UNASUL

A UNASUL é formada por Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

A UNASUL, sendo a sigla para União de Nações Sul-Americanas, é um bloco que abrange a reunião dos doze países da América do Sul. Entre eles estão Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela.

O principal objetivo ao fomentar o bloco foi estreitar a integração e parceria entre os países da América do Sul. Assim, a UNASUL teria um objetivo muito mais de relações do que interesses propriamente voltados para atividades econômicas.

unasul
Último encontro entre integrantes da UNASUL. (Imagem: Reprodução)

Os antecedentes a UNASUL

A UNASUL é um bloco recente, entretanto com uma ideia de integração entre países já antiga. A independência das colônias sul-americanas proveu um instinto de póstera integração econômica entre os países da América do Sul.

Visto como uma forma de sobreviver às dependências econômicas da colônia e de desenvolvimento da economia, a parceria parecia viável. Ao longo dos séculos XIX, XX e XXI, por diversas vezes, tentativas de promoção da união entre países foram arquitetadas.

A fim de estabelecer uma maior união entre os países, houve a criação de algo que se assemelharia à presente UNASUL, no século XIX. Foi apenas em 1991, com o Mercosul, que o objetivo de estabelecer uma zona de livre-comércio entre países foi consolidado.

Com uma política de reduzir embargos na alfândega, como também uma tarifa única de negociações em comum, o Mercosul se tornou uma política muito consistente. Ainda assim, apesar da dinamização econômica criada pelo bloco, o Mercosul não conseguiu integrar todos os países do continente.

A integração econômica se tornou seleta, abrangendo apenas Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela. Tendo em vista o número pequeno de integrantes, recorrentes crises nos países-membros enfraqueciam o bloco.

A criação da UNASUL

A fim de consolidar o objetivo de unificação das economias de todos os países da América do Sul, em 2004 foi proposta uma ideia de criação de Comunidade Sul-Americana.

A ideia visava a promoção de desenvolvimento social, cultural, ambiental e, claro, econômico entre os países. Juntos, erguer um continente abatido por sucessivas extorsões de seus colonizadores.

Dessa forma, em 2008, todos os doze países assinaram um documento instituindo o bloco de unificação, em Brasília. A partir desse ano, o bloco recebeu o nome de UNASUL.

Os objetivos do bloco

A UNASUL, diferentemente do Mercosul, que visava a criação de uma zona de livre-comércio, tinha os moldes semelhantes ao da União Europeia. O modelo abrange a criação de um espaço de integração entre as nações.

Dessa forma, o tratado que constituiu a criação da UNASUL aborda:

  • Valorização cultural: criação de uma identidade própria da América do Sul com valorização cultural da diversidade existente no continente;
  • Desenvolvimento social: estabelecer ações que busquem a erradicação da pobreza, o fim do analfabetismo e o acesso universal à cultura e à educação de qualidade, bem como aos serviços de saúde;
  • Aprimoramento econômico: desenvolver a cooperação comercial entre os países, a fim de estimular a matriz energética e a integração das indústrias;
  • Relacionamento político: estabelecer ações que vigorem a força política e democrática dos países do bloco, combate ao terrorismo, à corrupção e ao crime organizado;
  • Zelo ambiental: fomentar ações que protejam a rica biodiversidade de fauna e flora existente na América do Sul, como também propor medidas que reduzam os impactos ambientais no continente;
  • Evolução científica: criação de projetos de política, valorização e inovação dos conhecimentos tecnológicos que abranjam os países integrantes da UNASUL;

Referências

AZEVEDO, Gislane e SERIACOPI, Reinaldo. História Volume Único. Editora Ática, São Paulo-SP, 1ª edição. 2007, 592 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Exercícios resolvidos

1. [UFRGS]

Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto abaixo, na ordem em que aparecem.

A América Latina ocupa posição periférica na economia mundial. Os países da região ora adotam políticas que reforçam esta sua posição, ora defendem propostas alternativas em relação às economias centrais.

Uma das políticas das economias centrais para manter a posição periférica dos demais países é a ___________________; e um projeto internacional destinado a inibir as iniciativas de autonomia e integração dos países latino-americanos é _______________.

a) neoliberal – o Acordo de Livre Comércio das Américas (Alca)

b) liberal – a Comissão Econômica para a América Latina (Cepal)

c) populista – o Mercado Comum do Cone Sul (Mercosul)

d) socialista – a Associação Latino-Americana de Livre Comércio (Alalc)

e) nacionalista – a Organização dos Estados Americanos (OEA)

Resposta: A

2. [UFPB]

O Mercosul e outros blocos econômico-comerciais, como o Pacto Andino, o Mercado Comum Centro-Americano, o CARICOM (Comunidade do Caribe) e a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), constituem tentativas de integração de alguns países latino-americanos para promover os seus interesses diante do comércio internacional.

Considerando as relações entre o Mercosul e outros blocos econômicos, é correto afirmar:

a) A atual parceria entre o Mercosul e a União Europeia representa um significativo contrapeso geopolítico ao poderio hegemônico dos Estados Unidos da América.

b) A aproximação entre o Mercosul e a União Europeia não é relevante para os EUA, visto que, em 1990, houve um aumento de trocas comerciais entre esse país e o MERCOSUL.

c) Os subsídios agrícolas, fornecidos pela União Europeia aos seus agricultores, aumentam a possibilidade de competitividade dos produtores rurais do Mercosul.

d) O Produto Nacional Bruto (PNB) do Mercosul, entre 1999 e 2001, sofreu considerável redução, devido à desvalorização das moedas do Brasil e da Argentina, apesar do alto crescimento econômico desses países.

e) As economias latino-americanas são pouco diversificadas, dificultando, assim, um incremento das relações comerciais entre o Mercosul, os EUA e a União Europeia.

Resposta: A

Compartilhe nas redes sociais

TOPO