Oração subordinada substantiva

A relação de subordinação entre as orações refere-se a uma dependência sintática e semântica que existe entre elas.

Dentro da classificação das orações, tem-se as subordinadas substantivas, que faz referências a orações dependentes de uma oração principal e que possuem valor substantivo em relação a esta.

“As orações subordinadas substantivas exercem funções próprias dos substantivos (sujeito, objeto direto, objeto indireto, predicativo, complemento nominal, aposto)” (CEGALLA, 2008, p.379)

1. Classificação das orações subordinadas substantivas

Subjetivas

Funcionam como o sujeito do verbo da oração principal.

  • É necessário que você colabore.
  • Parece que a situação melhorou.
  • Aconteceu que não o encontrei em casa.
  • Importa que saibas isso bem.
  • Ficou provado que os documentos eram falsos.
  • Sabe-se que ele é rico.
  • Constatou-se que os remédios eram ineficazes.
  • Quem avisa amigo é.

Objetivas diretas

Funcionam como objeto direto do verbo da oração principal.

  • O mestre exigia que todos estivessem presentes.
  • Mariana esperou que o marido voltasse.
  • Ninguém pode dizer: desta água não beberei.
  • O fiscal verificou se tudo estava em ordem.
  • Perguntei-lhe quando ia casar.
  • Adriana me perguntou de quem era o retrato.
  • Indaguei de quem eram aqueles quadros.
  • Ignoro quantos são os desabrigados.
  • Eu sei por que ele não veio.

Objetivas indiretas

Funcionam como objeto indireto.

  • Não me oponho a que você viaje.
  • Aconselha-o a que trabalhe mais.
  • Daremos o prêmio a quem o merecer.
  • Lembre-se de que a vida é breve.
  • O santo exortava o povo a que se mantivesse fiel a Deus.
  • O soldado insistia em que a prisão fosse feita.
  • O coronel Ferreira avisava-o de que se acautelasse.
  • Alguém me convencera de que eu devia jejuar.

Predicativas

Exercem a função de predicativo do sujeito.

  • Seu receio era que chovesse.
  • Minha esperança era que ele desistisse.
  • Meu maior desejo agora é que me deixem em paz.
  • Não sou quem você pensa.
  • Arnaldo foi quem trabalhou menos.
  • Para alguns a pátria é onde se está bem.
  • O certo é que a pacata fisionomia da cidade ganhou animação.

Completivas nominais

Têm a função de complemento nominal de um substantivo ou adjetivo da oração principal.

  • Sou favorável a que o prendam.
  • Estava ansioso por que voltasses.
  • Sê grato a quem te ensina.
  • Fabiano tinha a certeza de que não se acabaria tão cedo.
  • Estava convencido de que um dia lhe dariam razão.
  • Mariana teve a sensação de que alguém a observava.
  • É inútil uma coleção de armas para quem já não caça mais.
  • Há necessidade de quem é luz do mundo e sal da terra.

Apositivas

Servem de aposto.

  • Só desejo uma coisa: que vivam felizes.
  • Só lhe peço isto: honre o nosso nome.
  • Talvez o que houvesse sentido fosse o presságio disto: de que virias a morrer.
  • E confesso uma verdade: eu era um homem puro.
  • A notícia veio de supetão: iam meter-me na escola.

Agente da passiva

possuem esta função propriamente dita em relação a oração principal.

  • O quadro foi comprado por quem o fez.
  • A obra foi apreciada por quantos a viram.

O estudo das orações subordinadas é bastante extenso, mas é muito útil para o seu aprofundamento classificá-las e determinar sua funcionalidade dentro de um contexto de discurso. Dessa forma, as orações subordinadas substantivas são orações que exercem as funções de sujeito, objeto direto, objeto indireto, complemento nominal, predicativo, aposto e agente da passiva, tendo a mesma função de um substantivo na estrutura frásica.

Referências

CEGALLA, Domingos P. Novíssima gramática da língua portuguesa. 48o ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2008.

Priscila Nayade
Prof. Priscila Nayade

Graduada em Letras Português - Licenciatura (UnB)

Teste seu conhecimento

1. [UFMG/2013] Na frase: “Maria do Carmo tinha a certeza de que estava para ser mãe”, a oração subordinada é:

a) Subordinada substantiva objetiva indireta
b) Subordinada substantiva completiva nominal
c) Subordinada substantiva predicativa
d) Coordenada sindética conclusiva
e) Coordenada sindética explicativa

2. [UEPG/2012] Em “É possível que comunicassem sobre políticos”, a segunda oração é:

a) Subordinada substantiva subjetiva
b) Subordinada adverbial predicativa
c) Subordinada substantiva predicativa
d) Principal
e) Subordinada substantiva objetiva direta

3. [FCE-SP/2013] “Os homens sempre se esquecem de que somos todos mortais.” A oração destacada é:

a) Substantiva completiva nominal
b) Substantiva objetiva indireta
c) Substantiva predicativa
d) Substantiva objetiva direta
e) Substantiva subjetiva

1. [B]

A oração subordinada “que estava para ser mãe” completa o nome certeza, que está anteposto a ela, logo, ela se caracteriza como completiva nominal.

2. [B]

Considerando que a segunda oração é “que comunicassem sobre políticos” e ela está fazendo o papel da ação de ser possível, estabelecida na oração principal, a segunda oração exerce a função de oração subordinada substantiva subjetiva.

3. [B]

A oração destacada está completando o sentido do verbo anteposto esquecer. Dessa forma, possui a função sintática de objeto indireto em relação à oração principal.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO