Tempos Verbais

A ação verbal ocorre em um determinado tempo o qual é denominado tempo verbal.

O verbo é um dos constituintes da língua portuguesa mais variados e mais usados da língua portuguesa. Uma das suas variações diz respeito ao tempo, que pode ser tanto referente ao passado, como ao presente e ao futuro.

“Os tempos verbais situam o fato ou a ação verbal dentro de determinado momento (durante o ato da comunicação, antes ou depois dele).” (CEGALLA, 2008, p. 194)

1. Tempos verbais

a) Presente: faz referência a fatos que se passam ou se estendem ao momento em que falamos.

  • Agora eu leio.
  • Eu canto para vocês.

b) Pretérito: tem referência a fatos anteriores ao momento em que falamos.

  • Imperfeito: expressa um fato ocorrido e um momento anterior ao atual, mas que não foi completamente terminado.
    Depois de entrar, ele trancava a porta.
    Ele estudava as lições quando algo chamou sua atenção.
  • Perfeito (simples): expressa um fato que teve início em um momento anterior ao atual e que foi totalmente terminado.
    Ele trancou a porta.
    Ele estudou todas as matérias ontem à noite.
  • Perfeito (composto): expressa um fato que teve início em um momento anterior ao atual e ainda pode se prolongar até este momento.
    Tenho estudado muito para as provas.
    Ele tem trancado a porta sempre desde o ocorrido.
  • Mais-que-perfeito: expressa um fato ocorrido antes de outro fato já terminado.
    Quando cheguei, ele já trancara a porta.
    Ele já tinha estudado quando os amigos o chamaram para sair. (forma composta)
    Ele já estudara para as provas quando os amigos o chamaram para sair.

c) Futuro: faz referência a fatos ainda não realizados.

  • Do presente (simples): faz referência a um fato que deve ocorrer num tempo vindouro com relação ao momento atual.
    Beatriz ganhará o prêmio.
    Ele fará a prova amanhã.
  • Do presente (composto): faz referência a um fato que deve ocorrer posteriormente a um momento atual, mas já terminado antes de outro fato futuro.
    Antes e bater o sinal, os alunos já terão terminado a prova.
    Quando menos a gente espera, menos preocupações iremos ter.
  • Do pretérito (simples): faz referência a um fato que pode ocorrer posteriormente a um determinado fato passado.
    Beatriz ganharia o prêmio se não estivesse tão nervosa.
    Se eu tivesse dinheiro, viajaria nas férias.
  • Do pretérito (composto): faz referencia a um fato que poderia ter ocorrido posteriormente a um determinado fato passado.
    Se eu tivesse ganho esse dinheiro, teria viajado nas férias.

2. Tempos verbais primitivos e derivados

a) Tempo primitivo: presente do indicativo (eu estudo)
Tempos derivados do presente do indicativo:

  • Presente do subjuntivo (que eu estude)
  • Imperativo afirmativo (estudem – eles)
  • Imperativo negativo (não estudem – eles)

b) Tempo primitivo: pretérito perfeito do indicativo (eu estudei)
Tempos derivados do pretérito perfeito do indicativo:

  • Pretérito mais-que-perfeito do indicativo (eu estudara)
  • Pretérito imperfeito do subjuntivo (eu estudava)
  • Futuro do subjuntivo (quando eu estudar; quando eu tiver estudado)

c) Tempo primitivo: infinitivo impessoal (estudar)
Tempos derivados do infinitivo pessoal

  • Futuro do presente do indicativo (eu estudarei; eu terei estudado)
  • Futuro do pretérito do indicativo (eu estudaria; eu teria estudado)
  • Pretérito imperfeito do indicativo (eu estudava)
  • Infinitivo pessoal (eu estudar; eu ter estudado)
  • Gerúndio (estudando)
  • Particípio (estudado)

É importante ter conhecimento sobre os tempos verbais para que seja possível localizar determinada informação em um aspecto temporal, facilitando essa localização para o interlocutor. Ter noção de presente, passado e futuro é estritamente necessário quando falamos dos verbos, já que esta é uma variação bastante importante para a sua classificação.

Referências

CEGALLA, Domingos P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48o ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

Priscila Nayade
Por Priscila Nayade

Graduada em Letras Português - Licenciatura (UnB)

Teste seu conhecimento

1. [UFF/2009] Assinale a série em que estão devidamente classificadas as formas verbais destacadas:

“Ao chegar da fazenda, espero que já tenha terminado a festa”.

a) futuro do subjuntivo, pretérito perfeito do subjuntivo
b) infinitivo, presente do subjuntivo
c) futuro do subjuntivo, presente do subjuntivo
d) infinitivo, pretérito imperfeito do subjuntivo
e) infinitivo, pretérito perfeito do subjuntivo

2. [ENG – MACK] Só muito mais tarde vim, a saber, que a chuva os ___________ na estrada e que não _________ ninguém que ______________.

a) detera; houve; os ajudasse;
b) detivera; houve; os ajudasse;
c) detera; teve; ajudasse eles;
d) detivera; houve; ajudasse eles;
e) detivera; teve; os ajudasse.

3. [CESGRANRIO/2006] No trecho: “…fui obrigado a dá-lo de presente a um bandido, seu amigo, quando, provou que completara na véspera o seu vigésimo nono assassinato”, o mais-que-perfeito foi empregado com seu valor normal; na linguagem literária ele pode também aparecer no valor de:

a) imperativo afirmativo
b) pretérito imperfeito do subjuntivo
c) pretérito perfeito do indicativo
d) infinito pretérito
e) futuro do pretérito composto

1. [E]

“Chegar” – infinitivo; “tenha terminado” – pretérito perfeito do subjuntivo.

2. [B]

A forma para pretérito mais-que-perfeito do verbo deter é detivera, sendo impossível a formação detera. Como “teve” não substitui o verbo haver no sentido de existir na língua formal e por questões de colocação pronominal, a única alternativa possível é a letra B.

3. [B]

Na linguagem literária, o pretérito mais-que-perfeito pode aparecer com o sentido de pretérito imperfeito, ou seja, uma ação inconcluída no passado.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO