lazer e promoção da saúde.

Resposta: 22 (02+04+16)

Justificativa: As demais alternativas estão incorretas pois: a Associação Cristã de Moços (ACM) foi diretamente importante na disseminação do Basquetebol no Brasil, que acabou sendo um dos primeiros países a recepcionar o esporte por meio do professor norte-americano Augusto Shaw. Além disso, a prática foi inicialmente aceita por mulheres, o que inicialmente levou a um receio do público masculino em se engajar nessa modalidade esportiva.

Compartilhe

TOPO