Guerra dos Mascates

A Guerra dos Mascates foi um conflito que opôs a elite rural de Olinda contra os comerciantes portugueses (mascates) de Recife entre 1710 e 1711.

A Guerra dos Mascates foi um conflito que ocorreu entre 1710 e 1711 na Capitania de Pernambuco.

Nesse conflito, confrontam-se os donos de terras e engenhos contra os comerciantes portugueses, chamados de mascates.

Imagem: Reprodução

Entenda a Guerra dos Mascates

Após a expulsão dos holandeses do Nordeste, a economia açucareira passou a sofrer uma grande crise.

Mesmo assim, os senhores de engenho (a aristocracia rural), de Olinda continuava controlando o poder político da capitania de Pernambuco.

Recife, ao contrário de Olinda assistia a uma tentativa de saída da crise econômica açucareira graças as atividades dos comerciantes portugueses, os mascates.

Além de comerciantes, os mascates também faziam empréstimos à juros altos a população olindense.

Os motivos e objetivos da elite rural de Olinda

A aristocracia rural se via cada vez menos prestigiada, perdendo poder para os mascates principalmente da região do Recife. Era questão de tempo até que um conflito entre essas cidades e classes eclodisse. Porém, havia também outros motivos em jogo:

  • Disputa entre Olinda e Recife pelo poder político em Pernambuco
  • Crise econômica na cidade de Olinda
  • Favorecimento da Coroa Portuguesa aos comerciantes de Recife
  • Crescimento do sentimento antilusitano, isto é, contra os portugueses, principalmente entre a aristocracia rural de Olinda.
  • A emancipação do Recife em 1709: a aristocracia rural de Olinda temia que o Recife se tornasse o centro político de Pernambuco.

Os objetivos que levaram a esse conflito eram resultado dos interesses políticos da aristocracia rural de Olinda:

  • Os olindenses queriam manter o poder político na região
  • Esta aristocracia também exigia que Recife fosse mantida sob a condição de povoado
  • Defendia a igualdade de tratamento, pois, acreditavam que os mascates era beneficiados pelo governo português.

O conflito entre Olinda e Recife

Em 1710, olindenses invadiram a cidade de Recife dando início ao que viria ficar conhecida como Guerra dos Mascates.

Em um primeiro momento, os olindenses pareciam estar vencendo, mas os recifenses (mascates), se organizaram e invadiram Olinda, destruindo vilas e engenhos em 1711.

Neste mesmo ano, após muitos embates, um novo governante foi nomeado. Felix José Mendonça Filho que tinha como principal missão acabar com esse conflito.

Como acabou a Guerra dos Mascates

O novo governador apoiava os mascates e deu ordem de prisão a todos os latifundiários olindenses que estivessem envolvidos na guerra.

Após isso, em 1712, Recife foi proclamada sede administrativa de Pernambuco.

Em 1714, o rei D. João V, anistiou todos os envolvidos nessa disputa e promoveu a cidade de Recife a capital de Pernambuco.

Curiosidade

A Guerra dos Mascates também entrou para História nas palavras de José de Alencar, em obra homônima, de 1837, na qual narra um romance situado durante o conflito.

Referências

História – Divalte Garcia Ferreira

Guerra dos Mascates – Cássio Albernaz

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Como referenciar este conteúdo

Bernardes, Luana. Guerra dos Mascates. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/historia/guerra-dos-mascates. Acesso em: 12 de July de 2020.

Teste seu conhecimento

01. [FUVEST]: A chamada Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco, em 1710, deveu-se:

a) ao surgimento de um sentimento nativista brasileiro, em oposição aos colonizadores portugueses.

b) ao orgulho ferido dos habitantes da vila de Olinda, menosprezados pelos portugueses.

c) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e à aristocracia rural de Olinda pelo controle da mão de obra escrava.

d) ao choque entre comerciantes portugueses do Recife e a aristocracia rural de Olinda, cujas relações comerciais eram, respectivamente, de credores e devedores.

e) a uma disputa interna entre grupos de comerciantes, que eram chamados depreciativamente de mascates.

 

02. [UFPE]: O termo “nativismo” é utilizado pelos historiadores para designar “revoltas ou movimentos de resistência contra a dominação portuguesa”. Foram movimentos nativistas ocorridos no Brasil:

a) Mascates, Emboabas, Revolta de Beckman.

b) Guerra dos Bárbaros, Mascates.

c) Revolução de 1817, Confederação do Equador.

d) Revolução Praieira, Canudos, Quilombo dos Pal­mares.

e) Confederação dos Tamoios, Guerra dos Bárbaros.

01. [FUVEST]

Resposta: D

Ao longo do tempo, vemos que os aristocratas de Olinda se sentiam ameaçados pelos comerciantes portugueses de Recife, aos quais deviam grandes quantias em dinheiro. Assim que os comerciantes buscaram a sua autonomia política em relação a Olinda, os grandes proprietários de terra se mobilizaram militarmente afim de que tal situação não se concretizasse.

 

02. [UFPE]

Resposta: A

São consideras pela historiografia conflitos “nativistas” a Guerra dos Mascates, Guerra dos Emboabas e a Revolta Beckman, assim como proposto pela alternativa A da questão.

 

Compartilhe

TOPO