Bullying

Atualmente, o bullying é uma preocupação de pesquisas científicas, da escola, da família e das legislações.

O bullying é um termo conhecido atualmente. Em parte, essa popularização se deu graças às diversas políticas públicas que foram criadas a partir de estudos científicos sobre esse assunto. Afinal, o que essa palavra significa? O que ela nomeia e quais as suas consequências? Saiba mais a seguir.

O que é o bullying

O bullying é o nome dado a um tipo de violência: são atos repetitivos que visam perseguir, humilhar e diminuir alguém que possui pouca capacidade para se defender. É importante notar que não se trata de uma briga – afinal, a vítima não fez nada para receber essa atitude agressiva.

Portanto, o bullying é uma agressão gratuita, motivada frequentemente por intolerância ou demonstração de poder daquele que agride. Assim, ele ocorre muitas vezes em conjunto com homofobia, racismo ou capacitismo.

Como identificar o bullying

Os estudos sobre o bullying se concentram geralmente na escola, e há uma razão para esse fato: como trata-se de uma agressão contínua, ele ocorre sempre em ambientes em que as pessoas possuem um convívio diário.

Em geral, essa violência ocorre na forma de “piadas”, apelidos, xingamentos ou calúnias, podendo chegar à agressão física. Além disso, há outras formas de humilhação como roubar, ignorar socialmente ou divulgar imagens da vítima.

Nesses casos, é notável que não há apenas o envolvimento do(s) agressor(es) na violência, mas também várias testemunhas que se omitem ou até encorajam os ataques. Principalmente quando as agressões ocorrem na forma de “brincadeira”, as pessoas tendem a ignorar o ato.

Consequências do bullying

Os efeitos do bullying na vítima dependem de cada indivíduo. Entretanto, existem algumas consequências que geralmente aparecem. Além disso, esses atos prejudicam não só a pessoa agredida, mas toda a comunidade:

  • Traumas psicológicos;
  • Redução da autoestima;
  • Desejo de vingança;
  • Depressão;
  • Distúrbios alimentares;
  • Falta de vontade de sair de casa;
  • Ambiente hostil e inseguro para convivência;
  • Estimulação da intolerância e da insensibilidade à dor do outro.

Estas são apenas algumas das consequências possíveis do bullying – na prática, há muitas outras. Assim, esse tipo de violência é preocupante também porque pode ser naturalizado, fazendo com que as pessoas ignorem o problema.

O bullying na escola

iStock

Quando se discute sobre bullying, frequentemente o foco é a escola. Afinal, estudos científicos mostram que essas agressões aparecem já entre crianças de três ou quatro anos de idade. Esse índice piora entre adolescentes de 11 a 15 anos.

Pesquisas realizadas no Brasil revelam muitas consequências traumatizantes em adolescentes. Dentre elas, os sintomas incluem taquicardia, zumbido no ouvido, problemas no sono, depressão e até suicídio. Frequentemente, os indivíduos perdem a vontade de ir à escola.

As taxas dessa violência também variam – em 2007, chegou a um aumento de 45%. Esses números são alarmantes quando pensados sobre a saúde de vários adolescentes. Além disso, não é possível ignorar os massacres que já ocorreram em escolas brasileiras. Segundo relatos, alguns autores dos crimes eram vítimas de bullying.

Tipos de bullying

O bullying pode ocorrer de diferentes formas. Logo, é importante conhecer e dar nome a esses atos para facilitar a sua identificação e denúncia. A seguir, confira alguns tipos:

  • Verbal: é um modo comum de violência que ocorre por apelidos e xingamentos, geralmente em forma de “piadas” ou “brincadeiras” constrangedoras;
  • Físico: a agressão física é visível e, por isso, pode gerar maior coibição. Entretanto, ainda assim sua ocorrência é frequente;
  • Material: ocorre quando a perseguição se dá na destruição, no roubo, no furto ou na modificação dos pertences da vítima, com a intenção de humilhá-la;
  • Moral: as calúnias, as difamações e os rumores espalhados são formas de ataque moral. Nesse caso, um número grande de pessoas participa da depreciação;
  • Sexual: em muitos casos, a agressão ocorre como abuso ou assédio sexual, de modo público ou privado. Ainda, insinuações podem ser usadas para envergonhar;
  • Cyberbullying: como boa parte das nossas relações ocorrem nas redes sociais, elas são uma plataforma de ocorrência do bullying. Nesse contexto, a violência pode ser incentivada porque o(s) agressor(es) pode(m) não se identificar e difamar a vítima. Além disso, agressões que ocorrem na escola podem se estender até o meio virtual. Atualmente, uma forma de cyberbullying que tem causado problemas é o vazamento de fotos íntimas.

Assim, identificar a agressão e reconhecer suas consequências negativas é o primeiro passo para tentar fazer algo a respeito. Por mais que soluções definitivas sejam sempre difíceis, é possível e necessário que sejam formuladas.

Como solucionar o problema?

Não há fórmulas mágicas para solucionar problemas sociais. Além disso, as pesquisas científicas sobre o tema demonstram que o bullying está frequentemente relacionado com desigualdades sociais – por exemplo, de gênero, raça ou sexualidade. Esses fatores tornam a questão bastante complexa.

No entanto, justamente por ser um problema de caráter social, as possíveis soluções também devem ser coletivas. Políticas, programas e atividades para as crianças e jovens para sensibilização sobre o tema são necessários e têm sido implementados no Brasil.

Portanto, é necessário que adultos deem voz e reconheçam o que esses adolescentes dizem sobre si mesmos. Nesse sentido, a família, os pais e a escola têm muito trabalho a fazer para manter uma relação saudável e um diálogo com os mais jovens.

Por fim, a própria juventude pode se organizar entre si para coibir essas ações. Não compartilhar difamações ou fotos, não se omitir diante de uma violência e se preocupar com os colegas são atitudes importantes para um ambiente seguro para todos.

Lei brasileira contra o bullying

A Lei 13.185 foi promulgada em novembro de 2015 durante o governo de Dilma Rousseff. Essa legislação ficou conhecida como Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying) ou Lei Antibullying. Veja o que ela institui:

§ 1º No contexto e para os fins desta Lei, considera-se intimidação sistemática ( bullying ) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas.

Com isso, a lei determina que sejam criados programas combatendo esse tipo de violência, abrangendo toda a sociedade para prevenção, orientação e conscientização. Ainda, ela estimula as pesquisas que determinam as taxas de ocorrência das agressões ao longo dos anos.

Finalmente, é importante salientar que a própria Constituição brasileira e o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) já regulam direitos que protegem legalmente o jovem do bullying. Assim, essa é uma questão que deve preocupar todos os cidadãos.

Referências

Bullying e homofobia: aproximações teóricas e empíricas – Jackeline Maria de Souza; Joilson Pereira da Silva; André Faro;

Lei n°13.185/2015 – Brasil;

Manual Prático: Bullying não é brincadeira – Plan International Brasil;

O problema do bullying no Brasil – Emerson Benedito Ferreira; Fernando Frachone Neves.

Mateus Oka
Por Mateus Oka

Graduando em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), realiza pesquisas na área da antropologia da ciência.

Exercícios resolvidos

1. [CESPE]

A respeito de bullying, assinale a opçãocorreta.

a) Trata-se de um fenômeno que pouco interfere na aprendizagem e no desenvolvimento cognitivo, sensorial e emocional das crianças e adolescentes, visto que, nessas fases, pode ser percebido como brincadeira que, normalmente, leva os sujeitos a reagirem intensamente em face
dos desafios decorrentes de interações sociais.

b) Auxilia os alunos a demarcarem seu espaço tanto no ambiente escolar quanto na vida, já que todos os envolvidos são levados a repensar seus papéis sociais.

c) O quadro de bullying está caracterizado quando um aluno mais forte passa a perseguir, excluir e ridicularizar um colega, mesmo que seja uma única vez, demonstrando com essa atitude comportamento segregacionista.

d) Corresponde a um conjunto de atos agressivos e sistemáticos contra criança ou adolescente, sem motivação aparente, mas de forma intencional, protagonizado por um ou mais agressores; a interação entre vítima e agressor é caracterizada por desequilíbrio de poder e ausência de reciprocidade, tendo a vítima pouco ou quase nenhum recurso para evitar a agressão ou dela se defender.

Resposta: d

Justificativa: o bullying é uma violência e, como tal, nada tem a contribuir para o desenvolvimento saudável das pessoas ou mesmo para um ambiente social de paz. Além disso, ele é caracterizado por ser uma agressão constante e de perseguição, não ocorrendo apenas uma vez contra a vítima.

2. [ENEM]

O que é bullying virtual ou cyberbullying?
É o bullying que ocorre em meios eletrônicos, com mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por e-mails, sites, blogs (os diários virtuais), redes sociais e celulares. É quase uma extensão do que dizem e fazem na escola, mas com o agravante de que as pessoas envolvidas não estão cara a cara.
Dessa forma, o anonimato pode aumentar a crueldade dos comentários e das ameaças e os efeitos podem ser tão graves ou piores. “O autor, assim como o alvo, tem dificuldade de sair de seu papel e retomar valores esquecidos ou formar novos”, explica Luciene Tognetta, doutora em Psicologia Escolar e pesquisadora da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Disponível em http://revistaescola.abril.com.br. Acesso em: 3 ago. 2012 (adaptado).
Segundo o texto, com as tecnologias de informação e comunicação, a prática do bullying ganha novas nuances de perversidade e é potencializada pelo fato de

a) atingir um grupo maior de espectadores
b) dificultar a identificação do agressor incógnito
c) impedir a retomada de valores consolidados pela vítima
d) possibilitar a participação de um número maior de autores
e) proporcionar o uso de uma variedade de ferramentas da internet

Resposta: b

Justificativa: na internet, a principal dificuldade com o bullying é no anonimato que os agressores podem tentar manter.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO