Megacidades

As megacidades são grandes extensões metropolitanas que superam os 10 milhões de habitantes.

O conceito de megacidades é oriundo de uma expressão arquitetada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Ela é utilizada a fim de referir uma cidade como uma área urbana que contenha 10 milhões ou mais de habitantes.

Publicidade

Esse termo tem sua importância no que tange o tamanho de âmbitos nacionais dessas cidades. Grandes metrópoles ao redor do mundo chegam a ter um contingente populacional tão grande que chega a ser superior a de alguns países.

Sob vários casos, as megacidades não são formadas por apenas um município. O que acontece é a chamada conurbação, onde áreas urbanas de municípios diferentes acabam se interligando.

Aqui no Brasil este conceito agrega as chamadas regiões metropolitanas, que interligam municípios diferentes a um mesmo contingente.

O processo é mais comum no Brasil e no México, mas muitas vezes ocorre em outros países, como os Estados Unidos, por exemplo.

megacidades
(Imagem: Reprodução)

As megacidades no Brasil e no mundo

A maior megacidade encontrada no Brasil fica na cidade de São Paulo. A capital paulista reúne uma imensa região metropolitana, e comporta uma população com mais de 20 milhões de habitantes.

Além dela, três outras megacidades brasileiras se destacam, como é o caso do Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

Publicidade

Já no mundo, as maiores megacidades se concentram na região asiática. É o caso da cidade de Tóquio, capital do Japão, que atinge o nível de metacidade, por abranger mais de 30 milhões de pessoas.

A região urbana da capital japonesa extrapola os limites municipais, abrangendo áreas periféricas. Esse caso do Japão é especial, uma vez que o país apresenta uma elevada densidade demográfica, ocasionando uma intensa aglomeração.

O número limitado de locais para moradia, o relevo do país, o grande número de montanhas, vulcões e áreas desniveladas… estes são alguns dos inúmeros motivos que levam os japoneses a se concentrarem na cidade de Tóquio, formando a metacidade.

Publicidade

Em seguida de Tóquio, grande parte das megacidades encontra-se nos países subdesenvolvidos. Cerca de 12 entre as 21 existentes são encontradas nos países emergentes ou subdesenvolvidos.

O segundo lugar é ocupado por Déli, na Índia, sendo seguida por São Paulo, com Mumbai, também na Índia em quarto. Em quinto, fechando a parte de cima da lista de megacidades está a Cidade do México.

Essas megacidades acabaram sendo consequência de um despreparo urbano para receber um contigente populacional enorme. Elevadas e aceleradas urbanizações acabaram provocando esse aumento significativo.

Problemas observados nas megacidades

Muitos problemas são verificados nas megacidades. Entretanto, os principais observados são:

  • Poluição atmosférica;
  • Crescimento progressivo da violência urbana;
  • Desigualdade social;
  • Poluição sonora e visual;
  • Proliferação de doenças de caráter alérgico;
  • Mobilidade Urbana deficiente;
  • Saneamento básico escasso;
  • Abastecimento de água e energia escasso;

Corrigindo os problemas

A urbanização desenfreada ocasionou o crescimento e a formação das megacidades nos países mais pobres. O grande problema é que a maioria dos problemas sociais enfrentados também se originou a partir desse contingente elevado incontrolável.

Publicidade

As estruturas não foram capazes de suportar, a favelização acabou se tornando um problema e uma parte da sociedade acabou marginalizada. Com pouco acesso à saúde, educação e lazer de qualidade, parcela significativa do povo acabou criando comunidades isoladas do centro urbano.

Isso agravou ainda mais os problemas, pois o descontrole impediu, por exemplo, a chegada do saneamento básico de qualidade e do abastecimento de água e energia na região.

Assim, torna-se obrigação por parte do estado o suporte aos cidadãos que são os menores culpados por esse crescimento progressivo. As megacidades precisam estender seu controle, atender à população e proporcionar uma cidade minimamente habitável.

Referências

AZEVEDO, Gislane e SERIACOPI, Reinaldo. Editora Ática, São Paulo-SP, 1ª edição. 2007, 592 p.

Mateus Bunde
Por Mateus Bunde

Graduado em Jornalismo pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Especialista em Linguagens pelo Instituto Federal Sul-Rio-Grandense (IFSul) e Mestrando em Comunicação pela Universidade do Porto, de Portugal (UP/PT).

Como referenciar este conteúdo

Bunde, Mateus. Megacidades. Todo Estudo. Disponível em: https://www.todoestudo.com.br/geografia/megacidades. Acesso em: 01 de July de 2022.

Teste seu conhecimento

01. [UFMG] Após a década de 50, verifica-se, no processo de urbanização de algumas regiões do mundo, a formação de megalópoles. Sobre esse tipo de região urbana, é incorreto afirmar que:

a) está associado às características do processo de urbanização típicas dos países desenvolvidos, sem condições de ocorrência nos países subdesenvolvidos.

b) apresenta uma grande área de conurbação, cuja constituição é orientada pelos eixos de crescimento das principais cidades da região.

c) ocorre em espaços onde se verificam fluxos intensos, decorrentes do dinamismo das atividades produtivas e de distribuição, entre outras.

d) foi identificado, primeiramente, nos EUA, mas, atualmente, é encontrado em outras áreas do mundo, notadamente em países da Europa e no Japão.

01. [A]

Compartilhe

TOPO