Substantivos

Dar nomes às coisas é a função desse grupo de palavras.

Os substantivos fazem parte da classe morfológica de palavras e é um dos grupos mais abrangentes dentro da língua portuguesa. Eles são responsáveis por dar nomes às coisas existentes no mundo.

“É a classe de palavra que se caracteriza por significar o que convencionalmente chamados de objetos substantivos, isto é, em primeiro lugar, substâncias (homem, casa, livro) e, em segundo lugar, quaisquer outros objetos mentalmente apreendidos como substâncias, quais sejam qualidades (bondade, brancura), estados (saúde, doença), processos (chegada, entrega, aceitação).” (BECHARA, 2004, p.70)

1. Concretos e abstratos

a) Substantivo concreto: é o que designa ser de existência independente. São aqueles que nomeiam pessoas, lugares, animais, vegetais, minerais e coisas.

  • Casa, mar, sol, automóvel, filho, mãe…

b) Substantivo abstrato: é o que designa ser de existência dependente. São aqueles que designam ações, estado e qualidade, considerados fora dos seres, como se tivessem uma existência individual.

  • Prazer, beijo, trabalho, saída, beleza, cansaço…

2. Próprios e comuns

a) Substantivos próprios: é o que se aplica a um objeto ou a um conjunto de objetos, mas sempre individualmente.

  • João, Luiza, Rio de Janeiro, Brasília…

b) Substantivo comum: é o que se aplica a um ou mais objetos particulares que reúnem características comuns a dada classe.

  • Homem, mesa, livro, cachorro, lua, sol, fevereiro, segunda-feira, papa…

3. Contáveis e não contáveis

a) Substantivos contáveis: são os objetos que existem isolados, como partes individualmente consideradas.

  • Homem, casa, mulher, livro, criança, joia…

b) Substantivos não contáveis: são os objetos contínuos, não separados em partes, que podem ser massa ou matéria, ou ainda uma ideia abstrata. Dessa forma, habitualmente, só são usados no singular.

  • Oceano, vinho, bondade, beleza…

4. Coletivos

a) Coletivos universais: não são contáveis e só se pluralizam nas condições especiais à classe.
b) Coletivos particulares: são contáveis e podem ser pluralizados.

Exemplos:

  • alcateia, bando, caterva, corja: ladrões, desordeiros, assassinos, malfeitores ou vadios;
  • assistência, auditório, concorrência, aglomeração: assistentes, ouvintes ou espectadores;
  • caravana: viajantes;
  • clientela: clientes, advogados, médicos etc;
  • cáfila: camelos;
  • fato: rebanho de cabras;
  • matilha: cães
  • piara, vara: porcos;
  • flora: plantas de uma determinada região;
  • réstia: cebolas, alhos.

5. Primitivos e derivados

a) Substantivos primitivos: são aqueles que servem como origem para outros vocábulos.

  • Ferro, casa, livro, terra, pedra…

b) Substantivos derivados: são aqueles que se apresentam como variações dos nomes primitivos.

  • Ferreiro -> sai da palavra “ferro”
  • Casebre -> sai da palavra “casa”
  • Livraria -> sai da palavra “livro”
  • Terrestre -> sai da palavra “terra”
  • Pedreira -> sai da palavra “pedra”

6. Simples e compostos

a) Substantivos simples: são aqueles construídos apenas com um radical.

  • Dente, baú, vassoura, flor, mulher, criança…

b) Substantivos compostos: são aqueles construídos com dois ou mais nomes, mas possuem a função de apenas um.

  • Dente-de-leão, guarda-roupa, girassol…

7. Flexão dos substantivos

a) Gênero:

  • Masculino: são todos aqueles que concordam com o artigo o.
    O aluno, o bolso, o filho, o gato…
  • Feminino: são todos aqueles que concordam com o artigo a.
    A aluna, a bolsa, a filha, a gata…

Substantivos uniformes:

  • Epicenos: são os nomes de animais que possuem apenas um gênero gramatical. (a águia, o golfinho, a baleia, o polvo, o besouro…)
  • Sobrecomuns: são os substantivos que têm apenas um só gênero gramatical para designar pessoas de ambos os sexos. (o apóstolo, o cônjuge, a criança, a testemunha…)
  • Comuns de dois gêneros: são aqueles que possuem a mesma forma tanto para o feminino quanto para o masculino, só alterando o artigo anteposto. (a presidente – o presidente; a mártir – o mártir)

b) Número:

  • Singular: se aplica a apenas um ser e é identificado pela ausência da desinência. (Gato, cachorro, computador, celular…)
  • Plural: se aplica a mais de um ser e é identificado pela presença da desinência –s, podendo haver variações. (Gatos, cachorros, computadores, celulares…)

c) Grau:

  • Normal: designa seu nome natural (casa)
  • Aumentativo: designa um aumento em seu tamanho (casarão)
  • Diminutivo: designa uma redução em seu tamanho (casinha)

Os substantivos fazem parte da maioria dos termos usados em um discurso. Eles que compõem a significação que se tem do mundo desde os tempos passados até hoje, já que é aquilo que por si só designa a própria substância, ou seja, a essência, a matéria.

Referências

BECHARA, Evanildo. Gramática escolar da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

Priscila Nayade
Por Priscila Nayade

Graduada em Letras Português - Licenciatura (UnB)

Teste seu conhecimento

1. [PUC-SP/2004] Indique a alternativa correta no que se refere ao plural dos substantivos compostos:
casa-grande, flor-de-cuba, arco-íris e beija-flor

a) casa-grandes, flor-de-cubas, os arco-íris, beija-flor
b) casas-grandes, flores-de-cuba, ar¬cos-íris, beijas-flores
c) casas-grande, as flor-de-cubas, ar¬cos-íris, os beija-flor
d) casas-grande, flores-de-cuba, ar¬cos-íris, beijas-flores
e) casas-grandes, flores-de-cuba, os arco-íris, beija-flores

2. [UM-SP/2004] Indique o período que não contém um substantivo no grau diminutivo.

a) Todas as moléculas foram conservadas com as propriedades particulares, independentemente da atuação do cientista.
b) O ar senhoril daquele homúnculo transformou-o no centro de atenções na tumultuada assembleia.
c) Através da vitrina da loja, a peque¬na observava curiosamente os objetos decorados expostos à venda, por preço bem baratinho.
d) De momento a momento, surgi¬am curiosas sombras e vultos apressados na silenciosa viela.
e) Enquanto distraía as crianças, a professora tocava flautim, improvisando cantigas alegres e suaves.

1. [E]

No plural “casa-grande” fica “casas-grandes”, pois é uma formação de um substantivo e um adjetivo; “flor-de-cuba” fica “flores-de-cuba”, pois o segundo nome limita a significação do primeiro; “arco-íris” não varia e “beija-flor” fica “beija-flores” por ser composta por um tema verbal seguida de substantivo ou adjetivo.

2. [A]

Apesar de se referir a algo minúsculo, a palavra “molécula” não está em seu estado diminutivo.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO