Antônimos e sinônimos

Sinônimos e antônimos estabelecem a convergência e divergência entre as palavras, respectivamente.

Semântica é área da língua portuguesa que estuda a significação das palavras. É nesse tipo de estudo que se encontra as relações de semelhança e divergência entre elas, chamadas sinonímia e antonímia respectivamente, que originam as designações de sinônimos e antônimos.

“No decorrer de sua história nem sempre a palavra guarda seu significado etimológico, isto é, originário. Por motivos variadíssimos, ultrapassa os limites de sua primitiva ‘esfera semântica’ e assume valores novos.” (BECHARA, 2004, p.547)

1. Sinônimo:

É o fato de haver mais de uma palavra com semelhante significação, podendo uma estar em lugar da outra em determinado contexto, apesar dos diferentes matizes de sentido ou de carga estilística.

Exemplos:

  • Casa – lar, morada, residência, mansão.
  • Comer – consumir, manducar.
  • Bola – esfera, globo.
  • Rosto – cara, face, faceta.
  • Aguardar – esperar.
  • Sonolento – letárgico, lento, vagaroso.
  • Margem – borda, aba, beira-mar, beirada.
  • Torcer – entortar, virar, deslocar, desviar.
  • Longe – distante, remoto.
  • Gratuito – grátis, dado, imotivado.

Dentro dos sinônimos, ainda existem os perfeitos, de significado igual (rosto e face), e os imperfeitos, de significado aproximado (casa e lar).

2. Antônimo:

É o fato de haver palavras que entre si estabelecem uma oposição contraditória, contrária ou correlativa.
Ele pode ser formado de três maneiras:

  • a) Com palavras de radicais diferentes: bom e mau;
  • b) Com auxílio de um prefixo negativo em palavras do mesmo radical: possível e impossível, político e apolítico;
  • c) Com o auxílio de palavras de prefixos de significação contrária, em palavras de mesmo radical: excluir e incluir, progredir e regredir.

Exemplos:

  • Casa – aquilo que não é habitável.
  • Comer – crescer, acrescentar, medrar, expandir.
  • Bola – chato, deformado.
  • Rosto – traseira, retaguarda.
  • Aguardar – infringir, transgredir, violar, descumprir, contravir.
  • Egoísta – humilde, caritativo, filantropo.
  • Feio – bem-dotado, lindo, belo.
  • Preguiçoso – incansável, desenvolto, lesto, enérgico.
  • Astuto – estúpido, aparvalhado.
  • Evolução – involução, perecimento.

3. Outras relações semânticas

Homonímia:

É a propriedade de duas ou mais formas, inteiramente distintas pela significação ou função, terem a mesma estrutura fonológica, os mesmos fonemas, dispostos na mesma ordem com o mesmo tipo de acentuação. Geralmente, é possível distingui-las por um grafema diferenciado que elas possuem.

Exemplos:

  • Concerto (teatro, música) x Conserto (reparar coisas quebradas).
  • São (verbo “estar” no plural) x São (sóbrio, sadio.)
  • Coser (costurar) x Cozer (cozinhar).
  • Cela (quarto trancado) x Sela (peça de arreio).
  • Expiar (sofrer) x Espiar (olhar sorrateiramente.)
  • Sessão (ato de assistir) x Cessão (ato de ceder).
  • Manga (camisa) x Manga (fruta).
  • Acender (pôr luz, iluminar) x Ascender (subir).
  • Acerca de (sobre, a respeito de) x Há cerca de (aproximadamente).
  • Afim de (semelhante a) x A fim de (com finalidade de).

Paronímia:

É o fato de haver palavras que são parecidas na sua estrutura fonológica, mas possuem significados diferentes.

Exemplos:

  • Acostumar (contrair hábito) x Costumar (ter por hábito).
  • Acurado (feito com muito cuidado) x Apurado (seleto, fino).
  • Cardeal (prelado do Sacro Colégio) x Cardial (relativo à cárdia).
  • Cavaleiro (aquele que sabe andar à cavalo) x Cavalheiro (homem educado).
  • Proscrever (proibir) x Prescrever (aconselhar).
  • Tráfego (trânsito) x Tráfico (comércio).
  • Ratificar (confirmar) x Retificar (corrigir).
  • Infringir (transgredir, violentar) x Infligir (aplicar pena, castigo).
  • Matilha (grupo de cães) x Mantilha (pequena manta).
  • Descrição (ato de descrever) x Discrição (ser discreto).
  • Iminente (pendente) x Eminente (ilustre).

A significação das palavras é algo muito importante para que elas estejam sempre evoluindo e se encaixando nos mais variados contextos. Essa evolução constante do léxico da língua portuguesa faz com que ela se enriqueça e se renove sempre. Dessa forma, essa capacidade da língua permite até mesmo que novas palavras sejam criadas para dar sentido a outras ideias que surgem.

Referências

SACCONI, Antônio L. Gramática Essencial Ilustrada. 19 ed. São Paulo: ed. Harbra. 2004
BECHARA, Evanildo. Gramática escolar da língua portuguesa. 1.ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

Priscila Nayade
Por Priscila Nayade

Graduada em Letras Português - Licenciatura (UnB)

Teste seu conhecimento

1. [UNEMAT/2012] No fragmento: “A Funai especula que parte das tribos seja nômade e opta por não procurá-las”, a palavra em destaque designa:

a) Índios sem habitação fixa, que se deslocam constantemente.
b) Índios que se perderam de suas tribos e vivem isolados.
c) Índios isolados no estado do Amazonas.
d) Índios que perderam seus hábitos culturais e sua língua.
e) Índios que vivem mais próximos da sociedade, porém isolados.

2. [UNESP/2012] “Os marqueteiros estão perdendo o controle, e isso é muito bom”. O termo marqueteiro, presente nesta frase, foi formado em português por influência do inglês e tem como uma de suas acepções usuais:

a) Consumidor de mercado.
b) Construtor de marquise de lojas.
c) Investidor do mercado financeiro.
d) Profissional de marketing.
e) Empresário de supermercado.

3. [USF/2013] Assinale a afirmação cuja expressão entre parênteses NÃO pode substituir o termo sublinhado sem prejuízo de sentido.

a) Que se revelou vulnerável à compra de votos por parte dos representantes do Executivo (inatingível).
b) Para evitar a promiscuidade revelada pelo episódio em julgamento (corrupção).
c) O Brasil, mesmo na condição de signatário de algumas das mais importantes convenções (seguidor).
d) Que o julgamento do mensalão começa a atenuar (mitigar).
e) É inaceitável, porém, que na Câmara e no Senado tramitem hoje 139 projetos de lei (transitem) .

1. [A]

A palavra nômade caracteriza justamente pessoas que vagueiam por vários lugares, sem lugar fixo para morar. Um povo com essa característica, por exemplo, é o cigano.

2. [D]

Segundo o dicionário Aurélio, a expressão “marqueteiro” ou “marketeiro” é o nome dado à pessoa ou profissional do marketing. O termo, porém, é quase sempre utilizado para designar pessoas que trabalham especificamente com marketing político.

3. [A]

Para ser possível substituir, é preciso que as palavras sejam sinônimas. Inatingível é o antônimo de vulnerável e, caso fosse feita a substituição, mudaria completamente o sentido da afirmação.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO