Coagulação sanguínea

O sangue possui a capacidade de formar coágulos para evitar sua perda excessiva quando o vaso sofre uma lesão. Entenda como ocorre a coagulação sanguínea.

O corpo humano apresenta diversos mecanismos para manter as condições ideais de funcionamento. Como um exemplo, temos a coagulação sanguínea – um processo fundamental que impede grandes perdas de sangue e contribui para a hemostasia. Neste texto, entenda como ele ocorre acompanhando os tópicos a seguir:

O que é coagulação sanguínea

A coagulação sanguínea pode ser definida como um conjunto de eventos que estimulam a formação de coágulo. Dessa forma, impede que grandes quantidades de sangue sejam perdidas. Esse processo acontece devido a uma série de alterações físicas e bioquímicas, em que o sangue perde suas características fluídas para formar o coágulo.

Quando ocorre alguma lesão no vaso sanguíneo, o fluxo de sangue diminui para reduzir a perda de sangue (vasoconstrição). Rapidamente, plaquetas formam um tampão plaquetário no local da lesão para iniciar o processo de coagulação.

Por fim, são ativados os fatores de coagulação para formar o coágulo por meio da cascata de coagulação. Os fatores de coagulação são proteínas produzidas pelo fígado e ativadas apenas quando necessário, ou seja, quando há alguma lesão.

Cascata de coagulação

A cascata de coagulação foi proposta por Macfarlane, Davie e Ratnoff em 1964, que afirmam que esse processo ocorre de maneira sequencial. Inicialmente, o tampão plaquetário libera a tromboplastina para iniciar a cascata de coagulação. Em seguida, a tromboplastina interage com o íon Ca++ e converte a prototrombina (fator II) em trombina (fator IIa), que terá uma ação ativa.

Essa ação consiste em converter o fibrinogênio (fator I) em fibrina (fator Ia). Dessa forma, as fibrinas podem se acumular no tampão plaquetário, formando redes. É nessas redes de fibrina que leucócitos e hemácias conseguem ficar aderidos para originar o coágulo sanguíneo e, assim, interromper o processo hemorrágico.

Esse processo acontece por meio de duas vias, a via extrínseca e a via intrínseca, que convergem para uma via em comum. Confira a seguir as características de cada via:

  • Via extrínseca: ocorre a interação dos elementos do sangue com aqueles encontrados fora do espaço intravascular.
  • Via intrínseca: envolve os componentes presentes no espaço intravascular.
  • Via comum: quando as duas vias se encontram e ativam outros fatores de coagulação para a formação do coágulo.

O modelo da cascata de coagulação sanguínea apresenta algumas limitações. Por conta disso, outro modelo está sendo proposto e baseia-se no processo de coagulação em superfícies celulares. De acordo com esse modelo, a coagulação do sangue ocorre em 4 etapas. Acompanhe:

  1. Iniciação: formação do complexo entre o fator tecidual (fator III) e o fator II, após ocorrer perturbação do endotélio vascular e das hemácias.
  2. Amplificação: início do processo de formação do tampão plaquetário, em que a trombina ativa plaquetas e os fatores V e VIII, além do fator XI na superfície das plaquetas.
  3. Propagação: maior produção de trombina e acúmulo de plaquetas para formar um tampão estável no local lesionado.
  4. Finalização: anticoagulantes presentes no organismo são liberados para limitar a formação do coágulo e, assim, evitar a oclusão do vaso.

A importância da coagulação sanguínea

O processo de coagulação sanguínea é essencial para impedir a perda de sangue em excesso. Esse mecanismo é uma das respostas fisiológicas do organismo para a prevenção e a interrupção de sangramento e hemorragias. Além disso, a coagulação auxilia no processo de recuperação do tecido epitelial.

Doenças associadas à coagulação sanguínea

Algumas condições genéticas ou fisiológicas podem causar a alteração no processo de coagulação. Isso resulta em doenças relacionadas à coagulação sanguínea, chamadas de coagulopatias, e pode levar tanto à hemorragia quanto a tromboses. Conheça, a seguir, as principais dessas doenças:

  • Hemofilia: doença hereditária que dificulta a formação de coágulos, favorecendo a ocorrência de quadros hemorrágicos prolongados ou espontâneos. Os portadores dessa doença possuem uma alteração genética em algum fator de coagulação. Por exemplo, a hemofilia A está relacionada à deficiência do fator VIII.
  • Doença de von Willebrand: causa uma disfunção plaquetária de carácter hereditário que altera as quantidades do fator de von Willebrand (FVW) presentes na circulação. Essa doença pode incluir sangramento anormal de mucosas e de pequenos cortes, além da facilidade de apresentar hematomas.
  • Trombofilia: é uma condição em que a pessoa apresenta maior facilidade para formar coágulos sanguíneos. Assim, aumentam os riscos de desenvolver problemas mais graves, como AVC e trombose vascular. A trombofilia é causada por uma deficiência nos fatores de coagulação e pode ser de origem hereditária ou adquirida.

Existem diversas coagulopatias, sendo que, neste texto, listamos as principais. Geralmente, o tratamento dessas doenças envolve a reposição do fator deficiente, seja através de medicamentos ou de transfusão de plasma congelado.

Vídeos sobre coagulação sanguínea

Abaixo, apresentamos alguns vídeos sobre o assunto. Confira nossa seleção e aproveite para fazer uma revisão do conteúdo!

Mecanismo de coagulação

Nessa aula, entenda como ocorre o mecanismo de coagulação do sangue. Assim, veja como as plaquetas e as proteínas atuam em conjunto para construir o tampão plaquetário e o coágulo sanguíneo.

Plaquetas e coagulação sanguínea

Aqui, temos mais um vídeo sobre o assunto. O professor Guilherme explica a importância das plaquetas para o processo de coagulação sanguínea. Além disso, compreenda como funciona a cascata de coagulação e quais enzimas estão envolvidas.

Hemofilia

A hemofilia causa uma desordem no mecanismo de coagulação do sangue e tem origem hereditária. Selecionamos essa aula para você compreender os padrões de hereditariedade relacionados a essa doença. Descubra por que ela acomete predominantemente pessoas do sexo masculino.

Em conclusão, a coagulação sanguínea é um mecanismo de contenção que impede a perda de sangue em excesso. Continue seus estudos de biologia aprendendo mais sobre o corpo humano!

Referências

Fundamentos de Genética (2013) – Peter Snustad e Michael J. Simmons
Tratado de Fisiologia Médica (2017) – Arthur C. Guyton

Gabriela Naomi
Por Gabriela Naomi

Acadêmica de último ano de Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (UEM). Possui experiência na área de limnologia, com ênfase em ecologia de zooplâncton pela mesma universidade.

Como referenciar este conteúdo

Tanaka Santos, Gabriela Naomi. Coagulação sanguínea. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/biologia/coagulacao-sanguinea. Acesso em: 07 de May de 2021.

Exercícios resolvidos

1. [Unesp - 2005]

Uma das mais importantes propriedades do sangue é sua capacidade de se coagular, o que evita a sua perda excessiva quando um vaso é lesado. Assim que o sangue começa a sair do vaso lesado, na região do corte:

a) As hemácias e os glóbulos brancos formam um coágulo que retém as plaquetas, paralisando a hemorragia.
b) As hemácias formam um coágulo que retém a fibrina e a trombina, paralisando a hemorragia.
c) As plaquetas aderem-se às paredes do vaso e retêm os glóbulos sanguíneos.
d) A protrombina converte-se em trombina, que se adere às paredes do vaso e retém os glóbulos sanguíneos.
e) O fibrinogênio converte-se em fibrina, que se adere às paredes do vaso e retém os glóbulos sanguíneos.

A alternativa correta é e) O fibrinogênio converte-se em fibrina, que se adere às paredes do vaso e retém os glóbulos sanguíneos.

A fibrina adere ao tampão plaquetário, formando uma rede que retém hemácias e leucócitos.

2. [UFMG - 2003 (adaptado)]

Na prática médica, a utilização de sanguessugas como agentes indutores de sangramento remonta ao ano 180 a.C. Atualmente, as sanguessugas têm sido usadas na prevenção de necrose tecidual, após cirurgias reparadoras. Considerando-se essa situação, é CORRETO supor que o uso de sanguessugas se deve à:

a) redução da oxigenação dos tecidos lesados.
b) estimulação da atividade da trombina.
c) ação anestésica, visando-se à redução da dor.
d) prevenção da coagulação sanguínea.

A alternativa correta é d) prevenção da coagulação sanguínea.

As sanguessugas apresentam em sua saliva uma substância com função anticoagulante, impedindo a cascata de coagulação.

Compartilhe

TOPO