Estado de Natureza

O Estado de Natureza expõe as necessidades do homem retomar a sua fase primitiva para compreender o futuro/presente.

O Estado de Natureza faz referência à condição de que o homem, para segurança própria, depende da própria força, engenho e manuseio para evitar os perigos.

Desde os primórdios, o ser humano desenvolveu uma linha do tempo que partiu de um estado primitivo. Este estado primitivo pode também ser chamado de estado de natureza, a qual faz referência ao início do processo de civilização.

Em contrapartida, atualmente, não há um estado estabelecido. O Estado de Sociedade, hoje observado, é aquele em que todos os integrantes do mesmo âmbito social estão subjugados a um poder maior.

É consenso, no entanto, que os humanos não foram destinados a viver eternamente em estado de natureza. Muito pelo contrário, a observação evolutiva no homem possibilitou que o próprio, mesmo em estado primitivo, percebesse, mesmo intrinsecamente, a possibilidade de evoluir.

Para isso, é necessário o desenvolvimento ético, intelectual, físico (em menor escala, e mais com relação ao interior que o exterior corporal) e moral para não retornar ao estado de berço da civilização.

estado de natureza
(Imagem: Reprodução)

Hobbes, Locke e a visão sobre o Estado de Natureza

Em Leviatã e Segundo Tratado Sobre o Governo, de Hobbes e Locke, respectivamente, o tema pode muito bem ser visto exposto. As passagens dos filósofos iluministas indicam a evolução/passagem do ser humano a partir de contratos sociais.

Em Hobbes, os homens teriam renunciado o direito a todas as coisas, sejam elas de consumo, sejam elas oriundas da própria liberdade. Enquanto isso, em Locke, o homem teria renunciado ao próprio poder pessoal e natural de julgar, executar e escolher o próprio caminho.

Este pacto em tratado limita o poder pessoal, transformando-o em soberano para outrem. Tal pacto, assim, teria a necessidade de manter a paz e garantir a justiça entre os seres humanos dentro de um meio social.

Garantir a propriedade é um direito e uma possibilidade, e a vida entre seres em sociedade conjunta passa a ser uma possibilidade.

Concepções acerca do estado de natureza

De acordo com Hobbes, o estado de natureza representa o estado de igualdade social e natural. Deus, segundo ele, não teria privilegiada ninguém.

A natureza, para o filósofo, fez com que todos os homens fossem iguais – apesar de alguns apresentarem maior força física, enquanto outros um espírito vívido. No fim, para ele, todos se igualariam a partir do conjunto.

Apenas no estado de natureza o homem teria a possibilidade de desfrutar ao máximo das paixões mais naturais possíveis. Sendo assim, a disputa/guerra entre os cidadãos se torna inevitável, afinal não há como existir a paz em um âmbito que resida a restrição às vontades pessoais.

“Durante o tempo em que os homens vivem sem um poder comum capaz de mantê-los a todos em respeito, eles se encontram naquela condição a que se chama guerra; e uma guerra que é de todos os homens contra todos os homens” (Hobbes, 1974, p. 79)

Locke também fará menção em compreender o estado de natureza a partir da própria naturalidade do homem. No entanto, fará discordâncias a Hobbes no que tange a liberdade, igualdade e escolhas dispostas por Deus.

Diferentemente de Hobbes, Locke desacredita em um estado de natureza com requintes de guerra entre os integrantes do meio social. Para Locke, o estado de natureza seria coordenado a partir de uma lei natural, onde os homens se estabeleceriam em acordo mútuo e moral, ao fim dos conflitos.

Referências

AZEVEDO, Gislane e SERIACOPI, Reinaldo. Editora Ática, São Paulo-SP, 1ª edição. 2007, 592 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Como referenciar este conteúdo

Bunde, Mateus. Estado de Natureza. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/historia/estado-de-natureza. Acesso em: 06 de May de 2021.

Compartilhe

TOPO