Mar Báltico

O Mar Báltico é o mar mais jovem do nosso planeta, formado aproximadamente entre 10.000 e 15.000 mil anos atrás, após a Era do Gelo mais recente.

A área de influência do Mar Báltico é quatro vezes maior do que o próprio mar, e inclui 14 países e mais de 85 milhões de habitantes.

Sua área de captação é a área de onde as águas superficiais e subterrâneas fluem para o mar. É por isso que as operações feitas em terra, como agricultura e habitação, também afetam o mar.

Dessa forma, esse mar possui nove estados costeiros: Finlândia, Suécia, Dinamarca, Alemanha, Polônia, Letônia, Lituânia, Estônia e Rússia.

mar báltico
Imagem: Reprodução

Características do Mar Báltico

O Mar Báltico é raso quando comparado aos oceanos e quase totalmente fechado. Sua água salgada flui ocasionalmente através dos estreitos dinamarqueses, trazendo água salgada do oceano para o mar.

Devido ao enorme escoamento de água doce da terra e à limitada entrada de água salgada dos estreitos dinamarqueses, a salinidade do Mar Báltico é muito menor do que a dos oceanos, e a água é considerada água salobra em vez de água do mar.

Essa característica torna o Báltico um ambiente desafiador para muitas espécies, uma vez que a água é muito doce para espécies marinhas, mas muito salgada para espécies de água doce.

Por isso, muitas espécies acabam vivendo no limite de seu conforto, e alguns animais são menores no Mar Báltico em comparação com suas contrapartes marinhas.

Nesse contexto, mesmo pequenas mudanças no mar podem ter efeitos dramáticos sobre os habitantes do Báltico.

A água no mar Báltico é estratificada. Ou seja, a água perto da superfície é mais quente, enquanto a água mais fria afunda até o fundo.

Essas camadas se misturam durante a primavera e o outono, à medida que as temperaturas mudam. A água também é estratificada como resultado de diferentes níveis de salinidade, devido à água mais salgada ser mais pesada e se fixar no fundo do mar.

Como resultado da área de captação grande e densamente povoada, a superficialidade e a estratificação de suas águas, o Mar Báltico é muito vulnerável.

Nutrientes e substâncias perigosas acumularam-se no mar durante séculos e ainda estão causando problemas, como a eutrofização.

Há ainda grandes áreas no fundo do mar estão mortas devido a más condições de oxigênio e o tráfego marítimo pesado aumenta o risco de acidentes, como derramamentos de óleo.

Clima e hidrografia do Mar Báltico

O clima no Mar Báltico é marcado por invernos longos e frios e os verões curtos e comparativamente mais quentes.

As temperaturas médias variam de cerca de -10°C a cerca de 17°C (no verão). O tempo nublado predomina, e o nevoeiro é mais freqüente na primavera e início do verão.

Os ventos tendem a ser variáveis ​​e geralmente não atingem a força do vendaval e a brisa do mar geralmente ocorre em regiões costeiras no verão.

Imagem: Reprodução

Hidrografia

O Mar Báltico é tão perto do litoral (e sua saída tão rasa) que suas águas são notavelmente frescas.

Seus rios mais longos, o Vístula e o Oder, drenam regiões que têm um clima continental temperado com baixas taxas de evaporação e ficam sobem de nível pelo degelo da primavera, o que reduz ainda mais a salinidade do Báltico.

A baixa salinidade e as águas costeiras rasas causam o acúmulo de gelo na cabeça do Golfo de Bótnia e na Finlândia na maioria dos invernos.

A navegação entre Estocolmo (Suécia) e Helsinque na Finlândia é possível, exceto nos invernos mais severos devido a formação de blocos de gelo.

O Báltico é protegido das fortes marés do Mar do Norte. Fortes ventos do nordeste podem causar ondas altas ao longo da costa sul, resultando em inundações costeiras; por outro lado, os ventos de sudoeste contribuíram para a formação de dunas de areia ao longo das costas alemã e polonesa e também causaram um acúmulo de água no norte do Báltico.

Aspectos econômicos do Mar Báltico

O mar Báltico já não é a principal via de comércio como foi na Idade Média, quando floresceu como o principal meio de comunicação entre os portos (Lübeck, Rostock, Visby e Gdańsk) da Liga Hanseática.

No entanto, a abertura do comércio para as Américas e o Caribe (meados do século XV até meados do século XVI) e o aumento do tamanho dos navios que navegavam levaram ao declínio da Liga Hanseática.

A construção do Canal de Kiel no final do século XIX e o desenvolvimento de ferrovias e rodovias no século XX começaram a mudar a natureza do comércio e do transporte no Mar Báltico.

A Segunda Guerra Mundial também trouxe mudanças políticas e econômicas para a região, e os padrões tradicionais de comércio foram alterados.

No século XXI, o número de embarcações oceânicas que navegam pela Jutlândia (península da Dinamarca e o extremo norte da Alemanha) é apenas uma fração do número de décadas anteriores e essas embarcações são menores tais como balsas e catamarãs.

Entretanto, cargas a granel de petróleo e carvão ainda são vistas por todas as rotas do Mar Báltico, e muitas exportações de minerais, madeira e produtos de madeira movem-se na direção oposta pelo mar em torno da Jutlândia.

Atualmente, os maiores valores em exportação pelo Mar Báltico são em bens de consumo, a maioria dos quais são transportados em contêineres para os portos do Mar do Norte de Hamburgo, na Alemanha, e Roterdã, Holanda.

Assim como a pesca no Báltico é menos importante do que no passado. A maioria das capturas consiste em arenque, bacalhau e espadilha, seguida por quantidades menores de enguia, salmão e marisco.

O Báltico foi dividido em zonas nacionais para a pesca, da mesma forma que o seu fundo foi dividido entre os países bálticos para a exploração de hidrocarbonetos, especialmente na costa leste.

Referências

Baltic Sea Action Group (BSAG) – Baltic Sea
O Mar Báltico – Alastair D. Couper, Alice F.A. Mutton

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Exercícios resolvidos

1. [PUC]

O ciclo hidrológico é a circulação contínua da água entre a terra, o mar e a atmosfera. Nesse ciclo, inclui-se a água potável, essencial à vida. Entre os condicionantes e as interferências da existência de água potável no planeta, é incorreto afirmar que:

a) A água potável é cada vez mais escassa no globo, em razão do uso crescente para irrigação, atividade industrial e abastecimento urbano;

b) As águas subterrâneas constituem os lençóis que alimentam os cursos d’água, impedindo o escoamento superficial;

c) A contaminação da água por substâncias tóxicas, como resíduos industriais ou agrotóxicos, agrava o quadro de escassez de água continental na superfície;

d) A emissão de resíduos poluentes é prejudicial à capacidade de regeneração da água, interferindo no controle de qualidade ambiental.

Resposta: B
a) Correta – a água em sua forma própria para consumo está cada vez mais indisponível em virtude do seu mau uso e conservação.

b) Incorreta – a dinâmica das águas subterrâneas não impede o escoamento superficial, haja vista que nem toda a água que está na superfície infiltra totalmente no solo.

c) Correta – a poluição hídrica é um dos principais fatores para a escassez de água, pois torna os recursos hídricos próprios para consumo como inutilizáveis.

d) Correta – a disseminação de elementos tóxicos prejudica a qualidade das águas, o que resulta em graves consequências ambientais.

2. [UFRN]

Em cada momento, uma grande parte do carbono que compõe o corpo de todos os seres vivos já esteve antes na atmosfera, e a ela volta na forma de dióxido de carbono (CO2). Durante o ciclo do carbono na natureza, um dos processos que garantem o retorno do carbono desses organismos para o ambiente abiótico é a

a) oxidação de nutrientes durante a respiração celular.

b) formação de moléculas complexas, como a glicose.

c) combinação desse elemento com o hidrogênio do ar.

d) ligação com átomos de nitrogênio para formar proteínas.

e) ligação com átomos de oxigênio.

Resposta: A
O processo de respiração celular promove o retorno do gás carbônico ao ambiente.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO