Metrópole

Termo usado para denominar uma “cidade principal” que apresente grande influência para região.

1. Urbanização e Metropolização

O processo de metropolização está intimamente ligado com a dinâmica da urbanização, pois o crescimento das cidades cria uma interdependência entre aquelas que possuem certa proximidade geográfica, formando as redes urbanas. Essa rede urbana ocasiona um sistema de hierarquização, no qual algumas cidades se tornam dependentes de outras com maior infraestrutura, como hospitais, centros comerciais, instituições de ensino, etc.

“A metrópole é o centro de comando da economia e da política, das atividades culturais e de pesquisa.” (LUCCI, 2012, p. 101)

Foto: Getty Images
Região metropolitana de Nova Iorque, Estados Unidos. Foto: Getty Images

Assim, a metrópole é considerada como a cidade mais importante da região, comandando a região na qual se insere a conurbação. As metrópoles costumam ser influentes no cenário mundial, e até nas relações internacionais. Como conurbação é compreendido o fenômeno no qual as grandes concentrações urbanas ultrapassam os limites territoriais municipais, causando a junção dos municípios. Em alguns casos, torna-se complexo definir ao olhar o ponto em que os municípios se separam dos próximos.

2. Como são definidas as metrópoles?

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) possui critérios para definição dos níveis que compõem a hierarquia dos centros urbanos. São considerados como metrópoles os 12 principais centros urbanos brasileiros, caracterizados por suas proporções e seus relacionamentos. Além disso, são consideradas também as influências diretas que estas possuem. No Brasil, são consideradas:

  • Grande Metrópole: São Paulo;
  • Metrópole Nacional: Rio de Janeiro e Brasília;
  • Metrópole: Belém, Manaus, Recife, Fortaleza, Belo Horizonte, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre.

Além disso, são caracterizadas também as capitais regionais em três níveis (A, B e C), segundo suas influências.

Ilustração: Reprodução
Ilustração: IBGE/Reprodução

As regiões metropolitanas são constituídas por redes. Os deslocamentos de pessoas entre os municípios ocorrem por diversos motivos, seja entre as pessoas que migram diariamente às cidades maiores para desenvolver suas atividades profissionais, seja entre os pacientes que se deslocam à metrópole em busca de tratamentos mais modernos na área da saúde, os lojistas que viajam em busca de mercadorias para revenda, etc. Mas, a região metropolitana também enfrenta os desafios do crescimento urbano, concentrando, em alguns casos, a pobreza que é “retirada” das metrópoles. Ocorrem situações em que a cidade de maior proporção é também um destino turístico e, portanto, as pessoas que vivem em situações menos favorecidas economicamente são “empurradas” para as cidades que compõem a região metropolitana.

As tendências para os próximos anos mostram algumas modificações no cenário mundial em relação às metrópoles. Tóquio continua liderando em primeiro lugar (desde 1975 até as projeções para 2025), justamente por sua expressividade no contexto japonês. São Paulo também permanece na quinta posição.

Ilustração: Reprodução
Ilustração: Reprodução

As modificações em relação às metrópoles estão relacionadas com as dinâmicas mundiais no campo da política e economia, e são também influenciadas pelos acontecimentos recentes, como a crise financeira que assolou diversos países. Assim, a geografia urbana não é estática, mas está em constante transformação, em conjunto com a geopolítica.

Referências

LUCCI, Elian Alabi (Org.). Geografia: homem e espaço. 7º ano. 22ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
SILVA, Angela Corrêa da (Org.). Geografia: contextos e redes. São Paulo: Moderna, 2013.
SILVA, Edilson Adão Cândido da (Org.). Geografia em rede. 2º ano. São Paulo: FTD, 2013.

Luana Caroline
Por Luana Caroline

Graduada em Geografia (UNIOESTE), Especialista em Neuropedagogia (FAU) e Mestre em Geografia (UNIOESTE)

Teste seu conhecimento

1. [UNICAMP/2013] A metrópole industrial do passado integrava no espaço urbano diversos processos produtivos, ocorrendo uma concentração espacial das plantas de fábrica, da infraestrutura e dos trabalhadores. Na metrópole contemporânea predomina uma dispersão territorial das atividades econômicas e da força de trabalho. Nesta, a produção fabril tende a se instalar na periferia ou nos arredores do perímetro urbano, enquanto as atividades associadas ao poder financeiro, político e econômico concentram-se na área urbana mais adensada (Adaptado de Carlos de Matos, “Redes, nodos e cidades: transformação da metrópole latino-americana”, em Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro (org.), Metrópoles: entre a coesão e a fragmentação, a cooperação e o conflito. São Paulo: Editora Perseu Abramo; Rio de Janeiro: Fase, 2004, 157-196.)
Como principal característica da metrópole contemporânea, destaca-se:

a) a concentração da atividade industrial e das funções administrativas das empresas no mesmo local.
b) o aumento da densidade demográfica nas áreas do antigo centro histórico da metrópole.
c) a concentração do poder decisório da administração pública e das empresas em uma única área da metrópole.
d) a diversificação das atividades comerciais e de serviços na área do perímetro urbano.

 

2. [FGV-RJ/2011] Vivemos numa era verdadeiramente global, em que o global se manifesta horizontalmente e não por meio de sistemas de integração verticais, como o Fundo Monetário Internacional e o sistema financeiro. Muito da literatura sobre a globalização foi incapaz de ver que o global se constitui nesses densos ambientes locais (Saskia Sassen, 13 de agosto de 2011 http://www.estadao.com.br).
Assinale a alternativa que contém uma proposição coerente com os argumentos apresentados no texto:

a) As metrópoles não apenas sofrem os efeitos da globalização, mas são espaços que produzem a globalização.
b) As forças globais, tais como o FMI e os sistemas financeiros, não afetam os ambientes locais, desde que eles sejam densos.
c) Na escala global, os agentes operam horizontalmente, enquanto, na escala local, os agentes operam verticalmente.
d) A noção de escala global deixou de ter importância em geografia, já que o global só se revela por meio do local.
e) A globalização conferiu densidade a todos os ambientes locais, na medida em que suas forças atingem todos os lugares.

1. [D]

A metrópole contemporânea se caracteriza pela oferta das atividades comerciais, bem como pela prestação de serviços, sejam eles na saúde, educação ou no setor profissional.

 

2. [A]

Ao mesmo tempo em que as metrópoles são influenciadas pela globalização, elas próprias são espaços globalizados e globalizantes.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO