Arte naif

Primitividade, cores, simplicidade e sentimentos são características do estilo conhecido como arte naif.

Também nomeada como arte primitiva ou ingênua, a arte naif é um estilo artístico de caráter popular e simples. Retrata temas cotidianos e a cultura popular dos lugares em que é produzida, sendo criada por artistas autodidatas e considerada uma arte popular, desassociada do tecnicismo artístico. Conheça mais sobre esse estilo a seguir!

O que é a arte naif

A arte naif é um estilo de arte associado à ideia de ingenuidade e primitivismo. O termo “naif” é de origem francesa e significa “ingênuo”. O estilo é realizado por artistas autodidatas, que não estudaram em escolas e academias de arte. O sentimento do artista é mais valioso que as regras e convenções das técnicas artísticas, principalmente na pintura.

Sua história está relacionada aos salões independentes do final do século XIX em Paris. O grande nome relacionado a ela é Henri Rousseau. No século XX, a arte naif passou a ser reconhecida em todo o mundo e foi inspiração para artistas modernos e vanguardistas. A simplicidade nas produções, junto à qualidade artística, dá o devido reconhecimento aos artistas amadores e autodidatas.

Principais características

A arte naif se destaca por sua identidade visual simples e considerada primitiva. Entretanto, o estilo apresenta características que o tornam único e popular. Vejamos as principais delas:

  • Simplificação dos elementos: as formas e as figuras apresentadas nas obras têm formas simples e sem rebuscamento.
  • Cores: nas pinturas, nota-se a presença de cores vivas, quentes e quase sempre saturadas, mas combinadas de modo harmônico.
  • Temas cotidianos: a temática das obras retrata momentos da vida cotidiana, da cultura popular e das festividades em que os próprios artistas estão inseridos.
  • Artistas autodidatas: quase todos os artistas do estilo não tiveram formação acadêmica ou escolarizada nas técnicas de desenho, pintura e escultura; realizam suas criações de forma intuitiva, sem o cumprimento de regras estabelecidas.
  • Geometria e perspectiva: as obras não apresentam perspectiva realista nos desenhos, e as formas geométricas utilizadas compõem as imagens quase sempre de maneira simples, sem rebuscamentos.
  • Espontaneidade e pureza: a combinação dos elementos visuais, das técnicas utilizadas e a temática transparecem sentimento, inocência e pureza nas criações.

O desprendimento à técnica dos pintores clássicos e academicistas não é perceptível na arte naif, contudo suas características dão ao estilo sua identidade própria e reconhecimento artístico-cultural em diversos lugares do mundo.

Arte naif no Brasil

O estilo é comum no Brasil, sendo adotado por diversos artistas espalhados pelo território nacional. Em cada região, são inseridos elementos da cultura popular local e sua identidade própria. Os temas são cotidianos e genuinamente brasileiros. Alguns artistas do estilo são Djanira da Motta, Mestre Vitalino, Heitor dos Prazeres, Maria Auxiliadora e Militão dos Santos. O país conta ainda com ações culturais e museus dedicados à arte naif.

Principais artistas e obras

O estilo é recorrente em todo o mundo e, por isso, podemos conhecer artistas, pintores e escultores de diferentes países. Alguns nomes se destacam nacional e internacionalmente. A seguir, vamos conhecer os principais:

Henri Rousseau (1844-1910)

Pintor francês que trabalhou como inspetor de alfândega. É relacionado ao pós-impressionismo e considerado um precursor da arte naif e primitivista. Sua exposição foi importante para o conhecimento do estilo. Vejamos algumas de suas obras:

Paisagem com Ponto – 1875-1877 – Henri Rousseau – Fonte: WikiArt

Paisagem com vaca – 1886 – Henri Rousseau – Fonte: WikiArt

Gradma Moses (1860-1961)

Artista popular estadunidense que começou a pintar aos 78 anos. Suas obras são de caráter realista ou primitivo, com rejeição da perspectiva. Podemos observar as características do estilo nas obras abaixo:

Esperando pelo Natal – 1960 – Gradma Moses – Fonte: WikiArt

Me deixe ajudar – Gradma Moses – Fonte: WikiArt

Heitor dos Prazeres (1898-1966)

Carioca, marceneiro e clarinetista, passou a se dedicar à pintura a partir de 1937. Antes, esteve diretamente ligado à música e ao samba. Confira algumas de suas obras:

Samba no terreiro – 1957 – Heitor dos Prazeres – Fonte: Itaú Cultural

Samba no Canavial – 1950 – Heitor dos Prazeres – Fonte: Itaú Cultural

Mestre Vitalino (1909-1963)

Pernambucano, Vitalino era ceramista popular e músico. Em 1947, teve sua exposição que o tornou conhecido. Inspirava-se nos universos rural e urbano e no cotidiano da população do sertão brasileiro. Veja suas obras:

Vitalino e seus filhos fazendo bonecos – Mestre Vitalino – Fonte: Itaú Cultural

Violeiros – 1950 – Mestre Vitalino – Fonte: Itaú Cultural

Djanira da Motta (1914-1979)

Foi pintora, desenhista, cartazista e gravadora. Mesmo tendo acesso aos estudos, suas obras têm temáticas associadas ao cotidiano de trabalhadores, festas, paisagens, amigos e parentes. Sua obra é associada à ingenuidade. Confira alguns exemplares:

Empinando Pipa – 1950 – Djanira da Motta – Fonte: Itaú Cultural

Costureira – 1951 – Djanira da Motta – Fonte: Itaú Cultural

Outros nomes, tanto estrangeiros quanto nacionais, poderiam ser citados nesse texto. Porém, esses são os mais reconhecidos. Ainda hoje, muitos artistas brasileiros seguem as ideia do estilo da arte naif.

Vídeos sobre uma arte ingênua

Para complementar o estudo sobre a arte naif, separamos aulas e entrevistas que vão complementar o conteúdo apresentado aqui. Assista a seguir e continue estudando:

Características da arte naif

Nesse vídeo, a Professora Sol vai pontuar e revisar todas as características da arte naif. Além disso, no final, ela realiza uma atividade que pode inspirar você a produzir e compreender como são feitas as obras desse movimento.

Em exposição

Esse vídeo apresenta uma entrevista com um artista plástico que aponta as principais características da arte naif. Através da entrevista, você também pode compreender como se dá o processo de curadoria de uma exposição de arte.

Conversando sobre naif

No vídeo de Fernanda Fairbanks, ela entrevista o artista naif Jacques Ardies, que explana sobre as características dessa arte e comenta sobre algumas de suas produções.

A arte naif e seus artistas têm uma formação autodidata, e as produções brasileiras têm características que nos lembram outras artes populares produzidas aqui. Em contraponto ao autodidatismo, você pode complementar seus estudos revisando sobre a Semana de Arte Moderna, que, mesmo com artistas acadêmicos, produziu obras de caráter popular e genuinamente brasileiro!

Referências

Arte Naïf (2020) – Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras

Por Vanderlei Bachega Junior
Como referenciar este conteúdo

Bachega Junior, Vanderlei. Arte naif. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/artes/arte-naif. Acesso em: 21 de October de 2020.

Exercícios resolvidos

1. [CESGRANRIO]

A arte primitiva foi também chamada de Arte Naif, no início do século XX, quando valorizada pelos artistas eruditos que a acolheram como manifestação de valor próprio. Heitor dos Prazeres é um dos representantes mais conhecidos desse tipo de arte, que se caracteriza

a) por uma pintura de intenso colorido, uso de princípios artesanais de composição, temas que se referem à cultura popular.
b) por representar em suas pinturas as sensações provocadas pela luz solar.
c) pelo emprego da perspectiva, misturas das cores e zonas de claro e escuro.
d) pela distorção das figuras humanas e o uso de pinceladas fortes na tela.
e) pela despreocupação com o realismo tanto nas formas como nas cores.

Resposta: A

2. [FECAM]

Composição plana, bidimensional, tende à simetria e a linha é sempre figurativa; não existe perspectiva geométrica linear e pinceladas contidas com muitas cores, são características de qual arte:
a) Abstracionismo.
b) Art Naïf.
c) Expressionismo.
d) Arte Islâmica.
e) OP Art.

Resposta: C

Compartilhe

TOPO