Desemprego estrutural

O desemprego estrutural ou tecnológico é a substituição da mão-de-obra humana em consequência de avanços tecnológicos.

O desemprego é um problema recorrente e bastante discutido, principalmente em contextos eleitorais. O fato de essa pauta ser importante politicamente mostra que ela não é uma questão individual – ou seja, sobre a capacidade de uma pessoa ou outra conseguir um emprego. Ao contrário, trata-se de um problema social e coletivo, como mostra o desemprego estrutural.

Em outras palavras, existem condicionantes de ordem social que afetam as possibilidades de pessoas serem empregadas. Sendo assim, parte das ciências sociais possuem estudos voltados ao fenômeno do desemprego. Dentre eles, o desemprego estrutural ou tecnológico é um tipo que tem crescido nos últimos anos. Para saber mais do tema, confira os tópicos a seguir.

O que é desemprego estrutural?

O desemprego estrutural, chamado também de tecnológico, ocorre no contexto em que a mão-de-obra humana passa a ser substituída por novas e sofisticadas tecnologias. Por essa razão, é um fator de desemprego que é muitas vezes irreversível: uma vez que máquinas substituem o trabalho humano, dificilmente o emprego para essa função voltará a existir.

Causas

Existem algumas explicações para a ocorrência do desemprego estrutural no mundo todo. Ainda, a depender da teoria social ou econômica que se estiver trabalhando, algumas causas podem aparecer com maior força. Veja algumas delas:

  • Modernização: as inovações tecnológicas acabam substituindo muitos trabalhos humanos, principalmente quando este é um trabalho considerado mecânico e seriado. Visando a produtividade e a redução de custos, pessoas são substituídas pelas novas tecnologias.
  • Globalização: o processo de globalização se atrela ao de modernização, tornando as novas tecnologias presentes em toda a parte do planeta. A facilidade proporcionada pelas inovações tecnológicas passa a constituir uma ideologia própria do mercado.
  • Processo capitalista: conforme a visão marxista, a forma que o sistema capitalista funciona tende a aumentar cada vez mais o desemprego. Conforme essa perspectiva, os trabalhadores são crescentemente descartáveis pelos grandes proprietários.
  • Neoliberalismo: esse é um termo bastante conhecido que revela, em partes, o processo de destruição dos direitos trabalhistas e o crescimento do desemprego. Nessas condições, as pessoas acabam aceitando a sua substituição e procuram trabalhos informais, sem direitos garantidos.

Além desses aspectos, outras causas para o desemprego estrutural podem ser apontadas. De todo modo, a existência desse fenômeno se torna cada vez mais alarmante e preocupante, revelando as contradições dos sistemas econômicos.

Desemprego estrutural e conjuntural

O desemprego conjuntural diz respeito ao fenômeno em que muitas pessoas perdem o emprego em decorrência de fatores episódicos ou pontuais. Em outras palavras, são oscilações na economia que acabam causando um aumento na taxa de desemprego, mas elas são reversíveis.

No caso do desemprego estrutural, as condições não são muito reversíveis. A substituição da mão-de-obra humana é parte de um cenário global que se mostra crescente e tem colocado muitas pessoas em situações precárias de trabalho. Ou seja, o desemprego estrutural ou tecnológico é parte de um processo maior e progressivo.

Desemprego estrutural no Brasil

No Brasil, um aumento crescente da perda de emprego em decorrência do desemprego estrutural aconteceu durante a década de 1990. Esse processo é mais forte principalmente na indústria automobilística e metalúrgica, em que as máquinas substituem a mão-de-obra humana. Essas inovações tecnológicas favorecem os objetivos dos proprietários de reduzir os custos de produção.

A partir dessa perspectiva, uma das consequências desse desemprego estrutural são as mudanças nas leis trabalhistas. Com o discurso de flexibilização e modernização, há uma tentativa de tornar o trabalho humano adaptado a esse cenário que reforça o sentimento de incerteza.

Consequentemente, há um aumento também nos trabalhos informais ou autônomos. Ou seja, sem empregos adequados, as pessoas acabam recorrendo a trabalhos sem a garantia dos direitos trabalhistas.

Desse modo, o desemprego estrutural faz parte de um cenário global e que se encontra fortemente no contexto nacional. Conhecer mais sobre esse processo é importante para adentrar nos debates públicos e saber quais políticas públicas são propostas para resolver ou atenuar esses problemas.

Referências

Desemprego estrutural na era da globalização – Graciane Prim Martins;

Uberização do trabalho sob a ótica do conceito de subordinação estrutural – Walkiria Martinez Heinrich Ferrer; Lourival José de Oliveira.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Exercícios resolvidos

1. [CESGRANRIO - IBGE]

Na força de trabalho de um país, há pessoas em situação de ociosidade involuntária; são os desempregados. Há vários tipos de desemprego, classificados de acordo com suas causas.
O desemprego estrutural decorre, por exemplo, de:

a) sazonalidade de demanda por trabalho em certas regiões.
b) insuficiência da demanda agregada por bens e serviços.
c) inovações tecnológicas que alteram os processos produtivos.
d) contratações de mão de obra irregularmente, em desacordo com a legislação trabalhista.
e) salários nominais excessivamente baixos.

Resposta: c

Resposta: o desemprego estrutural se caracteriza pela falta de empregos em decorrência das inovações tecnológicas que substituem o trabalho humano.

2. [UFT]

Parcela considerável do desemprego que se verifica, atualmente, no mundo, está associada a mudanças estruturais na economia – é o denominado desemprego estrutural. É CORRETO afirmar que essa modalidade de desemprego é consequência:

a) da adoção de novas tecnologias de produção e gerenciamento industrial.
b) da crescente importância do setor primário na economia global.
c) do crescimento da economia informal nos países periféricos.
d) do desaquecimento e da crise progressivos da economia mundial.

Resposta: a

Justificativa: a adoção de novas tecnologias substitui o trabalho humano, gerando uma crise de desemprego global, denominada de desemprego estrutural ou tecnológico.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO