Michel Foucault

Historiador e filósofo francês do século XX, Michel Foucault continua influenciando o pensamento contemporâneo ocidental.

Michel Foucault (1926-1984) foi um historiador e filósofo francês. Ele tem grande influência não apenas na filosofia contemporânea, mas também em vários outros campos de conhecimento.

É importante destacarmos que o que conduz toda a produção de Foucault é a vontade de entender os mecanismos de exercício de poder e como se estabelecem.

Biografia de Michel Foucault

Imagem: reprodução

Foucault nasceu em 15 de outubro de 1926 em Poitiers, França, como Paul-Michel Foucault.

Seu pai, Paul Foucault, era um importante cirurgião e esperava que seu filho se juntasse a ele na profissão, no entanto, Michel Foucault possuía outros interesses.

Mais tarde, o próprio filósofo viria a relatar seu relacionamento conturbado com seu pai, que o via como um “delinquente”.

Em 1948, Foucault tentou o suicídio pela primeira vez e foi colocado em um hospital psiquiátrico por um breve período.

Ambas experiências, segundo seu psiquiatra na época, estavam ligadas à sua homossexualidade e sua consequente marginalização na sociedade.

Esses acontecimentos (suicídio e instituições psiquiátricas) também parecem ter moldado o desenvolvimento intelectual de Foucault, uma vez que voltou seus trabalhos para o discurso do desvio, da sexualidade, loucura e os mecanismos de poder.

Excêntrico e notável estudante, em 1960 tornou-se academicamente estabelecido como professor em várias universidades francesas até ser selecionado, em 1969, para o prestigioso Collège de France, onde foi professor de História de Sistemas de Pensamento até sua morte.

A partir dos anos 1970, Foucault foi muito ativo politicamente, sendo o o fundador do “Groupe d’information sur les prisons” e muitas vezes protestou em nome de grupos marginalizados.

Frequentemente lecionava fora da França, particularmente nos Estados Unidos, e em 1983 concordou em lecionar anualmente na Universidade da Califórnia, em Berkeley.

Paul-Michel Foucault faleceu em Paris em 25 de junho de 1984 em decorrência da AIDS, aos 54 anos, em plena produção intelectual.

Além de trabalhos publicados durante sua vida, suas palestras no Collège de France, publicadas postumamente, contêm importantes elucidações e extensões de suas ideias.

Principais obras de Michel Foucault

Assim como dito anteriormente, as obras de Foucault se voltaram ao estudo das relações de poder, loucura e sexualidade. Confira abaixo os seus principais trabalhos.

  • Doença mental e Psicologia (1954): considerado um texto revolucionário para a área da Psicologia, Foucault propõe novas formas de se conceber a doença mental traçando paralelos entre a história, a cultura e a sociedade contemporânea.
  • História da loucura na Idade Clássica (1961): reflexão acerca do momento em que a loucura passa a ser vista como problema social.
  • As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas (1966): investigação sobre a constituição das ciências humanas a partir do nascimento do homem como objeto de estudo e ser pensante.
  • Arqueologia do saber (1969): é uma crítica aos modos de se fazer e compreender a Filosofia e a História.
  • Vigiai e punir (1975): em sua obra mais conhecida, o autor apresenta uma análise minuciosa dos mecanismos sociais (tortura, disciplina, punição e prisão) por trás dos sistemas criminais.
  • História da sexualidade: a vontade de saber (1976): nesse livro, Foucault inicia seus escritos sobre a definição de sexualidade no Ocidente, destacando o século XIX, época na qual teorias acerca da sexualidade começaram a ser produzidas com maior intensidade.
  • Microfísica do poder (1978): considerações a respeito dos mecanismos de poder e a forma como são exercidos pelo Estado a fim de dominar os indivíduos.

Pensamento e teorias de Michel Foucault

Entenda os conceitos-chave para o pensamento de Foucault e toda a sua teoria.

Poder

Foucault oferece definições de poder que são diretamente opostas às teorias mais tradicionais do poder liberal e marxista.

Desse modo, o poder para Foucault não é uma coisa, mas uma relação que, em si, não é necessariamente repressivo e nem simplesmente posse do Estado.

Pelo contrário, o poder é exercido em todo o corpo social e opera nos níveis micro das relações sociais de modo onipresente.

Disciplina

Para o filósofo francês, a disciplina é um mecanismo de poder que regula o comportamento dos indivíduos na sociedade.

Isso é feito através da regulação da organização dos espaços (arquitetura etc.), do tempo (horários) e da atividade e comportamento das pessoas (treinos, postura, movimento) e reforçada com o auxílio de sistemas complexos de vigilância.

Foucault ainda enfatiza que poder não é disciplina, mas a disciplina é simplesmente uma maneira pela qual o poder pode ser exercido.

Conhecimento

Segundo Foucault, os mecanismos de poder produzem diferentes tipos de conhecimento que reúnem informações sobre as atividades e a existência das pessoas.

Assim, o conhecimento reunido reforça ainda mais os exercícios de poder, existindo uma relação complexa entre poder e conhecimento.

Loucura

Para Foucault, a loucura não é uma coisa natural e imutável, mas depende da sociedade em que ela existe. Assim, segundo o autor, cada sociedade constrói sua própria experiência de loucura.

O autor ainda aponta que a loucura no Renascimento foi uma experiência que foi integrada ao resto do mundo, ao passo que no século XIX se tornou conhecida como uma doença moral e mental.

Em última análise, Foucault vê a loucura como localizada em um certo “espaço” cultural dentro da sociedade e a forma desse espaço e seus efeitos sobre o louco dependem da própria sociedade.

Entenda mais sobre Michel Foucault

Veja a seguir alguns vídeos que podem te ajudar a entender ainda mais sobre esse importante filósofo do século XX.

Michel Foucault para o Enem

No vídeo acima, o professor de Filosofia Pedro Renno assinala as principais características do pensamento foucaultiano cobradas no ENEM.

Documentário: Foucault contra si mesmo (2014)

Nesse documentário de 2014, vários filósofos são entrevistados e falam a respeito da vida e obra de Foucault.

Foucault: loucura

Entenda um pouco mais sobre esse importante conceito para o filósofo.

Dessa forma, concluímos que Michel Foucault foi um dos principais pensadores do século XX e suas obras influenciam o pensamento até os dias de Hoje. Seu vasto trabalho, interessado em compreender o poder e suas relações com a loucura e sexualidade, levaram a humanidade a refletir sobre esses temas tão importantes.

Referências

As relações de poder em Michel Foucault: reflexões teóricas – Isabella Maria Nunes Ferreirinha, Tânia Regina Raitz

A vontade de saber em Foucault: uma análise sobre a construção do discurso da sexualidade – Diego Moraes Guimarães

Vigiar e punir: nascimento da prisão – Michel Foucault

Microfísica do poder – Michel Foucault

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [UNIOESTE]

Os estudos realizados por Michel Foucault (1926-1984) apresentam interfaces que corroboram para estudos em diversas áreas de conhecimento, entre as quais a Filosofia, Ciências Sociais, Pedagogia, Psiquiatria, Medicina e Direito. Em 1975, Foucault publicou a obra “Vigiar e Punir: história da violência das prisões”, na qual propunha uma nova concepção de poder, a qual abandonava alguns postulados que marcaram a posição tradicional da esquerda do período. Sobre a concepção de poder foucaultiana, é CORRETO afirmar.

a) Só exerce poder quem o possui, por se tratar de um privilégio adquirido pela classe dominante que detém o poder econômico.

b) O poder está centralizado na figura do Estado e está localizado no próprio aparelho de Estado, que é o instrumento privilegiado do poder.

c) Todo poder está subordinado a um modo de produção e a uma infraestrutura, pois o modo como a vida econômica é organizada determina a política.

d) O poder tem como essência dividir os que possuem poder (classe dominante) daqueles que não têm poder (classe dos dominados).

e) O poder não remete diretamente a uma estrutura política, ao uso da força ou a uma classe dominante: as relações de poder são móveis e só podem existir quando os sujeitos são livres e há possibilidade de resistência.

Resposta: E
Para Michel Foucault, o poder não está vinculado a uma instituição ou classe social. Pelo contrário, encontra-se diluído em toda a sociedade, em todas as relações.

2. [UNIOESTE]

Em seu texto, O Enfraquecimento da Sociedade Civil, Michael Hardt salienta que na obra de Michel Foucault, a intermediação institucional que define a relação entre sociedade civil e Estado aparece em uma funcionalidade totalmente projetada para fins autoritários e antidemocráticos. Foucault se refere às múltiplas formas de organização e produção de forças sociais pelo Estado que impedem que forças pluralistas e interesses da sociedade civil se sobressaiam sobre o Estado.

Tendo em vista essa intermediação entre Estado e sociedade civil, assinale a alternativa que corresponda à concepção foucaultiana de Estado.

a) Na concepção de Foucault, o Estado é considerado a fonte central das relações de poder na sociedade, cujo controle exerce através da máquina burocrática.

b) Segundo Michel Foucault, o poder está limitado apenas ao âmbito do Estado, portanto, ele reconhece um distanciamento teórico entre Estado e sociedade civil.

c) Para Michel Foucault, o Estado não detém o monopólio legítimo da força. Nesse sentido, podemos dizer que o monopólio da força não é a condição necessária para a existência do Estado.

d) Michel Foucault prefere usar o termo Governo em lugar de Estado para indicar a multiplicidade e a imanência pluralista das forças de estatização no interior do campo social. Para Foucault, a sociedade civil está fundada na disciplina e na normatização.

e) Segundo Foucault, na sociedade disciplinar, há apenas Estado, pois ele pode ser concretamente isolado e contrastado num plano separado da sociedade civil. O exercício do poder dá-se por intermédio de dispositivos de poder organizados na sociedade civil.

Resposta: D
Segundo o autor, o Estado exerce o seu poder a partir do controle dos indivíduos e da normatização da sociedade.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO