Revolução Industrial

Período no qual ocorreu a mecanização do sistema de produção, entre os séculos XVIII e XIX, em substituição ao trabalho artesanal.

O surgimento da máquina a vapor, na Inglaterra do século XVIII, possibilitou a expansão dos sistemas de produção, acompanhando a maior demanda por mercadorias gerada a partir do crescimento populacional. O pioneirismo inglês no desenvolvimento da industrialização ocorreu em função de uma série de fatores, dentre os quais a abundância de mão-de-obra, grandes jazidas de minério de ferro, potencial mercado consumidor, investimento financeiro da burguesia e a presença de grandes reservas de carvão mineral no subsolo. O carvão mineral era a principal fonte de energia utilizada nas locomotivas e máquinas a vapor.

Locomotiva movida a vapor. Imagem: Wikimedia Commons.
Locomotiva movida a vapor. Imagem: Wikimedia Commons.

Consequências da Revolução Industrial na Inglaterra

No início do século XVIII, o trabalho industrial na Inglaterra era dividido em trabalho artesanal, indústria doméstica (que funcionava na zona rural) e manufaturas de tecelagem (semelhantes a fábricas com operários). Já na metade do século, alguns inventos revolucionaram o sistema de produção inglês, tais como a máquina de tear e, mais tarde, o tear hidráulico, que iniciaram a mecanização no segmento têxtil.

Em 1769, James Watt criou a máquina a vapor, resultando em importantes avanços na indústria têxtil da época, que serviram de base para remodelar o sistema de produção de um modo geral. Quando a madeira passou a ser substituída pelo metal, houve uma expansão na indústria siderúrgica.

Essas mudanças só foram possíveis graças ao desenvolvimento científico, que possibilitou o surgimento de novas tecnologias. O rápido desenvolvimento econômico e tecnológico foram algumas das principais consequências da Revolução Industrial, que alterou profundamente os sistemas sociais, fazendo surgir classes distintas dentro do sistema econômico capitalista.

Máquina a vapor desenvolvida por James Watt. Imagem: Wikimedia Commons.
Máquina a vapor desenvolvida por James Watt. Imagem: Wikimedia Commons.

Proletariado

O período foi acompanhado de grande progresso tecnológico e econômico, e se espalhou pela Europa e logo pelo resto do mundo. A modernização do sistema de produção gerou um aumento da oferta de emprego, que foi acompanhado por um consequente aumento no consumo de produtos.

A Revolução Industrial também foi caracterizada pelo surgimento de um grande número de trabalhadores assalariados. Estes operários trabalhavam sob duras condições, com jornadas de trabalho de 16 horas diárias, em condições precárias e insalubres. Muitos desses trabalhadores eram mulheres e crianças, cujo salário era inferior ao dos trabalhadores do sexo masculino. Diante das complicadas condições de trabalho, muitas lutas operárias em busca de melhores condições de trabalho começaram a surgir. Após 1830, surgiram os sindicatos, que reivindicaram importantes pautas como o fim do trabalho infantil, a jornada diária de oito horas de trabalho e o direito a greves.

“Nas primeiras décadas da Revolução Industrial, o padrão de vida dos operários das fábricas era escandalosamente baixo em comparação com as condições de seus contemporâneos das classes superiores ou com as condições atuais do operariado industrial. A jornada de trabalho era longa, as condições sanitárias dos locais de trabalho eram deploráveis. A capacidade de trabalho do indivíduo se esgotava rapidamente.” (Mises, 1949, pg.707)

Burguesia

A burguesia adquiria matéria-prima e contratava mão-de-obra, pois dispunha de amplos recursos financeiros e, portanto, dominava os meios de produção. Dessa forma, começou uma era de forte crescimento econômico e tecnológico, surgindo assim a moderna economia capitalista.

Esse período foi marcado pela hegemonia britânica. Já no início do século XX, outras nações haviam se industrializado e dispunham de muitos produtos que precisavam ser destinados a um mercado consumidor. Essa grande produção industrial, aliada as ambições de expansão territorial, causou conflitos entre as potências europeias, culminando na Primeira Grande Guerra.

Instalações da química BASF, em 1881, na Alemanha. Imagem: Wikimedia Commons.
Instalações da química BASF, em 1881, na Alemanha. Imagem: Wikimedia Commons.

Desdobramentos da Revolução Industrial

São mencionados três grandes períodos ligados ao impacto da Revolução Industrial. O primeiro deles é o que se refere a mecanização do trabalho e à produção em série. Depois, um segundo momento ocorre no século XIX, com a criação do motor de combustão interna e o uso de combustíveis fósseis. O terceiro momento refere-se a uma revolução técnico-científica, caracterizada pelo uso da informática, a robótica e da biotecnologia na indústria.

Você sabia?

Durante a maior parte do período, a Inglaterra esteve sob o reinado da Rainha Vitória, motivo pelo qual este momento ficou conhecido como Era Vitoriana.

Referências

VICENTINO, C.; DORIGO, G. História geral e do Brasil. 2ª Edição. Volume 2. São Paulo: Scipione, 2013.

MISES, L. V. Ação Humana: Um tratado de Economia. São Paulo: Instituto Ludwig von Mises Brasil, 1949.

Por Carlos Ferreira
Teste seu conhecimento

1. (ENEM/2010) Até o século XVII, as paisagens rurais eram marcadas por atividades rudimentares e de baixa produtividade. A partir da Revolução Industrial, porém, sobretudo com o advento da revolução tecnológica, houve um desenvolvimento contínuo do setor agropecuário. São portanto, observadas consequências econômicas, sociais e ambientais inter-relacionadas no período posterior à Revolução Industrial, as quais incluem:

a) A erradicação da fome no mundo.

b) O aumento das áreas rurais e a diminuição das áreas urbanas.

c) A maior demanda por recursos naturais, entre os quais os recursos energéticos.

d) A menor necessidade de utilização de adubos e corretivos na agricultura.

e) O continuo aumento da oferta de emprego no setor primário da economia, em face da mecanização.

2. (Unesp/2013) No final do século XVIII, a Inglaterra mantinha relações comerciais regulares com          várias regiões do continente africano. O interesse de ingleses nesse comércio derivava, entre outras coisas, da necessidade de:

a) mercado consumidor para os tecidos, produzidos em escala industrial nas fábricas inglesas e francesas.

b) especiarias e sal, utilizados na conservação de alimentos consumidos nas grandes cidades europeias.

c) petróleo, utilizado como fonte principal de energia nas fábricas instaladas em torno das grandes cidades inglesas.

d) matérias-primas, como o algodão e os óleos vegetais, que eram utilizadas pelas fábricas inglesas.

e) mão de obra a ser empregada nas manufaturas e fábricas que proliferavam na Inglaterra e na França.

1.[c]

Lembrando que o uso do carvão mineral como fonte de energia foi a base para o desenvolvimento da máquina a vapor e a expansão do processo de industrialização.

 

2. [d]

O algodão era necessário para a indústria têxtil na época da Revolução Industrial. A mão de obra era composta por camponeses ingleses, não por trabalhadores africanos. As especiarias não tinham grande importância comercial e o petróleo e derivados não haviam sido descobertos.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO