Floresta Amazônica

Conhecida como “pulmão do mundo” a Floresta Amazônica sofre atualmente a ação do desmatamento ilegal.

Foto: Reprodução
Vista aérea da Floresta Amazônica. Foto: Reprodução

O Geógrafo Aziz Ab’Saber classificou os domínios morfoclimáticos brasileiros com base em características morfológicas, climáticas e fitogeográficas comuns. Dentre eles, está o Domínio Amazônico, representado por terras baixas e florestas equatoriais (LUCCI, 2010).

Ilustração: Reprodução
Ilustração: Reprodução

A floresta Amazônica é conhecida mundialmente pela expressividade de sua extensão, constituindo o maior domínio natural do Brasil, e sendo reconhecida como a mata com maior biodiversidade (variedade do meio natural) do mundo. A floresta é adaptada ao clima equatorial, com altas temperaturas e umidade, com chuvas abundantes. A floresta Amazônica não está presente apenas no território brasileiro, mas também em partes da Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia, Equador, Suriname, Guiana e também na Guiana Francesa.

“O bioma Amazônia abrange uma área de 4,2 milhões de km2 (49,3% do território nacional). Representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e detém grande parte da biodiversidade global. É formado principalmente por florestas densas e abertas, porém abriga uma diversidade de outros ecossistemas, como florestas estacionais, florestas de igapó, campos alagados, várzeas, savanas, refúgios montanhosos, campinaranas e formações pioneiras. Esse bioma abriga vastos estoques de madeira comercial e de carbono, possui uma grande variedade de produtos florestais não madeireiros que permite a manutenção de diversas comunidades locais. Abriga a maior rede hidrográfica do mundo e concentra 15% das águas doces superficiais não congeladas do planeta.” (SNIF, 2014)

Assim, observa-se a importância da floresta Amazônica para o Brasil, mas não apenas para este, como para todo planeta, já que essa expressiva área florestal já foi intitulada de “pulmão do mundo”, por sua capacidade de filtrar o oxigênio. Essa ideia, difundida durante anos, já foi desmistificada por pesquisadores que afirmam que a maior produção de oxigênio não é da floresta, mas sim advinda das algas marinhas. Segundo estes pesquisadores, florestas como a Amazônica produzem muito oxigênio, mas o consomem em sua quase totalidade. De qualquer forma, é inegável a importância da Amazônia para preservação das muitas espécies que se desenvolvem neste tipo de floresta.

Todos os domínios morfoclimáticos (ou biomas) sofrem interferências humanas, alterando suas propriedades naturais, com finalidades diversas. Com o Domínio Amazônico não poderia ser diferente.

“A exploração da Amazônia intensificou-se a partir de 1970, quando o governo militar decidiu transformar a região numa nova frente de colonização, ou seja, incentivar as atividades produtivas e estimular a ocupação humana na região.” (LUCCI, 2010, p. 270)

Durante os anos, a Amazônia sofreu diversas intervenções, tanto pela pressão exercida pela população, como para instalação de empreendimentos agropecuários e de extração de minerais, bem como para execução de projetos para geração de energia. Nas últimas décadas, a floresta Amazônica tem sido devastada com a finalidade da plantação de soja, assim como para criação de gado. A derrubada da floresta é um dos problemas ambientais contemporâneos mais debatidos, muito embora continue acontecendo constantemente de maneira ilegal. Apesar da vigilância, inclusive por satélite, a extensão da floresta Amazônica dificulta que toda sua vastidão seja controlada. Para mais informações, é possível acessar o site do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia.

1. Características

  • Flora: A floresta Amazônica é composta por tipos variados de plantas, além de uma ampla variedade de espécies na fauna. A floresta está sempre verde, pois as folhas são acostumadas com o clima úmido, e as árvores não perdem suas folhas no inverno (perenifólia). A heterogeneidade da floresta Amazônica é composta por: Floresta de Igapó (ocorre em solos bem alagados, principalmente em rios de água branca), Floresta de Várzea (árvores de grande porte, especialmente em rios de água preta), Floresta de terra firme (presente nas terras altas, árvores de grande porte) e Campinaranas ou Caatingas do Rio Negro (árvores de porte mais baixo, com troncos mais finos e espaçados).
  • Solos: O tipo de solo presente na floresta Amazônica tem relação com os altos índices pluviométricos e as altas temperaturas. São solos com baixa fertilidade natural, com baixa capacidade de nutrientes. Para que esse tipo de solo consiga produzir outras espécies de plantas não nativas, em muitas ocasiões é necessária intervenção de produtos químicos, que equilibram as propriedades do solo, tornando-o mais fértil.
  • Fauna: A fauna da floresta Amazônica é rica em quantidade de espécies, muito embora a densidade da floresta esconda boa parte dos animais existentes. Existem diversos mamíferos, aves, répteis, peixes e insetos que sobrevivem dos recursos que a floresta oferece.
  • Hidrografia: A Amazônia comporta a maior bacia hidrográfica do mundo, a Bacia Amazônica. O principal rio da bacia é o Rio Amazonas, maior do mundo em extensão e volume de águas. Os rios da Amazônia possuem a maior diversidade no que se refere à fauna fluvial do mundo, contando com mais de 1500 espécies de peixes catalogados.

Assim, a preservação da floresta Amazônica é também a garantia da sobrevivência de diversas espécies vegetais e animais que se desenvolvem no interior desta. Além disso, existem diversos povos indígenas e ribeirinhos que dependem da floresta para sua subsistência, retirando desta os recursos que necessitam para sobreviver.

2. Sugestões complementares

Filme “Amazônia em chamas” (The burning season). Direção de John Frankenheimer. EUA, 1994. O filme conta a história de Chico Mendes contra o desmatamento na Amazônia.

Referências

SNIF. Sistema Nacional de Informações Florestais. Os Biomas e suas florestas. Brasília, 2014. Disponível em: florestal.gov.br
LUCCI, Elian Alabi (Org.). Território e Sociedade no mundo globalizado: Geografia – Ensino Médio. V. 1. São Paulo: Saraiva, 2010.

Luana Caroline
Por Luana Caroline

Graduada em Geografia (UNIOESTE), Especialista em Neuropedagogia (FAU) e Mestre em Geografia (UNIOESTE)

Teste seu conhecimento

1. [ENEM/2008] Calcula-se que 78% do desmatamento na Amazônia tenha sido motivada pela pecuária – cerca de 35% do rebanho nacional está na região – e que pelo menos 50 milhões de hectares de pastos são pouco produtivos. Enquanto o custo médio para aumentar a produtividade de 1 hectare de pastagem é de 2 mil reais, o custo para derrubar igual área de floresta é estimado em 800 reais, o que estimula novos desmatamentos. Adicionalmente, madeireiras retiram as árvores de valor comercial que foram abatidas para a criação de pastagens. Os pecuaristas sabem que problemas ambientais como esses podem provocar restrições à pecuária nessas áreas, a exemplo do que ocorreu em 2006 com o plantio da soja, o qual, posteriormente, foi proibido em áreas de floresta. Época, 3/3/2008 e 9/6/2008 (com adaptações). A partir da situação-problema descrita, conclui-se que:

a) o desmatamento na Amazônia decorre principalmente da exploração ilegal de árvores de valor comercial.
b) um dos problemas que os pecuaristas vêm enfrentando na Amazônia é a proibição do plantio de soja.
c) a mobilização de máquinas e de força humana torna o desmatamento mais caro que o aumento da produtividade de pastagens.
d) o superavit comercial decorrente da exportação de carne produzida na Amazônia compensa a possível degradação ambiental.
e) a recuperação de áreas desmatadas e o aumento de produtividade das pastagens podem contribuir para a redução do desmatamento na Amazônia.

2. [UNIFESP/2009] A Amazônia brasileira possui atributos físicos que a individualizam no território brasileiro e a tornam atraente a investimentos externos.

a) Aponte e descreva as características físicas que a tornam um importante reservatório hídrico.
b) Aponte e comente dois usos da água na Amazônia contemporânea relacionados ao capital internacional.

1. [E]

Embora outras respostas possam parecer corretas, é preciso prestar atenção ao que pede a questão. A interpretação do texto é fundamental para descobrir a resposta correta. Dentre as respostas possíveis, a letra E é a que oferece a interpretação correta do texto.

2.

a) Clima quente e úmido, elevado índice pluviométrico anual, extensas bacias hidrográficas, com grande número de rios caudalosos.

b) Aproveitamento hidrelétrico para o beneficiamento de minerais e alto índice de aproveitamento de água na agropecuária, sobretudo para o cultivo de soja e na pecuária bovina para produção e exportação de carne.

Compartilhe nas redes sociais

TOPO