Luta de classes

A luta de classes é um conceito propriamente marxista e pretende descrever a história da humanidade, apontando na direção de uma revolução contra o sistema capitalista.

A luta de classes é um conceito que pretende descrever a história da humanidade. Ou seja, em todo lugar a sociedade acaba se dividindo em duas classes – uma mais poderosa e outra subjugada. Por exemplo, na Idade Média, os senhores feudais e os grupos privilegiados associados a ele concentravam poder e riqueza, enquanto os demais, entre servos e camponeses, havia sujeição e submissão.

Em toda parte essa dicotomia entre um grupo dominante e outro dominado seria verificável, pelo menos segundo o conceito clássico da luta de classes. A seguir, será aprofundado melhor sobre esse termo, de onde surgiu, quem desenvolveu e quais projetos de sociedade esse conceito produz.

O que significa luta de classes

Tomada da Bastilha, por Jean-Pierre Louis Laurent Houel (1789).
Tomada da Bastilha, por Jean-Pierre Louis Laurent Houel (1789).

O conceito da luta de classes mostra que toda a história da humanidade é dividida em duas classes: uma dominante e outra dominada. Entretanto, a relação entre ambos os lados é conflituosa porque o lado mais poderoso quer manter o outro submisso, e o lado menos poderoso quer desfrutar dos privilégios do seu oposto. Esse conflito é o que faz a história humana progredir – foi o caso da Revolução Francesa, por exemplo. Revoltas, revoluções e as lutas entre as classes fazem com que novas formas de sociedade e organização surjam.

A noção mais concreta de luta de classes surgiu e foi desenvolvida por Karl Marx e Friedrich Engels, primeiramente em sua obra Manifesto do Partido Comunista. Embora Marx diga que outros intelectuais burgueses já tinham pensado a luta de classes antes dele, ele aponta que nunca haviam visto esse conceito de maneira histórica. Nesse Manifesto, Marx e Engels mostram que a luta de classes que existe atualmente é a luta entre a burguesia e os proletários. Assim, a história precisava se mover e progredir: derrubar o capitalismo e fazer surgir uma nova forma de organização social.

Luta de classes marxista

A noção de luta de classes é caracteristicamente marxista, porque foi produzida por Karl Marx e aqueles que desenvolveram suas teorias – os marxistas. Marx tinha uma grande inspiração em Hegel, um filósofo que teve ideias originais sobre a dialética. Conforme Hegel em sua Dialética do Senhor e do Escravo, assim como o Escravo era dominado e precisava do seu senhor, o Senhor necessitava do Escravo para ser reconhecido como um senhor. Marx se inspirou nessa filosofia para entender que a classe burguesa precisava manter a classe proletária dominada, para continuar usufruindo de seus privilégios.

Para Marx, essa luta entre as duas partes – os burgueses e os proletários – era baseada na economia, ou seja, nos modos de produção de uma sociedade. Afinal, a classe burguesa detinha os meios de produção – a indústria, as máquinas, as ferramentas – e a classe proletária só possuía sua força de trabalho para vender e sustentar suas famílias. A base dessa dominação é, portanto, material e econômica. Por todas essas razões, a filosofia marxista é chamada de materialismo histórico dialético.

Diferença entre o socialismo e o capitalismo

Conforme a teoria marxista, a história da humanidade se move e progride conforme a luta de classes. A oposição – a dialética – entre esses dois lados acaba transformando as formas de produzir riqueza em uma sociedade. Atualmente, o modo de produção dominante é o capitalista. Assim, para Marx, a luta de classes se desenvolveria com a derrubada do capitalismo e o surgimento de um novo modo, o socialismo. O socialismo seria a transição para o objetivo final – o comunismo, no qual haveria uma completa transformação dos modos de produção.

Para Marx, o modo de produção capitalista está baseada na mais-valia. A mais-valia é uma forma de produzir bens na sociedade, baseada na exploração do proletário. Ela é uma exploração porque, conforme Marx, o trabalhador produz e trabalha muito mais do que o valor que lhe é pago em seu salário. O detentor dos meios de produção – o burguês – lucra em quantidades desproporcionais com a mais-valia.

Um projeto socialista visaria acabar com essa relação de exploração. Na proposta de Marx, a própria propriedade privada e o capital devem ser derrubados quando a humanidade chegar no comunismo. No entanto, atualmente, há uma variedade de propostas de socialismo que muitas vezes não estão alinhadas com o projeto marxista. Além disso, o capitalismo também se apresenta de formas diversas ao redor do mundo. O capitalismo e o socialismo são, assim, duas oposições antagônicas que merecem uma temática própria para discutir.

De todo modo, para a visão marxista, a luta de classes levará à derrubada do capitalismo e o desenvolvimento de novas formas de organização social. Suas teorias são complexas e merecem ser discutidas com responsabilidade e coerência.

Referências

Das classes à luta de classes – Duarte Pereira;

Da luta de classes à luta sem classes? – Etienne Balibar;

Abordagens marxistas sobre a Idade Média, algumas questões e exemplos – Chris Wickham;

O que é socialismo – Arnaldo Spindel.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Exercícios resolvidos

1. [Unimontes]

A questão das classes sociais ocupa um papel fundamental na teoria de Karl Marx. Para ele, existem condicionantes e determinantes na complexa relação entre indivíduo e sociedade e entre consciência e existência social. Considerando as reflexões de Karl Marx sobre esse tema, marque a alternativa INCORRETA.
a) As classes sociais sustentam-se em equilíbrios dinâmicos e solidários, sendo a produção da solidariedade social o resultado necessário à vida em sociedade.
b) A luta de classes desenvolve-se no modo de organizar o processo de trabalho e no modo de se apropriar do resultado do trabalho humano.
c) A luta de classes está presente em todas as ações dos trabalhadores quando lutam para diminuir a exploração e a dominação.
d) Em meio aos antagonismos e lutas sociais, o indivíduo pode repensar a realidade, reagir e até mesmo transformá-la, unindo-se a outros em movimentos sociais e políticos.

Resposta: A

Justificativa: a resposta incorreta é a “A”, que afirma que a relação entre as classes sociais são solidárias e harmônicas. Para Marx, essa relação é, como a própria expressão diz, uma “luta de classes”. A classe dominante e a classe dominada sempre mantém uma conexão conflituosa.

2. [UEMA]

As sociedades modernas são complexas e multifacetadas. Mas é com o capitalismo que as divisões sociais se tornam mais desiguais e excludentes. Marx já observara que só o conflito entre as classes pode mover a história. Assim sendo, para o referido autor, em qual das opções se evidencia uma característica de classe social?
a) O status social e cultural dos indivíduos.
b) A função social exercida pelos indivíduos na sociedade.
c) A ação política dos indivíduos nas sociedades hierarquizadas.
d) A identidade social, cultural e coletiva.
e) A posição que os indivíduos ocupam nas relações de produção.

Resposta: E

Justificativa: para Marx, o que define a luta de classes é o modo de produção de uma sociedade. Assim, um indivíduo está em uma classe conforme as condições materiais em que ele está inserido no modo de produção. Se uma pessoa é detentora dos meios de produção no capitalismo, ela está na classe burguesa. Caso contrário, deve se identificar na classe proletária.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO