Tipos de solo

Os tipos de solo se dividem em cinco variações diferentes e principais, sendo: arenoso, argiloso, siltoso, húmico, e cárstico.

Como diferenciar os variados tipos de solo? Antes de tudo é preciso definir situações específicas. Ao ficarem expostas às condições físicas, químicas e biológicas diferentes daquelas que as originaram, as camadas mais superficiais da crosta terrestre sofrem diferentes modificações nos minerais que compõem as rochas, em um processo conhecido por intemperismo, que dá origem aos solos.

Solo é, portanto, a camada da rocha que sofreu algum tipo de transformação (desagregação e decomposição) que alterou seu arranjo original.

É um sistema vivo, isto é, um recurso natural que dá suporte aos vegetais e onde se desenvolvem diferentes ecossistemas.

Os solos estão na base da sustentação dos vegetais e de diversas espécie animais, incluindo o homem. Neles, as plantas fixam suas raízes, obtêm nutrientes, água e oxigênio.

A atividade agrícola depende das boas condições do solo para se desenvolver. Eles também armazenam água das nascentes dos rios e dão sustentação às edificações e infraestruturas que construímos.

São compostos por quatro elementos: água, ar, partículas minerais e matéria orgânica.A combinação desses elementos irá determinar as características dos solos, isto é, fertilidade, porosidade, consistência etc.

Tipos de solo

O solo é um dos principais recursos naturais, pois dele deriva os alimentos que consumimos.

Ao contrário do que se possa imaginar, os solos brasileiros – localizados quase todos em regiões tropicais – são bastante frágeis, pois estão em áreas onde o intemperismo e o uso são intensos e as técnicas de manejo são precárias.

A EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) caracteriza os solos de acordo com sua morfologia, propriedades químicas, físicas, biológicas e mineralógicas.

A composição dos solos influencia a sua fertilidade, modifica a sua textura e permite que estes sejam classificados. Existem diversos tipos de solos:

Solos arenosos

Os solos arenosos são aqueles tipos de solo cujas dimensões dos seus grãos estão compreendidos entre 2mm e 0,075mm, sendo formados principalmente por cristais de quartzo e oxido de ferro no caso de solos de regiões tropicais.

Têm boa aeração, ou seja, a água e o ar penetram com mais facilidade nele. O solo arenoso tem um teor em areia superior a 70%. O deserto é o exemplo mais comum dos solos arenosos. Como é um solo permeável, seca depressa, e para se plantar nele há que irrigá-lo frequentemente.

tipos de solo
Imagem: Reprodução

Solos argilosos

Não são tão arejados como os arenosos mas armazenam mais água. Como são menos permeáveis, a água passa de uma forma mais lenta, ficando então armazenada.

Alguns solos, mesmo tendo muita argila, apresentam grande permeabilidade. Na sua composição existem quantidades consideráveis de óxidos de alumínio (gibbsita) e de ferro (goethita e hematite), formando grãos pequenos, semelhantes aos do pó do café, conferindo ao solo uma textura semelhante à do arenoso.

tipos de solo
Imagem: Reprodução

Solos siltosos

Possuem uma grande quantidade de silte, também conhecido como “poeira de pedra”, sendo por isso muito erodíveis. A silte não se mistura como a argila, as suas partículas são muito pequenas e leves.

tipos de solo
Imagem: Reprodução

Solos húmicos

Dentre os vários tipos de solo, os humícos apresentam uma quantidade muito superior de húmus em relação aos outros. É um solo geralmente fértil, ou seja, um solo onde as plantas encontram melhores condições para se desenvolverem.

tipos de solo
Imagem: Reprodução

Solos cársticos

A quantidade de calcário presente nestes tipos de solo é muito superior que nos outros. Deste tipo de solo é retirado um pó branco ou amarelado, que pode ser utilizado na fertilização dos solos destinados à agricultura e à pecuária.

Este tipo de solo também fornece a matéria-prima (substância principal com que é fabricada) para a fabricação de cal e do cimento, que são utilizados na construção civil.

tipos de solo
Imagem: Reprodução

Referências

Decifrando a Terra – W. Teixeira, M. Toledo

EDUCAR USP –  Observando o solo

EMBRAPA – Solos para Todos

 

Luana Bernardes
Prof. Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Teste seu conhecimento

01. [ENEM]:

TEIXEIRA, W. et al. Decifrando a Terra. São Paulo: Nacional, 2009 (adaptado).

O gráfico relaciona diversas variáveis ao processo de formação do solo. A interpretação dos dados mostra que a água é um dos importantes fatores de pedogênese, pois nas áreas

a) de clima temperado ocorrem alta pluviosidade e grande profundidade de solos.

b) tropicais ocorre menor pluviosidade, o que se relaciona com a menor profundidade das rochas inalteradas.

c) de latitudes em torno de 30° ocorrem as maiores profundidades de solo, visto que há maior umidade.

d) tropicais a profundidade do solo é menor, o que evidencia menor intemperismo químico da água sobre as rochas

e) de menor latitude ocorrem as maiores precipitações, assim como a maior profundidade dos solos.

02. [UNICAMP]: Solo é a camada superior da superfície terrestre, onde se fixam as plantas, que dependem de seu suporte físico, água e nutrientes. Um perfil de solo é representado na figura abaixo. Sobre o perfil apresentado é correto afirmar que:

a) O horizonte (ou camada) O corresponde ao acúmulo de material orgânico que é gradualmente decomposto e incorporado aos horizontes inferiores, acumulando-se nos horizontes B e C.

b) O horizonte A apresenta muitos minerais não alterados da rocha que deu origem ao solo, sendo normalmente o horizonte menos fértil do perfil.

c) O horizonte C corresponde à transição entre solo e rocha, apresentando, normalmente, em seu interior, fragmentos de rocha não alterados.

d) O horizonte B apresenta baixo desenvolvimento do solo, sendo um dos primeiros horizontes a se formar e o horizonte com a menor fertilidade em relação aos outros horizontes.

01. [ENEM]

Resposta:

a) Incorreto – as áreas de clima temperado não são as que apresentam maior pluviosidade, formando solos não necessariamente muito profundos.

b) Incorreto – nas áreas tropicais, a pluviosidade é mais acentuada. Além disso, mesmo que ela fosse menor, isso resultaria em rochas inalteradas muito profundas.

c) Incorreto – a presença de umidade não necessariamente determinada a profundidade dos solos.

d) Incorreto – como é possível observar no gráfico, a profundidade dos solos é elevada em regiões tropicais.

e) Correto – nas áreas equatoriais, de menores latitudes (onde se encontra a floresta tropical), as precipitações são elevadas, o que intensifica o intemperismo e contribui para o aumento da profundidade dos solos, que são bastante alterados.

02. [UNICAMP]

Resposta:

a) Incorreto – o material orgânico permanece na camada superior, que é a de cultivo, e não se incorpora em quantidades consideráveis nas camadas inferiores.

b) Incorreto – o horizonte A apresenta um grande nível de fertilidade em razão da presença de material orgânico e dos minerais da rocha original que foi decomposta.

c) Correto – como é possível observar na figura, o horizonte C apresenta alguns fragmentos rochosos, visto que essa camada é justamente a zona em que há a transição entre a rocha e processo de desgaste dos solos que se formam.

d) Incorreto – os horizontes superiores são os primeiros a serem formados. Os horizontes menos férteis são aqueles mais próximos à rocha-mãe.

Compartilhe nas redes sociais
Discussão

TOPO