Comuna de Paris

A Comuna de Paris foi a primeira tentativa de governo popular (proletário) em que representantes dos trabalhadores franceses governaram Paris por dois meses em 1871.

A Comuna de Paris governou a capital francesa de 18 de março a 28 de maio de 1871, com influências anarquistas e socialistas.

Podemos dizer que a Comuna de Paris era a autoridade local que ficou no poder em Paris por apenas dois meses e que, apesar do breve período, é considerada por muitos historiadores a primeira experiência de revolução socialista vitoriosa.

Contexto histórico

Os homens da Comuna

A guerra com a Prússia, iniciada por Napoleão III em julho de 1870, teve resultados desastrosos para os franceses e, em setembro, a própria Paris estava sitiada.

Enquanto isso, a diferença entre ricos e pobres na capital ficava cada vez maior.

O que levou os parisienses, especialmente os trabalhadores e as classes médias-baixas, a defender uma república democrática e mais justa.

Uma exigência específica era que ela fosse autogovernada, possuindo seu próprio conselho eleito. Desejavam também um sistema econômico justo e resumiam suas vontades no grito: “vive la république démocratique et sociale!” (viva a república democrática e social!).

Esses trabalhadores de Paris possuíam uma grande consciência política. Isso se deve ao fato de serem herdeiros do pensamento defendido pelos jacobinos, aquele grupo social que durante a Revolução Francesa (1789) era conhecido por ser radical e a favor das causas sociais.

Era um momento de grande agitação política no qual os trabalhadores parisienses se uniram contra patrões e contra o próprio governo francês.

Causas: por que aconteceu a Comuna de Paris

A Comuna de Paris aconteceu, sobretudo, pelo forte ressentimento da guerra com a Prússia que havia devastado a economia da França.

Aliado a isso, os operários franceses também uniram o ódio à classe dominante, responsabilizando toda a burguesia francesa pelos resultados da guerra (a economia devastada, principalmente).

Desse modo, em março de 1871, descontentes com o rumo que a guerra havia levado à França, a rebelião operária e popular estava pronta e foi assim que, indignados, os trabalhadores da capital francesa pegaram em armas e criaram a Comuna de Paris: seu próprio governo local.

De modo resumindo, a Comuna foi um órgão de governo formado por representantes da população trabalhadora, eleitos por voto direto com membros que vinham principalmente de grupos políticos socialistas e radicais.

A influencia da Comuna para o pensamento marxista

Karl Marx, o fundador do comunismo, estudou as razões do fracasso da Comuna. Segundo ele, o fracasso se deveu à falta de verdadeiros revolucionários.

Mesmo assim, Marx acreditava que a Comuna foi o primeiro exemplo da “ditadura do proletariado”, que é uma forma de governo participativo, em que todo o poder estava nas mãos de pessoas comuns, do povo.

Vladmir Lenin também foi influenciado pela organização das Comunas e modelou seus sovietes (os conselhos operários) a partir das ideias de autogestão estabelecidas pelos próprios revolucionários franceses.

Dessa forma, revolução de 1871 foi uma importante influência na Revolução Russa que viria algumas décadas depois, em 1917.

Principais reivindicações

Entre as principais reivindicações da Comuna de Paris estão:

  • Igualdade civil entre homens e mulheres;
  • Pensão para órfãos e viúvas;
  • Abolição do trabalho noturno em padarias;
  • Separação entre Igreja e Estado;
  • Voto das mulheres (sufrágio universal);
  • Jornada de trabalho de 10 horas;
  • Aumento dos salários;
  • Imposto justo que taxasse principalmente os mais ricos;
  • Educação gratuita;
  • Aplicação dos imposto em serviços públicos.

Como terminou a Comuna de Paris

Quando o governo da França liderado por Adolphe Thiers concordou com um tratado de paz com a Prússia, a supressão da Comuna tornou-se inevitável.

Com a ajuda secreta alemã, que ainda ocupava território na França, Adolphe Thiers enviou uma grande força militar para Paris.

Nesse cenário, a Comuna não conseguia atrair a simpatia da maioria da população, composta por camponeses, e tinha ainda contra si o ódio dos grupos dominantes.

Esses grupos dominantes (burguesia francesa) se uniram às tropas de Adolphe Thiers, formaram seu próprio governo em Versalhes e marcharam sobre Paris, ocupando-a em 21 de maio de 1871.

Esse exército francês bombardeou Paris. Os rebeldes resistiram furiosamente e essa semana entre 21 e 28 de maio ficou conhecida como a “Semana Sangrenta”.

O exército francês esmagou brutalmente os rebeldes e executou sumariamente muitos membros da Comuna. No final dos combates, estima-se que 20 mil pessoas tenham morrido e outras 25 tenham ficado feridas.

Ainda, muitos membros da Comuna foram presos e enviados para colônias penais na Guiné Francesa. O governo francês conseguiu reafirmar seu controle sobre Paris e, logo depois que a Comuna foi esmagada, os prussianos se retiraram da França.

Entenda mais sobre o assunto

Selecionamos abaixo três vídeos sobre a Comuna de Paris para você ficar ainda mais craque nesse tema.

História Geral: Comuna de Paris

De forma descontraída, o professor Pedro Renno narra os principais fatos da Comuna de Paris que são cobrados nos vestibulares e também no ENEM.

História: a Comuna de Paris

Em pouco mais de treze minutos, esse vídeo narra toda a Comuna de Paris desde sua origem.

A Comuna de Paris: nossa Primeira Revolução

Ative as legendas e veja essa animação bastante completa sobre a Comuna de Paris em inglês.

Portanto, concluímos que a Comuna de Paris foi uma revolução fracassada que tentou cumprir as ideias mais radicais da Revolução Francesa de 1789.

Foi brutalmente reprimida e deixou a França sem grandes agitações políticas até 1968. No entanto, as ideias e o exemplo da Comuna de Paris tiveram influência decisiva sobre Marx e Lenin e continua sendo estudada até hoje, especialmente nos círculos de esquerda.

Referências

A Comuna de Paris, 1871 – Stewart Edwards
História Geral – Divalte Garcia Figueira

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [UFRS]

Considere as seguintes afirmações sobre a Comuna de Paris.

I – Ocorreu como desdobramento imediato da crise provocada pela queda de Napoleão III e a consumação da derrota francesa ante a Prússia em 1871;

II – Apresentou importantes medidas de cunho popular-progressista, visando dissolver o exército permanente, separar a Igreja do Estado, instituir o ensino gratuito e entregar as fábricas à direção dos trabalhadores;

III – Constituiu o exemplo histórico europeu mais bem-sucedido, no século XIX, de conquista do poder pela burguesia liberal.

Quais estão corretas?

a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas III.
d) Apenas I e II.
e) Apenas I e III.

Resposta: D
Não foi a burguesia liberal que atuou na Comuna de Paris, mas sim os trabalhadores (proletariado) parisienses.

2. [FGV]

Até hoje se sonha com uma sociedade perfeita, justa e harmoniosa – utópica. No século XIX, o Romantismo produziu muitas utopias, que influenciaram duas correntes ideológicas diferentes: o socialismo e o nacionalismo. A partir de 1848, tais ideias passaram para o campo concreto das lutas sociais na Europa. Já nas novas áreas de domínio colonial, o nascente nacionalismo assumiu o caráter de luta contra a exploração e a presença estrangeira. Respectivamente, os movimentos que exemplificam o socialismo, o nacionalismo na Europa e o nacionalismo contra o domínio europeu são:

a) a Comuna de Paris, a unificação da Alemanha e a Revolta dos Boxers.
b) o ludismo, a independência da Grécia e a Guerra dos Cipaios.
c) a Internacional Socialista, a Revolução do Porto e a Guerra do Ópio.
d) a Revolução Praieira, a independência da Bélgica e a Guerra dos Bôeres.
e) o Cartismo, a unificação da Itália e a Revolução Meiji.

Resposta: A
A Comuna de Paris é um exemplo de socialismo, a unificação da Alemanha de nacionalismo europeu e a Revolta dos Boxers exemplifica o nacionalismo contra o domínio europeu, respectivamente.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO