Batalha de Waterloo

A Batalha de Waterloo, que ocorreu na Bélgica em 18 de junho de 1815, marcou a derrota final de Napoleão Bonaparte, que conquistara grande parte da Europa no início do século XIX.

Em junho de 1815, Napoleão e seu exército da França foram definitivamente derrotados em Waterloo na Bélgica, frente a um exército internacional comandado pelo Duque Wellington da Inglaterra.

A Batalha de Waterloo significou o fim do projeto de expansão imperialista francês encerrando 23 anos de guerra recorrente entre a França e as outras potências da Europa e terminou com Napoleão preso e exilado pelos britânicos na ilha de Santa Helena em 15 de outubro de 1815, onde veio a falecer em maio de 1821.

Batalha de Waterloo: principais acontecimentos

iStock

A Batalha de Waterloo Foi travada durante a restauração dos Cem Dias de Napoleão, a 5 km ao sul da vila de Waterloo (sul de Bruxelas), entre os 72 mil soldados de Napoleão e as forças combinadas do duque de Wellington (com unidades formadas por cerca de 60 mil soldados britânicos, holandeses, belgas e alemães e cerca de 45 mil prussianos).

Acontecimentos anteriores

Tendo sido exilado na ilha de Elba em maio de 1814, Napoleão retornou à França em 1 de março de 1815, chegando perto de Cannes com mil homens.

Enquanto marchava em direção a Paris, ganhou apoio do campesinato rural e o rei Luís XVIII fugiu do país antes da chegada de Napoleão à capital em 20 de março.

Pouco tempo depois, foi decidido que os exércitos aliados (Grã-Bretanha, Prússia, Áustria e Rússia), deveriam se reunir ao longo da fronteira francesa e marchar sobre Paris por rotas convergentes.

No entanto, o tempo necessário para que os russos chegassem ao Reno atrasaria a invasão até o início de julho, o que permitiu a Napoleão a oportunidade de organizar suas defesas.

Em 27 de abril, Napoleão decidiu atacar as tropas do duque Wellington no sul da Holanda (atual Bélgica), na esperança de derrotá-los antes que os austríacos e os russos pudessem trazer suas forças para lutar.

A campanha aliada contra Napoleão começou a sério no início de junho, mas os exércitos que se reuniram na Bélgica eram de qualidade duvidosa, incluindo centenas de recrutas.

Assim, a maioria das tropas dispostas contra Napoleão não era páreo para a força francesa altamente entusiasta e em grande parte veterana.

Em junho de 1815, as forças de Napoleão marcharam para a Bélgica, onde exércitos separados das tropas britânicas e prussianas estavam acampados.

Na Batalha de Ligny, em 16 de junho, Napoleão derrotou os prussianos sob o comando de Gebhard Leberecht von Blucher. Contudo, os franceses foram incapazes de destruir totalmente o exército prussiano.

Governo dos 100 dias

O período entre o retorno de Napoleão do exílio na ilha de Elba ao governo da França em 20 de março de 1815, e a segunda restauração do rei Luís XVIII em 8 de julho de 1815 ficou conhecido como Governo dos 100 dias.

Amplamente apoiado pelos militares franceses, este período viu a Guerra da Sétima Coalizão e inclui a Campanha de Waterlo e várias campanhas menores nesse curto espaço de tempo.

Batalha de Waterloo: 18 de junho de 1815

Em 18 de junho, Napoleão liderou o seu exército de cerca de 72.000 soldados contra o exército britânico de 68.000 homens, que se encontrava ao sul de Bruxelas, perto da vila de Waterloo.

O exército britânico, que incluía tropas belgas, holandesas e alemãs, foi comandado por Arthur Wellesley, duque de Wellington, que ganhou destaque lutando contra os franceses durante a Guerra Peninsular.

Em um erro crítico, Napoleão esperou até o meio-dia para dar o comando para atacar, a fim de deixar o solo encharcado secar após a tempestade da noite anterior.

Esse atraso de Napoleão permitiu as tropas remanescentes de Blucher, do exército da Prússia, marchar até Waterloo e se juntar às tropas aliadas mais tarde naquele dia (eram cerca de 30 mil homens).

Embora as tropas de Napoleão montassem um forte ataque contra os britânicos, a chegada dos prussianos mudou a tendência contra os franceses fazendo o exército em menor número do imperador francês recuar.

Segundo algumas estimativas, os franceses sofreram mais de 33 mil baixas (incluindo mortos, feridos ou levados como prisioneiros), enquanto as baixas britânicas e prussianas somaram mais de 22 mil.

A derrota de Napoleão e consequências

Cansado e com problemas de saúde durante a campanha belga, Napoleão cometeu erros táticos e agiu de forma indecisa como também nomeou para comando nomes com pouco conhecimento de batalha.

A Batalha de Waterloo marcou o fim da célebre carreira militar de Napoleão que teria fugido da batalha em lágrimas.

Em 22 de junho de 1815, Napoleão novamente abdicou. Naquele mês de outubro, ele foi exilado na remota ilha britânica Santa Helena, no sul do Oceano Atlântico e vindo a falecer em 5 de maio de 1821, aos 51 anos, provavelmente por câncer de estômago.

Napoleão foi enterrado na Ilha de Santa Helena, entretanto, em 1840, seus restos mortais foram devolvidos à França e sepultados em uma cripta no Les Invalides, em Paris, onde outros líderes militares franceses foram enterrados.

Curiosidades sobre a Batalha de Waterlooo

iStock
  • Hoje, a expressão de que alguém “conheceu Waterloo” significa que a pessoa sofreu uma derrota ou um revés decisivo ou final.
  • Hemorróidas podem ter sido o verdadeiro “Waterloo” de Napoleão. Conforme detalhado no livro de Phil Mason, “Hemorróidas de Napoleão: e outros pequenos eventos que mudaram a história”, alguns estudiosos acreditam que o líder militar francês sofreu um doloroso surto de hemorróidas na manhã da Batalha de Waterloo que o impediu de cavalgar campo de batalha como era seu costume e poderia ter contribuído para sua derrota.
  • Poucas horas depois do fim da batalha, moradores locais usando alicates, bem como pequenos martelos e formões, começaram a remover os dentes da frente de dezenas de milhares de soldados mortos no campo de batalha. Com a demanda por dentes humanos em alta, os saqueadores venderam os dentes furtados para os dentistas que os transformaram em dentaduras.
  • O tratado de paz acordado entre a França e as potências europeias em novembro de 1815 reduziu o tamanho do território francês e exigiu que o país derrotado pagasse uma enorme indenização ao longo de cinco anos. Em reconhecimento ao seu serviço, o Parlamento concedeu ao Duque de Wellington 200.000 libras britânicas, o equivalente a 15 milhões de libras britânicas hoje.

Referências

A Batalha de Waterloo – Andrew Roberts
Waterloo: A história de quatro dias, três exércitos e três batalhas. O confronto que deteve Napoleão – Bernard Cornwell

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [IBMEC]

A expansão napoleônica no século XIX influenciou decisivamente vários acontecimentos históricos no período. Entre esses acontecimentos, podemos destacar:

a) A Independência dos Estados Unidos. Com a atenção da Inglaterra voltada para as batalhas com a marinha napoleônica, os colonos americanos declararam sua independência, vencendo rapidamente os ingleses.

b) A formação da Santa Aliança, um pacto militar entre Áustria, Prússia, Inglaterra e Rússia que evitou a eclosão de movimentos revolucionários na Europa e impediu a independência das colônias espanholas e inglesas na América.

c) A Independência do Brasil. Com a ocupação de Portugal pelas tropas napoleônicas, houve um enfraquecimento da monarquia portuguesa que culminou com as lutas pela independência e o rompimento de D. Pedro I com Portugal.

d) A Independência das colônias espanholas. Em 1808, a Espanha foi ocupada pelas tropas napoleônicas ao mesmo tempo em que se difundiam os ideais liberais da Revolução Francesa que inspirou as lutas pela independência.

e) O Congresso de Viena. A França de Napoleão assinou um pacto com a Áustria, Inglaterra e Rússia cujo objetivo maior era estabelecer uma trégua e reorganizar todo o mapa europeu.

Resposta: D
A invasão de Portugal pelas tropas napoleônicas em 1807 teve como consequência a vinda da família real portuguesa para o Brasil, o que elevou a condição do país que passou a ser de Reino Unido, junto a Portugal e Algarves.

2. [UFMG]

Antes, Napoleão havia levado o Grande Exército à conquista da Europa. Se nada sobrou do Império continental que ele sonhou fundar, todavia ele aniquilou o Antigo Regime, por toda parte onde encontrou tempo para fazê-lo; por isso também seu reinado prolongou a Revolução, ele foi o soldado desta, como seus inimigos jamais cessaram de proclamar. (LEFBVRE, Georges. A Revolução Francesa. São Paulo: IBRASA, 1966. p 573.)

Tendo em vista a expansão dos ideais revolucionários proporcionada pelas guerras conduzidas por Bonaparte, é CORRETO afirmar que:

a) os governos sob influência de Napoleão investiram no fortalecimento das corporações de ofício e dos monopólios.

b) as transformações provocadas pelas conquistas napoleônicas implicaram o fortalecimento das formas de trabalho compulsório.

c) Napoleão, em todas as regiões conquistadas, derrubou o sistema monárquico e implantou repúblicas.

d) o domínio napoleônico levou a uma redefinição do mapa europeu, pois fundiu pequenos territórios, antes autônomos, e criou, assim, Estados maiores.

e) Os países da Península Ibérica, como Portugal e Espanha, foram os únicos do continente Europeu a não serem afetados pelas guerras napoleônicas.

Resposta: D
As guerras napoleônicas alteraram as fronteiras europeias, pois, Vários dos Estados que adotavam o “Antigo Regime” foram destituídos de sua legitimidade por Napoleão e anexados ao Império Francês na sequência.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO