Filosofia da Ciência

A filosofia da ciência é o ramo filosófico e científico que questiona a ciência, seus limites e, igualmente, o saber científico.

A filosofia da ciência busca ser a questionadora maior das hipóteses que abrangem o método científico. Ela reflete, questiona e provoca o saber científico, de modo a desenvolvê-lo.

Enquanto a ciência se posiciona em estudar problemas específicos de fenômenos naturais, a filosofia busca o estudo mais abrangente e geral. Em última análise, porém, o estudo de ambos em conjunto não é algo que se torna contraditório, e sim os complementa.

Dessa maneira, a filosofia da ciência busca questões que norteiam as hipóteses, teorias e a própria ciência como saber. Isso se dá como forma de instigar, provocar e auxiliar no próprio desenvolvimento da ciência.

filosofia da ciência
(Imagem: Reprodução)

Assim, temos as principais questões norteadoras da filosofia da ciência como:

  • Quais os limites da ciência?
  • Qual o valor desta?
  • Para que ela serve?
  • Qual a especialidade da ciência?

Importante ressaltar que o fato de questionar a ciência não é uma forma de refutá-la como já concretizada. Mas sim instigar ao desenvolvimento maior, sempre visando o aprimoramento desta ou daquela hipótese.

Origem da filosofia da ciência

Durante o contexto da Revolução Industrial e do ápice das expedições exploratórias nas Américas, uma busca por entender fenômenos naturais cresce. Dessa maneira, duas correntes de como o ser humano deveria se aproximar da natureza surgem:

  1. Nietzsche defendia que o conhecimento profundo da natureza só seria possível pela força e dominação; todo o conhecimento implica, na realidade, em desejo pelo poder;
  2. Bronowski, no entanto, defendia que o homem não dominava a natureza pela força, mas sim por sua capacidade de compreensão;

Dessa forma, questões norteadoras emergem: afinal, para que serve esse conhecimento científico? Como ele deve ser utilizado? Quais as necessidades e interesses que o envolvem?

Principais filósofos da ciência

Dentre os principais filósofos da ciência, cita-se, principalmente:

  • Isaac Newton
  • René Descartes
  • Nietszche
  • Charles Darwin
  • Karl Popper
  • Albert Einstein

Limites que a ciência deve, deveria ou precisaria ter

A filosofia da ciência faz, igualmente, questionamentos à ciência. Muitas pesquisas, segundo ponderam filósofos da área, podem trazer benefícios, como também malefícios à população. O campo questionador é denominado como ética científica.

Exemplo disso é os estudos relativos ao DNA. Ao descobrir-se a decodificação de genes e do próprio DNA em meados dos anos 1950, um leque biológico foi aberto no campo das ciências da saúde.

O benefício foi a descoberta de curas para doenças tidas, à época, como incuráveis. No entanto, o desenvolvimento das técnicas – bem como a adaptação e evolução de agentes patógenos – pode vir a criar uma seleção natural de doenças incuráveis.

Dessa maneira, a filosofia da ciência se ocupa com as questões norteadoras que abrangem um cenário de estudo científico. Dos motivos que levem à pesquisa à sua utilidade em benefício de um todo social.

O que diferencia a ciência de outros campos diz respeito ao método utilizado, que deve ser rigoroso, imparcial e seguido à risca. Não que a ciência deva ser estática, mas deverá questionar, provocar e fundamentar questões já elaboradas.

Referências

AZEVEDO, Gislane e SERIACOPI, Reinaldo. Editora Ática, São Paulo-SP, 1ª edição. 2007, 592 p.

Mateus Bunde
Prof. Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Compartilhe nas redes sociais

TOPO