Fisiocracia

Escola de pensamento econômico caracterizada pela crença de que a política não deveria interferir nas leis econômicas naturais e que a terra é a fonte de toda riqueza.

A fisiocracia é um neologismo do século XVIII da origem grega: “physis” (natureza) e “kratia” (autoridade).

É o nome que François Quesnay e seus seguidores, os fisiocratas, deram na França de 1750 à nova ciência que via na natureza, especialmente na agricultura, a fonte de riqueza.

Fisiocracia: conceito

Segundo a fisiocracia, todas as coisas úteis e valiosas foram geradas, seguindo a imutável ordem natural das relações econômicas e sociais estudadas pela economia política.

Sua filosofia sobre o papel do governo é resumida na famosa frase: “Laissez faire, laissez passer, le monde va de lui même” (“Deixe fazer, deixe passar, o mundo vai por si mesmo), que basicamente significa deixar o equilíbrio econômico surgir do livre-arbítrio, acreditando que a economia é autorreguladora.

Em outras palavras, os fisiocratas imaginavam uma sociedade na qual as leis econômicas e leis naturais teriam pleno vigor e estaria em pleno acordo.

Desse modo, o fisiocracia era uma teoria da riqueza. Os fisiocratas, liderados por Quesnay, acreditavam que a riqueza das nações era derivada apenas do valor da agricultura.

A compreensão de Quesnay do valor agregado era bastante primitiva – ele não conseguia ver, por exemplo, como a manufatura poderia criar riqueza. Os agricultores, por outro lado, poderiam.

Como Karl Marx explica em “O Capital”, “os fisiocratas insistem que somente o trabalho agrícola é produtivo, já que, dizem eles, o rendimento é mais vantajoso”.

Os fisiocratas

A origem dessas ideias pode ser encontrada em numerosas obras, na França e na Grã-Bretanha, a partir do final do século XVII, mas a chamada escola fisiocrática foi fundada pelo médico francês François Quesnay.

Suas primeiras publicações foram no campo da medicina e foi esse conhecimento da circulação do sangue e sua crença no poder curativo da natureza que influenciaram suas análises econômicas posteriores.

O pensamento econômico de Quesnay foi ainda influenciado por Aristóteles e Tomás de Aquino. Seu maior trabalho foi o Tableau économique (1758), que, através de dados habilmente escolhidos, demonstrou a relação econômica entre uma oficina e uma fazenda e pretendia provar que a fazenda sozinha era responsável pela riqueza de uma nação.

O que os fisiocratas fizeram foi racionalizar os ideais econômicos medievais, empregando para isso os métodos filosóficos e científicos mais modernos.

Assim, em seus escritos, há uma mistura de pensamento conservador e revolucionário. Afirmaram, de maneira geral, que os preços eram determinados pelo custo de produção e pela oferta e demanda, mas supunham que houvesse um preço justo constante (chamado de “bon prix”) obtido sob um regime de livre comércio.

Por outro lado, alegavam que o governo deveria fixar a taxa de juros.

Esse pensamento econômico não sobreviveu por muito tempo. De fato, já havia sido atacado pelo pai do liberalismo econômico Adam Smith e logo seria também por outro liberal, David Ricardo.

Fisiocracia: principais características

  • Ordem natural: explicam que os fatos econômicos e sociais, ligados entre si, são regidos por leis naturais.
  • Agricultura como fator chave da atividade econômica: os fisiocratas defendiam que somente a agricultura tornava possível a criação de excedente, ou seja, riqueza adicional.
  • “Laissez-faire, laissez-passer” (deixe fazer, deixe passar): os setores públicos e privado devem observar e compreender as leis naturais, sem intervir ou criar obstáculos que possam afetar seu bom funcionamento. Defendiam assim a liberdade econômica.
  • Reforma tributária: propunham uma unificação dos impostos que teria como alvo principal os grandes proprietários de terra (a França no século XVII ainda apresentava traços do feudalismo, portanto, bastante agrária)
  • Direito à propriedade e trabalho: acreditavam que o direito a propriedade deveria se fundamentar no trabalho. Nesse ponto, concordavam com John Locke, que defendia os direitos individuais e o uso deles para justificar a propriedade privada.
  • Fisiocratas X mercantilistas: Enquanto os mercantilistas sustentavam que cada nação deveria regular o comércio e a manufatura para aumentar sua riqueza e poder, os fisiocratas, ao contrário, sustentavam que o trabalho e o comércio deveriam ser libertados de toda restrição.
  • Fisiocracia e liberalismo: qual a relação?

    A fisiocracia é considerada a versão francesa do liberalismo econômico. Portanto, existem aspectos em comum entre ambos, como, por exemplo, a defesa da não intervenção do Estado na economia.

    O lema da fisiocracia – “laissez faire, laissez passer” – é também utilizado pelo liberalismo.

    Porém, ao contrário do liberalismo, a fisiocracia acreditava que a riqueza de uma nação tinha sua origem no desenvolvimento e exploração da agricultura enquanto que, para Adam Smith, a fonte da riqueza estava na divisão e especialização do trabalho na produção de artigos manufaturados, sendo esta a principal diferença entre esses dois pensamentos econômicos.

    Referências

    O Pensamento Econômico em Perspectiva: uma história crítica – J.K. Galbraith
    Smith, Ricardo e Marx – C. Napoleoni
    Obras Econômicas; Quadro Econômico dos Fisiocratas – F. Quesnay, W. Petty

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [PUC]

Assinale a opção em que se encontra corretamente identificado um dos preceitos fundamentais da Fisiocracia:

a) “O ouro e a prata suprem as necessidades de todos os homens.”

b) “Os meios ordinários, portanto, para aumentar nossa riqueza e tesouro são o comércio exterior.”

c) “Que o soberano e a nação jamais se esqueçam de que a terra é a única fonte de riqueza e de que a agricultura é que a multiplica.”

d) “Todo comércio consiste em diminuir os direitos de entrada das mercadorias que servem às manufaturas interiores (…)”

e) “As manufaturas produzirão benefícios em dinheiro, o que é o único fim do comércio e o único meio de aumentar a grandeza e o poderio do Estado.”

Resposta: C

2. [CESGRANRIO]

“Que nunca percam de vista o Soberano e a Nação o fato de a terra ser a única fonte das riquezas e que a agricultura as multiplica. Que a propriedade dos bens de raiz e das riquezas mobiliárias seja assegurada aos seus possuidores legítimos, pois a segurança da propriedade é o fundamento essencial da ordem econômica da Sociedade.” QUESNAY, François. Maximes Generales du Government Economique). François Quesnay, médico do rei francês, lançou as bases do pensamento liberal fisiocrata, o qual:

a) preconizava que o aumento populacional determinava a escassez de recursos naturais e, consequentemente, crises de abastecimento;

b) relacionava a necessidade de se manter a ordem socioeconômica ao montante de investimentos industriais;

c) explicitava as aspirações das massas camponesas que tencionavam destruir o feudalismo;

d) defendia a valorização da nobreza territorial, a supremacia e a centralização do poder real;

e) defendia as aspirações burguesas e criticava a intervenção estatal na vida econômica.

Resposta: E

Compartilhe nas redes sociais

TOPO