Inflação

Inflação é o termo utilizado em economia para falar da alta dos preços de um conjunto de produtos e serviços em um determinado período.

A inflação é um conceito econômico que representa o aumento persistente e generalizado do preço de uma cesta de produtos em um país ou região durante um período definido de tempo.

Quando ocorre o contrário – ou seja, quando os preços caem –, o termo utilizado é deflação.

Assim, se, por exemplo, uma cesta de produtos custa R$ 100 reais em julho e passa a ser vendida por R$ 150 reais em agosto, verifica-se uma inflação de 50% no mês.

Ela também representa a queda do poder aquisitivo em relação a elevação dos preços de bens e serviços.

inflação causas
Imagem: Reprodução

Quando a inflação se encontra em um nível muito baixo, ocorre a estabilização dos preços, e assim, o valor dos produtos não aumenta.

Causas da inflação

  • Inflação Monetária: Emissão exagerada e descontrolada de dinheiro por parte do governo;
  • Inflação de Demanda: Demanda por produtos (aumento no consumo) maior do que a capacidade de produção do país;
  • Inflação de Custos: Aumento nos custos de produção (máquinas, matéria-prima, mão-de-obra) dos produtos.
inflação no Brasil
Imagem: Reprodução

Efeitos da inflação

  • Perda do poder de compra das famílias;
  • Redução dos investimentos dos empresários, que podem ficar preocupados com os custos para produzir ou com a demanda dos consumidores;
  • Ambiente de incerteza sobre a economia pode paralisar projetos.

A inflação alta tem outros efeitos indesejados no longo prazo. Em particular, corrói o poder de compra.

Se os preços aumentam muito rapidamente, a quantidade de bens e serviços que uma nota de 100 reais, por exemplo, pode comprar diminui na mesma velocidade.

Isso prejudica quem faz mais transações com dinheiro vivo, particularmente os mais pobres.

inflação consequências
Imagem: Reprodução

Quando a inflação é alta ela também tende a ser mais volátil, isto é, a mudar muito de um mês ao outro. E o ambiente econômico fica bastante instável.

Essa condição econômica desestimula a tomada de decisão em prazos mais largos, em particular, investimentos em projetos de longa duração. E isso prejudica o crescimento de toda a economia de um país no longo prazo.

Os indicadores da inflação

No Brasil, existem vários índices que a medem e são referenciais.

Os principais são: IGP ou Índice Geral de Preços (calculado pela Fundação Getúlio Vargas), IPC ou Índice de Preços Ao Consumidor (medido pela FIPE – Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), INPC ou Índice Nacional de Preços ao Consumidor (medido pelo IBGE) e IPCA ou Índice de Preços ao Consumidor Amplo (também calculado pelo IBGE).

O IPC, por exemplo, considera o consumo de famílias com renda até 33 salários mínimos que vivem no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Já o o IGP-M é calculado a partir de outros índices. O IPCA, de maior abrangência, pesquisa famílias com renda de até 40 salários mínimos em pelo menos 10 grandes capitais brasileiras.

Enquanto que o ICV, calculado pelo DIEESE, considera apenas os preços de alimentação, transporte, saúde e habitação, praticados na cidade de São Paulo.

Referências

Banco Central – O que é inflação?

O Economista – Conceito de inflação, o que é e como se forma?

 

Luana Bernardes
Por Luana Bernardes

Graduada em História pela Universidade Estadual de Maringá (UEM) e pós-graduada em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela mesma Universidade.

Teste seu conhecimento

01. [PUCCAMP]:

O reconhecimento, por parte dos teóricos do capitalismo, de que o atual estágio da economia requeria a reformulação das concepções liberais, especialmente no que toca à atuação do Estado, deu origem a uma doutrina batizada de neoliberalismo. Algumas de suas bases são:

a) A revisão do sistema de propriedade agrária com a promoção de reforma agrária gradual, como que se busca reequilibrar a distribuição da população entre o campo e os centros urbanos.

b) A criação de políticas assistencialistas com o objetivo de reduzir as diferenças sociais por meio do apoio financeiro e centrais sindicais e organizações não governamentais.

c) A intervenção estatal nos mais amplos setores produtivos a fim de garantir empregos, salários e estimular a participação dos trabalhadores nos lucros a partir de determinados índices de produtividade.

d) A atuação do Estado para garantir estabilidade econômica por meio do controle de taxas de juros, estabelecimentos de políticas cambiais e privatização de setores antes considerados estratégicos.

 

02. [UFRJ]: 

A história em quadrinhos apresenta uma característica fundamental do modo de produção capitalista na atualidade e uma política estatal em curso em muitos países desenvolvidos.
Essa característica e essa política estão indicadas em:

a) liberdade de comércio – ações afirmativas para grupos sociais menos favorecidos

b) sociedade de classe – sistemas de garantias trabalhistas para a mão de obra sindicalizada

c) economia de mercado – programas de apoio aos setores econômicos pouco competitivos

d) trabalho assalariado – campanhas de estímulo à responsabilidade social do empresariado

01. [PUCCAMP]

Resposta: D

a) Incorreto – No contexto do Neoliberalismo e da Economia de Mercado, não há a preocupação de ampliar a Reforma Agrária, mas sim a produção em latifúndios para exportações de matérias-primas.

b) Incorreto – Para o Neoliberalismo, a luta sindical torna-se um problema que atrapalharia o bom funcionamento das leis de mercado.

c) Incorreto – Não há intervenção estatal no contexto neoliberal, mas sim a defesa do Estado Mínimo.

d) Correto – Controlar o mercado financeiro e o consumo através do aumento ou redução das taxas de juros, políticas cambiais e privatizações são premissas básicas do neoliberalismo.

 

02. [UFRJ]

Resposta: C

A tirinha pode ser entendida como uma crítica metafórica ao Capitalismo e à economia de mercado. Primeiramente, a economia centra-se na lei da oferta e da procura e, quando essa encontra as suas limitações, acaba procurando a ajuda e a intervenção do Estado para salvar o mercado privado através de benefícios e incentivos fiscais.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO