Roma Antiga

De uma pequena comunidade agrícola a um dos mais importantes impérios do mundo antigo, a Roma Antiga passou por diferentes formas de governo até a sua queda.

Roma Antiga é a denominação dada a uma civilização que surgiu de uma pequena aldeia fundada na península Itálica no século VIII a.C. e transformou-se em um dos maiores e mais poderosos impérios do mundo antigo.

Com sede onde atualmente está localizada a Itália, o Império Romano conquistou terras e povos, espalhando a sua influência para além da Europa Ocidental. Em seus séculos de existência, a civilização romana conheceu três formas de governo: Monarquia (de 753 a.C. a 509 a.C.), República (de 509 a.C. a 27 a.C.) e Império (de 27 a.C. a 476 d.C.).

Ilustração: Reprodução
Ilustração: Reprodução

A Monarquia

A Monarquia é o período da Roma Antiga caracterizado pelas lendas, inclusive em relação à própria fundação da cidade. Reza a lenda que os gêmeos Rômulo e Remo – descendentes de Enéias, abandonados no rio Tibre e amamentados por uma loba – fundaram a cidade de Roma no ano de 753 a.C.

Já de acordo com a História, Roma provavelmente teria surgido como uma fortificação militar para defesa contra os povos etruscos, por volta do século VIII a.C. Os guerreiros da Etrúria, região ao norte de Roma, atacaram a cidade pouco antes de 600 a.C. e dominaram-na até cerca de 509 a.C., quando os romanos expulsaram o último rei etrusco da cidade. Conta-se que houve sete reis em Roma e, com a expulsão do último, inicia-se o período da República na cidade.

Ilustração: Reprodução
Ilustração: Reprodução

No período da Monarquia, a base da economia estava na agricultura e no pastoreio. A estrutura social era formada pelos seguintes segmentos: os patrícios, que eram os grandes proprietários; os clientes, que eram protegidos dos patrícios; e os plebeus, que ocupavam a base da sociedade.

A República

A expressão República Romana é utilizada por convenção para definir o Estado romano e suas províncias desde 509 a.C. (fim do Reino de Roma) até 27 a.C. (estabelecimento do Império Romano).
Os cônsules eram os governantes romanos mais importantes e eram indicados por assembleias de cidadãos adultos romanos do sexo masculino e que, no início, só podiam ser escolhidos entre os patrícios.

A principal instituição da República Romana era o Senado, responsável pela condução das políticas interna e externas e que era formado por patrícios. Os membros do Senado, denominados senadores, também eram patrícios e se reuniam em um prédio público conhecido como Fórum.

Foi durante o período republicano que Roma transformou-se de cidade-estado em um dos maiores impérios do mundo antigo.

O Império

O termo Império Romano é convencionalmente utilizado para se referir ao Estado romano nos séculos posteriores à reorganização política realizada pelo primeiro imperador, Caio Otávio, que recebeu uma série de títulos, dentre os quais o de Augusto, honra dada apenas aos deuses.

Este período da Roma Antiga caracteriza-se pela centralização do poder nas mãos de um só governante. Durante o longo período de guerras civis houve o enfraquecimento do Senado e o fortalecimento do exército. Dentre os principais imperadores romanos estão Augusto (27 a.C. – 14 d.C.), Tibério (14-37), Calígula (37-41), Nero (54-68), Marco Aurélio (161-180), Comodus (180-192).

O período do Império romano é dividido em dois momentos: o Alto Império (apogeu de Roma) e o Baixo Império (queda de Roma). A queda do Império Romano deu-se devido a uma soma de fatores, como a crise econômica, a expressiva queda na produção agrícola, o fim da expansão territorial, o aumento dos impostos, o fim da política de pão e circo, o aumento das tensões sociais e a invasão das fronteiras pelos denominados povos bárbaros.

A Cultura e a Religião

A cultura romana foi bastante influenciada pela arte, pintura e arquitetura gregas. Os romanos eram politeístas, uma vez que acreditavam em vários deuses, que, em sua maioria, foram retirados do panteão grego. Os principais deuses romanos incluem Júpiter, Juno, Apolo, Marte, Vênus e Baco, dentre outros.

Referências

Por Débora Silva
Teste seu conhecimento

1. [OSEC] Quanto à história de Roma, pode-se considerar que:
a) Roma conheceu apenas dois regimes políticos: a República e o Império;
b) na passagem da República para o Império, Roma deixou de ser uma democracia e transformou-se numa oligarquia;
c) os irmãos Tibério e Caio Graco foram dois tribunos da plebe que lutaram pela redistribuição das terras do Estado (ager publicus) entre todos os cidadãos romanos;
d) no Império Romano, todos os homens livres – os cidadãos – eram proprietários de terras;
e) no Império Romano, a base da economia era o comércio e a indústria.

2. [Fatec] A expansão romana pelo Mar Mediterrâneo gerou importantes transformações políticas, econômicas e sociais.
Dentre elas temos:

a) fortalecimento da família; desenvolvimento das atividades agropastoris; grande afluxo de riquezas, provenientes das conquistas.
b) aumento do trabalho livre; maior concentração populacional nos campos e enriquecimento da elite patrícia.
c) influência bastante grande da cultura grega; domínio político dos plebeus; grande moralização dos costumes.
d) fim do trabalho escravo; concentração da plebe no campo; domínio político dos militares.
e) grande número de escravos; predomínio do comércio; êxodo rural, gerando o empobrecimento da plebe.

1. Alternativa “c”.
2. Alternativa “e”.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO