Polissíndeto

O polissíndeto trata de uma figura de linguagem, mais precisamente de sintaxe, caracterizada pela repetição de síndetos.

O polissíndeto é caracterizado por ser uma figura de linguagem, mais precisamente alocado na categora das figuras de sintaxe. Seu conceito denota uma repetição constante utilizada na fala do cotidiano, sobretudo em conversas coloquiais.

Dessa maneira, temos o conceito dessa figura de linguagem por sua etimologia. Do grego, o termo polissíndeto, ou “polysýndeton”, tem formação conjunta pelos vocábulos “polýs” e “syndéo”, com significado de muito e união, respectivamente.

Assim, a palavra polissíndeto pode ser exemplificada e definida por “muitas ligações”. Ou ainda por repetição de síndetos.

polissíndeto
(Imagem: Reprodução)

Formação do polissíndeto

O polissíndeto, portanto, utiliza de síndetos repetitivos na oração. Os síndetos são elementos conectivos, as conjunções, e adotados em períodos compostos.

Assim, através dos termos “e, ou e nem”, ele formará orações coordenadas sindéticas. Como o assíndeto, é muito comum observar o polissídento em textos musicais, poesias e poemas. Entretanto, diferentemente do assíndeto, está muito mais presente na linguagem oral.

A proposição com essa figura de linguagem está em oferecer repetição, acréscimo e continuidade. A expressividade do texto acaba sendo carregada, e acrescida às ideias propostas pelo texto.

Polissíndeto e Anáfora: diferenças

A diferença entre anáfora e polissíndeto está na repetição de palavras da anáfora. Isso porque no polissíndeto apenas os elementos conectivos serão os únicos repetidos.

Já na anáfora, uma característica bastante destacada é seu aparecimento no início das frases. Para compreender melhor, dois exemplos que denotam essa diferença:

  1. “As ondas vão e vem, e vão, e são como o tempo.” (Lulu Santos – Sereia)
  2. “Quando não tinha nada eu quis Quando… esperei. Quando tive frio tremi…” (Daniela Mercury – À primeira vista)

Na primeira oração há a repetição do conectivo “e”, que denota o polissíndeto expresso. Já na segunda oração há a caracterização da anáfora, a partir da repetição do conectivo “quando”.

Características do polissíndeto

O polissíndeto é uma figura de linguagem utilizada para dar uma maior ênfase através da repetição. No entanto, ele ainda possui outras características, como:

  • Destaque das características em uma oração;
  • Ênfase em qualidades de um sujeito/ação;
  • Acréscimo de acontecimento;

Exemplos

  • João não tinha interesse nem por futebol, nem por religião, nem por política.
  • Paulo estava na lanchonete escolhendo ou sanduíche, ou salgado ou cachorro quente.

Referências

Novíssima Gramática da Língua Portuguesa – Domingos Paschoal Cegalla

Mateus Bunde
Prof. Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Compartilhe nas redes sociais

TOPO