Positivismo

O positivismo é considerado parte da história de diversas disciplinas científicas, surgindo em um momento de necessidade de ordem social e de defesa do progresso humano.

O positivismo é uma corrente filosófica que tem como grande expoente o pensador Auguste Comte. Para ele, uma ciência guiada pela filosofia positivista levaria a humanidade para um progresso cada vez maior. No fim, toda a espécie humana e cada indivíduo deveria alcançar a condição mais elevada e refinada do pensamento: o estado positivo.

Essas ideias influenciaram desde a teoria até os mais diversos aspectos culturais da época. O positivismo dava às pessoas uma filosofia do progresso, de modernidade e de uma vida baseada na ciência e na racionalidade. No Brasil, fazia parte do espírito republicano e inspirou até o “Ordem e Progresso” da bandeira nacional. Saiba mais sobre essa teoria a seguir.

O que é positivismo

Monumento em homenagem a Auguste Comte em Paris
Monumento em homenagem a Auguste Comte em Paris

O positivismo é um sistema filosófico que explica a humanidade em uma história de progresso. Conforme essa filosofia, a espécie humana deve superar as formas primitivas de pensamento e alcançar o estado positivo – a condição mais elevada e refinada do conhecimento. Portanto, ele não apenas prescreve um modo de fazer ciência, mas também como a sociedade deveria ser.

História do positivismo

As origens do positivismo podem remontar a Condorcet ou Saint-Simon e têm estreita relação com o seu maior pensador, Auguste Comte. Portanto, sua história remete à França do século XIX, em um momento de mudanças sociais, desordem e caos. O contexto era de uma sociedade que vislumbrava cada vez mais a ascensão da indústria e o crescimento das cidades.

Comte havia estudado em uma escola fundada como resultado da Revolução Francesa, por isso acreditava fortemente em seus ideais revolucionários. Ele defendia uma sociedade que abandonasse as velhas formas de pensamento e os conhecimentos tradicionais, e que deveria caminhar na direção de um progresso guiado pela ciência e baseada no estado positivo.

Apesar de ser Auguste Comte o principal pensador, o britânico John Stuart Mill também foi um grande defensor do positivismo em sua época – sendo, inclusive, um financiador dos estudos de Comte. Mais tarde outros autores se engajaram nessa corrente filosófica, como Hans Kelsen Rudolf Carnap e Otto Neurath.

Auguste Comte e Émile Durkheim

Émile Durkheim foi o pensador que levou adiante as ideias de Auguste Comte, fazendo se concretizar uma nova disciplina científica que tinha a sociedade como objeto de estudo. Comte havia pensado à princípio em uma física social, e foi Durkheim que conseguiu fundar a sociologia como conhecemos atualmente.

Hoje, para muitos pesquisadores, as teorias de Comte e Durkheim serviram como uma forma de apaziguar e acalmar as mudanças sociais de sua época. Ou seja, aquela sociedade que se transformava com a Revolução Francesa e Industrial precisava se estabelecer e alcançar uma nova ordem. Era preciso negar o que se era no passado e defender a nova sociedade.

Positivismo e a sociologia

Conforme Comte, na história da ciência as disciplinas especializadas progrediram até chegar em um estado avançado. Começando na matemática, a ciência caminhou para a física, química, biologia, até chegar a vez de surgir uma nova disciplina: a física social.

Na prática, a nova disciplina se concretizou com o projeto de sociologia de Durkheim. Assim, essa mais recente ciência trataria de um fenômeno mais complexo, que é a sociedade. Consequentemente, Comte passou a ser considerado por muitos como “o pai da sociologia”.

Características do positivismo

O positivismo, como uma corrente filosófica, possui algumas características principais com as quais seus seguidos se identificam. Veja abaixo alguns desses atributos.

  • Progresso: a humanidade deve caminhar ao progresso, conduzida pela filosofia positivista. Nesse movimento, são abandonadas as tradições e os conhecimentos antigos para alcançar o estado positivo.
  • Estado positivo: o estado positivo é a condição em que é possível produzir um conhecimento sem apelar para causas sobrenaturais ou místicas. Assim, a humanidade alcança um pensamento baseado apenas na ciência.
  • Não se separa a sociologia das ciências naturais: para Comte ou Durkheim, a sociologia é consequência do desenvolvimento das ciências naturais (a física, a química, a biologia) e não se separa delas. Por isso, a sociologia deve se utilizar também dos mesmos métodos de estudo.
  • Divisibilidade: para estudar um fenômeno, é necessário dividi-lo e reduzi-lo a um recorte simples. Ao estudar diversas partes simples, eles poderão ser reunidos para entender o fenômeno de maneira mais abrangente.

Lei dos Três Estados

A Lei dos Três Estados foi formulada por Auguste Comte para descrever as etapas do progresso humano. Com isso, o autor pôde também defender quais eram as características desejáveis do estado positivo, que é o último estágio de desenvolvimento a ser almejado.

  • Teológico: o estado teológico é, conforme Comte, a condição mais primitiva de produção do conhecimento humano. Os fenômenos da natureza são explicados recorrendo a deuses e agentes sobrenaturais. Por exemplo: no estado teológico, as coisas são explicadas pela vontade de Deus ou porque algum deus estava zangado.
  • Metafísico: nesse estágio do conhecimento humano as causas divinas são substituídas pelas ideias ou pelas forças. Assim, os fenômenos da natureza são explicados pela ação de “forças vitais”, uma “natureza”, ou mesmo um “princípio” que direciona as coisas da maneira que são.
  • Positivo: finalmente, no estado positivo o conhecimento é produzido a partir da observação e da experimentação científica. Não se recorre a deuses ou princípios universais, mas cada fenômeno particular é estudado empiricamente para alcançar um conhecimento “confiável”. Por isso a sociologia é também a última disciplina científica a surgir, pois ela é mais complexa.

Apesar de parecer simples, a Lei dos Três Estados de Comte serviu para que a sociedade após a Revolução Francesa e Industrial justificasse sua existência como um estado mais elevado da humanidade. Essa é uma filosofia que se fortaleceu principalmente na Europa, que tentava defender sua superioridade.

O positivismo no Brasil

O positivismo encontrou fortes adeptos na história brasileira, especialmente entre os republicanos. Defendendo a queda da monarquia e a inauguração de uma nova sociedade, as ideias de progresso humano e estruturação de uma nação foram influenciadas pelas ideias positivistas.

Além disso, de origem europeia, o positivismo inspirava também um estilo de vida cosmopolita e considerado “mais avançado” ou culturalmente refinado. A expressão Belle Époque, que é francesa, teve sua vertente no Brasil, sendo chamada de Belle Époque brasileira ou tropical.

Ordem e Progresso

Quando a Primeira República foi construída no Brasil e foi destituída a monarquia, era necessário criar símbolos que anunciassem uma nova época. A bandeira nacional foi um deles. Assim, ela passou a carregar a frase “Ordem e Progresso”, significando a vontade de progredir como nação para alcançar o estado positivo.

>Positivismo lógico

O positivismo lógico, chamado também de neopositivismo, é uma corrente que surgiu a partir de uma reunião de pensadores que ficou conhecida como Círculo de Viena. O objetivo era discutir a respeito do conhecimento científico. No fim, a questão da linguagem assumiu foi grande e central importância nesses debates.

Autores como Moritz Schlick, Hans Hahn e Otto Neurath foram pensadores importantes no grupo. Entretanto, um autor que não estava no Círculo de Viena mas acabou participando dessas novas discussões foi Ludwig Wittgenstein, quando afirmou que “os limites da linguagem são os limites do mundo”.

Positivismo e outras áreas

O positivismo, na versão propagada por Auguste Comte, influenciou diversas áreas. Seus leitores interpretaram suas ideias de maneiras diversas, assim, é interessante conhecer algumas dessas influências. Veja exemplos:

Positivismo jurídico

O positivismo jurídico é também chamado de juspositivismo. Alguns autores se dividem sobre o quanto Comte de fato influenciou nessa corrente do pensamento jurídico. De todo modo, ela defende o uso de métodos científicos para estudar o direito e restringi-lo ao que se alcançou cientificamente.

Positivismo na geografia

O processo de reconhecer a geografia como um conhecimento científico teve influência do pensamento positivista. A partir desse ponto de vista, ela deveria estudar apenas os fenômenos visíveis, mensuráveis e quantificáveis. Atualmente, essa corrente é chamada de geografia tradicional e já foi criticada e superada.

O positivismo está presente na história de diversas disciplinas. Serviu, na época, como um parâmetro de cientificidade. Atualmente, as versões das correntes positivistas são consideradas ultrapassadas por já serem criticadas e substituídas por outras perspectivas. No entanto, sempre há um retorno de sua importância histórica.

Entenda mais sobre o positivismo

O positivismo é um sistema filosófico que repercutiu mundialmente, influenciando tanto teorias como modos de vida. Assim, existem ainda diversos temas que abarcam ou foram afetados por essa filosofia. Seja para revisar a temática ou expandir seus conhecimentos sobre o tema, estudar utilizando materiais audiovisuais pode ser bastante produtivo. Confira abaixo uma lista de vídeos sobre o positivismo.

Recapitulando o positivismo

Veja nesse vídeo uma revisão da temática do positivismo com alguns dos pontos já tratados acima. Recapitular o conteúdo de formas diferentes é uma parte importante do processo de aprendizagem.

Os ideais positivistas no Brasil

Esse vídeo trata de como o pensamento positivista influenciou a sociedade brasileira, especialmente no fenômeno conhecido como Belle Époque.

Entendendo o positivismo jurídico

O canal Direito Sem Juridiquês explica o positivismo jurídico em cinco passos. Como é grande a influência do positivismo em diversas áreas, é importante compreender também como ele afetou o campo do direito.

Positivismo e Auguste Comte

Auguste Comte é o grande expoente do positivismo, portanto, é necessário entender suas ideias para falar sobre o tema. Nesse vídeo, o Prof. Kraus explica essa corrente filosófica.

Literatura e positivismo: O Alienista

Conhece a obra O Alienista, de Machado de Assis? Veja uma resenha que mostra como o positivismo está presente no livro.

Mesmo que o positivismo tenha sido mais forte em um período passado, seus efeitos e influências podem ser observados até hoje. De forma geral, essa filosofia está presente como parte da história de diferentes disciplinas, sendo relembrada continuamente.

Portanto, é interessante também pensar por quais razões o positivismo continua tão relevante nas histórias das disciplinas científicas. Apesar de ser considerado ultrapassado, continua exercendo influência no pensamento ocidental.

Referências

Auguste Comte – Os pensadores;

A postura do positivismo com relação às ciências humanas – Ana Rute Pinto Brandão;

Augusto Comte e o “positivismo” redescobertos – Gustavo Biscaia de Lacerda;

Augusto Comte e Émile Durkheim: uma sociologia “apaziguadora” – Luís Augusto de Mola Guisard; Irineu Francisco Barreto Junior;

Positivismo lógico e suas implicações – Maria Cristina Mattioli;

Positivismo jurídico 1: conceito e características centrais – Orlando Luiz Zanon Junior;

A transposição do pensamento de Augusto Comte no positivismo jurídico brasileiro: cientificidade jurídica e a exclusão da dimensão sociológica – Everaldo T. Quilici Gonzalez; Agostinho Geraldo Gomes;

Geografia: pequena história crítica – Antonio Carlos Robert Moraes.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Exercícios resolvidos

1. [UNIOESTE]

A filosofia da História – o primeiro tema da filosofia de Augusto Comte – foi sistematizada pelo próprio Comte na célebre “Lei dos Três Estados” e tinha o objetivo de mostrar por que o pensamento positivista deve imperar entre os homens. Sobre a “Lei do Três Estados” formulada por Comte, é correto afirmar que:

A) Augusto Comte demonstra com essa lei que todas as ciências e o espírito humano desenvolvem-se na seguinte ordem em três fases distintas ao longo da história: a positiva, a teológica e a metafísica.

B) na “Lei dos Três Estados” a argumentação desempenha um papel de primeiro plano no estado teológico. O estado teológico, na sua visão, corresponde a uma etapa posterior ao estado positivo.

C) o estado positivista apresenta-se na “Lei dos Três Estados” como o momento em que a observação prevalece sobre a imaginação e a argumentação, e na busca de leis imutáveis nos fenômenos observáveis.

D) para Comte, o estado metafísico não tem contato com o estado teológico, pois somente o estado metafísico procura soluções absolutas e universais para os problemas do homem.

Resposta: C

Justificativa: no estado positivo ou positivista, a imaginação (os deuses, as causas sobrenaturais) e a argumentação (as forças, as ideias, os princípios) são substituídos pela pura observação dos fenômenos de maneira científica. Conforme o positivismo de Comte, essa é a forma mais elevada de produção do conhecimento.

2. [UEL]

A ordem e o progresso constituem partes fundamentais da Sociologia de Auguste Comte.
Com base nas ideias comteanas, assinale a alternativa correta:

A) A ordem social total se estabelece de acordo com as leis da natureza, e as possíveis deficiências existentes podem ser retificadas mediante a intervenção racional dos seres humanos.

B) A liberdade de opinião e a diferença entre os indivíduos são fundamentos da solidariedade na formação da estática social; essa diversidade produz vantagens para a evolução, em comparação com a homogeneidade.

C) O desenvolvimento das forças produtivas é a base para o progresso e segue uma linha reta, sem oscilações e, portanto, a interferência humana é incapaz de alterar sua direção ou velocidade.

D) O progresso da sociedade, em conformidade com as leis naturais, é resultado da competição entre os indivíduos, com base no princípio de justiça de que os mais aptos recebem as maiores recompensas.

E) O progresso da sociedade é a lei natural da dinâmica social e, considerado em sua fase intelectual, é expresso pela evolução de três estados básicos e sucessivos: o doméstico, o coletivo e o universal.

Resposta: A

Justificativa: no positivismo de Comte, o fenômeno da sociedade não se difere das ciências naturais e das leis da natureza. O progresso humano se justifica da mesma forma. Assim, no estado positivo é possível corrigir as falhas na ordem social a partir da racionalidade. Comte, ao contrário, não defendia uma participação popular. Trabalhar com o campo da produção e com a competição entre indivíduos não faz parte da teoria comtiana.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO