Imperadores Romanos

O Império Romano foi marcado por alguns imperadores importantes que trouxeram avanços significativos para Roma.

O Império Romano durou de 27 a.C. a 476 d.C., e tinha como principal característica a sua estrutura mais comercial do que agrária. Havia a escravidão de povos que eram conquistados pelo Império, e as províncias eram usadas como fonte de recursos.

Os imperadores romanos

Imagem: Reprodução

O primeiro imperador de Roma foi Julio César Otaviano Augusto, que imperou entre 27a.C. e 14 d.C. Mais conhecido como Otaviano Augusto ou somente Otávio Augusto, este imperador pertenceu à dinastia Júlio-Claudiana, e nasceu em 23 de setembro de 63 a.C. e era sobrinho neto de Júlio César, que foi quem lhe ensinou a trabalhar na política romana. Otaviano Augusto organizou diversas expedições militares e pacificou algumas regiões. Estimulou, ainda, na economia, a agricultura, dividiu a capital imperial em 14 províncias, facilitando, assim,a cobrança dos impostos, e também o censo militar.

Foi o primeiro imperador a ser proclamado “Augusto” pelo senado, ou seja, um “deus”. Nesses casos, o culto aos imperadores era iniciado durante sua vida, mas continuava por sua família após a sua morte. Faleceu em 19 de agosto de 14 d.C.

Tibério Cláudio César Augusto Germânico foi imperador de 10 a.C. a 54 d.C. tendo nascido em 1 de agosto de 10 a.C. Ele foi o primeiro imperador romano não nascido na Itália, e atuou na construção de canais e aquedutos, tendo ainda pavimentado, durante seu império, estradas para trazer uma comunicação melhor e mais eficiente entre as províncias que ficavam mais distantes do Império. Foi ele, também, quem ergueu o posto de Óstia, além de suas conquistas militares sendo a mais importante delas a Britânia, que é a atual Grã-Bretanha. No ano de 54 d.C. foi envenenado por sua esposa e mãe do Imperador Nero, Agripina. Foi deificado após sua morte.

Nero Cláudio Augusto Germânico imperou de 54 d.C. a 68 d.C., nascido em 15 de dezembro de 37 d.C. Foi governante em uma época de grande esplendor do Império, mas atuou cancelando todos os éditos do imperador anterior, Claudio. Usou, assim como os outros imperadores, de muita violência visando acabar com revoltas em províncias. Não foi um grande conquistador, mas foi capaz de melhorar suas relações com a Grécia. Durante seu Império, houve o incêndio que destruiu parte de Roma em 64 d.C., mas alguns historiadores questionam sua responsabilidade no ocorrido, pois segundo informações da época, ele estava em Anzio, e somente retornou à Roma ao saber do ocorrido. Cometeu suicídio no dia 6 de junho de 68 d.C. em Roma, e deu fim à dinastia Júlio-Claudiana.

Tito Flávio Vespiano foi imperador entre os anos de 79 d.C. e 81 d.C., e nasceu no dia 30 de dezembro de 39 d.C. Teve um reinado bastante curto, mas ficou conhecido pela destruição do Templo de Jerusalém, e também pela dispersão dos judeus pelo mundo. A destruição foi mandada por ele para que houvesse um fim nas revoltas da Palestina.

Durante seu reinado também ocorreu um incêndio em Roma, além de uma peste e a erupção do Vesúvio, mas teve ainda assim uma boa reputação com a população. Ficou conhecido como “o novo Nero” por sua crueldade e intolerância, mas também ficou conhecido como “As delícias do gênero humano”. Esse último em decorrência da grande quantidade de benefícios que proporcionou ao povo de Roma. Foi ele, por exemplo, que concluiu a construção do Coliseu que trazia diversão ao povo. Faleceu no dia 13 de setembro de 81 d.C., e deixou um enigma em uma frase “cometi apenas um erro em minha vida”, que movimentou diversos historiadores.

Imagem: Reprodução

Marco Úlpio Nerva Trajano reinou como imperador entre os anos de 98 d.C. e 117 d.C., sendo o primeiro a nascer na Itálica, no ano de 53 d.C. Considerado um excelente general, administrador detalhista e disciplinado, Trajano acreditava e afirmava sempre que os imperadores tinham que ser como “simples cidadãos” e teve seu reinado marcado pelo alagamento da fronteira do império a Leste. Foi também com ele que o Império Romano atingiu sua máxima expansão e teve a implementação de um programa de obras públicas, visando melhorar as condições de saúde e de higiene da população. Foi sucedido por Adriano, seu sobrinho, após seu falecimento em 117 d.C.

Públio Élio Trajano Adriano, sobrinho de Trajano, mencionado acima, governou desde a morte do tio até 138 d.C. Também um excelente administrador, teve seu reinado marcado pela construção da Muralha de Adriano, que ficava na região da atual Grã-Bretanha. Esta marcou durante séculos a fronteira entre Escócia e Inglaterra, e garantiu a defesa dos romanos contra ataques dos povos do Norte. Seu reinado terminou com seu falecimento.

O imperador seguinte foi Diocleciano, de 284 d.C. a 305 d.C., e não se sabe ao certo a data de seu nascimento, assim como o local. Este imperador instituiu em Roma a diarquia e a tetrarquia, acreditando que somente um homem com seus talentos não seria o suficiente para defender o Império. Isso, a partir de 286 a 305. Foi ele quem dividiu o Império Romano em Ocidental e Oriental, e cada uma delas foi governada por um “Augusto”, e mais tarde entregaria dois territórios nas mãos de césares, que ajudariam os augustos no governo. Abdicou do trono quando doente e faleceu no ano de 311 d.C.

O imperador entre os anos de 306 d.C. e 337 d.C. foi Flávio Valério Aurélio Constantino, mais conhecido como Constantino Magno. Foi considerado o primeiro imperador cristão da história, mas favorecia o cristianismo e o paganismo da mesma forma. Faleceu em 337 d.C.

Referências

A História Secreta dos Imperadores Romanos – Michael Kerrigan

Por Natália Petrin
Como referenciar este conteúdo

Petrin, Natália. Imperadores Romanos. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/historia/imperadores-romanos. Acesso em: 19 de October de 2021.

Teste seu conhecimento

01. O que foi a política do pão-e-circo durante o Império Romano?

a) Política promovida pelo imperador romano para arrecadar mais impostos, através da combrança de taxas em atividades de lazer e sobre o comércio de pão.

b) Política dos reis romanos para aumentar o comércio de pão e outros alimentos que utilizavam o trigo como matéria prima.

c) Distribuição de alimentos (principalmente pão) e diversão (principalmente luta de gladiadores) como forma do imperador agradar os mais pobres, diminuindo as tensões sociais e evitando revoltas e conflitos em Roma.

d) Política promovida pelos senadores romanos com objetivo de proibir o circo e a venda ilegal de pães em Roma.

02. Qual das alternativas abaixo apresenta aspectos importantes da cultura e religião romana?

a) Artes plásticas totalmente inovadora, realização de Jogos Olímpicos e religião monoteísta (antes do cristianismo).

b) Esculturas e pinturas inspiradas na arte egípcia, realização de atividades culturais para toda população e ausência total de religião.

c) Valorização da cultura africana, desvalorização total da cultura grega e religião baseada nos elementos da natureza.

d) Luta de gladiadores, esculturas inspiradas na arte grega, existência de mitos e religião politeísta (antes do cristianismo).

01. [C]

02. [D]

Compartilhe

TOPO