Bomba atômica

A história da arma explosiva com energia derivada de uma reação nuclear pode ser contada a partir da descoberta do nêutron.

Também conhecida como bomba nuclear, a bomba atômica é uma arma explosiva que possui elevado poder destrutivo.

Publicidade

Breve histórico

bomba_atomica

Durante a Segunda Guerra Mundial desenvolveu-se nos Estados Unidos, em colaboração com a Grã-Bretanha e Canadá, um projeto – Projeto Manhattan – que tinha como objetivo a construção de bombas atômicas. Isto ocorreu por volta dos anos 40, no entanto, a história desta arma explosiva com energia derivada de uma reação nuclear pode ser contada a partir da descoberta do nêutron, em 1932.

Em 1938, dois cientistas alemães conseguiram romper o núcleo do urânio, o maior átomo da natureza. No processo, ocorreu desprendimento de energia em quantidades muito maiores do que as geradas por reações químicas.

A partir de tais descobertas, os pesquisadores perceberam que seria possível a criação de uma reação em cadeia que poderia gerar grandes quantidades de energia, o que provocaria uma explosão com elevado poder de destruição.

As notícias da descoberta dos alemães espalharam-se rapidamente e, pouco depois, físicos de vários países, como Inglaterra, França, Estados Unidos e Japão, engajavam-se em experiências parecidas.

Em 1939, na Universidade de Columbia (Nova York), o refugiado húngaro Leo Szilard demonstrou que a fissão nuclear (processo de ruptura do núcleo do átomo) liberava nêutrons liberando ainda mais neutros, em uma reação em cadeia auto-sustentável.

Publicidade

Logo depois, os físicos descobriram que a fissão auto-sustentável apenas era possível com o isótopo U-235, ou com novo elemento chamado plutônio. Durante os anos de guerra, apenas os Estados Unidos dispunham de recursos financeiros e científicos para a empreitada.

Ainda no ano de 1939, Einstein admitiu a possibilidade de construção de uma bomba atômica. Já no início da década de 40, a ideia começou a ser espalhada, criando a oportunidade para dezenas de cientistas europeus encontrarem refúgio nos Estados Unidos.

O funcionamento da bomba atômica

A bomba atômica funciona pelo fenômeno denominado fissão nuclear, que é a quebra do núcleo do átomo, o que libera uma imensa quantidade de energia. Uma bomba como a lançada sobre Hiroshima contém três porções separadas de urânio-235.

Publicidade

Os detonadores são constituídos por duas cargas de explosivos comuns e são responsáveis por produzir a compactação dos blocos de urânio. Assim, o elemento químico atinge a massa quântica necessária para a explosão nuclear.

No fenômeno da fissão, o núcleo de um átomo de urânio-235 atinge o núcleo de outro, liberando nêutrons, que seguem dividindo novos núcleos, numa reação em cadeia que libera a imensa quantidade de energia e calor.

A utilização da bomba atômica

De 1942 a 1946, o comando geral do Projeto Manhattan coube ao general Leslie Groves, que nomeou como diretor o físico Julius Robert Oppenheimer. Vários laboratórios estadunidenses participaram do projeto em segredo, e nos locais eram realizados o enriquecimento do urânio, a construção das bombas atômicas e a produção do plutônio.

Os Estados Unidos entraram na Segunda Guerra Mundial após o bombardeio de Pearl Harbor, consumado pela Marinha Imperial Japonesa no dia 07 de dezembro de 1941.

Às 5:30 do dia 16 de julho de 1945, foram realizados os primeiros testes para a detonação da primeira bomba de fissão nuclear, no campo de Alamogordo, no Novo México.

Naquele mesmo ano, os nazistas se renderam, mas os japoneses não fizeram o mesmo. Aviões estadunidenses bombardearam Tóquio com bombas incendiárias e, depois deste episódio, o governo dos Estados Unidos, sob a liderança de Harry Truman, autorizou o uso da bomba atômica.

No início da manhã de 6 de agosto de 1945, um B-29 que recebeu o nome de Enola Gay decolou da ilha de Tinian até a cidade japonesa de Hiroshima, lançando a bomba atômica sobre ela. Três dias depois, outra bomba foi detonada sobre a cidade de Nagasaki, causando devastação total e aproximadamente 350.000 mil mortes em ambas as cidades.

Esta triste marca na história da humanidade é considerada o maior ataque à população civil da história e, de acordo com alguns estudiosos, marcou o fim da Segunda Guerra Mundial.

Referências

As bombas atômicas podem dizimar a humanidade – Hiroshima e Nagasaki, há 70 anos.

Débora Silva
Por Débora Silva

Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.

Como referenciar este conteúdo

Silva, Débora. Bomba atômica. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/quimica/bomba-atomica. Acesso em: 22 de July de 2024.

Teste seu conhecimento

1. [FUVEST 2009] As bombas atômicas, lançadas contra Hiroshima e Nagasaki em 1945, resultaram na morte de aproximadamente 300.000 pessoas, vítimas imediatas das explosões ou de doenças causadas pela exposição à radiação. Esses eventos marcaram o início de uma nova etapa histórica na corrida armamentista entre as nações, caracterizada pelo desenvolvimento de programas nucleares com finalidades bélicas. Considerando essa etapa e os efeitos das bombas atômicas, analise as afirmações abaixo.

I. As bombas atômicas que atingiram Hiroshima e Nagasaki foram lançadas pelos Estados Unidos, único país que possuía esse tipo de armamento ao fim da Segunda Guerra Mundial.
II. As radiações liberadas numa explosão atômica podem produzir mutações no material genético humano, que causam doenças como o câncer ou são transmitidas para a geração seguinte, caso tenham ocorrido nas células germinativas.
III. Desde o fim da Segunda Guerra Mundial, várias nações desenvolveram armas atômicas e, atualmente, entre as que possuem esse tipo de armamento, têmse China, Estados Unidos, França, Índia, Israel, Paquistão, Reino Unido e Rússia.

Está correto o que se afirma em:

A) I, somente.
B) II, somente.
C) I e II, somente.
D) II e III, somente.
E) I, II e III.

2. [PUC-SP-2000] Leia atentamente:
“No caso de Hiroshima, trata-se da catástrofe mais concentrada que já se abateu sobre os homens. Numa passagem de seu diário, o dr. Hachiya [que testemunhou o fato] pensa em Pompéia. Mas nem mesmo esta oferece termo de comparação. Sobre Hiroshima se abateu uma catástrofe que foi planejada e executada com a maior precisão por seres humanos. A ‘natureza’ está fora do
jogo.”
Canetti, Elias. A Consciência das Palavras. SP: Companhia das Letras, 1990.
O texto refere-se à explosão atômica

A) com a qual os EUA conseguiram a capitulação dos japoneses, último núcleo de resistência do Eixo, ao fim do conflito mundial ocorrido entre 1939-45.
B) que funcionou como demonstração do poder militar americano, para intimidar a China que havia aderido ao bloco comunista no fim da Segunda Guerra.
C) cujo objetivo foi colocar fim ao conflito dos EUA com o Vietnã, onde os guerrilheiros locais impunham derrotas sistemáticas aos soldados americanos.
D) que resultou de acidente aéreo envolvendo caças americanos e soviéticos, quando realizava operações conjuntas com arsenal nuclear no Oceano Pacífico.
E) resultante do bombardeio promovido pelos EUA, durante o Segundo Conflito Mundial, a Pearl Harbour, base militar japonesa onde era desenvolvida a bomba de hidrogênio.

1. [E]
2. [A]

Compartilhe

TOPO